História da Arqueologia Amazônica no Museu Nacional

diferentes narrativas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i1.694

Palavras-chave:

Arqueologia Amazônica, História, Museu Nacional

Resumo

Este artigo apresenta um histórico da pesquisa arqueológica realizada na Amazônia durante os 200 anos de existência do Museu Nacional, que, desde o século XIX, esteve envolvido na produção científica sobre a arqueologia dessa região. Seu propósito é não só apontar as iniciativas de pesquisa e a importância das coleções arqueológicas depositadas nessa instituição ao longo do tempo, mas também colocar em destaque as interpretações acerca dos objetos e dos lugares, propostas por diversos pesquisadores. Em um momento de reflexão sobre a relevância histórica das coleções arqueológicas, afetadas pela tragédia do incêndio de setembro de 2018, destacamos ainda um olhar que se dirige ao futuro, sem nunca esquecer da herança do passado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARRETO, Cristiana. 1999. Arqueologia brasileira: uma perspectiva histórica e comparada, Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Suplemento 3: 201-212.

CASTRO FARIA, Luís. 1978. Heloisa Alberto Torres (1885-1977), Anuário Antropológico, 77: 329-333.

COMISSÃO DE LINHAS TELEGRÁFICAS ESTRATÉGICAS DE MATO GROSSO AO AMAZONAS. 1916. Missão Rondon: Apontamentos sobre os trabalhos realizados pela Comissão sob a direção do coronel engenheiro Candido Mariano da Silva Rondon, de 1907 a 1915, 485 p.

CORRÊA, Mariza. 1997. Dona Heloísa e a pesquisa de Campo, Revista de Antropologia, USP, 40 (1): 11-54.

COSTA, Angislaine Freitas; HISSA, Sarah de Barros Viana; AZEVEDO, Leonardo Waismann de; AMATUZZI, Leonardo Judice. 2016. O universo cotidiano e simbólico das estearias, Revista de Arqueologia, 29 (1):161-187.

CRULS, Gastão. 1945. A Amazônia que eu vi: Óbidos-Tumucumaque. São Paulo, Companhia Editora Nacional.

DOMINGUES, Heloísa Maria Bertol. 2010. Heloísa Alberto Torres e o inquérito nacional sobre ciências naturais e antropológicas, Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Ciências Humanas, 5 (3): 625-643.

FARIA, João Barbosa de. 1946. A Cerâmica da tribo Uaboí dos rios Trombetas e Jamundá: Contribuição para o estudo da arqueologia pré-histórica do baixo Amazonas. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional.

FERREIRA, Lúcio Menezes. 2014. História Petrificada: a Arqueologia Nobiliárquica e o Império Brasileiro, Cadernos CEON, 17 (18): 11-40.

FERREIRA, Lúcio Menezes. 2007. Território Primitivo: a institucionalização da arqueologia no Brasil. Tese de Doutorado. Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

FERREIRA, Lúcio Menezes. 2001. Um Bando de Ideias Novas na Arqueologia (1870-1877), Revista de Arqueologia do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo,11: 21-33.

FREITAS, Marcus Vinicius de. 2001. Hartt: Expedições pelo Brasil Imperial. São Paulo, Metavido SP Produção e Comunicação Ltda.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu. 2013. Arqueologia no Brasil e no Mundo: Origens, problemas e tendências, Ciência e Cultura, 65 (2): 23-25.

FUNARI, Pedro Paulo Abreu. 1994. Arqueologia Brasileira, Visão Geral e Reavaliação, Revista de História da Arte e Arqueologia, Campinas, 1:23-41.

GOMES, Denise Maria Cavalcante. 2007a. The Diversity of Social Forms in Pre-Colonial Amazonia. Revista de Arqueologia Americana 25: 189-225.

GOMES, Denise Maria Cavalcante. 2012. O Perspectivismo Ameríndio e a Ideia de uma Estética Americana. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Ciências Humanas 7 (1):133-59.

GOMES, Denise Maria Cavalcante. 2017. Politics and Ritual in Large Villages in Santarém, Lower Amazon, Brazil. Cambridge Archaeological Journal, 27(2): 275-293. doi: 10.1017/S0959774316000627.

GOMES, Denise Maria Cavalcante; SILVA, Adriana Cardoso; RODRIGUES, Robson. 2018. Múltiplos Territórios: os sítios vizinhos às grandes aldeias de Santarém, PA. Revista de Arqueologia, 31 (1): 3-24.

GUAPINDAIA, Vera L. C. 2008. Além da margem do rio – as ocupações Konduri e Pocó na região de Porto Trombetas, PA. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

HARTT, Charles F. 1885a. Contribuições para a Etnologia do Vale do Amazonas. Archivos do Museu Nacional, IV: 1-172.

HARTT, Charles F. 1885b. A origem da arte ou evolução da ornamentação, Archivos do Museu Nacional, IV: 95-108.

HARTT, Charles F. 1871. The Ancient Indian Pottery of Marajó. The American Naturalist, 5 (5): 259-271.

HECKENBERGER, Michael. 2005. The Ecology of Power: Culture, Place and Personhood in the Southern Amazon, A.D. 1000-2000. New York, Routledge.

HILBERT, Peter Paul. 1955. A cerâmica arqueológica da região de Oriximiná. Vol.9. Belém, Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará.

HILBERT, Peter Paul & HILBERT, Klauss. 1980. Resultados Preliminares da Pesquisa Arqueológica nos Rios Nhamundá e Trombetas: Baixo Amazonas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 75:1-15.

IHERING, Herman von. 1911. João Barbosa Rodrigues, Revista do Museu Paulista, 11: 23-38.

KURY, L. 1998. Ciência e Nação: romantismo e história natural na obra de E. J. da Silva Maia, História, Ciência e Saúde – Manguinhos, 5 (2): 267-91.

LANGER, Johnni. 2014. Expondo o passado: as pesquisas arqueológicas do Museu Nacional durante o Brasil Império (1876 a 1889). Cadernos CEON, 18 (21): 91-109.

LOPES, Maria Margareth. 1997. O Brasil descobre a pesquisa científica. Os museus e as Ciências Naturais no século XIX. São Paulo, Hucitec.

LOPES, Raimundo. 1924. A Civilização Lacustre do Brasil. Boletim do Museu Nacional, I: 87-109.

LOPES, Raimundo. 1931. Entre a Amazônia e o Sertão. Boletim do Museu Nacional, VII (1): 159-186.

MACIEL, Laura A. 1998. Nação por um Fio: Caminhos, práticas e imagens da Comissão Rondon. São Paulo, Educ/Fapesp.

MEGGERS, Betty. 1954. Environmental Limitation on the Development of Culture, American Anthropologist 56: 801-823.

MEGGERS, Betty & EVANS, Clifford. 1954. Uma interpretação das Culturas da Ilha de Marajó. Publicação n◦ 7, Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará.

MEGGERS, Betty & EVANS, Clifford. 1957. Archaeological Investigations at the Mouth of the Amazon. Washington, Smithsonian Institution, Bureau of American Ethnology.

MEGGERS, Betty. 1987 [1971]. Amazônia: A Ilusão de um Paraíso. Rio de Janeiro, Itatiaia.

NAVARRO, Alexandre Guida. 2018. New Evidence for late first-millennium AD. silt-house settlement in Eastern Amazonia. Antiquity, 92 (366): 1586-1603.

NEVES, Eduardo. 2012. Sob os Tempos do Equinócio: Oito mil anos de História na Amazônia Central (6500 AC – 1500 D.C.). Tese de Livre Docência. São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia, USP.

NEVES, Eduardo & PETERSEN, James. Political Economy and Pre-Columbian Landscape Transformations in Central Amazonia, In: BALÉE, W. & ERICKSON, C. (Eds.), Time and Complexity in Historical Ecology. New York: Columbia University Press, pp. 279-309.

NETTO, Ladislau. 1885. Investigações sobre a Archaeologia Brazileira. Archivos do Museu Nacional, 6: 261-554.

NIMUENDAJU, Curt. 1949. Os Tapajó, Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 10:93-106.

NOELLI, Francisco & FERREIRA, Lúcio Menezes. 2007. A Persistência da Teoria da Degeneração Indígena e do Colonialismo nos Fundamentos da Arqueologia Brasileira, História, Ciência, Saúde - Manguinhos, 14(4):1239-1264.

NOMURA, Hitoshi. 2010. Centenário de Fundação da Comissão Rondon: Personagens, descobertas e produção bibliográfica, Cadernos de História da Ciência, 6 (1): 79-106.

OLIVEIRA, Luisa Vidal. 2018. Performance e Iconografia Cerâmica do Baixo Amazonas: A Cerâmica Ritual Konduri. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

PENNA, Domingos S. Ferreira. 1877. Apontamentos sobre os ceramios do Pará (Carta ao Dr. Ladisláu Netto), Archivos do Museu Nacional, 2: 47-67.

PORRO, Antônio. 2010. Arte e Simbolismo Xamânico na Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi-Ciências Humanas, 5 (1): 129-144.

QUINN, Ellen. 2004. Excavating “Tapajó” Ceramics at Santarém: their age and archaeological context. Tese de Doutorado. Chicago, University of Illinois at Chicago.

RIBEIRO, Adelia M. M. 2000. Heloísa Alberto Torres e Marina São Paulo de Vasconcellos: Entrelaçamento de círculos e formação das Ciências Sociais na cidade do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, PPGAS/IFCS, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

RODRIGUES, João Barbosa. 1875a. Exploração e estudo do vale do Amazonas. Relatório Apresentado ao Illustrissimo e Excelentissimo Senhor Conselheiro Dr. José Fernandes da Costa Pereira Junior, Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Agricultura Comercio e Obras Públicas. Rio de Janeiro, Typographia Nacional.

RODRIGUES, João Barbosa. 1875b. Ídolo Amazônico Achado no Rio Amazonas. Rio de Janeiro, Typographia de Brown & Evaristo.

RODRIGUES, João Barbosa, 1882. Catálogo dos Objetos Expostos na Exposição Anthropológica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Typographia Nacional.

RODRIGUES, João Barbosa. 1889. O Muyraquitã: Estudo da origem Asiática, da Civilização do Amazonas nos tempos prehistoricos. Manaus, Typographia do Amazonas, v. 1 e 2.

ROOSEVELT, Anna C. 1992. Arqueologia Amazônica, In: CARNEIRO DA CUNHA, M. (Ed.), História dos Indios do Brasil. São Paulo, Editora Companhia das Letras, pp. 53-86.

ROOSEVELT, Anna C.; HOUSLEY, R.A.; SILVEIRA, Maura I.; MARANCA, Silvia & JOHNSON, R. 1991. Eighth millennium pottery from a prehistoric shell midden in the Brazilian Amazon. Science, v. 254, p. 1621-1624.

SÁ, Magali R. 2001. O botânico e o mecenas: João Barbosa Rodrigues e a ciência no Brasil na segunda metade do século XIX. História, Ciência e Saúde – Manguinhos, 8 (Suplemento): 900-924.

SANJAD, Nelson. 2011. Ciência dos potes quebrados: nação e região na arqueologia brasileira do século XIX. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, 19 (1): 134-164.

SANJAD, Nelson. 2010. A Coruja de Minerva: O Museu Paraense entre o Império e a República (1866-1907). Brasília: Instituto Brasileiro de Museus; Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi; Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz.

SCHAAN, Denise. 2004. The Camutins Chiefdom: Rise and Development of Social Complexity on Marajó Island, Brazilian Amazon. Unpublished Doctoral Dissertarion. Pittsburg, University of Pittsburg.

SCHAAN, Denise. 2008. The nonagricultural chiefdoms of Marajó Island. In: SILVERMAN, H. & ISBELL, W. H. (eds.), Handbook of South American Archaeology. New York, Springer, pp. 339-57.

SCHAAN, D. P. 2016. Discussing Centre-Periphery Relations within the Tapajó Domain, Lower Amazon. In: STENBORG, P. (Ed.), Beyond Waters: Archaeology and Environmental History of the Amazonian Inland, (Gotarc Series A Gothenburg Archaeological Studies 6), Gothenburg, pp.23-36.

SCHWARCKZ, Lilia M. 1993. O espetáculo das raças: Cientistas, instituições e a questão racial no Brasil do século XIX. São Paulo, Companhia das Letras.

SEVERI, Carlo. 2013. O espaço quimérico. Percepção e projeção nos atos do olhar. In: SEVERI, C. & LAGROU, E. (Orgs.), Quimeras em diálogo: grafismo e figuração na arte indígena. Rio de Janeiro, 7Letras, pp. 25-65.

STENBORG, Per. 2016. Towards a Regional History of Pre-Columbian Settlements in the Santarém and Belterra Regions, Pará, Brazil. In: STENBORG, P. (Ed.), Beyond Waters: Archaeology and Environmental History of the Amazonian Inland, (Gotarc Series A Gothenburg Archaeological Studies 6), Gothenburg, pp.9-20.

TORRES, Heloísa Alberto. 1929. Cerâmica de Marajó. Rio de Janeiro, Typographia Brasil Social.

TORRES, Heloísa Alberto. 1937. Contribuição para o estudo da proteção ao material arqueológico e etnográfico no Brasil, Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, pp. 9-30.

TORRES, Heloísa Alberto. 1940. Arte Indígena da Amazônia, Publicações do SPHAN, n. 6. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1996. Os pronomes Cosmológicos e o Perspectivismo Ameríndio. Mana, 2 (2): 115-144.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. Perspectivismo e Multinaturalismo na América Indígena, In: VIVEIROS DE CASTRO, E., A inconstância da Alma Selvagem e outros Ensaios de Antropologia. São Paulo: Cosac & Naif, pp. 345-399.

Downloads

Publicado

2020-04-25

Como Citar

GOMES, D. M. C. História da Arqueologia Amazônica no Museu Nacional: diferentes narrativas. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 1, p. 03–27, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i1.694. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/694. Acesso em: 19 ago. 2022.