Remanescentes humanos no contexto arqueológico

dilemas sobre repatriação de vestígios sensíveis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v32i1.611

Palavras-chave:

Repatriação, Coleções, Arqueologia

Resumo

Os pedidos de repatriação de remanescentes humanos pelos coletivos humanos têm mobilizado pesquisadores e gestores do patrimônio cultural a refletir sobre valores que pareceriam incontestáveis até então. Partindo disso, este trabalho abordará uma discussão sobre a disputa que envolve a repatriação de remanescentes humanos bem como o papel dos museus e das instituições acadêmicas nesse cenário. Nesse sentido, o processo repatriamento é compreendido como um recurso para o reconhecimento do direito de coletivos não ocidentais sobre o patrimônio arqueológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERMANN, Jens. 2004. Espetáculos da Diferença: A Exposição Antropológica Brasileira de 1882. Topoi, Rio de Janeiro, 5(9):128–170.

ANDRADE LIMA, Tânia. 1994. Restos Humanos e Arqueologia Histórica: uma questão de ética. Historical Archaeology in Latin America, 5:1–24.

BARKER, Alex. 2003. Archaeological Ethics: Museums and Collections. In: ZIMMERMAN, L. J.; VITELLI, Karen & HOLLOWELL-ZIMMER, Julie (org.), Ethical Issues in Archaeology. Altamira Press/Society for American Archaeology, pp. 71–83.

BARRETO, Cristiana. 1999-2000. A construção de um passado pré-colonial: uma breve história sa Arqueologia no Brasil. Revista USP, São Paulo, 44:32–51.

BEZERRA, Marcia. 2012. um breve ensaio sobre patrimônio arqueológico e povos indígenas. Revista de Arqueologia, São Paulo, 24(1):74–82.

BOTTALLO, Marilúcia. 1995. Os museus tradicionais na sociedade contemporânea: Uma revisão. Rev. do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 5:283–287.

BROWN, Tina F. 1995. The Native American Grave Protection and Repatriation Act: A necessary but costly measure. The Nebraska Anthropologist 12(1):89–98.

CASTAÑEDA, Quetzil & MATHEWS, Jennifer. 2013. Archaeology Meccas of Tourism: Exploration, Protection, and Exploitation. In: WALKER, C. & CARR, N. (org.), Tourism and Archaeology: Sustainable Meeting Grounds. Walnut Creek, Left Coast Press, pp. 37–64.

CLIFFORD, James. 2016. Museus como Zonas de Contato. Periódico Permanente, São Paulo, 6:1–37.

DA-GLORIA, Pedro; NEVES, Walter A. & HUBBE, Merk. 2017. História das Pesquisas Bioarqueológicas em Lagoa Santa, Minas Gerais, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum, Belém, 12(3):919–936.

ENDERE, María Luz. 2000. Patrimonios en Disputa: Acervos nacionales, investigación arqueológica y reclamos étnicos sobre restos humanos. Trabajos de Prehistoria, Madrid, 57(1):5–17.

GASPAR NETO, Verlan V. & SANTOS, Ricardo V. 2009. A Cor dos Ossos: narrativas científicas e apropriações culturais sobre "Luzia", um crânio pré-histórico do Brasil. Mana, Rio de Janeiro, 15(2):449–480.

GNECCO, Cristóbal. 2009. Caminos de la Arqueología: de la violencia epistémica a la relacionalidad. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum, Belém, 4(1):15–26.

GONÇALVES, J. Reginaldo Santos. 2015. O mal-estar no patrimônio: identidade, tempo e destruição. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 28(55):211–228.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. 2014. Malos Nativos. una crítica de las Arqueologías Indígenas y Poscoloniales. Revista de Arqueologia, São Paulo, 27(2):47–63.

GROSE, Teresa O. 1996. Reading the Bones: Information content, value, and ownership issues raised by the Native American Graves Protection and Repatriation Act. Journal of the American Society for Information Science and Technology, 47(8): 624–631.

LAPLANTINE, François. 2003. Aprender Antropologia. 1ª ed. Trad. de M. Chauvel. São Paulo, Brasiliense. 170 pp.

LAZRUS, Paula. 2006. Supporting and promoting the idea of a shared cultural patrimony. In: BRODIE, N.; KERSEL, M.; LUKE, C. & TUBB, K. (org.), Archaeology, Cultural Heritage and Antiquities Trade. University Press of Florida, pp. 270–283.

