Sociedade sambaquieira, comunidades marítimas

Autores

  • Flávio Rizzi Calippo Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v24i1.316

Palavras-chave:

Arqueologia maritima, Sambaqui

Resumo

Por quase 8.000 anos os povos dos sambaquis distribuíram-se ao longo de uma extensa área litorânea, dominando grande parte das regiões costeiras e dos diversos ambientes aquáticos que caracterizavam essa região. Buscando contribuir para o estabelecimento de novas abordagens para o estudo dessa sociedade, o presente artigo propõe uma série de reflexões focadas na Antropologia e na Arqueologia marítima. Com isso, mais do que estabelecer novas interpretações a respeito desses povos, procurou-se caminhar no sentido da construção de uma abordagem teórica através da qual os sambaquieiros possam ser também compreendidos com base nas particularidades das “gentes do mar”

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADAMS, J. 2002. Maritime Archaeology. In: Charles E. Orser, Jr (Ed.). Encyclopedia of Historical Archaeology. London: Routledge, p.328-330.

ALBUQUERQUE, L. 1999. Comunidade e sociedade: conceito e utopia. Raízes, 20, p. 50-53.

BATE, L. F. 1989. Notas sobre el materialismo histórico en el proceso de investigación arqueológica. Boletin de Antropologia Americana, 19, p. 5-30.

BAVA DE CAMARGO, P. 2006. Arqueologia de uma cidade portuária: teoria e método. Trabalho final da disciplina Ambiente Cultura e Sociedade (AS014). Programa de Doutorado em Ambiente e Sociedade do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (NEPAM/ IFCH/UNICAMP).

BEATTIE, J. 1977. Introdução à Antropologia Social: objetivos, métodos e realizações da antropologia social. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 344p.

BLOT, J-Y. 1999. O mar de Keith Muckelroy: o papel da teoria na arqueologia do mundo náutico. Al-Madan, Almada, Centro de Arqueologia, série 2, n. 8, p. 41-55, out.

BUELA, A. 1987. Aportes al Pensamiento Nacional. Cultura et Labor. Buenos Aires.

CALIPPO, F. 2010. Sociedade Sambaquieira, Comunidades Marítimas. Tese (Doutorado em Arqueologia). Universidade de São Paulo, São Paulo, 290 p, anexos.

CAPASSO, L., KENNEDY, K. A. R., WILCZAK, C. A., 1999. Atlas of Occupational Markers on Human Remains. Teramo: Edigrafital S.P.A.

CARVALHO, C. 2004. Marcadores de estresse ocupacional em populações sambaquieiras no litoral fluminense. 2004. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro.

CHAPLIN J. M.; STEWART, I. A. 1998. The prevalence of exostoses in the external auditory meatus of surfers. Clin Otolaryngol, 23-24, p. 326-330.

DE BLASIS, P., KNEIP, A., SCHEEL-YBERT, R., GIANNINI, P., GASPAR, M. 2007. Sambaquis e Paisagem. Dinâmica natural e arqueologia regional no litoral do sul do Brasil. Arqueologia Suramericana/Arqueologia Sul-Americana, 3, p. 20-28.

DELGADO, J. P. 1997. Encyclopaedia of Underwater and Maritime Archaeolog. British Museum Press. London.

DIEGUES, A. 1998. Ilhas e mares: simbolismo e imaginário. São Paulo: Editora Hucitec.

DIEGUES, A. 2000. Os ex-votos marítimos da sala de milagres da Basílica do Senhor Bom Jesus de Iguape, São Paulo. In: Antonio Carlos Sant’Ana Diegues (Org.). A imagem das águas. São Paulo: Hucitec, p. 157–207.

DIEGUES, A. 2003. Povos e Mares: Uma Retrospectiva de Socioantropologia Marítima in “A pesca construindo sociedades”.

DURAN, L. 2008. Arqueologia Marítima de Um Bom Abrigo. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Museu de Etnologia e Arqueologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, p.338.

DURKHEIM, E. 1960. De la division du travail social. Paris: Presses Universitaires de France.

FONTENOY, P. 1998. A Discussion of Maritime Archaeology. In: BABITS, L., TILBURG, H. (Eds.). Maritime Archaeology – A Reader of Substantive and Theoretical Contributions. New York: Plenum Press (The Plenum Series in Underwater Archaeology).

GEISTDOERFER, A. 1989. Anthropologie maritime: appropriation technique, sociale et symbolique des resources maritimes. CNRS, Paris.

GIBBINS, D. 1990. Analytical approaches in maritime archaeology: a mediterranean Perspective. American Antiquity, vol.64, p.376-89.

HASSLÖF, O. 1972. Ships and Shipyards, Sailors and Fishermen. Copenhagen: Copenhagen University Press.

HAWKEY, D. E. & MERBS, C. F. 1995. Activity-induced musculoskeletal stress markers (MSM) and subsistence strategy among ancient Hudson Bay Eskimos. International Journal of Osteoarchaeology, 5: 324-338.

