Arqueologia do Baixo Sul da Bahia

Engenho Rio de Contas, Itacaré, Bahia, Brasil

Autores

  • Carlos Alberto Santos Costa Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Fabiana Comerlato Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Cinthia da Silva Cunha Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v31i2.607

Palavras-chave:

Engenho de Açúcar, Rio de Contas, Arqueologia

Resumo

O Engenho Rio de Contas é uma unidade de produção açucareira que funcionou no leito navegável do Rio de Contas, Bahia, do século XVIII ao início do XX. Em 2007, durante a construção da BA-001 (Camamu a Itacaré), o sítio foi escavado, quando também foi possível levantar os dados históricos e arqueológicos, além da análise dos materiais coletados. Este sítio foi analisado a partir da noção de “engenho” elaborada para a compreensão do sistema produtivo e distante das concepções tradicionais cunhadas na historiografia oficial. Assim, o Engenho Rio de Contas foi interpretado como uma grande estrutura de produção, adaptada à realidade local e imersa numa rede de produção e comércio, com controle territorial difuso da paisagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Capistrano de. 1969. Capítulos da história colonial (1500-1800). Rio de Janeiro: Briguet, 268pp.

ALBUQUERQUE, Paulo Tadeu. 1991. A faiança portuguesa dos séculos XVI a XIX em Vila Flor, RN. Dissertação de Mestrado em História. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 200pp.

ANDREATTA, Margarida Davina. 1999. Engenho São Jorge dos Erasmos: Prospecção Arqueológica Histórica Industrial. Revista da Universidade de São Paulo, v. 41, pp. 28-47.

ANTONIL, André João. 1982 [1955]. Cultura e opulência do Brasil, 3ª ed. (Coleção Reconquista do Brasil). Belo Horizonte: Itatiaia / Edusp, 239pp.

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA. Seção Judiciária - Inventário - Classificação 02/901/1370/06; Local - Barra do Rio de Contas; Ano - 1876; Inventariado - Capitão-mor Manuel Martins de Lima; Inventariante - Manuel Lopes Ferreira.

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA. Seção Judiciária - Inventário - Classificação 07-3175-04; Local - Barra do Rio de Contas; Ano - 187[?]; Inventariado - Delfina Martins de Lima; Inventariante - Celestino Martins de Lima (irmão).

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA. Seção Judiciária - Inventário - Classificação 05-2007-2478-03; Local - Salvador (registro em Salvador); Ano - 1860; Inventariado - Miguel Travassos de Lima; Inventariante - Manuel Antonio Dias (Obs: com testamento).

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA. Seção Judiciária - Inventário - Classificação 02-901-; Local - Barra do Rio de Contas; Ano - 1876; Inventariado - Virgínio Martins de Lima; Inventariante - Candido José Setúval.

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA. Seção Judiciária - Inventário - Classificação 04-1728-2198-09; Local - Salvador (registro em Salvador); Ano - 1830; Inventariado - Bernardino José Monteiro; Inventariante - Maria Pereira de Oliveira (Obs: faleceu em 16/09/1830).

AZEVEDO, Esterzilda Berenstein de. 2009. Engenhos do Recôncavo Baiano. Brasília, DF: Iphan/Programa Monumenta, 140pp.

AZEVEDO, Esterzilda Berenstein de. 1990. Arquitetura do açúcar: engenhos do Recôncavo Baiano no período colonial. São Paulo: Nobel, 219pp.

BRACANTE, Eldino da Fonseca. 1981. O Brasil e a cerâmica antiga. São Paulo: Cia. Litographica Ipiranga, 730pp.

BUARQUE DE HOLANDA, Sérgio. 1995 [1936]. Raízes do Brasil, 26ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 220pp.

CALI, Plácido. 2003. Sítio Arqueológico Engenho Pacuíba I. Ilhabela - SP. Ilhabela: ed. Asseart, 82pp.

CAMPOS, João da Silva. 2006 [1947]. Crônica da capitania de São Jorge dos Ilhéus, 3ª ed. Ilhéus: Editus, 819pp.

CARDIM, Fernão. 2000 [1583-1601]. Tratados da terra e gente do Brasil, 2ª ed. Transcrição: Ana Maria de Azevedo. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 259pp.

COSTA, Carlos Alberto Santos. 2005. Materiais construtivos do sítio da primeira Catedral do Brasil: modelos de estudo para telhas, tijolos, cravos e azulejos aplicados aos materiais do sítio da antiga igreja da Sé, Salvador, Bahia. Clio - Série Arqueológica, Recife, v. 2 (19), pp. 43-78.

COSTA, Carlos Alberto Santos. 2008. Relatório final do salvamento e levantamento arqueológico complementar na rodovia BA-001 (trecho BR-030 – Itacaré). Salvador, Mae/Ufba.

