Cemitério dos desvalidos do Rio de Janeiro antigo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v35i3.1018

Palavras-chave:

Cemitérios, Desvalidos, Arqueologia Histórica

Resumo

O artigo apresenta os espaços cemiteriais distribuídos pelas ruas do centro do Rio de Janeiro que eram destinados aos desvalidos, grupo de pessoas que não tinham condições financeiras para pagar os dispendiosos enterros no interior das Igrejas, durante os séculos XVII a XIX. Em virtude disso, seus corpos eram depositados em espaços públicos como Largos, Campos e Rocios que eram administrados pela Irmandade da Misericórdia. De acordo com a documentação histórica foi possível fazer um levantamento bibliográfico e constatou-se a existência de sete cemitérios, sendo que em quatro deles foram feitas intervenções arqueológicas que encontraram evidências materiais de ossos humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Luiza Silveira de Berredo e Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda em Arqueologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGARq-Museu Nacional/UFRJ)

 

Madu Gaspar, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Docente Colaboradora Voluntária da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGARq-Museu Nacional/UFRJ)

Claudia Rodrigues-Carvalho, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Docente na pós-graduação em Arqueologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGARq-
Museu Nacional/UFRJ)

Referências

ANDRADE, Cilcair; VITALINO, Claudia; CRESPO, Jeane; BIANCHINI, Gina; GASPAR, Madu. Patrimônio, Conservação e Comunicação. Educação patrimonial nas ruas do Rio: respeito, apropriação e legitimação, o caso do Cemitério do Largo de Santa Rita. V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico. Museu de Astronomia e Ciências Afins. Rio de Janeiro. 2019.

ANDRADE LIMA, Tania; SENE, Glaucia; MORGADO, Andrea. Monitorando transformações: Arqueologia do Morro do Castelo, Rio de Janeiro. Revista de Arqueologia, 33(1), 28–54. 2020. DOI: https://doi.org/10.24885/sab.v33i1.723

ARIÈS, Pierre. O Homem Diante da Morte. Editora Unesp, São Paulo,1977.

BEAUDRY, Mary. Documentary Archaeology in the New World. New Directions in Archaeology, Cambridge University Press, Cambridge, England, 1988.

BEAUDRY, Mary; COOK, Lauren; MROZOWSKI, Stephen. Artefatos e vozes ativas: cultura material como discurso social. Vestígios - Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, 1(2):72-114, 2007. DOI: https://doi.org/10.31239/vtg.v1i2.10731

CAMPOS, E. Santa Casa de Misericórdia de Santos: primeiro hospital fundado no Brasil; sua origem e evolução 1543-1943. Elvino Pocai, São Paulo, 1943.

CARVALHO, Eliana; VARGAS, C.; MACHADO, Lilia; CAMPOS, G. O Cemitério dos Pretos Novos. Uma abordagem Interdisciplinar. Resumo. In SAB 2001 – Arqueologia no Novo Milênio. XI Congresso de Arqueologia Brasileira. Rio de Janeiro, 2001.

CAVALCANTI, Nireu. O Rio de Janeiro setecentista: a vida e a construção da cidade da invasão francesa até a chegada da corte. Zahar, Rio de Janeiro, 2004.

COARACY, Vivaldo. Memórias da cidade do Rio de Janeiro. (2 ed.). Coleção Rio 4 Séculos. 3vols. Rio de Janeiro, 1965.

DEAGAN, Keatlhen. Neither history nor prehistory: the Questions that count in historical archaeology. Historical Archaeology, 22, 7–12. 1988

DOMINGUES, P. Frentenegrinas: notas de um capítulo da participação feminina na história da luta anti-racista no Brasil. Cadernos Pagu (28), janeiro-junho, 345-374, 2007.

EMENES, J. Determinação do Número Mínimo de indivíduos de Remanescentes Humanos escavados da Praça XV. Relatório de Iniciação Biotecnológica IV. 2018.

FAZENDA, José. Antiqualhas e Memórias do Rio de Janeiro. In Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. t. 88-89, v. 142-143. Rio de Janeiro, 1921.

FREIREYSS, G. Viagem ao Interior do Brasil. Editora Itatiaia Ltda. Belo Horizonte, 1982.

FRIDMAN, F.; MACEDO, V. A ordem urbana religiosa no Rio de Janeiro colonial. Urbana: Revista Eletrônica Do Centro Interdisciplinar De Estudos Sobre a Cidade, 1(1), 1-21. 2013

GASPAR, Madu, VENTURINI, Iramar; BAUMMAN, Tereza; ANDRADE, Cilcair. Levantamento Histórico do Relatório Final do Programa de prospecção e monitoramento do patrimônio histórico e arqueológico na área de implantação do sistema veículo Leve sobre trilhos - VLT, Etapa II. Rio de Janeiro, 2017.

GASPAR, Madu, VENTURINI, Iramar; BAUMMAN, Tereza; ANDRADE, Cilcair; SABA, Ana. Projeto Integrado de Educação Patrimonial Arqueologia nas Ruas do Rio. Relatório Final Volume VIII. 2020.

GERSON, Brasil. Histórias das ruas do Rio. (6 ed.). Bem-Te-Vi, Rio de Janeiro, 2015).

GONÇALVES, A. Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro: terras e fatos. Secretaria Municipal das Culturas, Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2004.

JAEGER, L.; TAGLIORETTI, V.; FUGASSA M.; DIAS, O.; NETO, J.; INIGUEZ, A. M. Paleoparasitological results from XVIII century human remais from Rio de Janeiro, Brazil. Acta Tropica, 125. 282-286. 2013.

LAPA, José. Contribuição à História da pobreza no Brasil (1850-1930). Campinas, Editora da UNICAMP, Editora da USP. São Paulo, 2008.

LESSA, Andrea; TAVARES, Reinaldo; CARVALHO-RODRIGUES, Claudia. Paisagem, morte e controle social: o Valongo e o Cemitério dos Pretos Novos no contexto escravocrata do Rio de Janeiro nos séculos XVIII e XIX. Revista Paisagens Híbridas. 1(1) 132-161. 2018.

LIMA, Tania. De morcegos e caveiras a cruzes e livros: a representação da morte nos cemitérios cariocas do século XIX (estudo de identidade e mobilidade sociais). Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, 2(1) 87–150. 1994.

LIMA, Tania. Construção do Edifício Comercial da Academia Nacional de Medicina - Relatório final de monitoramento arqueológico. Depositado na Superintendência do Iphan no Rio de Janeiro, 2010.

LUCCOCK, John. Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1975.

MACHADO, Lilian. Sítio Cemitério dos Pretos Novos: Análise Biocultural – interpretando os ossos e os dentes humanos. In: Dias, O., Carvalho, E., Zimmermann, M. (Orgs.). Estudos Contemporâneos de Arqueologia. (p. 11–58.) Palmas: UNITINS / IAB. 2006.

MALHEIROS, A. A escravidão no Brasil – Ensaio histórico-jurídico-social. Typographia Nacional. Rio de Janeiro, 1886.

MORTARI, Claudia. Os homens pretos do Desterro. Um estudo sobre a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário (1841-1860). Dissertação (Mestrado em História). PUCRS, Porto Alegre, 2000

NARA JÚNIOR, João. O Cemitério de Pretos Novos de Santa Rita: História social e Arqueologia da transição no complexo escravagista do Rio de Janeiro setecentista. Tese (Doutorado em arqueologia). Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

NORONHA SANTOS. Introdução e Anotações. In SANTOS, 1821. Memórias para Servir à História do Reino do Brasil. 1821.

PEREIRA, João. À Flor da Terra: o cemitério dos pretos novos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Garamond – IPHAN. 2007.

REIS, João. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. Cia. das Letras, São Paulo, 1991

RODRIGUES, Claudia. Lugares dos mortos na cidade dos vivos. Rio de Janeiro: Divisão de Editoração C/DGDI. 1997.

RODRIGUES, Claudia. A criação dos cemitérios públicos do Rio de Janeiro enquanto “campos santos” (1798-1851). Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 8, 257-278. 2014.

TAVARES, Reinaldo. Cemitério dos Pretos Novos, Rio de Janeiro, Século XIX: uma tentativa de delimitação espacial. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

TAVARES, Reinaldo. O Valongo através de um outro olhar: Arqueologia da paisagem do complexo escravista do Rio de Janeiro no século XIX. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

VARGAS, C. Africanos Novos Na Gamboa. Um Portal Arqueológico. Catálogo de Exposição. Secretaria das Culturas – Departamento Geral de Patrimônio Cultural. Rio de Janeiro: Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 2001.

WALSH, Robert. Notícias do Brasil. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1985.

MAPAS

BETANCOURT, F. A. (1791-1803). Plano da cidade do Rio de Janeiro elevado em 1791 ao Ilmo. Senhor Concelheiro Luis Beltrão de Gouveia de Almeida chanceller da rellação desta cidade.

Biblioteca Nacional (1820). Plan de la ville de S. Sebastião de Rio de Janeiro.

VAZ FIGUEIRA, A. (1750). Carta Topográfica da Cidade de São Sebastião do Rio Janeiro.

PERIÓDICOS HISTÓRICOS

Almanak Laemmert. Administrativo, Mercantil e Industrial (RJ) - 1891 a 1940.

Arquivo Histórico Ultramarinho, Rio de Janeiro, cx.6, doc. 15; AHU, CU-017, cx.6, D.565. 26 de setembro, LISBOA, Balthazar, Annaes do Rio de Janeiro, 1695.v. VII

Arquivo Histórico Ultramarinho, Rio de Janeiro, cx 8, docs.69,99; AHU, CU, -017, cx 8, D.876, 10 de março de 1710

Jornal A Notícia. Anno IV, edição 00243, N.233. Rio de Janeiro, 13 de outubro de 1897.

Gazeta de Notícias. Anno XXX, edição 00267, N.237. Rio de Janeiro, 24 de setembro de 1903. Página 2.

Revista do Archivo Municipal do Distrito Federal, 1896, v.3, p.396‐397. In: Ordens Religiosas –Aforamentos 1579‐1790‐ Códice 2‐4‐9, p. 38 v. AGCRJ.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

SILVA, A. L. S. de B. e .; OLIVEIRA, M. D. B. G. de; RODRIGUES-CARVALHO, C. Cemitério dos desvalidos do Rio de Janeiro antigo. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 35, n. 3, p. 69–90, 2022. DOI: 10.24885/sab.v35i3.1018. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/1018. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)