Fazer-se criança no candomblé

infância, educação formal e gênero

Autores

  • Rodrigo Pereira Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v31i2.591

Palavras-chave:

Candomblé, Infância, Terreiro da Gomeia

Resumo

Objetiva-se, neste artigo, apresentar como o registro arqueológico é esclarecedor sobre aspectos ideacionais e materiais sobre como dava-se a construção da infância e, por consequência, do gênero em contextos religiosos de um terreiro de candomblé. Apresentamos, para tanto, o resultado parcial das escavações ocorridas no Terreiro da Gomeia (Duque de Caxias/RJ). Desse modo, almeja-se contribuir para a dilatação do conhecimento pretérito acerca dessa religião e da sua forma de organização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARIÈS, Philippe. 1981. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC.

BIRMAN, Patrícia. 1995. Fazendo estilo criando gênero: estudo sobre a construção religiosa da possessão e da diferença de gênero em terreiros de umbanda. Rio de Janeiro: Relumé Dumará/UERJ.

BOURDIEU, Pierre. 2007. Meditações pascalianas. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

BOURDIEU, Pierre. 2009. Senso prático. Petrópolis: Vozes.

CHEVITARESE, André Leonardo; PEREIRA, Rodrigo. 2016. O desvelar do candomblé: a trajetória de Joãozinho da Gomeia como meio de afirmação dos cultos afro-brasileiros no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de História das Religiões, Maringá, 9 (26): 43-65.

FRY, Peter. 1982. “Homossexualidade masculina e cultos afro-brasileiros”. In: __________. Para inglês ver: identidade e política na cultura brasileira. Rio de Janeiro: Zahar Editores, p. 54-86.

HAYS-GILPIN, K. 2006. “Gender”. In: BENTLEY, R. A; MASCHNER, H. D. G; CHIPPINDALE, C. (Eds.) Handbook of archaeological theory. Oxford: Altamira Press, pp. 59-104.

LANDES, Ruth. 2002. A cidade das mulheres. 2. ed. Rio de Janeiro: UFRJ.

LIMA, Tania Andrade. 2012. The dark side of toys in nineteenth-century Rio de Janeiro, Brazil. Historical Archaeology, 46 (3): 63–78.

LIMA, Vivaldo da Costa. 2002. A família de santo nos candomblés Jejes-nagôs da Bahia: um estudo de relações intragrupais. 2. ed. São Paulo: Corrupio.

MAGGIE, Yvonne. 2001. Guerra de orixá: um estudo de ritual e conflito. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

OLSEN, Bjørnar. 2003. Material culture after text: re-membering things. Norwegian Archaeological Review, 36 (2): 87-104.

PETERSON, Jane. 1998. The natufian hunting conundrum: spears, atlatls, or bows? Musculoskeletal and armature evidence. International Journal of Osteoarchaeology, 8: 378-389.

PEREIRA, Rodrigo. 2013. No reino das duas senhoras: etnografia do Rito do Axexê no Ilê Omô Oyá (São Gonçalo, Rio de Janeiro). Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 219pp.

PEREIRA, Rodrigo. 2015. As transformações no matriarcado nagô nos candomblés do estado do Rio de Janeiro (séculos XX e XXI): a figura do homem no comando dos axés. Revista Espacialidades, 8: 340-369.

PEREIRA, Rodrigo. 2017. Memórias do Terreiro da Gomeia: entre a materialidade e a oralidade. Revista Religião & Sociedade, Rio de Janeiro, 37 (3): 101-123.

PEREIRA, Rodrigo. 2018. Candomblé: história, cultura e materialidade. Rio de Janeiro: Autografia.

REIS, Magali; ORTEGA, Lenise Maria; CALVO, Julia; VERÍSSIMO, Mariana. 2016. Para uma arqueologia da prática escolar na educação da infância. Revista Educação, Porto Alegre, 39 (1): 113-120.

RIBEIRO, Loredana. 2017. Crítica feminista, arqueologia e descolonialidade. Revista de Arqueologia da SAB, 30 (1): p. 210-234.

SIQUEIRA, Paulo. 1971. Vida e morte de Joãozinho da Gomeia. Rio de Janeiro: Nautilus.

STRAUSS, A. 1999. Espelhos e mascaras: a busca de identidades. São Paulo: EDUSP.

THIRY-CHERQUES, H. R. 2006. Pierre Bourdieu: a teoria na prática. RAP, Rio de Janeiro, 40 (1): 27-55.

WACQUANT, L. 2007. Notas para esclarecer a noção de habitus. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, Rio de Janeiro, 6 (16): 5-11.

ZARANKIN, A. 2001. Paredes que domesticam: arqueologia da arquitetura escolar capitalista. Tese de Doutorado. Campinas, Universidade Estadual de Campinas. 255 pp.

Downloads

Publicado

2018-12-30

Como Citar

PEREIRA, R. Fazer-se criança no candomblé: infância, educação formal e gênero. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 31, n. 2, p. 158–175, 2018. DOI: 10.24885/sab.v31i2.591. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/591. Acesso em: 7 ago. 2022.