MAZA, Maria del Camen & WEISINGER, Graciela. 2010. Restitución del Patrimonio Cultural Arqueológico Indígena en América. In: DESVALLÉES, A. & NASH, S. (org.), ICOFOM Study Series – ISS 39: Deaccession and Return of Cultural Heritage: A New Global Ethics, Zhejiang, ICOM, pp. 175–186.

MENDONÇA DE SOUZA, Sheila & RODRIGUES-CARVALHO, Claudia. 2013. “Ossos no Chão”: para uma abordagem dos remanescentes humanos no campo. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum, Belém, 8(3):551–566.

MENDONÇA DE SOUZA, Sheila. 2014. Bioarchaeology in Brazil. In: O´DONNABHAIN, B. & LOZADA, MC. (org.), Archaeological Human Remains: Global Perspectives. New York, Springer, pp. 53–63.

RENFREW, Colin. 2006. Museum Acquisitions: Responsibilities for the Illicit Traffic in Antiquities. In: BRODIE, N.; KERSEL, M.; LUKE, C. & TUBB, K. (org.), Archaeology, Cultural Heritage and Antiquities Trade. University Press of Florida, pp. 245–257.

ROSE, Jerome C.; GREEN, Thomas J. & GREEN, Victoria D.1996. NAGPRA is forever: Osteology and the Repatriation of Skeletons. Annual Review of Anthropology, Palo Alto, California, 25(1):81–103.

SCHWARCZ, Lilia. 2005. A “Era dos Museus de Etnografia” no Brasil: O Museu Paulista, o Museu Nacional e o Museu Paraense em finais do XIX. In: FIGUEIREDO, Betânia & VIDAL, D. (org.), Museus: dos Gabinetes de Curiosidades à Museologia Moderna. 1a edição. Belo Horizonte, Argvmentvm; Brasília, CNPq, pp. 113–136.

SEPÚLVEDA DOS SANTOS, Myrian & CHAGAS, Mário. 2007. A Linguagem de Poder dos Museus. In: Museus Coleções e Patrimônios: Narrativas Polifônicas. Regina Abreu, Mário Chagas, and Myrian Sepúlveda dos Santos, eds. Pp. 12–19. Rio de Janeiro: Garamond, MinC/IPHAN/DEMU.

SMITH, Claire & BURKE, Heather 2003 In Spirit Of the Code. In: ZIMMERMAN, L. J.; VITELLI, Karen & HOLLOWELL-ZIMMER, Julie (org.), Ethical Issues in Archaeology. Altamira Press/Society for American Archaeology, pp. 177–197.

SMITH, Laurajane. 2004. The Repatriation of Human Remains - Problem or Opportunity? Antiquity, Durham, 78(300):404–413.

TAMAGNO, Liliana. 2015. Etnicidad y política en torno al tratamiento de restos humanos de interés Arqueológico y Bioantropológico. Passando, presente y futuro de los pueblos indígenas. Revista Argentina de Antropología Biológica, Buenos Aires, 17(2): 1–9.

TARLOW, Sarah. 2006. Archaeological Ethics and the People of the Past. In: SCARRE, C. & SCARRE, G. (org.), The Ethics of Archaeology: Philosophical Perspectives on Archaeological Practice. Cambridge University Press, pp. 199–216.

TAVARES, Reinaldo. 2016. A Apropriação Ético-Cultural dos Resultados da Pesquisa Arqueológica no Cemitério dos Pretos Novos, Gamboa, Rio de Janeiro. In: CAMPOS, G. & GRANATO, M. (org.), Anais do IV Seminário Preservação de Patrimônio Arqueológico. Rio de Janeiro, Museu de Astronomia e Ciências Afins, pp. 444–457.

VÉRAN, Jean-François. 2012 Old Bones, New Powers. Current Anthropology, 53(S5):246–255.

Downloads

Publicado

2019-06-25

Como Citar

SANTOS, E. C. dos. Remanescentes humanos no contexto arqueológico: dilemas sobre repatriação de vestígios sensíveis. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 32, n. 1, p. 69–83, 2019. DOI: 10.24885/sab.v32i1.611. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/611. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo