A Utilização da Analogía Etnográfica no Estudo dos Aterros da Região Pantaneira de Corumbá, MS

Autores

  • Jorge Eremites de Oliveira Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v8i2.659

Palavras-chave:

Etnografia, Guató, Arqueologia

Resumo

Os trabalhos de levantamento e prospecção realizados pelo Programa Arqueológico do MS - Projeto Corumbá identificaram mais de uma centena de aterros, em sua quase totalidade cerâmicos, distribuídos entre a sub-região do Pantanal do Abobral e a Lagoa do Jacadigo. Apresentam-se como elevações do terreno, sob forma circular e sub-circular, com uma densa cobertura vegetal e próximos de canais, rios e lagoas. Deveriam ter sido ocupados por populações canoeiras que provavelmente os utilizavam para habitação e cultivo sazonais. Os índios Guató constituem um exemplo etnográfico deste tipo de instalação e podem servir para melhor compreender questões relacionadas a assentamento e subsistência através do método da analogia etnográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADÁMOLI, Jorge. O Pantanal e suas relações fìtogeográficas com os Cerrados. Discussão sobre o conceito de "Complexo do Pantanal" ln: Anais da Sociedade Botânica do Brasil. Teresina, 1982. P 109-19.

ALCINA FRANCH, Jose. Arqueologia Antropologica. Madri, Akal, 1989.

ALVARENGA, Sílvia Maria. Planíces e pantanais matogrossenses. Relevo. Geografia do Brasil. Vol. l. Região Centro Oeste, Rio de Janeiro, IBGE, 1989, p. 65-8.

BINFORD, Lewis R. Smudge pits and hide smoking: The us eof analogy in archaeological reasoning. American Antiquiti..Vol.32. N. I, 1967. p. 1-12.

Methodological consideration of archaeological use of ethnographic data. In: OLIVEIRA, J. E. DE A utilização da analogia etnográfica no estudo de aterros na região de Corumbá, MS. Revista de Arqueologia, São Paulo, 8(2): 159-167, 1994-95.

LEE, Rìchard B. & DEVORE, Irven (cds.). Man the Hunter. 4. ed. Chicago. aldìne Publishers, 1973. p. 268-73.

Willow smoke and dog's tails: Huntre-Gatherer, settlement Systerns and archaeological site forrnation. American Antiquity, Vol. 4.5. N. I. 1980. p.4-20.

BINFORD, Sully R. Etnographic Data and Understanding the Pleistocene. In: LEE, Richard B. & DEVORE, Irvcn (Eds.). Man the Hunter. 4. cd. Chicago. Aldine Publishers, 1973. p. 274-5.

BITENCOURT, Ana Luisa V. Projeto Corumbá - Sub-região do Abobral: A implantação dos aterros. Comunicação apresentada na VI Reunião Científica da Sociedade dde Arqueologia Brasileira, Rio de Janeiro, 1991.

CARVALHO, Sflvia M. S. Chuctl: Encluzilhada tlos Povos c "Mclting Pot" Culttrrul. [n:

CUNHA, Manuela C. da. História dos índios do Brasil. São Paulo, FAPESP/SMC/Companhia das Letras, 1992. p.457-74.

HODDER, lan, Interpretación en Arqueología: Corrienle:s Actuales. Tradución de Maria José Aubet. Barcclona, Editorial Crítica, 1988.

MACROZONEAMENTO GEOAMBIENTAL DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Campo Grande, SEPLAN-M S/Fl PLAN- S/IB GE, 1989.

MÉTRAUX, Alfred. Etnography of'the Chaco. Part 2. Indians of the Gran Chaco. Handbook of South Amerìcan Indian Vol. I (The Marginal Tlibes). Washington, Government Printing Office, 1946. p. 197-370.

NUÑEZ, Alfredo Jiménez. Sobre el Concepto de Etnohistoria¡. ln: Prinera Reunión de Antropologos Españoles, Sevilla. Universidad de Sevilla. Universidad de Sevilla, 1975. p.91-105.

OLIVEIRA, Jorge E. DE & PEIXOTO, José Luis dos S. Arqueologia no Pantanal: O Projeto Corumbá, Comunicação Apresentada no "Seminário Feira de Pesquisa e Pós-Graduação". UNISINOS, São Leopoldo, 1993.

PALÁCIO, Adair P. Guató: A Língua dos índios Canoeiros do Rio Paraguai. Tese de Doutorado. UNICAMP, Campinas, 1984.

PROJETO RADAMBRASIL. Folha SE.21 Corumbá e Parte da Folha SE.20. Levantamento de Recursos Naturais. Vol.27. Rio de Janeiro, Ministério das Minas e Energia Secretaria-Gearl, 1992.

ROGGE, Jairo H. & SCHMITZ, Pedro I. Projeto Corumbá: A Cerâmica dos Aterros. In: Anais da VI Reunião Científica da Sociedade de Arqueologia Brasileira. Rio de Janeiro, CNPq/FINEP/UNESA, 1992. p. 781-91.

RODRIGUES, Aryon Dall'Ygna. Línguas Brasileiras: Paro o Conhecimentoo das Línguas Indígenas. São Puulo, Edições Loyola, 1986.

SCHMIDT, Max. Estudos de Etnologia Brasileira. Peripécias de uma viagem entre 1900 e1901. Seus reultados etnológicos. Tradução de Catharina Barataz Canabrava. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1942.

SCHMITZ, Pedro I. Programa Arqueológico do MS - Projeto Corumbá. Trabalhos apresentados no VI simpósio sul-riograndense de arqueologia: Novas Perspectivas: PUCRS - 2 a 4 de Maio de 1991. São Leopoldo, Instituto Anchietano de Pesquisas, 1993. p.40-7.

SUSNIK, Branislava. Dimenciones migratorias y pautas culturales de los pueblos del Gran Chaco y su periferia (enfoque etnológico). Suplemento Antropológico. Vol. 7. N. l-2. Asunción, Universidad Catolica, 1972. p. 85-105.

TRIGGER, Bruce G. Etnohistoria: Problemas y Perspctivas. Etnohistoty. Vol. 29. N. 1. Tradución de Catalina T. Michieli, 1982. p. 1-29.

Downloads

Publicado

1994-12-30

Como Citar

EREMITES DE OLIVEIRA, J. A Utilização da Analogía Etnográfica no Estudo dos Aterros da Região Pantaneira de Corumbá, MS. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 159–167, 1994. DOI: 10.24885/sab.v8i2.659. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/659. Acesso em: 7 out. 2022.

Edição

Seção

Artigo