Os muiraquitãs das estearias do Lago Cajari depositados no Museu Nacional (RJ)

estudo tecnológico, simbólico e de circulação de bens de prestígio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i2.742

Palavras-chave:

muiraquitã, estearias do Lago Cajari, circulação de bens de prestígio

Resumo

Os muiraquitãs são artefatos confeccionados, em geral, por nefrita verde, associados, especialmente, às culturas arqueológicas das áreas de confluência dos rios Tapajós-Nhamundá-Trombetas. Estes objetos são vinculados à Tradição Inciso-Ponteada e aos falantes dos grupos Karib. Este artigo debruça-se nos dois muiraquitãs encontrados nas estearias do Lago Cajari, Baixada Maranhense, pelo geógrafo Raimundo Lopes entre 1919 e 1940, hoje desaparecidos por causa do incêndio que destruiu o Museu Nacional (RJ) em 2018. A partir da descrição tecnológica das peças, da análise simbólica e da evidência etno-histórica, conclui-se que os muiraquitãs das estearias foram importados do Baixo Amazonas, através de trocas entre grupos vizinhos, indicando uma circulação de bens de prestígio e certa interação social a partir do simbolismo destas pedras verdes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AIRES DA FONSECA, João. As estatuetas líticas do Baixo Amazonas. In: PEREIRA, Edithe; GUAPINDAIA, Vera. (org.). Arqueologia amazônica 1. Belém: MPEG/IPHAN/SECULT, 2000. p. 235-257.

AMARAL, Anderson M. A ecologia de assentamentos, interações sociais ameríndias e o contexto geográfico dos muiraquitãs no Baixo Amazonas. Cadernos do Lepaarq, v. 15 n. 30, p. 121-141, 2018.

ANTCZAK, María Magdalena; ANTCZAK, Andrzej. Los ídolos de las islas prometidas. Caracas: Universidad Simón Bolívar/Editorial Equinoccio, 2006.

BALBY, Raimundo. A cultura neolítica de Penalva (Estearias). São Luís: Belgraf, 1985.

BARATA, Frederico. O muiraquitã e as contas dos Tapajó. Revista do Museu Paulista, v. 8, p. 229-252, 1954.

BARATA, Frederico. Artes plásticas no Brasil. Arqueologia. Rio de Janeiro: Larraigoti, 1952.

BARBOSA RODRIGUES, João. Exploração do Valle do Amazonas. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1875.

BARBOSA RODRIGUES, João. O Muyrakytã e os idolos symbolicos: estudo da origem asiatica da civilização do Amazonas nos tempos prehistoricos. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1899.

BARRETO, Cristiana. Catalogue of the Exibition Artworks Part I: Ancient Amazonia. In: GRUPIONI, L. D. B.; BARRETO, C. (org.). Amazonia, Native Traditions. São Paulo: Brasil Connects Cultura & Ecologia, 2004. p. 147-259.

BARRETO, Cristiana. Corpo, Comunicação e Conhecimento: Reflexões para a socialização da herança arqueológica na Amazônia. Revista de Arqueologia da Sociedade de Arqueologia Brasileira, v. 26, p. 112-129, 2013.

BARRETO, Cristiana. Le symbolisme sexuel et les femmes dans l 'art de l Amazonie ancienne. Kaos, v. 3, p. 72-83, 2003.

BOOMERT, Arie. Gateway to the Mainland. Trinidad and Tobago. In: KEEGAN, William.; HOFMAN, Corinne.; RODRÍGUEZ RAMOS, Reniel. (org.). The Oxford Handbook of Caribbean Archaeology. Nova York: Oxford University Press, 2013. p. 141-154.

BOOMERT, Arie. Gifts of the Amazon: green stones pendants and beads as item of ceremonial exchange in Amazonia and the Caribean. Antropologica, v. 67, p. 33-54, 1987.

CONDAMINE, Charles-Marie de la. Relation abrégée d’um Voyage fait à l’intérieur de l’Amérique Méridionale. Paris: Veuve Pissot, 1778.

CONDAMINE, Charles-Marie de la. Viagem pela Amazonas 1735-1745. Tradução de Maria Helena Franco Martins. Rio de Janeiro/São Paulo: Nova Fronteira/EDUSP, 1992.

CORRÊA, Conceição G.; MACHADO, Ana Lúcia; LOPES, Daniel F. As estearias do lago Cajari-MA. Anais do I Simpósio de Pré-História do Nordeste Brasileiro, n. 4, p. 101-103, 1991.

CORREIA LIMA, Olavo; AROSO, Olir Correia Lima. Pré-história maranhense. São Luís: Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, 1991.

COSTA, Marcondes Lima; SILVA, Anna Cristina Resque Lopes da; ANGÉLICA, Rômulo Simões. Muyrakytã ou Muiraquitã, um talismã arqueológico em jade procedente da Amazônia: uma revisão histórica e considerações antropogeológicas. Acta Amazonica, v. 32, n. 3, p. 467-490, 2002a.

COSTA, Marcondes Lima; SILVA, Anna Cristina Resque Lopes da; ANGÉLICA, Rômulo Simões; PÖLLMANN, Herbert; SCHUCKMANN, Walter. Muyrakytã ou Muiraquitã: um talismã arqueológico em jade procedente da Amazônia: aspectos físicos, mineralogia, composição química e sua importância etnogeológica. Acta Amazonica, v. 32, n. 3, p. 431-448, 2002b.

D’ÉVREUX, Yves. Continuação da História das coisas mais memoráveis acontecidas no Maranhão nos anos 1612 e 1614. Tradução de Cézar Augusto Marques. Brasília: Senado Federal, 2008.

FALCI, Catarina G.; VAN GIJN, Annelou L.; HOFMAN, Corinne L. Adornos corporais das Antilhas à Amazônia: uma proposta metodológica. Arquivos do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG, v. 25, n. 2, p. 236-285, 2016.

FALCI, Catarina G.; RODET, Maria Jacqueline. Adornos corporais em Carajás: a produção de contas líticas em uma perspectiva regional. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 11, n. 2, p. 481-503, 2017.

GIKOVATE, Moysés. As esteiarias. Revista Nacional de Educação, ano 1, n. 6, p. 64-71, 1933.

GOMES, Denise M. C. Politics and Ritual in Large Villages in Santarém, Lower Amazon, Brazil. Cambridge Archaeological Journal, v. 27, p. 1-19, 2016.

GOMES, Denise M. C. O perspectivismo ameríndio e a ideia de uma estética americana. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, v. 7, n. 1, p. 133-159, 2012.

GOMES, Denise M. C. Santarém Symbolism and Power in the tropical forest. McEWAN, Colin; BARRETO, Cristiana; NEVES, Eduardo. (orgs.). Unknown Amazon. Londres: British Museum Press, 2001. p. 134-155.

HERIARTE, Maurício de. Descrição do estado do Maranhão, Pará, Gurupá e rio das Amazonas. Viena: Barão de Porto Seguro, 1974.

LEITE FILHO, Deusdédit. Arqueologia dos ambientes lacustres: cultura material, dinâmica sociocultural e sistema construtivo nas estearias da Baixada Maranhense. Arquivos do Museu de História Natural e Jardim Botânico, v. 25, n. 2, p. 54-99, 2016.

LEROI-GOURHAN, André. L’Homme et la Matière. Paris: Albin Michel, 1945.

LOPES, Raimundo. A civilização lacustre do Brasil. Boletim do Museu Nacional, v. 1, n. 2, p. 87-109, 1924.

MARTIN, Gabriela. Pré-história do Nordeste brasileiro. Recife: Editora Universitária da UFPE, 1996.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: EPU/EDUPS, 1974.

MORAES, Claide de Paula; LIMA, Anderson Márcio Amaral; SANTOS, Rogério Andrade dos. Os artesãos das Amazonas: a diversidade da indústria lítica dos Tapajó e o muiraquitã. In: ROSTAIN, Stéphen. (ed.). Actas del 3er Encuentro Internacional de Arqueología Amazónica. Lima: Instituo Francés de Estudios Andinos, 2013. p. 133-140.

NAVARRO, Alexandre G.; TREFAUT RODRIGUES, Miguel; GRANT, Taran. A representação de um anuro venenoso em um aplique cerâmico da estearia da Boca do Rio. In: NAVARRO, Alexandre G. (org.). A civilização lacustre e a Baixada Maranhense. Da Pré-História dos campos inundáveis aos dias atuais. São Luís: EDUFMA, 2019. p. 433-441.

NAVARRO, Alexandre G. New evidente for the late first millennium AD stilt-house settlements in Eastern Amazonia. Antiquity, v. 92, n. 366, p. 1586-1603, 2018a.

NAVARRO, Alexandre G. Morando no meio dos rios e lagos: mapeamento e análise cerâmica de quatro estearias do Maranhão. Revista de Arqueologia, v. 31, n. 1, p. 73-103, 2018b.

NAVARRO, Alexandre G.; COSTA, Marcondes L.; SILVA, Abrahão S. N. F.; ANGÉLICA, Rômulo S.; RODRIGUES, Suyanne S.; GOUVEIA NETO, João C. O muiraquitã da estearia da Boca do Rio, Santa Helena, Maranhão: estudo arqueológico, mineralógico e simbólico. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 12, n. 3, p. 869-894, 2017.

NAVARRO, Alexandre G. Arte e estilo nas estearias maranhenses. Arquivos do Museu de História Natural e Jardim Botânico UFMG, v. 25, n. 2, p. 100-124, 2016.

NAVARRO, Alexandre G. O povo das águas: carta arqueológica das estearias da porção centro-norte da Baixada Maranhense. Cadernos de Pesquisa, v. 20, n. 3, p.1-8, 2013.

NEVES, Eduardo G. Arqueologia da Amazônia. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 2006.

NIMUENDAJU, C. Mapa etno-histórico do Brasil e regiões adjacentes. Rio de Janeiro: IBGE, 1941.

PANACHUK, Lílian; PROUS, André; MENDES, Tayse H. Os gestos de produção da pintura em cerâmica nos sítios da Baixada Maranhense: apontamentos preliminares. In: NAVARRO, Alexandre G. (org.). A civilização lacustre e a Baixada Maranhense. Da Pré-História dos campos inundáveis aos dias atuais. São Luís: EDUFMA, 2019. p. 389-431.

PINTO, Estevão. Os indígenas do Nordeste. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1935.

POLANYI, Karl. La economía como actividad institucionalizada. In: POLANYI, Karl; ARENSBERG, Conrad M.; PEARSON, Harry W. (ed.). Comercio y Mercado en los Imperios Antiguos. Barcelona: Labor Universitaria, 1976. p. 289-316.

PORRO, Antonio. O Povo das Águas. Manaus: EDUA, 2017.

PORRO, Antonio. Arte e simbolismo xamânico na Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 5, n. 1, p. 129-144, 2010.

PROUS, André. Arqueologia Brasileira, os primeiros colonizadores. Campo Grande: Carlini e Caniato/Tantatinta, 2019.

PROUS, André. Arqueologia brasileira. Brasília: UnB, 1992.

RESQUE MEIRELLES, Anna Cristina. Muiraquitã e contas do Tapajós no imaginário indígena: uma análise químico-mineralógica dos artefatos dos povos pré-históricos da Amazônia. 2011. Tese (Doutorado em Geologia e Geoquímica) – Instituto de Geologia e Geoquímica, Universidade Federal do Pará, Belém, 2011.

RENFREW, Colin; BAHN, Paul. Arqueología. Teorías, métodos y práctica. Madri: Akal, 2004.

RENFREW, Colin; CHERRY, John F. (ed.). Peer polity interaction and socio-political change. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

ROOSEVELT, Anna C. Interpreting Certain Female Images in Prehistoric Art. In: MILLER, Virginia E. (ed.). The Role of Gender in Precolumbian Art and Architecture. Lanham: MD. U. Press of America, 1988. p. 1-34.

ROOSEVELT, Anna C. Mound-builders of the Amazon: Geophysical Archaeology on Marajo Island, Brazil. Studies in Archaeology. San Diego: Academic Press, 1991.

ROSTAIN, Stéphen. Cacicazgos guyanenses: mito o realidad? In: PEREIRA, Edithe; GUAPINDAIA, Vera. (org.). Arqueologia Amazônica 1. Belém: MPEG/ IPHAN/SECULT, 2010. p. 169-192.

SAHLINS, Marshall D. Tribesman. Prentice-Hall: Englewood Cliffs, 1968.

SCHAAN, Denise P. Cultura marajoara. Edição trilíngue: português, espanhol, inglês. Belém: SENAC, 2009.

SCHAAN, Denise P. The Camutins Chiefdom. Rise and development of complex societies on Marajó Island, Brazilian Amazon. 2004. Tese (Doutorado em Antropologia) – Department of Anthropology, Pittsburgh University, 2004.

SIMÕES, Mario. As pesquisas arqueológicas no Museu Paraense Emilio Goeldi (1870-1981). Acta Amazônica, v. 11, n. 1, p. 149-165, 1981.

WASSÉN, Henry. The frog-motive among the South American Indians. Antropos, v. 29, n. 3-4, p. 319-370, 1934.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

PROUS, A.; NAVARRO, A. G. Os muiraquitãs das estearias do Lago Cajari depositados no Museu Nacional (RJ): estudo tecnológico, simbólico e de circulação de bens de prestígio. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 2, p. 66–91, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i2.742. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/742. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo