Duas décadas depois da publicação do artigo “Da pré-história à história indígena”

Autores

  • Jorge Eremites de Oliveira Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v36i1.1067

Palavras-chave:

Arqueologia indígena, Arqueologia do pantanal, Etnoarqueologia, História indígena, Povo Guató

Resumo

Este artigo apresenta uma análise dos estudos realizados após a publicação, em 2003, do artigo “Da pré-história à história indígena”, que constitui o resumo de sua tese de doutoramento, sobretudo no que se refere à continuidade de pesquisas etnoarqueológicas e etno-históricas no Pantanal e regiões adjacentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Eremites de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutor em História/Arqueologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professor e pesquisador do Instituto de Ciências Humanas (ICH) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), instituição em que atua como docente no curso de graduação em Arqueologia e nos Programas de Pós-Graduação em Memória Social e Patrimônio Cultural (PPGMP) e em História (PPGH). Bolsista de produtividade em pesquisa, nível 1D, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Referências

ALMAS. Direção: Joel Pizzini. Rio de Janeiro: Riofilme, 2004. Streaming (109 min).

ALMEIDA, M.A.D. A presença ausente do Estado brasileiro na reserva indígena de Dourados, Mato Grosso do Sul: compreendendo a questão da violência e da segurança pública à luz do direito e da antropologia. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2014.

ARAÚJO E SILVA, M. A identidade étnica da criança Guató da aldeia Uberaba, região do Pantanal (Corumbá – Mato Grosso do Sul). Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2012.

BRAUDEL, F. História e ciências sociais. Trad. de Rui Nazaré. 6. ed. Lisboa (POR): Presença, 1990.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. A utilização da analogia etnográfica no estudo dos aterros da região pantaneira de Corumbá, MS. Revista de Arqueologia, v. 8, n. 2, p. 159-167, 1994.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Os argonautas Guató: aportes para o conhecimento dos assentamentos e da subsistência dos grupos que se estabeleceram nas áreas inundáveis do Pantanal Matogrossense. Dissertação (Mestrado em História/Arqueologia) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1995.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Guató: argonautas do Pantanal. Porto Alegre: Edipucrs, 1996.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Da pré-história à história indígena: (re)pensando a arqueologia e os povos canoeiros do Pantanal. Tese (Doutorado em História/Arqueologia) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002a.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. A arqueologia brasileira da década de 1980 ao início do século XXI: uma avaliação histórica e historiográfica. Estudos Ibero-Americanos, v. 28, n. 2, p. 25-52, 2002b.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Da pré-história à história indígena: (re)pensando a arqueologia e os povos canoeiros do Pantanal. Revista de Arqueologia, v. 16, p. 71-86, 2003a.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Los primeros pasos en dirección de una arqueología pantanera: de Max Schmidt y Branka Susnik hacia otras interpretaciones sobre los pueblos indígenas de las tierras bajas del Pantanal. Suplemento Antropológico, v. 38, n. 2, p. 9-72, 2003b.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. As origens do povoamento indígena do Pantanal: aportes para uma nova revisão arqueológica. Pós-História, v. 11, p. 159-184, 2003c.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Arqueologia das sociedades indígenas no Pantanal. Campo Grande: Oeste, 2004.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Os primeiros passos em direção a uma arqueologia pantaneira: de Max Schmidt e Branka Susnik a outras interpretações sobre os povos indígenas nas terras baixas do Pantanal. Revista de Arqueologia, v. 20, p. 83-115, 2007.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Arqueologia pantaneira: história e historiografia (1875-2000). Dourados, MS: Editora UFGD, 2008a.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Os antigos pescadores-caçadores-coletores do Pantanal. In: LAPONTE, D.; ACOSTA, A. (Orgs.). Entre la tierra y el água: arqueología de humedades de Sudamérica. Buenos Aires: Instituto Nacional de Antropología y Pensamiento Latinoamericano, p. 61-76, 2008b.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Prefácio. In: PEREIRA, L.M (Org.). Os Terena de Buriti: as formas organizacionais, territorialização da identidade étnica. Dourados: Editora da UFGD, 2009. p. 9-14.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. A história indígena no Brasil e em Mato Grosso do Sul. Espaço Ameríndio, v. 6, p. 178-218, 2012a.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Sistema de assentamento e processo de territorialização entre os Terena da terra indígena Buriti, Mato Grosso do Sul, Brasil. Habitus, v. 9, p. 166-196, 2012b.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. A humanização das paisagens pantaneiras pelos povos indígenas: um estudo sobre o uso e manejo da palmeira acuri pelos Guató. In: MORETTI, E.C.; BANDUCCI JUNIOR, Á. (Orgs.). Pantanal: territorialidades, culturas e diversidade. Campo Grande: Editora UFMS, 2012c. p. 89-116.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. O uso da arqueologia para a produção de laudos antropológicos sobre terras indígenas em Mato Grosso do Sul, Brasil. Tellus, v. 22, p. 27-48, 2013.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Jus Sperniandi: proposta de criação de uma graduação em antropologia em Mato Grosso do Sul, Brasil. Cadernos do LEPAARQ, v. 11, p. 9-43, 2014a.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Os milenares. Revista de História da Biblioteca Nacional, v. 100, p. 21-25, 2014b.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. (Re)aproximando os campos da antropologia social e da arqueologia no Brasil: etnoarqueologia em laudos antropológicos judiciais sobre terras indígenas em Mato Grosso do Sul. In: PACHECO DE OLIVEIRA, J., MURA, F.; SILVA, A.B.D. (Orgs.). Laudos antropológicos em perspectiva. Brasília, DF: ABA, 2015. p. 234-261.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Etnoarqueologia, colonialismo, patrimônio arqueológico e cemitérios Kaiowá no estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Revista de Arqueologia, v. 29, p. 136-169, 2016a.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Arqueologia de contrato, colonialismo interno e povos indígenas no Brasil. Amazônica: Revista de Antropologia, v. 7, p. 354-374, 2016b.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Revisitando uma discussão sobre arqueologia, identidade étnica e direitos territoriais dos povos indígenas no Brasil. In: CAMPOS, J.B.; RODRIGUES, M.H.D.S.G.; FUNARI, P.P.A. (Orgs.). A multivocalidade da arqueologia pública no Brasil: comunidades, práticas e direitos. Criciúma, SC: UNESC, 2017. p. 32-76.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Laudo pericial de natureza antropológica e histórica sobre a área denominada terra indígena Baía dos Guató, localizada no município de Barão de Melgaço, estado de Mato Grosso. Processo n. 0017708- 79.2011.4.01.3600. Cuiába: Justiça Federal em Cuiabá, 2018. Não publicado.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Em memória do líder Guató Celso Alves Ribeiro. Revista IHU On-line, 26 fev. 2021. Disponível em: https://www.ihu.unisinos.br/categorias/607064-em-memoria-do-lider-guato-celso-alves-ribeiro-artigo-de-jorge-eremites-de-oliveira. Acesso em: 26 fev. 2021.

EREMITES DE OLIVEIRA, J. Etnoarqueologia no laudo pericial sobre a Terra Indígena Baía dos Guató, Pantanal de Mato Grosso. In: EREMITES DE OLIVEIRA, J.; CAMPOS, J.B.; FUNARI, P.P.A. (Orgs.). Arqueologia: temáticas e perspectivas teórico-metodológicos de pesquisa 2. Ponta Grossa, PR: Atena, 2022. p. 40-60.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; FERREIRA, Z.S. Guató, o povo pantaneiro. Quatro Cinco Um, 1 ago. 2022. Disponível em: https://quatrocincoum.folha.uol.com.br/br/artigos/ciencias-sociais/guato-o-povo-pantaneiro. Acesso em: 1 ago. 2022.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; MILHEIRA, R.G. Etnoarqueologia de dois aterros Guató no Pantanal: dinâmica construtiva e história de lugares persistentes. Mana, v. 26, n. 3, p. 1-39, 2020.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; PEREIRA, L.M. “Duas no pé e uma na bunda”: da participação Terena na guerra entre o Paraguai e a Tríplice Aliança à luta pela ampliação de limites da Terra Indígena Buriti. Revista eletrônica história em reflexão, v. 1, n. 2, p. 1-20, 2007.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; PEREIRA, L.M. Ñande Ru Marangatu: laudo pericial sobre uma terra Kaiowá na fronteira do Brasil com o Paraguai, em Mato Grosso do Sul. Dourados: Editora UFGD, 2009a.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; PEREIRA, L.M. Relatório antropológico complementar dos impactos socioambientais do Projeto São Francisco, atual Serra da Borda Mineração e Metalurgia, sobre os Katitaurlu das terras indígenas Sararé e Paukalirajausu, em Mato Grosso. Dourados, MS: [s. n.], 2009b. Não publicado.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; PEREIRA, L.M. Reconhecimento de territórios indígenas e quilombolas em Mato Grosso do Sul: desafios para a antropologia social e a arqueologia em ambientes colonialistas. In: AGUIAR, R.L.S.D.; EREMITES DE OLIVEIRA, J.; PEREIRA, L.M. (Orgs.). Arqueologia, etnologia e etno-história em iberoamérica: fronteiras, cosmologia e antropologia em aplicação. Dourados, MS: Editora UFGD, 2010. p. 185-208.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; PEREIRA, L.M. Terra Indígena Buriti: perícia antropológica, arqueológica e histórica sobre uma terra terena na serra de Macaraju, Mato Grosso do Sul. Dourados, MS: UFGD, 2012.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; PEREIRA, L.M. Do ‘largão’ da terra ‘voluta’ à estreiteza da terra vendida: reflexões sobre territórios e comunidades quilombolas no norte de Mato Grosso do Sul. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Ciências Humanas, v. 15, n. 3, p. 1-22, 2020.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; PEREIRA, L.M.; BARRETO, L.S. Laudo antropológico referente à diligência técnica realizada em parte da área da antiga Fazenda Bananal, mais conhecida como Santuário dos Pajés, localizada na cidade de Brasília, Distrito Federal, Brasil. Dourados, MS: Funai, 2011. Não publicado.

EREMITES DE OLIVEIRA, J.; VIANA, S.A. O Centro-Oeste antes de Cabral. Revista USP, v. 44, n. 1, p. 142-189, 2000.

JOÃO, I. 2011. Jakaira Reko Nheypyrũ Marangatu Mborahéi: origem e fundamentos do canto ritual Jerosy Puku entre os Kaiowá de Panambi, Panambizinho e Sucuri’y, Mato Grosso do Sul. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2011.

KERN, A.A. Anais da VIII reunião científica da sociedade de arqueologia brasileira. Porto Alegre: Edipucrs, 1996. 2 v.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LEITE, E.F.; EREMITES DE OLIVEIRA, J. “Faço parte da história desse jeito!”: componentes da memória e da identidade de uma indígena Guató. Tellus, v. 12, n. 23, p. 127-146, 2012.

MARTINS, A.M.S. 2011. Uma avaliação da hipótese de relações genéticas entre o Guató e o tronco Macro-Jê. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Brasília, Brasília, BR, 2011.

MARTINS, A.M.S. O morfema ɛ do Guató: de uma possível marca de ergatividade à marca de concordância. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, v. 5, n. 2, p. 435-451, 2013.

MIRANDA, S.S.T. 2016. Arqueologia da Cidade Velha, Cabo Verde: da escravidão às múltiplas vozes na contemporaneidade. Dissertação (Mestrado em Antropologia/Arqueologia) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2016.

NEGREIROS, I.D.S. 2018. O Massacre de Capacete: narrativa, memória e história Tikuna no município de Benjamim Constant, Amazonas. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2018.

OLIVEIRA, É.A. 2013. História dos Terena da Aldeia Buriti: memória, rituais, educação e luta pela terra. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2013.

O PANTANAL e os aterros indígenas. Pelotas: LEPAARQ/UFPel, 2020. 1 vídeo (12 min). Publicado pelo canal Jorge Eremites de Oliveira. Disponível em: https://www.youtube.com/channel/UC-xgPd3xk1WYc0CZdTGteVQ. Acesso em: 15 dez. 2022.

OLIVEIRA, E.; MILHEIRA, R. Etnoarqueologia de dois aterros Guató no Pantanal: dinâmica construtiva e história de lugares persistentes. Mana, v. 26, n. 3, p. 1-39, 2020. http://doi.org/10.1590/1678-49442020v26n3a208.

PACHECO DE OLIVEIRA, J. Uma etnologia dos “índios misturados”? situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, v. 4, n. 1, p. 47-77, 1998.

PALÁCIO, A.P. 1984. Guató: a língua dos índios canoeiros do rio Paraguai. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1984.

RIBEIRO, M.D.S. 2005. Uma ilha na história de um povo canoeiro: o processo de desterritorialização e reterritorialização dos Guató na região do Pantanal (século XX). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Dourados, MS, 2005.

RODRIGUES, A.D. Línguas ameríndias. In: Grande enciclopédia Delta Larousse. Rio de Janeiro: Delta, 1970. p. 4034-4036.

RODRIGUES, A.D. Línguas brasileiras. para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Loyola, 1986.

RONDON, J.L.N. Tipos e aspectos do Pantanal. São Paulo: Gráfica Urupês, 1972.

SCHMIDT, M. Indianerstudien in zentralbrasilien. erlebnisse und ethnologische ergebnisse einer Reise in den Jahren 1900 bis 1901. Berlin: Dietrich Reimer, 1905.

SCHMIDT, M. Estudos de etnologia brasileira: peripécias de uma viagem entre 1900 e 1901: seus resultados etnológicos. Tradu. de C. B. Cannabrava. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942.

SCHMITZ, P.I.; ROGGE, J.H.; ROSA, A.O.; BEBER, M.V. Aterros indígenas no Pantanal do Mato Grosso do Sul. Pesquisas (Série Antropologia), v. 54, p. 1-271, 1998.

SILVA, C.AD.S. 2006. Roupa e batismo × flecha e pintura: a construção de estratégias indígenas diante do conquistador luso-brasileiro no norte da Capitania de Goiás (os Akwen, 1749-1799). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2006.

SOUZA, R.L.D.; EREMITES DE OLIVEIRA, J. Etnoarqueologia e processo de territorialização entre os indígenas Wasusu do vale do Rio Guaporé, estado de Mato Grosso, Brasil. Tellus, v. 19, n. 39, p. 105-138, 2019.

URRUTH, M.D.F.N. [Kuawá Apurinã]. 2018. “Terra, vida, justiça e demarcação”: Mulheres Kaiowá e a luta pela terra indígena Taquara, município de Juti, Mato Grosso do Sul, Brasil. Dissertação (Mestrado em Antropologia/Antropologia Social e Cultural) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2018.

XAVIER PINTO, A.R.D.B. 2017. A comunidade ribeira da barca, Ilha de Santiago, Cabo Verde: experiências de cooperativa e estratégias em busca do bem viver. Dissertação (Mestrado em Antropologia/Antropologia Social e Cultural) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, 2017.

Downloads

Publicado

2023-01-18

Como Citar

OLIVEIRA, Jorge Eremites de. Duas décadas depois da publicação do artigo “Da pré-história à história indígena”. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 36, n. 1, p. 35–48, 2023. DOI: 10.24885/sab.v36i1.1067. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/1067. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Especial 40 anos