Entre dois mundos

Franceses de Paratitou e Tupinambá de Rouen

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i2.726

Palavras-chave:

exposição, pesquisa arqueológica, contato

Resumo

Entre Dois Mundos se refere à exposição que se encontrava no Museu Nacional, resultado de pesquisas arqueológicas em Araruama, Região dos Lagos, Rio de Janeiro, com reflexões sobre o contato entre os tupinambá e os franceses que, no século XVI, faziam incursões ao litoral, em busca de produtos tropicais. A materialidade encontrada nos sítios atesta a interação entre os grupos e dialoga com a iconografia produzida por cronistas que descreveram aspectos cotidianos e rituais das populações nativas. Na exposição, estavam expostos vasilhames cerâmicos decorados, urnas funerárias, adornos em concha, metais e centenas de miçangas. Esses artefatos apontam para a continuidade dos aspectos socioculturais, interações, influências recíprocas desde o período anterior e após o contato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os índios na História do Brasil. Rio de Janeiro, Editora FGV, Coleção FGV de Bolso. Série História, 2010.

BAUMANN, Thereza. O Museu Nacional Vive? Figura: Studies on the Classical Traditions. 6(2), p. 11, 2018.

BARBOSA-GUIMARÃES, Márcia. A ocupação pré-colonial da Região dos Lagos, Rio de Janeiro: sistema de assentamento e relações intersocietais entre grupos sambaquianos e grupos ceramistas Tupinambá e da Tradição Una. Tese (Doutorado em Arqueologia) -. Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 358p. 2007.

BARBOSA-GUIMARÃES, Márcia. Mudança e Colapso no Litoral Fluminense: os sambaquieiros e os outros no Complexo Lagunar de Saquarema, Rio de Janeiro. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, v. 21:71-91, 2011.

BEAUCLAIR, Mariana; SCHEEL-YBERT, Rita; BIANCHINI, Gina Faraco; BUARQUE, Angela. Fire and Ritual: bark hearths in South-American Tupiguarani mortuary rites. Journal of Archaeological Science 36, p. 1409-1415, 2009.

BROCHADO, José Proenza. What did the Tupinambá cook in their vessels? An Humble contribution to ethnographic analogy. Revista de Arqueologia, São Paulo, 6:40-88, 1991.

BUARQUE, Angela. Uma Aldeia Tupinambá em Morro Grande. Anais da Sociedade de Arqueologia Brasileira. Porto Alegre, v. 2, p. 207-220, 1995.

BUARQUE, Angela. A Cultura Tupinambá no Estado do Rio de Janeiro, In: TENÓRIO, Maria Cristina (Org.). Pré-História da Terra Brasilis. Rio de Janeiro: EdUFRJ, 1999. p. 307-320.

BUARQUE, Angela. Pesquisas arqueológicas em sítios Tupinambá, In: LOURES DE OLIVEIRA, Ana Paula de Paula (Org.). Estado da Arte das Pesquisas Arqueológicas sobre a Tradição Tupiguarani. Editora da Universidade Federal de Juiz de Fora, p. 37-63, 2009a.

BUARQUE, Angela. Étude de l’occupation Tupiguarani dans la région sud-est de l’État de Rio de Janeiro, Brasil. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Université Paris I, Panthéon-Sorbonne. 2009b.

BUARQUE, Angela. As estruturas funerárias das aldeias Tupinambá da região de Araruama, RJ. In: PROUS, André; ANDRADE LIMA, Tânia (Eds.), Os ceramistas Tupiguarani, Vol. 3 (Sínteses Regionais), IPHAN, Gráfica Editora Sigma LTDA, p. 149-172, 2010.

BUARQUE, Angela; RODRIGUES-CARVALHO, Claudia; SILVA, Elizabeth Christina. Programa Funerário dos Tupinambá em Araruama, RJ - Sítio Bananeiras. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, Museu de Arqueologia e Etnologia, USP, p. 39-55, 2003.

BUARQUE, Angela; CORDEIRO, Jeanne. O Sítio Serrano: Franceses e Tupinambá desconheciam o testamento de Adão. Anais, XII Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira, 7p. 2003.

CARDIM, Fernão. Tratados da Terra e Gente do Brasil, Rio de Janeiro, 206p. 1980.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Vingança e Temporalidade. Journal de la Société des Américanistes. Tome 71, p.191-208, 1985.

CORDEIRO, Jeanne. (Org.) Arqueologia do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, LAB/LLX, 103p. 2011.

CORDEIRO, Jeanne. A Primeira face da tradição: os Goitacá. Da História e identidade dos que não deitaram letras. In: ANDRADE LIMA, Tania (Org.). Identidades Étnicas em Arqueologia: possibilidade e limites. Série Livros, Museu Nacional, UFRJ, Arqueologia, UFRJ Editora, p. 47-65, 2015.