COSTA, Carlos Alberto Santos; COMERLATO, Fabiana. 2018. Arqueologia do Baixo Sul da Bahia: residências rurais do século XIX em Itacaré, Bahia, Brasil. Revista Noctua – Arqueologia e Patrimônio, Recife, v. 1 (3), pp. 66-75.

COSTA, Diogo Menezes. 2017. Historical Archaeology in the Amazon: the Murutucu Sugar Cane Mill Field School Project. International Journal of Historical Archaeology, v21, pp. 674-689.

D’ESAGUY, Augusto. 1937. Um notável descoberta portuguesa: a água de Inglaterra. Ilustração, Lisboa,. 266, ano 12, pp. 9.

DORDIO, Paulo; TEIXEIRA, Ricardo; SÁ, Anabela. 2001. Faianças do Porto e Gaia: o recente contributo da arqueologia. Itinerário da faiança do Porto e Gaia, Lisboa: Museu Nacional de Soares dos Reis, pp. 117-166.

ENCICLOPÉDIA dos Municípios, v. 20. 1958. Rio de Janeiro: IBGE, 1958 405pp.

ENCICLOPÉDIA dos Municípios, v. 21. 1958. Rio de Janeiro: IBGE., 1958, 431pp.

FERNANDES, Henry Luydy Abraham; COSTA, Carlos Alberto Santos. 2009. Arqueologia do baixo sul da Bahia: condicionantes espaciais na implantação de engenhos de açúcar. Revista de Arqueologia, Belém, v. 22 (2), pp. 137-156.

FERNANDES, Henry Luydy Abraham. 2007. Relatório final do resgate e monitoramento arqueológico na rodovia BA-001 (Camamu – BR-030). Salvador: Mae/Ufba.

FERNANDES, Henry Luydy Abraham; COSTA, Carlos Alberto Santos. 2006. Relatório final do diagnóstico e levantamento arqueológico na rodovia BA-001 (Camamu-Itacaré). Salvador: Mae/Ufba.

FERREIRA, Manuela Almeida. 1997. Seventeenth and eighteenth century glass drinking vessels and bottles from Lisbon - Portugal. Conimbriga, 36, pp.183-190.

FOREST, Melânia Gaudêncio Noya. 2006. Engenho Maranguape: uma leitura arqueológica. Dissertação de Mestrado em Arqueologia. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 85pp.

FOREST, Melânia Gaudêncio Noya; OLIVEIRA, Cláudia Alves de. 2008. Uma leitura arqueológica do Engenho Maranguape Paulista - PE. Clio – Série arqueológica, v 23 (61), pp. 63-83.

FOUND, William; BERBÉS-BLÁZQUEZ, Marta. 2012. The sugar-cane landscape of the Caribbean Islands: Resilience, adaptation and transformation of the plantation social—ecological system. Resilience and the Cultural Landscape: Understanding and Managing Change in Human-Shaped Environments, pp.164-184.

FREIRE, Felisbelo. 1998. História territorial do Brasil - Edição fac-similar. Salvador: Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 542pp.

FREYRE, Gilberto. 2012 [1933]. Casa grande e senzala, 9ª ed. São Paulo: Global, 768pp.

FREYRE, Gilberto. 2004. Nordeste: aspectos da influência da cana sobre a vida e a paisagem do Nordeste do Brasil. 7. ed. rev. São Paulo: Global.

GANDAVO, Pero de Magalhães. 1980 [1576]. Tratado da terra do Brasil. São Paulo, Edusp, 1560pp.

GARCEZ, Angelina Nobre Rolim. 1992. O fundo das 12 léguas – sesmarias doadas por Mem de Sá aos Padres Jesuítas. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, Salvador, v. 90, pp. 39-43.

GOMES, Geraldo. 2006. Engenho e arquitetura. Recife: Editora Massangana, 414pp.

GOMES, Paulo Dórdio; TEIXEIRA, Ricardo Jorge; SÁ, Anabela. 2001. Faianças do Porto e Gaia: o recente contributo da arqueologia. In: Itinerário da Faiança do Porto e Gaia. Lisboa: Museu Nacional de Soares dos Reis, pp. 119-164.

GUIMARÃES, Carlos Magno; REIS, Flávia Maria Mata; SILVA, Fernanda Cristina de Oliveira e; SANTOS, Rafael Barbi Costa. 2003. Os engenhos de Serra da Mesa - Goiás. São Paulo. Anais do XII Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira. São Paulo: SAB, pp. 1-12.

GUIMARÃES, Carlos Magno; SILVA, Giovanna Helena Teixeira da Cruz; CAMPOS, Luana Carla. 2005. Arqueologia dos engenhos de cana do médio Jequitinhonha (Minas Gerais – Brasil / Séculos XVIII – XX). Campo Grande. Anais do XIII Congresso da SAB: arqueologia, patrimônio e turismo. Campo Grande: ed. Oeste, pp. 1-14.

LA SALVIA, Fernando; BROCHADO, José Proença. 1989. Cerâmica Guarani. Porto Alegre: Posenato Arte & Cultura, 175pp.

LEITE, Serafim Soares. 1945. História da Companhia de Jesus no Brasil, tomo V. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro / Livraria Portugália, 635pp.

MAYER, Brianna. 2016. Status and Identity on a Smallholder Caribbean Plantation: an archaeological perspective. Tese de Doutorado em Antropologia. Michigan: University of Michigan, 80pp.

MORAIS, José Luiz de; PIEDADE, Silvia Cristina; MAXIMINO, Eliete Pythagoras Brito. 2005. Arqueologia da Terra Brasilis: o Engenho São Jorge dos Erasmos, na Capitania de São Vicente. Revista de Arqueologia Americana, v. 23, pp. 349-384.

OLIVEIRA MARTINS, Iberê Fernando de. 2015. Arqueologia e etnicidade na Amazônia Oriental: o caso do Engenho Murutucu em Belém do Pará. Dissertação de Mestrado em Antropologia. Belém: Universidade Federal do Pará, 125pp.

OLIVEIRA, Claudia Alves. 2018. Relatório final: arqueologia e acessibilidade do Engenho Jaguaribe do Litoral Norte de Pernambuco. Recife: SIC/PE, 121pp.

OLIVEIRA MARTINS, Iberê Fernando de. 2015. Arqueologia e etnicidade na Amazônia Oriental: o caso do Engenho Murutucu em Belém do Pará. Dissertação de Mestrado em Antropologia. Belém: Universidade Federal do Pará, 125pp.

PRADO JUNIOR., Caio Prado. 2011 [1942]. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Companhia das Letras, 446pp.

SANTOS, Paulo Alexandre da Graça. 2005. Contentores de bebidas alcoólicas: usos e significados na Porto Alegre oitocentista. Dissertação de Mestrado em História. Porto Alegre: Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 242pp.

SCHIFFER, Michael Brian. 1972. Archaeological context and systemic context. American Antiquity, v. 31 (2) pp. 156-165.

SCHWARZT, Stuart. 1995 [1985]. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 480pp.

SIMONSEN, Roberto Cochrane. 1978 [1937]. História econômica do Brasil (1500/1820), 8ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 475pp.

SOARES DE SOUSA, Gabriel. 2000 [1587]. Tratado descritivo do Brasil em 1587. Recife: Fundação Joaquim Nabuco / Editora Masangana, 355pp.

SOUZA, Alfredo Mendonça de. 1997. Dicionário de arqueologia. Rio de Janeiro: Adesa, 140pp.

SOUZA, Marcos André Torres de. 2015. O século 18 em Goiás e a visão de mundo barroca: dois estudos de caso. História Revista, v. 20 (2). pp. 140-174.

SOUZA REGO, Nuno José. 2010a. Relatório Engenho Massangana: arqueologia de restauração da Casa Grande. Recife: Fundaj.

SOUZA REGO, Nuno José. 2010b. Relatório Engenho Massangana: arqueologia de restauração da Capela de São Mateus. Recife: Fundaj.

SYMANSKI, Luís Cláudio Pereira. 1998. Espaço privado e vida material em Porto Alegre no século XIX. Porto Alegre: Edipucrs, 276pp.

SYMANSKI, Luis Cláudio Pereira; GOMES, Flávio dos Santos; SUGUIMATSU, Isabela Cristina. 2015. Práticas de descarte de refugo em uma plantation escravista. Revista de Arqueologia, v. 28 (1), pp. 93-122.

TOCCHETTO, Fernanda Bordin; SYMANSKI, Luís Cláudio Pereira; OZÒRIO, Sérgio Rovan; OLIVEIRA, Alberto Duarte Tavares de; CAPPELLETTI, Ângela Maria. 2001. A faiança fina em Porto Alegre: vestígios arqueológicos de uma cidade. Porto Alegre: EU/Secretaria Municipal da Cultura, 168pp.

TRINDADE, Etelvina. 1996. O trabalho nos engenhos. São Paulo: Atual, 39pp.

WOODWARD, Robyn Phipps. 2011. Feudalismo or Agrarian Capitalism? The Archaeology of the Early Sixteenth-Century Spanish Sugar Industry. DELLE, James A.; HAUSER, Mark W.; ARMASTRONG, Douglas V. Out of Many, One People: the historical archaeology of colonial Jamaica. Tuscaloosa: The University of Alabama Press, pp. 23-40.

Downloads

Publicado

2018-12-30

Como Citar

SANTOS COSTA, C. A.; COMERLATO, F.; SILVA CUNHA, C. da . Arqueologia do Baixo Sul da Bahia: Engenho Rio de Contas, Itacaré, Bahia, Brasil. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 31, n. 2, p. 256–281, 2018. DOI: 10.24885/sab.v31i2.607. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/607. Acesso em: 7 ago. 2022.