Variabilidade estratigráfica e espacial dos contextos cerâmicos no Sítio Teotônio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i1.685

Resumo

Na arqueologia Amazônica são comuns sítios abrangendo vários hectares com sobreposição de camadas formadas por depósitos profundos e estratificados, com consequentes perturbações de depósitos mais antigos por ocupações posteriores. Tais características impõem dificuldades de interpretação dos registros. O objetivo deste artigo é realizar uma primeira tentativa de interpretar o significado da estratigrafia do sítio Teotônio, localizado às margens da cachoeira homônima, no alto rio Madeira, que tem uma cronologia de ocupação que chega há 9.000 anos antes do presente (AP). Nossa pesquisa se restringe às ocupações de grupos ceramistas que se estendeu desde cerca de 3.000 anos AP até o período colonial. Delineou-se a dispersão do material cerâmico assim como uma área específica que concentra quase todos os conjuntos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, F. O. 2013. A Tradição Polícroma no Alto Rio Madeira. Tese de Doutorado. São Paulo: MAE/USP.

ALMEIDA, F. O. 2017a. The Organics of Settlement Patterns. Kellett, Lucas C. & Jones, Eric (Eds.). Settlement Ecology of the Ancient Americas. New York: Routledge.

ALMEIDA, F. O. 2017b. A arqueologia do rio Jamari e a possível relação com os grupos Tupi-Arikém–Alto Madeira (RO). Especiaria: Cadernos de Ciências Humanas, v. 17, n. 30.

ALMEIDA, F. O.; KATER, T. 2017. As cachoeiras como bolsões de histórias dos grupos indígenas das terras baixas sul-americanas. Revista Brasileira de História, v. 37, n. 75.

ARROYO‐KALIN, M. 2012. Slash-burn-and-churn: Landscape history and crop cultivation in pre-Columbian Amazonia. Quaternary International, 249: 4-18.

ARROYO‐KALIN, M. 2017. Amazonian dark earths. In: Nicosia, C. Archaeological Soil and Sediment Micromorphology. John Wiley & Sons, Ltd, Chichester, 345-357.

BALÉE, W.; ERICKSON, C. L. 2006. Time, Complexity and Historical Ecology. In: BALÉE, W. & ERICKSON, C. L. (Eds.). Time and complexity in Historical Ecology. Studies in the neotropical lowlands. New York: Columbia University Press, pp.1-20.

BARCELOS NETO, Aristoteles. 2012. Objetos de poder, pessoas de prestígio: a temporalidade biográfica dos rituais xinguanos ea cosmopolítica wauja. Mundo Amazónico, v. 3, p. 71-94.

CAROMANO, C. et al. 2016. A Roça Asurini e o Fogo Bonito de Ai. Revista Habitus, 14(1): 131-140.

COSTA, A. F. 2016. A multifuncionalidade da cerâmica no sítio Ilha Dionísio, alto rio Madeira. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

CREVELS, M.; VAN DER VOORT, H. 2008. The Guaporé-Mamoré as a Linguistic Area. In From Linguistic Areas do Areal Linguistics. Muysken, P. (ed.). Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Public Company, pp. 151-180.

DEBOER, W. R. 1981. Buffer zones in the cultural ecology of aboriginal Amazonia: an ethnohistorical approach. American Antiquity, v. 46, n. 2, p. 364-377.

DEBOER, W. R. 1997. Ceremonial centres from the Cayapas (Esmeraldas, Ecuador) to Chillicothe (Ohio, USA). Cambridge Archaeological Journal, v. 7, n. 2, p. 225-253.

DEBOER, W. R.;LATHRAP, D. 1979. The making and breaking of Shipibo-Conibo ceramics. In: KRAMER, C. Ethnoarchaeology: implications of ethnography for archaeology. New York: Columbia University Press, pp. 102-138.

DIETLER, M.; HAYDEN, B. (Ed.). 2010. Feasts: archaeological and ethnographic pespectives on food, politics, and power. University of Alabama Press.

GOULDING, M. 2013. Man and fisheries on an Amazon frontier. Springer Science & Business Media.

HECKENBERGER, M. J. 2001. Estrutura, história e transformação: a cultura xinguana no longue durée, 1000‑2000 d.C. In: FRANCHETTO, B. & HECKENBERGER, M.B. (Eds.). Os povos do Alto Xingu: história e cultura. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ.

HEMMING, J. 2009. Fronteira amazônica: a derrota dos índios brasileiros. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

HILL, J. D. 2015. Etnicidade na Amazônia Antiga: reconstruindo identidades do passado por meio da arqueologia, da linguística e da etno-história. Ilha Revista de Antropologia, v. 15, n. 1, 2, p. 34-69.

HUGO, V. 1959 Desbravadores: a história eclesiástica, no panorama social, político e geográfico do grande rio Madeira, seus afluentes e formadores na Amazônia. Edição da “Missão Salesiana de Humaitá”.

JAIMES-BETANCOURT, C. 2012. La Ceramica de La Loma Salvatierra. La Paz: KAAL-Plural Editores.

KATER, T. 2018. O sítio Teotônio e as reminiscências de uma longa história indígena no alto rio Madeira. Dissertação de Mestrado. São Cristóvão, ProArq-UFS.

KELLETT, L.C.; JONES, E. 2017. (Eds.). Settlement Ecology of the Ancient Americas. New York: Routledge.

LIMA, H. 2008. História das Caretas: a tradição Borda Incisa na Amazônia Central. Tese de Doutorado. São Paulo: MAE-USP.

MACHADO, J. S. 2005-2006. O potencial interpretativo das análises tecnológicas: um exemplo amazônico. Rev. do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 15-16, pp. 87-111.

MCMICHEL, C.H.; BUSH, M.B., SILMAN, M.R.; ZIMMERMAN, A.R.; RACZKA, M.F. & LOBATO, L.C. 2012. Sparce Pre-Columbian Human Habitation in Western Amazonia. Science, 336: 1429-1431.

MEGGERS, B. J. 1987 Amazônia: a ilusão de um paraíso. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia Edusp.

MEGGERS, B. J. 1992a. Prehistoric Population Density in the Amazon Basin. In: Desease and Demography in the Americas. Veruno, J. & Ubelaker, D. H. (eds.). Smithsonian Intitution Press, Washington DC, p. 197-205.

MEGGERS, B. J. 1992b. Judging the Future by the Past: the impact of environmental Instability on Orehistoric Amazonian Populations. In: Indigenous Peoples and the Future of Amazonia: an ecological Anthropology of an Endegered World. Sponcel, L. (ed.), University of Arizona Press, Tucson, p. 15-43.

MEGGERS, B. J. & EVANS, C. 1957. Archaeological Investigations in the Mouth of the Amazon. Smithsonian Institution, Government Printing Press, Washington.

MENÉNDEZ, M. A. de. 1981. Chronica dos Povos Gentios que Habitavam e Habitam os Dilatados Sertões que Existem entre os Rios da Madeira e dos Tapajozes. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós‐ Graduação em Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

MILLER, E. T. 1992. Adaptação agrícola Pré-Historica no Alto Rio Madeira. In Prehistoria Sudamericana: nuevas perspectivas. Meggers, B.J. (Ed). Taraxacum-Washington.

MILLER, E. T. 2009. A Cultura Cerâmica do Tronco Tupí no alto Ji-Paraná, Rondônia, Brasil: algumas reflexões teóricas, hipotéticas e conclusivas. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, v. 1, n. 1, p. 35-136.

MONGELÓ. G. 2015. O Formativo e os Modos de Produção: Ocupações Pré-ceramistas no Alto Rio Madeira-RO. Dissertação de Mestrado. São Paulo, MAE/USP.

MONGELÓ. G. 2017. Outros pioneiros no sudoeste amazônico: Ocupações Holocênicas na bacia do alto rio Madeira. Qualificação de Doutorado. São Paulo: MAE/USP.

MORAES, C. P. 2007. Levantamento arqueológico das áreas do entorno do Lago do Limão, município de Iranduba – AM. Dissertação de Mestrado. São Paulo, MAE/USP.

MORAES, C. P. 2010 Aldeias Circulares na Amazônia Central: um contraste entre a fase Paredão e a fase Guarita. In: Arqueologia Amazônica 2. Pereira, E.; Guapindaia, V. (eds.). Belém: MPEG, pp. 74-96.

MORAES, C. P. 2013 Amazônia Ano 1000: Territorialidade e Conflito no Tempo das Chefias Regionais. Tese de Doutorado. São Paulo, MAE/USP.

MORAES, C. P.; NEVES, E.G. 2012. Adensamento Populacional, Interação e Conflito na Amazônia Central. Amazônica. Revista de Antropologia, 4:122-148.

MYERS, T. 1973. Toward the Reconstruction of Prehistoric Community Patterns in the Amazon Basin. In: Variation in anthropology: essays in honor of John C. McGregor. Lathrap, D.W.; Douglas, J. (Eds.). Urbana: Illinois Archaeological Survey, p. 91-105

NEVES, E. G. 2012. Sob os Tempos do Equinócio: Oito Mil anos de história na Amazônia Central (6500 ac – 1500 dc). Tese (Livre-Docência). São Paulo: MAE/USP.

NEVES, E. G. 2016. Não existe Neolítico ao sul do Equador: as primeiras cerâmicas amazônicas e sua falta de relação com a agricultura. In: Cristiana Barreto; Helena Pinto Lima; Carla Jaimes Betancourt (Orgs). 2016. Cerâmicas Arqueológicas da Amazônia: Rumo a uma nova síntese. Belém: Iphan, Ministério da Cultura, Museu Paraense Emílio Goeldi.

NEVES, E.G. et al. 2014. A tradição Pocó-Açutuba e os primeiros sinais visíveis de modificações de paisagens na calha do Amazonas. In: Rostain, S. Amazonía Memorias de las Conferencias Magistrales Del 3er Encuentro Internacional de Arqueología Amazónica, Quito. Ikiam. Secretaria de Educacion Superior, Ciencia, Tecnología e Innovation, EIAA, v. 3, pp. 137-158.

NEVES, E.G. et al. 2016. Relatório Final: Pesquisa e Formação nos Sítios Arqueológicos Espinhara e Sol de Campinas do Acre – PESC. Laboratório de Arqueologia dos Trópicos, Universidade de São Paulo.

NIMUENDAJÚ, C. 1987. Mapa Etno‐Histórico de Curt Nimuendajú. 1ª edição, 2ª impressão. Rio de Janeiro: IBGE.

PESSOA, C. G. 2015. Os contextos arqueológicos e a variabilidade artefatual da ocupação Jatuarana no Alto Rio Madeira. Dissertação de Mestrado. Belém: UFPA.

PFAFFENBERGER, B. 2001. Symbols do not create Meanings – Activities Do: Or, Why Symbolic Anthropology Needs the Anthropology of technology. M.B. Schiffer (Ed.). Anthropological Perspectives on Technology. Albuquerque, University of new Mexico Press, pp. 77-86.

PRÜMERS, H. 2014. Sitios prehispánicos com zanjas en Bella Vista, Provincia Iténez, Bolivia. Antes de Orellana. Actas Del 3er Encuentro Internacional de Arqueología Amazônica, pp. 73-91.

RAYMOND, S. J. 2009. Dos fragmentos às vasilhas: Um primeiro passo para a construção de contextos culturais na Arqueologia da Floresta Tropical. Amazônica-Revista de Antropologia, 1 (2): pp. 512-535.

RICE, P. M. 1987. Pottery analysis. A sourcebook. Chicago and London: The University of Chicago Press.

ROBERTS, P. et al. 2017. The Deep Human Prehistory of Global Tropical Forests and its Relevance for Modern Conservation. Nature Plants, 3: 1-9.

