O lugar do muiraquitã no centro de imaginários na Amazônia brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v37i2.1131

Palavras-chave:

redes de sociabilidades, muiraquitã, imaginário, perspectiva

Resumo

Os muiraquitãs são um dos artefatos mais conhecidos e enigmáticos da arqueologia amazônica. Neste artigo nos aproximamos de aspectos relacionados à engenhosidade da mente humana em criar e dar vida a sonhos, símbolos e imagens, em contextos individuais ou coletivos, e do papel social dado ao muiraquitã, a partir da perspectiva arqueológica relacionada às sociedades indígenas Tapajó e Konduri, que no século XVI controlavam uma extensa área no Baixo Amazonas. Veremos que a formulação, transformação e manutenção do muiraquitã em contextos amazônicos a partir de centros culturais de origem pré-colonial na região de Santarém são o resultado de complexas tessituras sociais, com raízes duráveis, que de forma intencional ou subjetiva foram incorporadas ao cotidiano do invasor europeu e perenizadas no imaginário da sociedade nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson Márcio Amaral Lima Amaral, Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Diversidade Sociocultural do Museu Paraense Emílio Goeldi (PPGDS-MPEG) e bacharel em Arqueologia pelo Programa de Arqueologia e Antropologia da Universidade Federal do Oeste do Pará (PAA-Ufopa). É analista de pesquisa e desenvolvimento no laboratório de arqueologia do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM), vinculado ao Grupo de Pesquisa Arqueologia e Gestão do Patrimônio Cultural da Amazônia.

Referências

Amaral, M. (2017). Contextualização espacial, histórica e tecnológica dos muiraquitãs amazônicos (Trabalho de conclusão de curso). Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, PA, Brasil.

Amaral, M. (2018). A ecologia de assentamentos, interações sociais ameríndias e o contexto geográfico dos muiraquitãs no baixo Amazonas. Cadernos do Lepaarq, 15(30), 121-141. doi: https://doi.org/10.15210/lepaarq.v15i30.13816

Andrade, M. de. (1978). Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. Edição crítica de Telê Porto Ancona Lopez. Rio de Janeiro /São Paulo: Livros Técnicos e Científicos/Secretaria de Cultura, Ciência e Tecnologia.

Andrade, R. (2015). Dente de Ralador e Furador? Um estudo preliminar da função de dois tipos de artefatos líticos oriundos do sítio arqueológico do Porto, Santarém-PA. (Trabalho de conclusão de curso,) Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, PA, Brasil.

Almeida, F. O. (2013). A Tradição Polícroma no alto rio Madeira (Tese de Doutorado). Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. doi:10.11606/T.71.2013.tde-17072013-140140

Baena, A. (1848). Resposta ao Ilmo. e Exmo. Sr. Presidente do Pará

Herculano Ferreira Penna. Revista do IHGB, tomo X.

Barata, F. (1954). O muiraquitã e as “contas” dos Tapajó. Revista do Museu Paulista NS VII.

Barreto, C. et al. (2021). Koriabo Ceramics, Carib Multiethnic Interaction Spheres and the Colonial Enterprise in the Lower Amazon. In C. Barreto et al. Koriabo: from Caribbean Sea to the Amazon River (pp. 245-264). Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi.

Barreto, C., & Machado, J. (2001). Exploring the Amazon, explaining the unknown: Views from the past. In C. McEwan, & C. Barreto, & E. Neves (Eds.) - Unknown Amazon, Nature and Culture in Ancient Brazil, London, British Museum Press.

Barreto, C. (1999/2000) “A construção de um passado pré‑colonial: uma breve história da arqueologia brasileira”. Revista USP, 44(1), 32-51.

Barreto, C. (2015). Figurine Traditions from the Amazon. In: T. Insoll (Ed.) Handbook of Prehistoric Figurine. Oxford: Oxford University Press.

Bettendorff. (1910). Chronica da Missão dos Padres da Companhia de Jesus no Estado do Maranhão. Revista do Instituto Historico e Geographico Brazileiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

Bezerra, M. (2013). Os sentidos contemporâneos das coisas do passado: Reflexões a partir da Amazônia. Revista de Arqueologia Pública, (7). Campinas: LAP/NEPAM/UNICAMP. ISSN: 2237‐8294.

Bitencourt, D. (2017). Remédios da terra, amuletos e medicina popular: A etnofarmacobotânica nas redes de curar dos amazônidas entre Oriximiná (PA) e Nhamundá (AM), 1870-1940 (Tese de Doutorado em História). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Boomert, A. (1987). Gifts of the Amazons: “green stone” pendants and beads as items of ceremonial Exchange. Amazonia and the Caribbean,

St. Augustine: University of the West Indies.

Caldas, L. (1984). Dicionário Tupi-Português. 2ª ed. São Paulo: Editora Traço.

Carneiro da Cunha, M. (1992). “Introdução a uma história indígena”. In: M. Carneiro da Cunha (Ed.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras.

Carvajal, G. (1894). Descubrimiento Del Rio De Las Amazonas. Imprenta E. Rasgos. Bustos Tavera, (1). Sevilha.

Castoriadis, C. (1982). A instituição imaginária da sociedade. São Paulo: Paz e Terra.

Corrêa, A. (2013). Longue durée: história indígena e arqueologia. Cienc. Cult, 65(2). São Paulo: Bregantini.

Daniel, J. (2004). [1722-1776]. Tesouro Descoberto no Máximo Rio Amazonas. Vols. I & II. Rio de Janeiro: Ed. Contraponto.

D'evreux, Y. (1864). Voyage dans le Nord du Brésil. Paris: Librairie A. Franck. Introdução e notas por Ferdinand Denis.

Dreyfus, S. (2016). Amazônia: Etnologia e História Indígena. (org.). Eduardo Viveiros de Castro e Manuela Carneiro da Cunha. São Paulo: FAPESP, 19-42.

Farias, D. (2019). Macunaíma. Nos rastros da Cobra Grande. (Dissertação de Mestrado).

Fausto, C. (2000) Os índios antes do Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Fausto, C. (2000). Of Enemies and Pets: Warfare and Shamanism in Amazonia. American Ethnologist, 26(4): 933-956.

Fernandes, J. (2012). Crônicas da França equinocial: imaginários dos religiosos franceses na Amazônia oriental no século dezessete. Gragoatá Niterói, 33, 47-62.

Fernandes, J. (1998). Larguesa e lassidão: a mitopoética dos espaços das águas. Belém.

Fernandez, G. (1990). As populações indígenas da Amazônia. Revista Trimestral do Instituto Historio e Geográfico Brasileiro, Parte I, vol. L.

Fonseca, J. A. d. (2010) As estatuetas líticas do baixo Amazonas. In: Pereira, Edithe; Guapindaia, Vera Lúcia (Org.). Arqueologia Amazônica. Belém: MPEG, Iphan, Secult, 2010. p. 235-257. v. 2.

Lagrou, E. (2007) A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre), Rio de Janeiro, TopBooks, 565 pp.

Friede, H.M. (1979). “Iron-smelting furnaces and the metallurgical traditions of the South African Iron Age.” Journal of the South African Institute of Mining and Metallurgy, 79: 372–381.

Guapindaia, V. L. C. (2008). Além da margem do rio - a ocupação Konduri e Pocó na região de Porto Trombetas, PA (Tese de Doutorado). Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. doi:10.11606/T.71.2008.tde-05082008-10411

Gomes, D. (1997). Bibliografia Sobre a Cultura Santarém: História e Perspectivas. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 7: 155-166.

Guss, D. (1990) To weave and sing. Art, symbol, and narrative in the South American Rainforest. California: University of California Press, 1990.

Hartt, F. (1885). Contribuição para a Ethnologia do Valle do Amazonas. Archivos do Museu Nacional, VI, 1-174.

Heriarte, M. ([1662] 1874). Descrição do Estado do Maranhão, Pará, Corupá e Rio das Amazonas. Vienna d’Austria: Carlos Gerold.

Heckenberger, M. (2011). Forma do espaço, língua do corpo e história xinguana Alto Xingu: uma sociedade multilíngue / organizadora Bruna Franchetto. -- Rio de Janeiro: Museu do Indio – FUNAI.

Labat, J.B. (1730) Voyage du Chevalier Des Marchais en Guinée, isles voisines, et à Cayenne, fait en 1725, 1726 et 1727, 4 Tomes. Paris: Chez Saugrain.

Laplatine, F., Trindade, L. (1997). O que é imaginário. São Paulo: Brasiliense.

La Condamine, C. de. (1945). Relato abreviado de uma viagem pelo interior da América Meridional, 1745. São Paulo.

Larger, J. (1997). O mito do Eldorado. Revista de História (USP). (136), São Paulo.

Larger, J. (2004). As Amazonas: História e Cultura Material no Brasil Oitocentista. Mneme Revista de Humanidades. Publicação do Departamento de História e Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ensino Superior do Seridó – Campus de Caicó, 5(10), abr./jun.

Leroi-Gourhan, A. (1981). Pré-história. Pioneira & USP. (Nova Clio,1). São Paulo.

Lima, H. P., & Barreto, C. (2020). Uma nova política para um antigo acervo: A redescoberta das coleções arqueológicas do Museu Goeldi. Revista de Arqueologia, 33(3). Setembro-Dezembro. Edição especial: Gestão de acervos arqueológicos.

Lima, A. T. (2011). Cultura material: a dimensão concreta das relações sociais; Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, 6(1), 11-23.

Lima, A. (2013). Terra de negro – preta terra: O uso da terra preta como instrumento de fortalecimento da identidade quilombola no município de Santarém. Amazônica - Revista de Antropologia da Universidade Federal do Pará, 5(1).

Lima, H, Betancourt & C, Barreto, C. (2016). Novos olhares sobre as cerâmicas arqueológicas da Amazônia. Cerâmicas arqueológicas da Amazônia: rumo a uma nova síntese/Cristiana Barreto, Helena Pinto Lima, Carla Jaimes Betancourt, organizadoras. Belém: IPHAN: Ministério da Cultura, 2016. 668 p.

Linné, S. (1928) Les Recherches Archéologiques de Nimuendajú au Brésil. Journal de La Société des Americanistes de Paris, T. XX: 71-91.

Linhares, A M. (2015). Um grego agora nu: índios marajoara e identidade nacional brasileira. 270 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Belém, 2015. Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia.

Loureiro, J. P. (2001). Cultura Amazônica. Uma poética do imaginário. São Paulo: Escrituras Editora.

Lopes, R. (1924). A civilização lacustre do Brasil. Boletim do Museu Nacional. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1(2), 87-109.

MacDonald, R. (1972). The Order of Things: An Analysis of the Ceramics from Santarém, Brazil. Chicago: University of Illinois.

Martius, C.F.P. (1874). Flora Brasiliensis,

Mauss, M. (2003). “Ensaio sobre a dádiva". Sociologia e Antropologia. Traduzido por Paulo Neves. São Paulo: Cosac & Naify. Sociologie et anthropologie, 1950. (pp: 183-312).

Malinowski, B. (2018). Argonautas do Pacífico Ocidental. Um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné melanésia. São Paulo: UBU Editora.

Meggers, B. J. (1990). Reconstrução do comportamento locacional pré-histórico na Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 6 (Antropologia), 183-203.

Meggers, B. J. (1992). Prehistoric population density in the Amazon basin. In: J. W. Verano, & D. H. Ubelacker (Eds.). Disease and demography in the Americas. Washington: Smithsonian Institution Press.

Mense, H. (1947). Língua Mundurucú Vocabulários Especiais, Vocabulários Apalai, Uaboi e Maué. Arquivos do Museu Paranaense. Vol. VI.

Métraux, A. (1930). Contribution à l’Etude de l’Archéologie du Cours Supérieur et Moyen de l’Amazone. Revista del Museu de La Plata, XXXII: 145-185.

Moraes, C., Amaral, M., & Santos, R. (2014). Os artesãos das Amazonas: a Diversidade da Indústria Lítica os Tapajó e o Muiraquitã. Actas del 3r Encuentro Internacional de Arqueología Amazónica. Quito: Instituto Francés de Estudios Andinos.

Navarro, A. Prous, A. Os Muiraquitãs das estearias do lago Cajari depositados no Museu Nacional RJ): Estudo tecnológico, simbólico e de circulação de bens de prestígio. Revista de Arqueologia, v. 33, n. 2, 20204, p. 133-40.

Noronha, M. de. (1862). Da Viagem da Cidade do Pará, até as últimas e Colônias do Sertão da Província. Pará: Typographia de Santos & Irmãos.

Neto, L., (1889). Le Muséum National de Rio de Janeiro et son influence sur les Sciences Naturelles au Brésil. Paris.

Neto, L., (1885) investigações sobre a Archeologia brazileira. Archivos do Museu Nacional do Rio de Janeiro.

Nimuendajú, C. (2004). In Pursuit of a Past Amazon Archaeological Researches in the Brazilian Guyana and in the Amazon Region (Ed. Per Stemborg).

Koehler, I. (1951). O problema do Muiraquitã. Revista do Museu Paulista. São Paulo.

Pereira, A. (1902). Relação do que há no rio das Amazonas novamente descoberto no ano de 1616. Annais da Bibliotheca e Archivo Público do Pará 1. Belém: Imprensa de Alfredo Augusto Silva.

Pereira, N. (1942). Ensaio de Etnologia Amazônica. 2ª. Edição, Imprensa Pública, Manaus, Amazonas.

Pereira, F. K. (2001). Painel de Lendas e Mitos da Amazônia. Belém.

Porro, A., (1992). História indígena do alto e médio Amazonas, Séculos XVI a XVIII. In M. C. Cunha (Ed.). História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras/Secretaria Municipal de Cultura/FAPESP, 1992, 175-196.

Proust, A. (1991). Arqueologia Brasileira- Editora Universidade de Brasília.

Rodrigues, B. (1875). Exploração e estudo do Valle do Amazonas – Rio Tapajós. Rio de Janeiro: Typographia Nacional.

Rodrigues, B. (1876). Ensaios de scientia, Antiguidades do Amazonas. Rio de Janeiro, Rua da Quitanda 53: Brown & Evaristo Editores.

Rodrigues, B. (1889). O Muyraquitã – Tip. do Amazonas – Manaos.

Rodrigues, B. (1875). Ídolo Amazônico achado no rio Amazonas. In: Exploração e Estudo do Valle rio Amazonas - Rio Tapajós. Rio de Janeiro: Typographia Nacional.

Rostain, S. (2014). Antes de Orellana. Actas del 3er. Encuentro Internacional de Arqueología Amazónica. Editor Stéphen Rostain, Impreso en Quito, Ecuador, 2014.

Roosevelt, A. C. (1999). The development of prehistoric complex societies: Amazonia: a tropical forest. In: E. A. Bacus, & L. J. Lecero. Complex Polities in the Ancient Tropical World.

Silva, F. A. (2000). As tecnologias e seus significados. Um estudo da cerâmica dos Asuriní do Xingu e da cestaria dos Kayapó-Xikrin sob uma perspectiva etnoarqueológica (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. doi:10.11606/T.8.2000.tde-03122013-165920

Schaan, D. P. (2014). « Arqueologia para etnólogos: colaborações entre arqueologia e antropologia na Amazônia », Anuário Antropológico [En ligne], v.39 n.2 | 2014, mis en ligne le 01 août 2017, consulté le 13 août 2021. URL: http://journals.openedition.org/aa/1243; DOI: https://doi.org/10.4000/aa.1243.

Schaan, D.P. (SCHAAN (2012). Salvamento Arqueológico do Sítio PA-ST-42: Porto de Santarém. Ano II Relatório Final. Vol.2 Belém: UFPA/CDP. 113.

Schaan, D.P. Alves, D.T. (2015). Um Porto, Muitas Histórias: Arqueologia em Santarém. Belém: Gráfica Supercores.

Weissmann, L. (2018). Multiculturalidade, transculturalidade, interculturalidade. Revista Construção psicopedagógica, 26(27), 21-36.

Whitehead, N. L. (1993). Ethnic Transformation and Historical Discontinuity in Native Amazonia and Guayana, 1500-1900. In: L’Homme, tome 33 n°126-128. La remontée de l'Amazone. pp. 285-305.

Whitehead, N. L. (Ed.). (2003). Histories and Historicities in Amazonia. Lincoln: University of Nebraska Press.

Tilley, C. (2008). Objectification. In C. Tilley, & W. Keane, & S. Küchler, & M. Rowlands, & P. Spyer (Eds.). Handbook of Material Culture. London: Sage, 2008b. 60-73.

Koch-Grunberg. (2005). Dois anos entre os indígenas: viagens ao noroeste do Brasil (1903–. 1905). Manaus: EDUA e FSDB, 2005. 627p.

Varnhagen, F.A. (1978 [1854]) História geral do Brasil. São Paulo: Melhoramentos. p. 30.

Veiga, W. (2012). Aspectos preliminares do muiraquitã identificado no sítio Acampamento Verena, Volta Grande do Xingu, Pará. Inside Consultoria.

Velthem, L. H. van. (2010). As artes indígenas: notas sobre a lógica dos corpos e artefatos. Textos escolhidos da cultura e arte populares, 7(1). Rio de Janeiro.

Viveiros de Castro, E. (1996). Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, 2(2), 115-144.

https://maestrovirtuale.com/10-exemplos-de-interculturalidade/ 22/08/2021 18:40

Downloads

Publicado

2024-05-15

Como Citar

AMARAL, Anderson Márcio Amaral Lima. O lugar do muiraquitã no centro de imaginários na Amazônia brasileira. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 170–192, 2024. DOI: 10.24885/sab.v37i2.1131. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/1131. Acesso em: 24 jun. 2024.