CORDEIRO, Jeanne; BUARQUE; Angela; TÁBOAS, Alice. O sítio Serrano: franceses e tupinambá desconheciam o testamento de Adão II, Revista de Arqueologia, vol. 32, nº 2, p. 225-238, 2019. DOI: https://doi.org/10.24885/sab.v32i2.722

CORRÊA, Ângelo Alves. Pindorama de Mboia e Îacaré: continuidade e mudança na trajetória das populações Tupi. 2014. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. 462p. 2014.

CORRÊA, Ângelo Alves. Datações na Bibliografia Arqueológica Brasileira a partir dos sítios Tupi, Cadernos do Lepaarq, vol. XIV, nº 27p. 379-406, 2017.

DE BRY, Théodore. Le Théatre du Nouveau Monde, Découvertes Gallimard Albums, France. 1992.

DENIS, Ferdinand. Uma Festa Brasileira celebrada em Rouen em 1550: teogonia dos antigos povos do Brasil, um fragmento do século XVI. Usina de Idéias Editora, Comunicação e Cultura Ltda. 2007.

DIAS, Ondemar; PANACHUK, Lílian. Características da Tradição Tupiguarani no Sudeste do Brasil. In: PROUS, André; ANDRADE LIMA, Tânia (Eds.), Os ceramistas Tupiguarani, Vol. I (Sínteses Regionais), IPHAN, Gráfica Editora Sigma LTDA, p. 91-116, 2008.

DUBIN, Louis Sherr. The History of Beads from 30.000 AC to the present. New York, Thames & Hudson, 2007.

ETCHEVARNE, Carlos. Os grupos Tupi na Bahia. Uma abordagem arqueológica. In: LOURES DE OLIVEIRA, Ana Paula de Paula. (org.). Estado da Arte das Pesquisas Arqueológicas sobre a Tradição Tupiguarani. Juiz de Fora: Editora da Universidade Federal de Juiz de Fora, p.111-130, 2009.

GASPAR, Maria Dulce. Sambaqui: arqueologia do litoral brasileiro, Jorge Zahar Editor, 89p., 2000.

GASPAR, Maria Dulce. Soberanos da Costa, Resumos, SAB. A Arqueologia no Novo Milênio, Rio de Janeiro, 43p., 2001.

GASPAR, Maria Dulce; BUARQUE, Angela; CORDEIRO, Jeanne; ESCÓRCIO, Eliana. Tratamento dos Mortos entre os Sambaquieiros, Tupinambá e Goitacá que ocuparam a Região dos Lagos, Estado do Rio de Janeiro. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Nº 17, p. 169-189, 2007.

KNEIP, Lina. Cultura Material e Subsistência das Populações Pré-históricas de Saquarema. Rio de Janeiro. Documento de Trabalho, Série Arqueologia. Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2, p. 1-120, 1994.

KNEIP, Lina; MACHADO, Lilia Cheuiche. Os ritos Funerários das Populações Pré-históricas de Saquarema, RJ: Sambaquis da Beirada, Moa e Pontinha. Documento de Trabalho n. 1, Série Arqueologia. Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 1993.

LAGROU, Els. No Caminho da Miçanga: arte e alteridade entre os ameríndios. Disponível em Revista dos alunos do PPGAS-UFRJ, v.12(1), pp. 18-49, junho, 2013 [on-line].

LATINI, Rose Mary. Caracterização, Análise de Datação de Cerâmicas Arqueológicas da Bacia Amazônica através de técnicas Nucleares. Tese de Doutorado, 1998. Universidade Federal Fluminense, 142p.

LÉRY, Jean de. Viagem à Terra do Brasil. Coleção Reconquista do Brasil, Edição da Universidade de São Paulo, 302p. 1980.

LÉRY, Jean de. Histoire d’un voyage faict en la terre du Brésil (1578). Comentado e anotado por Frank Lestringant, Le Livre de Poche, 670p. 1994.

LIMA, Gelson Rangel. Esboço Preliminar de um Estudo Geomorfológico da Folha de Araruama, II Simpósio de Fotografia Aérea, Rio de Janeiro, p. 51-53. 1965.

LIMA, Tania Andrade. Os Ceramistas Tupiguarani, esses desconhecidos. In: PROUS, André; ANDRADE LIMA, Tania (Eds.). Os ceramistas Tupiguarani: eixos temáticos, v.3, Superintendência do Iphan de Minas Gerais, p. 173-216. 2010.

MACÁRIO, Kita, C. D. Preparação de amostras de Radiocarbono e Aplicações de AMS em Arqueologia e Geologia Marinha. 2003. Tese (Doutorado em Física). Instituto de Física da Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, Rio de Janeiro.

MAGESTE, Leandro Elias Canaan. Cronologia e Variabilidade. Os Ceramistas Tupiguarani da Zona da Mata Mineira e do Complexo Lagunar de Araruama. 2017. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. 467p. 2017.

NOELLI, Francisco Silva; BROCHADO, José Proenza. O cauim e as beberagens dos Guarani e Tupinambá: equipamentos, técnicas de preparação e consumo. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, 8:117-128, 1998.

