Infância, inventos e boneca de pano

Autores

  • Cássia Macieira Universidade do Estado de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v31i2.589

Palavras-chave:

Infância, Artefato Lúdico, Boneca de Pano

Resumo

Na mostra A Mão do Povo Brasileiro, apresentada em 1969, Lina Bo Bardi exibe um nicho, entre vários, dedicado às bonecas de pano. Estas apresentam estética espontânea em sua feitura, o que lhes assegura especificidade. No Brasil, a boneca de pano resistiu culturalmente pelos diferentes desempenhos: ofício doméstico, afeto, valor cultural, programas de incentivo artesanal, fonte de renda familiar e de grupo, mercadoria de valor agregado, consumo conspícuo e bem simbólico. Busca-se, contudo, a compreensão da configuração política desse artefato poético da infância, como dispositivo de afeto pela práxis da artesã.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APPADURAI, Arjun. 2008. Introdução: mercadorias e a política de valor. In: A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói, Ed. UFF, pp. 15-87.

BENJAMIN, Walter. 1984.Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus Editorial, 117pp.

BROUGÈRE, Gilles. 1995. Brinquedo e cultura. São Paulo, Cortez. 116 pp.

CAMPOS, Sandra M. C. de la Torre Lacerda. 2007. Bonecas Karajá: modelando inovações, transmitindo tradições. Tese de Doutorado. Ciências Sociais – Antropologia. São Paulo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 153 pp.

CANCLINI, Néstor G. 1983. Culturas populares no capitalismo. São Paulo, Brasiliense. 149 pp.

DESCOLA, Philippe. 2002.Genealogia de objetos e antropologia da objetivação. Horizontes Antropológicos, vol.8 no.18 Porto Alegre Dec. 1-15 pp

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. 2012. As transformações do patrimônio: da retórica da perda à reconstrução permanente. In: TAMASO, Izabela Maria; LIMA FILHO, Manuel Ferreira (Orgs). Antropologia e patrimônio cultural; trajetórias e conceitos. Brasília, Associação Brasileira de Antropologia, pp. 59-72.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. 2007. Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro, Ministério da Cultura, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 252 pp.

GONZÁLEZ, Julieta. 2016. Quem não tem cão caça com gato. In: PEDROSA, Adriano; TOLEDO, Tomás (Orgs.). A mão do povo brasileiro, 1969/2016. São Paulo, Masp Editora, 319 pp.

INGOLD, Tim. 2012. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, vol.18, no.37.Porto Alegre Jan./June 2012. 25-44 pp.

LATOUR, Bruno. 2012.Reagregando o Social. Bauru, SP: EDUSC, Salvador, BA, EDUFBA, 399pp.

LIMA, Tania A. 2011. Cultura material: a dimensão concreta das relações sociais. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, pp.11-23.

LIMA, Tania A. 2012. The dark side of the toys in nineteeth-century. Rio de Janeiro, Brazil. Historical Archaeology, pp.63-78.

MEFANO, Ligia. 2005. Design de Brinquedos no Brasil: uma arqueologia do projeto e suas origens. Dissertação. Artes & Design. Rio de Janeiro, PUC. 139 pp.

MILLER, Daniel. Artifacts and the meaning of things. In: Ingold, T. (Ed.). Companion Encyclopedia of Anthropology. London: Routledge, 1994. p. 396-419.

MUNARI, Bruno. 1998. Das coisas nascem coisas. São Paulo, Martins Fontes. 67 pp.

PEDROSA, Adriano; TOLEDO, Tomás (Orgs.). 2016. A mão do povo brasileiro, 1969/2016. São Paulo, Masp Editora. 319 pp.

PELBART, Peter Pal. Vida capital. Ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

PIAGET, Jean. 1975. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Trad. de Álvaro Cabral e Cristiane Monteiro Oiticica. Rio de Janeiro, Zahar. 340 pp.

RIBEIRO, Berta G. 1983. O artesão tradicional e seu papel na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro, Funarte/Instituto Nacional do Folclore. 252 pp.

RISÉRIO, Antonio. 2016. Andanças pela praia de amar a Lina. In: PEDROSA, Adriano; TOLEDO, Tomás (Orgs.). A mão do povo brasileiro, 1969/2016. São Paulo, Masp Editora, pp. 59-64.

SENNETT, R. 2009. O artífice. Rio de Janeiro, Record. 360 pp.

SOARES, Mariza de Carvalho; AGOSTINHO, Michele de Barcelos; LIMA, Rachel Correa. 2016. Conhecendo a exposição Kumbukumbu do Museu Nacional. Rio de Janeiro, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Série Livros Digital. Disponível em: http://www.museunacional.ufrj.br/dir/exposicoes/etnologia/LivroKumbukumbu.pdf. Acesso em: 05 abr. 2018.

SODRÉ, Muniz. 2006. As estratégias sensíveis. Afeto, mídia e política. Petrópolis, Vozes. 230 pp.

TOLEDO, Tomás. 2016. Os trabalhos d’A mão do povo brasileiro. In: PEDROSA, Adriano; TOLEDO, Tomás (Orgs.). A mão do povo brasileiro, 1969/2016. São Paulo, Masp Editora, pp. 49-58.

VELHO, Gilberto. 2006. Autoria e criação artística. In: SANTOS, Gilda; VELHO, Gilberto. Artifícios e artefactos: entre o literário e o antropológico. Rio de Janeiro, 7 Letras, pp. 135-141.

VYGOTSKY, L. S. 1984. A formação social da mente. São Paulo, Martins Fontes. 90 pp.

WINNICOTT, D. W. 1975. O brincar & a realidade. Rio de Janeiro, IMAGO. 108 pp.

Downloads

Publicado

2018-12-30

Como Citar

MACIEIRA, C. Infância, inventos e boneca de pano. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 31, n. 2, p. 197–209, 2018. DOI: 10.24885/sab.v31i2.589. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/589. Acesso em: 7 ago. 2022.