ROOSEVELT, A. C. 1991. Moundbuilders of the Amazon: Geophysical Archaeology on Marajo Island, Brazil. Academic Press: San Diego.

ROQUETTE-PINTO, E. 1919. Rondônia. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

RYE, O. 1981. Pottery technology. Principles and reconstruction. Taraxacum: Washington.

SCHAAN, D. 2013. Sacred Geographies of Ancient Amazonia: historical ecology of social complexity. Left Coast Press: Walnut Creek.

SCHMIDT, M. J. 2012. Landscapes of Movement in Amazonia: new data from ancient settlements in the Middle and Lower Amazon. Papers of Applied Geography Conferences, 35: 355-364.

SHEPARD, A. O. 1965. Ceramics for the archaeologist. Washington: Carnegie Institute of Washington (2° Ed. 1980).

SILVA, F. A. 2013. Tecnologias em transformação: inovação e (re)produção dos objetos entre os Asurini do Xingu. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 8, n. 3, p. 729-744, set.-dez.

STAMPANONI, F. B. 2016. A maloca Saracá: uma fronteira cultural no médio Amazonas pré-colonial, vista da perspectiva de uma casa. Tese de Doutorado. São Paulo, MAE/USP.

TAMANAHA, E. K. 2012. Ocupação Polícroma no Baixo e Médio rio Solimões. Dissertação de Mestrado. São Paulo: MAE-USP.

TIZUKA, M. M. 2013. Geoarqueologia e paleoidrologia da planicie aluvial holocênica do alto Rio Madeira entre Porto Velho e Abunã-RO. Dissertação (Mestrado em Geologia). Rio Claro: Instituto de Geociências e Ciências Exatas/UNESP.

VASSOLER, O. J. P. 2016. Do lago de leite ao rio dos cedros: análise da iconografia cerâmica em vasilhas da Tradição Polícroma Amazônica no alto rio Madeira. Dissertação de Mestrado. Porto Velho: MHEC/UNIR.

WATLING, J. 2016. Human-environment interactions at the Teotônio site, Upper Madeira basin, Amazonia. Scientific Report detailing post-doctoral research conducted between March 2015–September 2016/FAPESP. São Paulo: MAE/USP.

WATLING, J. 2018. Human-environment interactions at the Teotônio site, Upper Madeira basin, Amazonia. Scientific Report detailing post-doctoral research/FAPESP. São Paulo: MAE/USP.

WATLING, J.; SHOCK, M.; MONGELÓ, G.; ALMEIDA, F.; KATER, T.; OLIVEIRA, P. & NEVES, E. Direct archaeological evidence for Southwestern Amazonia as an early plant domestication and food production centre. PLoS ONE 13(7), 2018: e0199868. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0199868.

ZEDEÑO, M. N.; BOWSER, B. J. 2009. The Archaeology of Meaningful Places. In: The Archaeology of Meaningful Places. Edited by B. J. Bowser and M. N. Zedeño, pp. 1-14. University of Utah Press, Salt Lake City.

ZUSE, S. 2014. Variabilidade cerâmica e diversidade cultural no Alto rio Madeira, Rondônia. Tese de Doutorado. São Paulo: MAE/USP.

ZUSE, S. 2016. Variabilidade Cerâmica e diversidade cultural no Alto rio Madeira. In: In: Cristiana Barreto; Helena Pinto Lima; Carla Jaimes Betancourt (Orgs). 2016. Cerâmicas Arqueológicas da Amazônia: Rumo a uma nova síntese. Belém: Iphan, Ministério da Cultura, Museu Paraense Emílio Goeldi.

Downloads

Publicado

2020-04-25

Como Citar

KATER, T.; ALMEIDA, F. O. de; MONGELÓ, G. Z.; WATLING, J.; NEVES, E. G. Variabilidade estratigráfica e espacial dos contextos cerâmicos no Sítio Teotônio. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 1, p. 198–220, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i1.685. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/685. Acesso em: 19 ago. 2022.