A materialidade do tráfico e os desdobramentos no presente: arqueologia marítima do navio escravagista Camargo, Angra dos Reis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v37i1.1156

Palavras-chave:

Arqueologia Marítima, Arqueologia da diáspora africana, Naufrágios, Comunidades Quilombolas, Angra dos Reis - RJ

Resumo

Através do estabelecimento de uma práxis arqueológica marítima sobre as estratégias desenvolvidas pelo tráfico de africanos escravizados, apresentamos no presente artigo uma proposta de estudo de caso acerca da materialidade resultante do comércio ilegal estabelecido por rotas marítimas com a África Oriental no século XIX. Por meio do estudo arqueológico subaquático dos restos do navio escravagista Camargo, naufragado na região de Bracuí, na Baía de Ilha Grande – RJ/Brasil, em 1852. Naufrágio ocorrido de forma proposital, como estratégia de ocultamento da atividade clandestina de desembarque de africanos. Entendendo a Arqueologia como uma atividade que se constitui como uma ação política, servindo como uma ferramenta de legitimação de grupos excluídos da História Oficial local, a exemplo da Comunidade Quilombola de Santa Rita do Bracuí.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Martha. O caso do Bracuhy. In: Mattos, Hebe. e Schnoor, Eduardo. (Orgs.) Resgate: Uma Janela para o Oitocentos. Rio de Janeiro: Top Books, 1995. p.167-195.

ABREU, Martha e MATTOS, Hebe. Jongo, registros de uma história. In: PACHECO, Gustavo e LARA, Silvia Hunold (orgs). Memória do jongo. As gravações históricas de Stanley J. Stein. Vassouras, 1949. Rio de Janeiro: Folha; Campinas SP: CECULT, 2007.

ARNOLD III, J. Barto; CLAUSEN, Carl. A magnetometer survey with electronic positioning control and calculator-plotter system. Historical archaeology. Tucson, v. 9, 1975.

BARRETTO, Margarita. Turismo e legado cultural: As possibilidades do planejamento. Campinas, SP: Papirus, 2000.

BAVA-DE-CAMARGO, Paulo F. Arqueologia das fortificações oitocentistas da planície costeira Cananéia/Iguape, SP. São Paulo. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, 2002.

BASS, G. F. (Ed.). Ships and shipwrecks of the Americas: a history based on underwater archaelogy. London: Thames and Hudson, 1988.

BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Edusp, 1976.

BUENO, Wilson Costa. Comunicação científica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Inf. Inf. Londrina, v.15, p.1-12, 2010.

CAMPOS, Thiago. O comércio negreiro na clandestinidade: As fazendas de recepção de africanos da família Souza Breves e seus cativos. Afro-Ásia, n. 47, 2013.

CASARIN, Thiago da Cunha Martins; CASTRIOTA, Leonardo Barci. Perspectivas na preservação do patrimônio sensível: abordagens iniciais. Fórum mestres e conselheiros, 2019.

CAPAZ; C. Memórias de Angra do Reis. Rio de Janeiro: Asas Artes Gráficas. 1996.

CAPLE, Chris. Conservation Skills Judgment, Method and Decision Making. Eastbourne: Routledge, 2000.

DELGADO, J. P. (Ed.). Encyclopedia of underwater and maritime archaeology. London: British Museum, 1997.

DELLINO-MUSGRAVE, Virginia E. Maritime Archaeology and Social Relations. The Springer Series in Underwater Archaeology. Springer, Boston, MA, 2006.

DOS SANTOS, Silvana Andrade. Nestas costas tão largas: o tráfico transatlântico de escravizados e a dinamização de economias regionais no Brasil (c. 1831 - c. 1850). Rev.hist. (São Paulo), n. 177, 2018.

DURAN, Leandro D. Arqueologia marítima de um Bom Abrigo. São Paulo, 2008. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, 2008.

EDGERTON, Harold E. Underwater archaeological search with sonar. Historical Archaeology, Tucson, v. 10, 1976.

ESPANHA. La Arqueología subacuática en España. Madrid: Ministerio de Cultura, 1988.

GALINDO, José E. R.. Guia dos Naufrágios da Baía de Ilha Grande. São Paulo: Um Editora, 2001.

GURGEL, H; AMARAL, E. Paraty: caminho do ouro. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1973.

GREEN, Jeremy. Maritime Archaeology: a technical handbook. Western Australian Maritime Museum: Western Australian Maritime Museum, 2004.

FLORÊNCIO, Sônia Rampim; et al. Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos. 2 ed. Brasília: IPHAN/DAF/Cogedi/Ceduc, p. 05-28, 2014.

HAMILTON, D. L. Methods of Conserving Archaelogical Material from Underwater Sites. Texas A&M University Press, Texas 1999.

LIMA, Leilane Patricia de. Contribuição para a Arqueologia Histórica em Angra dos Reis: as fortificações em Ponta Leste - um estudo de caso. Dissertação (Mestrado em Arqueologia). Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, 2008..

LIMA, Mônica. História, patrimônio e memória sensível: o Cais do Valongo no Rio de Janeiro. Outros Tempos: Pesquisa Em Foco - História, v. 15, n. 26, p. 98–111, 2018.

MANDERS, Martijn R.. Unit 9: In Situ Preservation. In: Training Manual for the UNESCO Foundation Course on the Protection and Management of Underwater Cultural Heritage in Asia and the Pacific. Bangkok: UNESCO, 2012.

MATTOS, Hebe (org.). Diáspora negra e lugares: a história oculta das propriedades voltadas para o tráfico clandestino de escravos no Brasil imperial. Niterói: Eduff, 2013.

MAZEL, Charles. Nas profundezas do mar: tecnologia de ponta e arqueologia submarina. O Correio da Unesco, v. 18, n. 1, 1988.

MOTTA, J. F. Corpos escravos, vontades livres: Posse de escravos e família escrava em Bananal (1801-1829). São Paulo: FAPESP/Annablume,1999.

NAUTICAL ARCHAEOLOGY SOCIETY. Underwater archaeology : the NAS guide to principles and practice. Editor: Amanda Bowens. Second Edition. Blackwell Publishing, PortsMount. 2009.

OXLEY, Ian. The In-Situ Preservation of Underwater Sites, In: Preserving Archaeological Remains in Situ, M. Corfield, P. Hinton, T. Nixon and M. Pollard, editors, pp. 159-173, Museum of London Archaeological Service and University of Bradford, London, England, 1998.

PARRON, Tâmis. Política do tráfico negreiro: o parlamento imperial e a reabertura do comércio de escravos na década de 1830. Estudos Afro-Asiáticos, nos 1/2/3, ano 29, jan.-dez. 2007.

PEARSON, Colin. Conservation of Marine Archaeological Objects. Butterworths: London, 1987.

RAMBELLI, Gilson. A arqueologia subaquática e sua aplicação à arqueologia brasileira: o exemplo do baixo vale do Ribeira de Iguape. 1998. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP: Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, São Paulo, 1998.

RAMBELLI, Gilson. Arqueologia Até Debaixo D’água. São Paulo; Maranta, 2002.

RAMBELLI, Gilson. Arqueologia subaquática do baixo vale do Ribeira. 2003. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

RAMBELLI, Gilson. Arqueologia de Naufrágios e a Proposta de Estudo de um Navio Negreiro. Revista de História da Arte e Arqueologia, v. 6, p. 97-106, 2006.

RAMBELLI, Gilson. A vida social entre o céu e o mar: navios negreiros enquanto artefatos da escravidão. In: AGOSTINI, Camilla. Objetos da Escravidão: abordagens sobre a cultura material da escravidão e seu legado. 7 Letras, Rio de Janeiro. p. 199-219, 2013.

RANSLEY, Jesse. Rigorous Reasoning, Reflexive Research and the Space for ‘Alternative Archaeologies’. Questions for Maritime Archaeological Heritage Management. International Journal of Nautical Archaeology, 36 (2), 221-237, 2007.

REDIKER, Marcus. The slave ship: A human history. Penguin, 2007.

SALLES, Ricardo. E o vale era escravo: Vassouras, século XIX, senhores e escravos no coração do Império. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

SANFORD, Elizabeth. Conservation of Artifacts: A Question of Survival. Historical Archaeology. Springer: New York, v. 9, p.55-64,1975.

SILVA, Alberto da Costa e. Um rio chamado Atlântico: a África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro: Nova Fronteira : Ed. UFRJ, 2003.

SCOTT, David. Copper and Bronze in Art: Corrosion, Colorants and Conservation. Getty Conservation Institute Publications: Los Angeles, 2002.

SOUZA, M. M. Parati: a cidade e as festas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ -Tempo Brasileiro, 1994.

SOUZA, L.A.P. Revisão crítica da aplicabilidade dos métodos geofísicos na investigação de áreas submersas rasas. Tese de Doutorado (Doutorado em Oceanografia Química e Geológica), Universidade de São Paulo, São Paulo, p. 311, 2006.

STANIFORTH, Mark. Material Culture and Consumer Society: Dependent Colonies in Colonial Australia. New York: Kluwer Academic/Plenum Publishers, 2003

UNESCO. UNESDOC. Rota do Escravo. [S.l.]. Seção de História e Cultura, Divisão das políticas culturais e do diálogo intercultural, rue Miollis, 75015 Paris, FRANCE., 2006. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000146546_por#. Acesso em: 14 jun. 2023.

VASCONCELOS, M. C. R. Família escrava em Angra dos Reis,1801-1888. Tese (Doutorado em História).Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

WEBSTER, Jane. Historical Archaeology and the Slave Ship. International Journal of Historical Archaeology, 12:1-5, 2008

WRECKPROTECT. Guidelines for Protection of Submerged Wooden Cultural Heritage, including cost-benefit analysis. Manders, M. R. (eds.). WreckProtect, Amersfoort, 2011.

Downloads

Publicado

2024-01-31

Como Citar

SANTOS, Luis Felipe Freire Dantas; MARINS, Júlio César da Silva; RAMBELLI, Gilson. A materialidade do tráfico e os desdobramentos no presente: arqueologia marítima do navio escravagista Camargo, Angra dos Reis. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 37, n. 1, p. 98–116, 2024. DOI: 10.24885/sab.v37i1.1156. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/1156. Acesso em: 23 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)