HAYDEN, B. 2001. Fabulous feast a Prolegomenon to the importance of festing in Feast archaeological and etnographic perspectives on food, politics and power. Washington and London: Smithisonian Institution Press.

KENNDY, G. E. 1986. The relationship between exostoses and cold water: a latitudinal analysis. Am J. Phys Anthrop, 71-74, p. 401-415.

LEVI-STRAUSS, C. 1962 [1955]. Tristes Trópicos. Lisboa: Martins Fontes. 272 p.

LIMA, T. A. 1999/2000. Em busca dos frutos do Mar: Os pescadores-coletores do litoral com o sul do Brasil. Revista da Universidade de São Paulo, 44, p. 270-327.

LIMA, T. & MAZZ, J. 1997. Complejidad Emergente entre los Cazadores/Recolectores de la Costa Atlantica Meridional Sudamericana. Revista de Arqueologia Americana, 17,18 e 19, p 129-176. Mexico.

LUBY, E. & GRUBER, M. 1999. The dead must be fed: The symbolic meaning of the shellmound of the San Francisco Bay area. Cambridge Archaeological Journal, Cambridge, v. 9, p.105-108.

MALINOWSKI, B. 1986. Argonautas do Pacífico Ocidental. Um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné Melanésia. Ed. Abril Cultural. São Paulo. 428 p.

MEGHAN, B. 1982. Shell bed to shell midden. Camberra: Australian National University.

MENDONÇA DE SOUZA, A. 1995. Povoamento pré- -histórico do litoral do Rio de Janeiro: Repensando um modelo. In: BELTRÃO, M. (ed.) Arqueologia do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, p. 43-50.

MUCKELROY, K. 1978. Maritime Archaeology. Cambridge: Cambridge University Press (New Studies in Archaeology).

MURDOCK, G. P. 1968. The current status of the wourld’s hunting and gathering people. In: LEE, R. & DEVORE, I. (Eds.). Man the hunter. Chicago: Aldine. p.13-22,

OKUMURA, M. M. M. 2005/2006. Análise de exostose do meato auditivo externo como um marcador de atividade aquática em restos esqueletais humanos da costa e do interior do Brasil. Revista do Museu de Arqueologia, n° 15/16. Universidade de São Paulo. São Paulo, p. 181-189.

PEIXOTO, M. V. 1989. Avaliação radiológica do torus auditivus nos grupos formadores de Sambaquis do litoral meridional brasileiro: contribuição ao estudo dos traços não métricos em populações pré-históricas do Brasil. MSc thesis. Depto. de Anatomia Humana. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

PINHEIRO, E., PEIXOTO, S. 2003. Sambaqui: status diferenciado entre os pescadores-coletores. Resumos do XII Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira - SAB, São Paulo, p. 177.

RAMBELLI, G. 2003. Arqueologia subaquática do Baixo Vale do Ribeira, SP. 2003 259 p. Tese (Doutorado em arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – Universidade de São Paulo. São Paulo, READ, J. 1996. The Indian Ocean in Antiquity, London: New York,

ROUSE, I. 1968. Prehistory typology and the study of society. In: CHANG, K.C. Settlement archaeology. Palo Alto: Yale University, National Press Books, 229 p.

SCHELL-YBERT, R.; EGGERS, S.; WESOLOWSKI, V.; PETRONILHO, C. C.; BOYADJIAN, C. H.; DE BLASIS, P. A. D.; BARBOSA-GUIMARÃES, M.; GASPAR, M. D. 2003. Novas perspectives na reconstituição do modo de vida dos sambaquieiros: uma baordagem multidisciplinar.

Revista de Arqueologia. Sociedade de Arqueologia Brasileira, São Paulo, v. 16, p. 109-137.

SHALLINS, M. 1979. Cultura e Razão Prática. Rio de Janeiro: Zahar.

SHANKS, M., HODDER, I. 1995. Processual, postprocessual and interpretative archaeologies. Interpreting Archaelogy.

STADEN, V. G; ARRIAZA, B. T; SANTORO, C. M. 1997. External auditory exostosis in prehistoric chilean populaions: a test of the cold water hypothesis. Am J Phs Anthrop, 103, p. 119-120.

TENÓRIO. M. C. 2003. O Lugar dos Aventureiros: identidade, dinâmica de ocupação e sistema de trocas no litoral do Rio de Janeiro há 3500 anos antes do presente. Tese (Doutorado em Arqueologia). Faculdade de Filosofias e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 536 p.

WHITING, W.C. & ZERNICKE, R. F. 2001. Biomecânica da Lesão Musculoesquelética. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan

Downloads

Publicado

2011-06-30

Como Citar

RIZZI CALIPPO, F. Sociedade sambaquieira, comunidades marítimas. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 24, n. 1, 2011. DOI: 10.24885/sab.v24i1.316. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/316. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo