O Sambaqui de Cabeçuda e a continuidade das pesquisas no Museu Nacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i1.696

Palavras-chave:

Sambaqui de Cabeçuda, Fogo, Antracologia

Resumo

O Sambaqui de Cabeçuda é um sítio antigo e monumental. É um espaço sagrado, onde as pessoas que o construíram sepultavam seus mortos. É também um sítio importante para a trajetória da arqueologia no Museu Nacional. Com a intenção de retomar as pesquisas da instituição, nos voltamos a uma porção preservada das coleções desse sítio. Observamos que o fogo era parte constante nos rituais daquele contexto e pretendemos estudá-lo através do material antracológico associado aos sepultamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CASTRO FARIA, Luiz de. 1952. Le problème des sambaquis du Brésil: Récents excávations du gisement de Cabeçuda (Laguna, Santa Catarina). Proceedings of the Thirtieth International Congress of Americanists, Cambridge, 86-91.

CASTRO FARIA, Luiz de. 1955. O problema da proteção aos sambaquis. Arquivos do Museu Nacional XLIX:95-137.

DEBLASIS, Paulo; KNEIP, Andreas; SCHEEL-YBERT, Rita; GIANNINI, Paulo & GASPAR, Maria D. 2007. Sambaquis e paisagem: dinâmica natural e arqueologia regional no litoral do sul de Santa Catarina. Arqueologia Sul-Americana 3:29-61.

FARIAS, Deise. S. L. & DEBLASIS, Paulo. 2014. Programa de salvamento arqueológico e educação patrimonial na área de duplicação da BR-101 trecho Ponte de Cabeçuda/SC – Relatório final. Tubarão.

KLOKLER, Daniela. 2014. Adornos em concha do sítio Cabeçuda. Revista de Arqueologia 27(2):150-169.

KLOKLER, Daniela. 2016. A fauna do sambaqui de Cabeçuda: 65 anos depois. In Anais do III Encontro Latinoamericano de Zooarqueologia. Aracaju. Vol. 1.

KNEIP, Andreas; FARIAS, Deisi Scunderlick; DEBLASIS, Paulo. 2018. Longa duração e territorialidade da ocupação sambaquieira na laguna de Santa Marta, Santa Catarina. Revista de Arqueologia 31(1):25-51.

MELLO E ALVIM, Marilia. C. & SEYFERTH, Giralda. 1971. Estudo morfológico do úmero da população do sambaqui de Cabeçuda (Laguna, Santa Catarina). O homem antigo na América, Instituto de Pré-História, USP, São Paulo, 25-28.

MELLO E ALVIM, Marilia. C. & SEYFERTH, Giralda. 1971b. O fêmur na população do Sambaqui de Cabeçuda (Laguna, Estado de Santa Catarina, Brasil. Boletim do Museu Nacional 24:1-13.

MENDONÇA DE SOUZA, Sheila. M. F. 1995. Estresse, doença e adaptabilidade: estudo comparativo de dois grupos pré-históricos em perspectiva biocultural. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, ENSP – FIOCRUZ.

PINTO, Lilian Cardoso e Silva Costa. 2018. Por entre ossos e conchas: o processo de formação do sambaqui de Cabeçuda (Laguna, SC) sob um olhar zooarqueológico. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

RODRIGUES-CARVALHO, Claudia; SCHEEL-YBERT, Rita; GASPAR, MaDu; BIANCHINI, Gina F.; KLOKLER, Daniela Magalhães; ANDRADE, Marcela Nogueira de; BORGES, Diogo de Souza; 2011. Cabeçuda II: um conjunto de amoladores-polidores evidenciado em Laguna, SC. R. Museu Arq. Etn. 21:401-405.

SALADINO, Alejandra. 2016. A morte enfeitada: um olhar sobre as práticas mortuárias dos construtores do Sambaqui Cabeçuda a partir de um sepultamento infantil. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

SCHEEL-YBERT Rita; RODRIGUES-CARVALHO, Claudia; DEBLASIS, Paulo; GASPAR, MaDu; KLOKLER, Daniela M. Em preparação. Mudanças e permanências no sambaqui de Cabeçuda: das escavações de Castro Faria às questões atuais.

SCHEEL-YBERT, Rita. 2011. Sambaqui de cabeçuda (Laguna, SC). 1º Relatório de pesquisa de campo (10 a 27 de janeiro de 2011). Rio de Janeiro.

SCHEEL-YBERT, Rita. 2012. Sambaqui de cabeçuda (Laguna, SC). 2º Relatório de pesquisa de campo (22 de abril a 5 de maio de 2012). Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

2020-04-25

Como Citar

AZEVEDO, L. W. de; SCHEEL-YBERT, R. O Sambaqui de Cabeçuda e a continuidade das pesquisas no Museu Nacional. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 1, p. 265–269, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i1.696. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/696. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Notas de Pesquisa