NOELLI, Francisco Silva; BROCHADO, José Proenza; CORRÊA, Ângelo Alves. A linguagem da cerâmica Guarani: sobre a persistência das práticas e materialidade (parte 1). Revista Brasileira de Linguística Antropológica, 10 (2), p. 167-200, 2018. DOI: https://doi.org/10.26512/rbla.v10i2.20935.

NOELLI, Francisco Silva; SALLUM, Marianne. A cerâmica paulista: cinco séculos de persistência de práticas Tupiniquim em São Paulo e Paraná. MANA 25(3): 701-742. 2019. DOI https://dx.doi.org/10.1590/1678-49442019v25n3p701.

PELLINI, José Roberto. Onde Está o Gato? Realidade, Arqueologia Sensorial e Paisagem. Habitus, Goiânia, 9 (1):17-31, 2011.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Performed Alliances and Performative Identities: Tupinambá in the kingdom of France. In: GRAHAM, Laura R.; GLENN PENNY, H. (eds.). Performing indigeneity: global histories and contemporary experiences. Lincoln: University of Nebraska Press, p. 110-135, 2014.

PRIMO, Paulo Bidegain da Silveira; BIZEERRIL, Carlos Roberto S. Fontenelle. Lagoa de Araruama, Perfil Ambiental do Maior Ecossistema Lagunar Hipersalino do Mundo. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Estado do Rio de Janeiro. Projeto Planágua Semads/GTZ, Cooperação Técnica Brasil-Alemanha, 12, 160p. 2002.

PROUS, André. A Pintura na cerâmica Tupiguarani. In: PROUS, André; LIMA, Tania Andrade, (Org.). Os Ceramistas Tupiguarani, IPHAN-MG, 2, p. 113-215, 2010.

RIBEIRO, Loredana; JÁCOME, Camila. Tupi ou não tupi? Predação material, ação coletiva e colonialismo no Espírito Santo, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 9, n.2, p. 465-486, maio-ago. 2014.

SALVADOR, Frei Vicente. História do Brasil (1500-1627). Editora Itatiaia Ltda e Ed. da Universidade de São Paulo, 7ª ed., 437p. 1982.

SALVADOR, Frei Vicente. Historia do Brazil. Edição e Introdução de Maria Lêda Oliveira, Versal Editores, 1, 344p. 2008.

SCHEEL-YBERT, Rita. Vegetation Stability in the Southeastern Brazilian Coast Area from 5500 to 1400 14C yr BP deduced from charcoal analysis. Review of Palaeobotany and Palynology, 110: 111-138, 2000.

SCHEEL-YBERT, Rita; MACARIO, Kita; BUARQUE, Angela; MEIGIKOS, Roberto Anjos; BEAUCLAIR, Mariana. A new age to an old site: the earliest Tupiguarani settlement in Rio de Janeiro State. Anais da Academia Brasileira de Ciências. Rio de Janeiro, 80 (4), p. 763-770, 2008.

SOARES DE SOUSA, Gabriel. Tratado Descritivo do Brasil de 1587. Editora Brasiliana, v.117, 380p. 1971.

STADEN, Hans. Duas Viagens ao Brasil. Coleção Reconquista do Brasil, Ed. da Universidade de São Paulo, 216p. 1974.

STADEN, Hans. 1979 Nus, féroces et anthropophages (1557). Éditions A. M. Métailié, Paris, 231p.

THEVET, André. Singularidades da França Antártica, a que outros chamam de América, Série 5ª, Vol. 229, Companhia Editora Nacional. 1944.

THEVET, André. Les Singularités de la France Antarctique. Le Brésil des Cannibales au XVIe siècle, LD/La Découverte, Paris, 173p. 1983.

THEVET, André. Le Brésil d’André Thevet. Les Singularités de la France Antarctique (1557). Éditions Chandeigne, Paris, 446p., 1997.

THEVET, André. Histoire d’André Thevet Angoumoisin, cosmographe du Roy, de deux Voyage par luy faits aux Indes australes et occidentales. Edition critique par Jean-Claude Laborie & Frank Lestringant. Librairie Droz SA, 496p. 2006.

VELTHEM, Lúcia Hussak van. “Feito por inimigos”: Os brancos e seus bens nas representações Wayana do contato. In: Pacificando o branco: cosmologias do contato no norte amazônico [en ligne]. Marseille: IRD Éditions, 2002, (acesso em 30 de março de 2020), 20p.

VINHOSA, Luiza. A cultura material tupiguarani dos sítios arqueológicos de Araruama, Rio de Janeiro: O que dados arqueológicos “mudos” têm a dizer sobre as sociedades tupinambá? Dissertação de Mestrado, 2018. Museu Nacional, 139p.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Araweté, os deuses canibais. Editora Zahar/ANPOCS, 1986.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

BUARQUE, A.; BAUMANN, T.; BARBOSA-GUIMARÃES, M.; CORDEIRO, J. Entre dois mundos: Franceses de Paratitou e Tupinambá de Rouen. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 2, p. 21–42, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i2.726. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/726. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo