Infância, gênero e brinquedos

reflexões sobre a construção da domesticidade feminina através das coisas contemporâneas de brincar

Autores

  • Adriana Fraga da Silva Universidade Federal do Rio Grande

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v31i2.597

Palavras-chave:

Infância, Gênero, Brinquedos

Resumo

O presente artigo apresenta algumas das reflexões realizadas no âmbito de um projeto de pesquisa “É para menino ou para menina? O papel das coisas na construção bipolarizada de gênero na sociedade contemporânea”, desenvolvido no LOCCO/FURG. Tenho como objetivos problematizar aspectos relacionados às materialidades contemporâneas, através das coisas de brincar. Os brinquedos, enquanto tecnologias de gênero, são abordados na interseccionalidade das categorias sociais gênero e idade. Problematizo, assim, a construção e a manutenção de traços da ordem patriarcal de poder, por práticas que projetam e reforçam a domesticidade feminina desde a infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APPADURAI, Arjun. 2008. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói, RJ: EdUFF.

ARIÉS, Philippe. 1986. História social da criança e da família. Trad. Dora Flaksman. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara.

BAUDRILLARD, Jean. 2004.O Sistema dos Objetos. São Paulo: Perspectiva.

BAXTER, Jane Eva. 2008. The archaeology of childhood. Annual Review of Anthropology, 37: 159-175.

BENJAMIN, Walter. 2002. Reflexões sobre o brinquedo, a criança e a educação. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34.

BENTO, Berenice. 2010. As tecnologias que fazem os gêneros. In: Atas do VIII Congresso Iberoamericano de Ciência, Tecnologia e Gênero. Disponível em: http://files.dirppg.ct.utfpr.edu.br/ppgte/eventos/cictg/conteudo_cd/E8_As_Tecnologias_que_Fazem_os_Gêneros.pdf. Acessado em agosto 2017.

CARNEIRO, Vania C. 2003. Gênero e Cultura Material: uma introdução bibliográfica. In: Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Série. 8/9: 293-324.

DEL PRIORE, Mary. 2001. História das crianças no Brasil. São Paulo: Editora Contexto.

DOUGLAS, Mary e ISHERWOOD, Baron. 2004. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: UFRJ.

FERNANDES, Florestan. 1979. As Trocinhas do Bom Retiro: contribuição ao estudo folclórico e sociológico dos grupos infantis. In: FERNANDES, Florestan. Folclore e mudança social na cidade de São Paulo. 2 ed. Petrópolis/RJ: Vozes.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. 1999. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3 ed. totalmente rev. e ampl. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

INGOLD, Tin. 2012. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. In: Rev. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre: UFRGS. 37: 25-44.

JACKSON, Donald. 2006. Infancia y Arqueología: hacia la construcción de un marco conceptual y expectativas arqueológicas. In.: JACKSON, Donald; SALAZAR, Diego e TRONCOSO, M. (Orgs). 2006. Puentes hacia el pasado: refexiones teoricas en Arqueología. E-book . Grupo de Trabajo en Arqueología Teórica, pp. 110-122.

LAURETIS, Teresa de. 1994. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. (org.) Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, pp. 206-241.

LILLEHAMMER, Grete. 2010. Archaeology of Children/Arqueología de la infancia. Complutum, 21: 15-45.

LOURO, Guacira L. 1996. Nas redes do conceito de gênero. In.: Gênero e saúde. Porto Alegre: Artes Médicas.

LOURO, Guacira L. 1997. Gênero, Sexualidade e Educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

LOURO, Guacira L. 2008. Gênero e Sexualidade: pedagogias contemporâneas. In: Pro-Posições. v.19. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v19n2/a03v19n2.pdf. Acessado em janeiro 2015.

McCRAKEN, Grant. 2003. Cultura e Consumo. Novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e atividades de consumo. Rio de Janeiro: Mauad.

MILLER, Daniel. 2002.Teoria das Compras. O que orienta as escolhas dos consumidores. São Paulo: Nobel.

MILLER, Daniel. 2013. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre cultura material. Rio de Janeiro: Zahar.

PAGNOSSI. Nádia Carrasco. 2017. Construindo uma Arqueologia de Gênero. In: Revista de Arqueologia Pública. Campinas: UNICAMP, 11: 50-66.

PERAILE, Isabel Izquierdo; RUIZ, Claudia Lopes e TORREIRA, Lourdes Prados, 2014. In: Archivo de Pre Historia Levantina. Valência: Museu de Pré-História de Valência. 30: 401-418.

PEREIRA, Rita Marisa R. 2009. Uma História Cultural do Brinquedos. Apontamentos sobre infância, cultura e educação. In: Revista Teias. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Educação UERJ. Disponível: http://www.periodicos.proped.pro.br/index.php/revistateias/article/view/444/388. Acessado em março 2015.

POLITIS, Gustavo. 1998. Arqueología de la Infancia: una perspectiva etnoarqueológica. In.: Trabajos de Prehistoria. 55: 5-19.

POLITIS, Gustavo. 1999. La actividad infantile en la produccion del registro arqueológico cazadores-recolectores. In.: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, Suplemento 3: 263-283.

QVORTRUP, Jeans. 2010. A infância enquanto categoria estrutural. In: Educação e Pesquisa. São Paulo, 36: 631-643.

RIBEIRO, Loredana. 2017. Crítica Feminista, Arqueologia e Descolonialidade: sobre resistir na ciência. In: Revista de Arqueologia. 30: 210-234.

ROMERO, Margarita Sánchez. 2010. ¡ Eso no se toca! Infancia y cultura material en arqueología/Don't touch that! Childhood and material culture. In.: Archaeology. Complutum, 21: 9-13.

SAFFIOTI, Heleieth. 2009. Ontogênese e filogênese do gênero: ordem patriarcal de gênero e a violência masculina contra as mulheres. In: Série Estudos e Ensaios/ Ciências Sociais. FLACSO – Brasil, junho. Disponível em: <http://www.ssp.rs.gov.br/upload/20121031105350ontogenese_e_filogenese_do_genero.pdf> Acesso em 05/04/2016.

SCOTT, Joan Wallach. 1995. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação&Realidade. Porto Alegre, 20: 71-99.

SAHLINS, Marshall. 2003. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Zahar.

SILVA, Susana Maria Veleda da e SILVA, Adriana Fraga da. 2017. A Construção do Patriarcado: ainda uma questão. In: OLIVEIRA, Rodrigo Santos; NASCIMENTO, Michele Vasconcelos de Oliveira; LOUSADA, Isabel da Cruz (orgs). História, feminismos e estudos de gênero: reflexões interdisciplinares. São Paulo: LiberArs. pp. 103-118.

SOLARI, A.; MARTIN, G.; SILVA, S. F. S. M da. 2016. A Presença Infantil no Registro Bioarqueológico no Sítio Pedra do Alexandre, Carnaúba dos Dantas, RN, Brasil. In.: Fumdhamentos, XIII: 4-30.

SØRENSEN. Marie Louise.1998. S. Arqueologia del genero en la arqueologiaeuropea: reflexiones y propuestas. In: Arqueologia.19, Disponivel em: http://debatefeminista.com/PDF/Articulos/arqueo379.pdf. Acessado em março 2014.

STALLYBRASS, Peter. 2008. O Casaco de Marx. Belo Horizonte: Autentica Editora.

SUDJIC, Deyan. 2010. A linguagem das coisas. Rio de Janeiro: Intrínseca.

THOMAS, Julian. 2004. Archaeology and Modernity.Londres: Routledge.

TILLEY, Christopher e editores. 2006. Handbook of Material Culture. Londres: Sage Publications Ltd.

TILLEY, Christopher. (Org). 1990. Reading Material Culture: Structuralism, Hermeneutics and Post-Structuralism. Cambridge, Basil Blackwell Ltd.

Downloads

Publicado

2018-12-30

Como Citar

FRAGA DA SILVA, A. Infância, gênero e brinquedos: reflexões sobre a construção da domesticidade feminina através das coisas contemporâneas de brincar. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 31, n. 2, p. 176–196, 2018. DOI: 10.24885/sab.v31i2.597. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/597. Acesso em: 9 ago. 2022.