Cronistas, arqueólogos e seu distanciamento desnecessário

as ricas informações dos cronistas sobre os artefatos polidos.

Autores

  • Gustavo Neves de Sousa Museu de Arqueologiae Etnologia da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v24i2.330

Palavras-chave:

Arqueologia Brasileira, Lítico polido, Cronistas

Resumo

Desde a chegada dos primeiros europeus ao continente americano a vida dos habitantes primeiros destas terras vem sofrendo as conseqüências deste contato forçado. Felizmente alguns destes europeus se dedicaram a descrever as sociedades e os modos de vida dos povos que aqui encontraram, bem como alguns dos nascidos na terra o fizeram posteriormente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BUENO, Lucas de Melo Reis. “Estilo, Forma e Função: Das Flechas Xikrin aos Artefatos Líticos” In: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. Vol 13. São Paulo, 2003. P. 211-226.

CABEÇA DE VACA, A. Naufrágio e comentários. Porto Alegre: L. & PM POCKET ed., 1999. (original: 1546).

CAMINHA, Pero Vaz de. A carta de Pero Vaz de Caminha. Rio de Janeiro: Agir, 1965. (original: 1500).

CARDIM, F. Tratado da Terra e da gente do Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1939. (texto original: últimos anos do século XVI)

CARNEIRO, R.L. 1979 “Tree felling with a stone ax: an experiment carried out among the Yanomamö indians of southern Venezuela”, In: Ethnoarchaeology: Implications of Ethnography for Archaeology. Kramer ed., Colombia University Press, New York: 21-58.

DAVID, Nicholas & KRAMER, Carol. Ethnoarcheology in Action. London: Cambridge University

Press, 2001.

DUNNELL, Robert C. Classificação em Arqueologia. São Paulo: Edusp, 2007.

EVREUX, Yves d’O.M. Viagem ao norte do Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca de Escritores Maranhenses, 1929 (original: 1628).

KÓZAK, Vladimir., Baxter, D., Williamson, L. & Carneiro, R. “The Héta Indians: fish in a dry pound” Anthrop. Papers of the Am. Mus. of Nat. History, New York 1979 (existe uma versão em português, publicada na Revista do Inst. Geogr. e Etnogr. Paranaense).

LAMING-EMPERAIRE, Annette; MENEZES, Maria José & ANDREATTA, Margarida. “O trabalho da pedra entre índios Xetá, Serra dos Dourados, Estado do Para- ná.” Coleção Museu Paulista, Série Ensaios. São Paulo, USP, v.2, 1978.

LÉRY, Jean de. Viagem à Terra do Brasil. São Paulo: Martins/EDUSP, 1972. (original 1576).

OTT, Carlos F. “Contribuição à arqueologia baiana.” Boletim do Museu Nacional. Antropologia. Rio de Ja neiro, v.5, 1940.

OTT, Carlos F. Pré-História da Bahia. Salvador, 1958.

PETREQUIN & PETREQUIN. Ethnographie d ́un outil de pierre: les haches polies de Lirian Jaya.

PROUS, A., Alonso, Márcio., PILÓ, Henrique., XAVIER, L. A. F., LIMA, Ângelo Pessoa. & SOUZA, Gustavo Neves de - 2003. “Os machados pré-históricos no Brasil - descrição de coleções brasileiras e trabalhos experimentais: fabricação de lâminas, cabos, encabamento e utilização”. Canindé. Revista do Museu de Arqueologia de Xingó. 2:161-236.

PROUS, André. “A Experimentação em Arqueologia”. Anais da V Reunião Científica da Sociedade de Arqueologia Brasileira. In: Revista do Cepa. Editora FISC. Vol. 17 p.17-31, 1990.

PROUS, André. “Os artefatos líticos elementos descritivos e classificatórios.” Arquivos do Museu de História Natural/UFMG. Belo Horizonte, v.11, p. 19-20, 1986/90.

PROUS, André. “Os instrumentos polidos e picoteados” In: Santana do Riacho. Arquivos do Museu de História Natural/UFMG. Belo Horizonte, v.1, n.12, p.211- 228, 1991.

PROUS, André. Arqueologia Brasileira. Brasília: UNB, 604 p., 1992.

ROSTAIN, Stephén. “Etude d’une chaine opératoire: les haches em pierre polie d’Amazonie.” Arquivos Museu de História Natural/UFMG. Belo Horizonte, v.11, p.195-237, 1986.

SALVADOR (Frei Vicente do ) História do Brasil. Bahia, 1627.

SCHIFFER, Michael B. The material life of human beings : artifacts, behavior, and communi-

cation. London. New York, Routledge, 1999.

SEPP, A. Continuación de los labores apostólicos. Editorial Universitária. Buenos Aires, 1973.

SERVELLE, Christian & VAQUER, Jean. “Les haches polies em cinérite du Rouergue, des producteurs aux consomateurs.” Rencontres méridonales de Préhistoire récente, Troisiéne session, Tolousse, 1998. In: Éditons Archives d`Ecologie Préhistoire, 2000, p. 81-100.

SOUSA, Gabriel Soares de-. Tratado descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: EDUSP, 1971.

SOUZA, Gustavo Neves de. “O Material Lítico Polido do Interior de Minas Gerais e São Paulo: primeiras observações e dados preliminares.” Anais do XIII Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira (2005).

SOUZA, Gustavo Neves de. As Lâminas de Machado Pré-Históricas do Brasil: Revisão Bibliográfica e Estudos Recentes. (Monografia de Graduação 100 p., 2003).

SPIX, J. von - & MARTIUS, C. von - Viagem pelo Brasil, 3a ed., Melhoramento. São Paulo, 1976. Original: München,1823/31.

STADEN, Hans. Viagem ao Brasil. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1968. (original: 1557).

STRADELLI, E. “Vocabulário da língua geral portuguesa-nheêngatu e nheêngatu-português” In: Revista do IHGB, tomo 104. Rio de Janeiro 1929.

THEVET, André. Singularidades da França Antártica. Rio de Janeiro, 1944. (original: 1558).

TIBURTIUS, Guilherme & LEPREVOST, A. “Nota prévia sobre a ocorrência de machados de pedra nos estados do Paraná e Santa Catarina.” Arquivos Biologia e Tecnologia. Curitiba, v.8, p.503-556, 1953.

WIED-NEUWIED, M. von – Viagem ao Brasil, Cia Ed. Nacional, Col. Brasiliana, São Paulo, 1940.

Downloads

Publicado

2011-12-30

Como Citar

NEVES DE SOUSA, G. Cronistas, arqueólogos e seu distanciamento desnecessário: as ricas informações dos cronistas sobre os artefatos polidos. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 102–123, 2011. DOI: 10.24885/sab.v24i2.330. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/330. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo