Metodologias e arqueologia pré-colonial no Brasil: implicações epistemológicas e teóricas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v36i1.1009

Palavras-chave:

Arqueologia pré-colonial e etnologia indígena, Metodologias de campo e de análise em arqueologia, Implicações epistemológicas e teóricas, Arqueologia no Brasil

Resumo

A escrita deste texto impôs-se a partir da falta de articulação entre arqueólogos especialistas na época pré-colonial e etnólogos, o que revela o empobrecimento dos conhecimentos produzidos por ambas as áreas no Brasil. O objetivo da pesquisa é, através da discussão acadêmica sobre metodologias de campo e de análise (se é que é possível separar tão nitidamente estas etapas do trabalho de produção de conhecimentos arqueológicos), refletir sobre as várias possibilidades de se fazer arqueologia e, com isto, contribuir para a compreensão mais qualificada dos coletivos indígenas pré-coloniais no Brasil, objetivo e objeto de todos os arqueólogos pré-historiadores. Inicialmente, partiu-se da reflexão, desde o ponto de vista teórico-metodológico, sobre a relação entre a Arqueologia Pré-colonial e a Etnologia Indígena, a partir de um panorama, mas enfatizando o contexto brasileiro. Ao final, pretendeu-se discutir e problematizar métodos e técnicas utilizados pela comunidade arqueológica brasileira durante os trabalhos de campo e na análise das informações e materiais recolhidos, a fim de refletir sobre as implicações epistemológicas e teóricas advindas do emprego de determinada metodologia, apontando para ênfases e prioridades, sem o intuito, contudo, de enrijecer ou de normatizar classificações ou tipificações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sergio Baptista da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social.

Referências

BARTH, Fredrik. Cosmologies in the Making: A Generative Approach to Cultural Variation in Inner New Guinea. Cambridge (UK): Cambridge University Press, 1987.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Antropologia do Brasil: mito, história e etnicidade. São Paulo: Brasiliense: Edusp, 1986.

DAVID, Nicholas; KRAMER, Carol. Teorizando a etnoarqueologia e a analogia. Horizontes Antropológicos, v. 8, n. 18, p. 13-60, 2002.

FLANNERY, Kent V.; MARCUS, Joyce. Cognitive Archaeology. In: WHITLEY, D. S. (ed.). Reader in Archaeological Theory: Post-Processual and Cognitive Approaches. London (UK): Routledge, 1998. p. 35-48.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 1997.

GEERTZ, Clifford. Ritual and Social Change: A Javanese Example. American Anthropologist, v. 59, n. 1, p. 32-54, 1957.

LEACH, Edmund. L’unité de l’homme. Paris (FRA): Gallimard, 1980.

LEMOS, Caroline Murta; PELLINI, José Roberto. A teoria na prática arqueológica: uma conversa sob a luz do luar. Habitus, v. 9, n. 1, p. 333-47, 2011.

LEROI-GOURHAN, André. Leçon inaugurale faite le vendredi 5 décembre 1969. Paris (FRA): Collège de France, 1970.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. Lisboa (POR): Edições 70, 1981.

LEWIS-WILLIAMS, James David. The Economic and Social Context of Southern San Rock Art. Current Anthropology, v. 23, n. 4, p. 429-449, 1982.

MARCUS, George. Parody and the Parodic in Polynesian Cultural History. Cultural Anthropology, v. 3, n. 1, p. 68-76, 1988.

NOVAES, Sylvia Caiuby. Jogo de espelhos: imagens da representação de si através dos outros. São Paulo: Edusp, 1993.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. Problemas e hipóteses relativos à fricção interétnica: sugestões para uma metodologia. Revista do Instituto de Ciências Sociais, v. 4, n. 1, p. 41-91, 1967.

POLITIS, Gustavo. Acerca de la etnoarqueología en América del Sur. Horizontes Antropológicos, v. 8, n. 18, p. 61-91, 2002

SAHLINS, Marshall. Islands of History. Chicago (USA): University of Chicago Press, 1985.

SEEGER, Anthony. Os índios e nós: estudos sobre sociedades tribais brasileiras. Rio de Janeiro: Campus, 1980.

SILVA, Aracy Lopes da. Tradições, inovações e criatividade: a análise comparativa de cosmologias vistas como processo. Anuário Antropológico, v. 13, n. 1, p. 189-207, 2018 [1989].

SILVA, Sergio Baptista da. Etnoarqueologia dos grafismos kaingang: um modelo para a compreensão das sociedades Proto-Jê meridionais. 2001. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

TEIXEIRA-BASTOS, Marcio; FERREIRA, Lucio Menezes; HODDER, Ian. Isso não é um artigo: dialogando com Ian Hodder sobre a virada ontológica em arqueologia. Revista de Arqueologia, v. 33, n. 2, p. 118-134, 2020.

WHITLEY, David S. New Approaches to Old Problems: Archaeology in Search of an Ever-Elusive Past. In: WHITLEY, D. S. (ed.). Reader in Archaeological Theory: Post-Processual and Cognitive Approaches. London (UK): Routledge, 1998. p. 1-28.

WILLIAMS, Eduardo. Introducción: la etnoarqueologia como antropología. In: WILLIAMS, E. (ed.). Etnoarqueología: el contexto dinámico de la cultura material a través del tiempo. Zamora de Hidalgo (MEX): El Colegio de Michoacán, 2005. p. 13-33.

YENGOYAN, Aram. Cultural Forms and a Theory of Contraints. In: Becker, A. L.; Yengoyan, A. (org.). The Imagination of Reality: Essays in Southeast Asian Coherence Systems. New Jersey (USA): Ablex Publishing, 1979.

YENGOYAN, Aram. Language, Myth and Ontology in Aboriginal Australia: The Pitjantjatjara of Central Australia. Cambridge (USA): Anthropology Department Seminar, Harvard University, 1988.

Downloads

Publicado

2023-01-18

Como Citar

SILVA, Sergio Baptista da. Metodologias e arqueologia pré-colonial no Brasil: implicações epistemológicas e teóricas. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 36, n. 1, p. 184–198, 2023. DOI: 10.24885/sab.v36i1.1009. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/1009. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigo