Encontro da comunidade de Tauary da FLONA Tefé, Amazonas, com os potes de antigamente, com a arqueologia e consigo mesma: o devir de um museu comunitário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v37i1.1122

Palavras-chave:

Colaboração, Arqueologia Amazônica, Comunidades tradicionais

Resumo

O artigo apresenta algumas reverberações do encontro de quinze urnas arqueológicas com a comunidade de Tauary, localizada na zona de amortecimento da Floresta Nacional de Tefé, no médio rio Solimões, Amazonas. O achado potencializou o desejo da salvaguarda do material e da criação de um museu comunitário para o gerenciamento dos referenciais patrimoniais, onde a memória é o eixo estruturador do passado. Essa história também é atravessada pela vontade de construção de uma escola de alvenaria que convida à prática arqueológica para assumir seu caráter dialógico e formativo. Da mesma forma, o espaço é aberto para uma atuação engajada, em que as pesquisas se tornam aliadas das demandas locais, assim como se vislumbra o desenvolvimento de práticas colaborativas por meio das relações de autoajuda e compadrio, que são marcas constitutivas da formação das comunidades tradicionais a partir da década de 1980.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR, Edna Ferreira. O tempo dos patrões “brabos”: fragmentos da história da ocupação humana da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, AM. In. Amazônica 1 (1), p. 178-199, 2009.

ATALAY, Sonya. Can Archaeology Help Decolonize the Way Institutions Think? How Community-Based Research is Transforming the Archaeology Training Toolbox and Helping to Transform Institutions. Archaeologies: Journal of the World Archaeological Congress, 2019. https://DOI.org/10.1007/s11759-019-09383-6

ATALAY, Sonya. Indigenous Science for a World in Crisis. Public Archaeology. 2020. DOI: 10.1080/14655187.2020.1781492

BARRETO, Cristiana Nunes Galvão. Socialização do patrimônio arqueológico no lago Tefé, Am. Relatório diagnóstico preliminar. Projeto mapeamento arqueológico do Lago Tefé. Tefé: IDSM, 2015.

BARRETO, Cristiana. Do teso marajoara ao sambódromo: agência e resistência de objetos arqueológicos da Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, 15(3), e20190106, p. 1-19, 2020. DOI: 10.1590/2178-2547-BGOELDI-2019-0106

BELLETTI, Jaqueline. Arqueologia do Lago de Tefé. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

BELLETTI, Jaqueline. A tradição policroma da Amazônia. BARRETO, Cristiana. LIMA, Helena Pinto. BETANCOURT, Carla Jaimes (orgs.). Cerâmicas arqueológicas da Amazônia: rumo a uma nova síntese. Belém: IPHAN: Ministério da Cultura, p. 348-364, 2016.

BIANCHEZZI, Clarice. SANTOS, Adriano Márcio dos. BASSI, Filippo Stampanoni. LIMA, Helena Pinto. MACHADO, Michel Carvalho. CRUZ, Alef Fernandes. BATISTA FILHO, Arnoud de Oliveira. PAIVA, Maurício de. Fragmentos: arqueologia, memórias e histórias de Parintins. 1. ed. – Parintins, AM: Eskenazi Gráfica, 2021.

BEZERRA, Márcia. Os sentidos contemporâneos das coisas do passado: reflexões a partir da Amazônia. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 7, n. 1[7], p. 107–122, 2013. DOI: 10.20396/rap.v7i1.8635674. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635674.

BEZERRA, Márcia. O machado que vaza ou algumas notas sobre as pessoas e as superfícies do passado presente na Amazônia. Vestígios, Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica. Belo Horizonte, UFMG. pg. 51-58, 2018.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Musealização Da Arqueologia: Caminhos Percorridos. Revista De Arqueologia. Vol. 26, n. 2, p.04-15. 2014. https://DOI.org/10.24885/sab.v26i2.379.

CABRAL, Mariana Petry. Entre passado e presente: arqueologia e coletivos humanos na Amazônia. Teoria & Sociedade. Revista do Departamento de Antropologia e Arqueologia, Ciência Política e Sociologia da Faculdade de Filosofia e Ciências HUmanas da Universidade Federal. Belo Horizonte, v. 24, n. 2, p. 76-91, 2016.

CARVALHO, Patrícia Marinho. SOARES, Alice de Matos Soares. Todo poder ao povo preto: diálogos sobre práticas colaborativas entre seres em lugares e tempos afrodiaspóricos. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, [S. l.], n. 37, p. 164-177, 2021. DOI: 10.11606/issn.2448-1750.rev mãe.2021.163773.

CANDIDO, Antônio. Os parceiros do Rio Bonito: Estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo: Todavia, 2023.

CHAGAS, Mário de Souza. A imaginação museal: Museu, memória e poder em Gustavo Barroso, Gilberto Freyre e Darcy Ribeiro. – Rio de Janeiro : MinC/IBRAM, 2009.

COELHO, , Leni Rodrigues. Educação de adultos no cenário amazônico: Movimento de Educação de Base em Tefé/AM (1963-1982). Tese (Doutorado), apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2022.

COLWELL, Chip. LOPES, Rafael de Almeida. Arqueologia colaborativa não é o fim. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, [S. l.], v. 34, n. 34, p. 41-47, 2020. DOI: 10.11606/issn.2448-1750.revmae.2020.163597. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revmae/article/view/163597

FÁVERO, Osmar. Uma pedagogia da participação popular: análise da prática educativa do MEB – Movimento Educação de Base (1961-1966). Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

FERRAZ, Lidia Rochedo. O cotidiano de uma escola rural ribeirinha na Amazônia: práticas e saberes na relação escola-comunidade. 2010. Tese (Doutorado em Psicologia) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2010. DOI: 10.11606/T.59.2010.tde-20092011-135047

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez editora, 1989. (Coleção polêmicas do nosso tempo. 4)

GONZALEZ, Jeferson Aníbal. Cultura, educação popular e transformação social nas formulações do MEB e do CPC (1961 – 1964). Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

GRIMA, Reuben. But Isn't All Archaeology ‘Public’ Archaeology? Public Archaeology. Vol. 15, n1, p.50-58, 2016.

GUEDES, Aureliano da Silva. As fontes de informação significantes para a construção da representação mental e social da Cabanagem no Estado do Pará (Brasil). Tese (Doutorado em Informação e Comunicação em Plataformas Digitais) - Universidade do Porto/Universidade de Aveiro, 2011.

GUERRA, Marília Falcone. VASCONCELLOS, Camilo de Mello. Museologia e Turismo de base Comunitária em Reservas Extrativistas: diálogos possíveis. Revista Iberoamericana de Turismo- RITUR, Penedo, V. 8, Dossiê Número 4, p. 96-114, 2018.

HARAWAY, Donna J. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, [S. l.], n. 5, p. 7–41, 2009.

HARAWAY, Donna J. Ficar com o problema: Antropoceno, Capitoloceno, Chthuluceno. In: MOORE, Jason W. (Org.) Antropoceno ou Capitoloceno? Natureza, história e a crise do capitalismo. São Paulo: Elefante, 2022. p. 67-125

KRENAK, Ailton. Futuro ancestral. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

MACHADO, Juliana Salles. História(s) indígena(s) e a prática arqueológica colaborativa. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 26, n. 1, p. 72–85, 2013. DOI: 10.24885/sab.v26i1.369. Disponível em: https://revista.sabnet.org/index.php/sab/article/view/369

MÁLAGA, Luis Repetto. BROWN, Karen. Museums as Tools for Sustainable Community Development: Four Archaeological Museums in Northern Peru, Museum International, 71:3-4, p. 60-75, 2019. DOI: 10.1080/13500775.2019.1702258.

MASCARENHAS, Suely Aparecida do Nascimento; et al. Educação do campo na Amazônia Brasileira-desafio acadêmico para o Sul do Amazonas. EDUCAmazônia, v. 9, n. 2, p. 8-52, 2012.

MARRAS, Stelio. "Qual ciência visar?". In: Revista ClimaCom Cultura Científica – pesquisa, jornalismo e arte. CAMPINAS, SP. ANO 03 - N06 - "Territórios", 2016.

MATSUDA, Akira A Consideration of Public Archaeology Theories. Public Archaeology, vol.15, n.1, p. 40-49, 2016.

MEDEIROS, Rodrigo. Evolução das tipologias e categorias de áreas protegidas no Brasil. Ambiente e Sociedade, Campinas, v. 9, n. 1, p. 41-64, jun. 2006.

MELO, André de Oliveira. Pedagogia da Alternância no Amazonas: uma práxis dos movimentos sociais da floresta e das Águas. 2017. 206 f. Tese (Doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2017.

MELO, Susilene Elias.; PEREIRA, Dirce Jorge. Museu Worikg e as mulheres Kaingang. Museologia & Interdisciplinaridade, [S. l.], v. 10, n. 19, p. 22–33, 2021. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/36180.

NASCIMENTO, Ana Claudeise Silva (Org.). Plano de Gestão da reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã. Série Técnica Planos de Gestão. Tefé: Secretaria do Meio Ambiente, 2019.

GOMES, Alexandre Oliveira. Museus indígenas, mobilizações étnicas e cosmopolíticas da memória: um estudo antropológico. Tese (Doutorado em Antropologia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2019.

PEREIRA, Daiane. O “roubo das urnas”: a relação do patrimônio arqueológico salvaguardado e os coletivos humanos. Revista Habitus - Revista do Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia, Goiânia, v. 17, n. 1, p. 39-52, ago. 2019. ISSN 1983-7798.

PEREIRA, Heloisa Corrêa. NASCIMENTO, Ana Claudeise Silva do. MOURA, Edila Arnouad Ferreira. CORREA, Dávila Suelen Souza. CHAGAS, Hudson Cruz das. Migração rural urbana por demanda educacional no Médio Solimões, Amazonas. Rev. Bras. Educ. 27 • 2022 • Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782022270029

PLANO DE MANEJO DA FLORESTA NACIONAL DE TEFÉ. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Vol.I Brasília. Diagnósticos, 2014.

REIS, Marise. Arengas & picicas: reações populares à Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá no Estado do Amazonas. Belém: Sociedade Civil Mamirauá, Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, 2005.

ROCA, Andrea. Acerca dos processos de indigenização dos museus: uma análise comparativa. Mana, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 123-156, 2015a. Disponível em: <https://DOI.org/10.1590/

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. n-1 Edições, 2019.

SANTOS, Suzy da Silva. Ecomuseus e Museus Comunitários no Brasil: estudo exploratório de possibilidades museológicas. 2017. Dissertação (Mestrado em Museologia) - Museologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. DOI:10.11606/D.103.2017.tde-13122017-091321.

SCELZA, Gabriella Calixto. ROSSATO, Rafael Suertegaray. ANTUNES, Dirce Maria. OLIVEIRA, Gleiser. Plano de Manejo da Floresta Nacional de Tefé, a Gente faz Junto! Biodiversidade Brasileira. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Vol. 4, n.1, p. 69-91, 2014.

SEPÚLVEDA SCHWEMBER, Tomás. Tres elementos para un análisis de los museos comunitarios de Oaxaca, México. Autoctonía. Revista de Ciencias Sociales e Historia, v. 1, n. 1, p. 66-114, 4 jan. 2017.

SILVA, Carlos Augusto da. Área de interfaces ceramistas pretéritas: a coleção arqueológica de José Alberto Neves. Tese (Doutorado) apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia do Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal do Amazonas, 2016

SILVA, Fabiola Andrea. Arqueologia colaborativa com os Asurini do Xingu: Um relato sobre a pesquisa no igarapé Piranhaquara, T.I. Koatinemo. Revista de Antropologia, [S. l.], v. 58, n. 2, p. 143-172, 2015. DOI: 10.11606/2179-0892.ra.2015.108570. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/108570

SOUZA, Daiane Cristina. BIANCHEZZI, Clarice. Resto dos povos que já morreram: colecionismo de material arqueológico no Distrito do Andirá – Barreirinha, Amazonas. Marupiara. Revista Científica do Centro de Estudos Superiores de Parintins. Ano 3, N.4, p.58 – 79, 2018.

SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes; OLIVEIRA, Mateus Gleiser; DELFINO, Elisa Caminha da Silveira. Ribeirinhos da FLONA de Tefé-AM: cartografia social na compreensão do modo de vida. Abordagens e práticas da pesquisa qualitativa em geografia e saberes sobre espaço e cultura [recurso eletrônico]. Porto Alegre: IGeo/UFRGS, 2016. Cap. 6, p. 103-128, 2016.

TAMANAHA, Eduardo Kazuo. AMARAL, Márcio. CASSINO, Mariana Franco. LIMA, Silvia Cunha. NEVES, Eduardo Góes. FURQUIM, Laura Pereira. LIMA, Marjorie. SILVA, Maurício André da. GOMES, Jaqueline. CARNEIRO, Carla Gibertoni. Diálogos e práticas arqueológicas. In: NASCIMENTO, Ana Claudeise Silva. MARTINS, Maria Isabel Figueiredo Pereira de Oliveira, GOMES, Maria Cecília Rosinski Lima, FERREIRA-FERREIRA, Jefferson, SOUZA, Isabel Soares de. FRANCO, Caetano Lucas Borges, SOUZA, Marília de Jesus da Silva (orgs). Sociobiodiversidade da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã (1998-2018): 20 anos de pesquisas. Tefé, AM: IDSM, p. 152- 170, 2019.

TOLENTINO, Átila Bezerra. Museologia social e comunitária na Paraíba: memoriação, lutas e resistências. RITUR-Revista Iberoamericana de Turismo, v. 13, p. 126-148, 2023. https://www.seer.ufal.br/index.php/ritur/article/view/13440

VASCONCELOS, Maria Eliane de Oliveira. Educação do campo no Amazonas: história e diálogos com as territorialidades das águas, das terras e das florestas. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Pará - UFPA, Belém, 2017.

VAZ, Matheus Machado. Fazer-se comunitário em Maraã (AM): uma etnografia da experiência de comunidades ribeirinhas a partir da figura do professor comunitário. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

WANDERLEY, Luiz Eduardo W. MEB e educação popular. Revista Em Pauta: teoria social e realidade contemporânea, v. 12, n. 33, p. 97 – 107, 2014.

Downloads

Publicado

2024-01-31

Como Citar

SILVA, Mauricio André da. Encontro da comunidade de Tauary da FLONA Tefé, Amazonas, com os potes de antigamente, com a arqueologia e consigo mesma: o devir de um museu comunitário . Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 37, n. 1, p. 259–281, 2024. DOI: 10.24885/sab.v37i1.1122. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/1122. Acesso em: 21 fev. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)