Deixa meu cabelo em paz e outros contos sobre Arqueologia do Racismo à Brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i2.743

Palavras-chave:

racismo à brasileira, objetos racistas e racializados, auto-arqueologia

Resumo

Este texto explora possibilidades a uma arqueologia do racismo à brasileira com base em uma auto-arqueologia do passado contemporâneo para o Brasil. Ressalta questões relacionadas à ausência de reflexões sobre o problema na prática arqueológica. Navega pela materialidade de símbolos de opressão que são sutis e discretos, como o próprio racismo à brasileira, que o sustentam, o reproduzem e o materializam, trazendo dor, humilhação, crueldade e destruição. Sugere que a raiva pela qual passamos na profissão e os projetos arqueológicos em torno de temas que abordem a presença e o legado dos africanos no Brasil dão base material a afirmações que podem nos ajudar a lutar por representações a partir de nossos lugares de fala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGBE-DAVIES, Angela S. Black scholars, black pasts. The SAA archaeological record, v. 2, n. 4, p. 24-28, 2012.

AGOSTINI, Camilla. (org.) Objetos da escravidão. Abordagens sobre a cultura material da escravidão e seu legado. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013.

AGOSTINI, Camilla. Relatório Anual de Pesquisa Arqueológica IPHAN. Projeto: Os africanos não estavam sós. Relações entre grupos não hegemônicos no litoral sul- Etapa 1 - Mangaratiba. Rio de Janeiro: UERJ, 2015. Disponível em: www.labhoi.uff.br/repair/ppp/pdf/Relatorio%20IPHAN%201%20ano_2014.pdf. Acesso em 06 dez. 2019.

AGOSTINI, Camilla. Temporalidades e saberes inscritos em ruínas e memórias. Vestígios, v. 13, n. 1, p. 29-50, 2019.

ALDHOUSE-GREEN, Miranda. Crowning glories: languages of hair in later prehistoric Europe. Proceedings of the Prehistoric Society, n. 70, p. 299-325, 2004.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonto: Letramento, 2018.

AMORIM, Tomaz; NOGUEIRA, Renato. Afroperspectividade: por uma filosofia que descoloniza. Negro Belchior, 2015. Disponível em: http://negrobelchior.cartacapital.com.br/afroperspectividade-por-uma-filosofia-que-descoloniza/. Acesso em 11 ago. 2017.

ANUNCIAÇÃO, Diana; TRAD, Leny A. B.; FERREIRA, Tiago. “Mão na cabeça!”: abordagem policial, racismo e violência estrutural entre jovens negros de três capitais do Nordeste. Saúde e Sociedade, v. 29, n. 1, e190271, 2020.

APPADURAI, Arjun. O medo do pequeno número: ensaio sobre a geografia da raiva. São Paulo: Iluminuras, 2001.

ASHBY, Steven P. Technologies of appearance: hair behaviour in early Medieval Europe. Archaeological Journal, v. 171, n. 1, p. 151-184, 2014.

BABSON, David W. The archaeology of racism and ethnicity on southern plantations. Historical Archaeology, v. 24, n. 4, p. 20-28, 1990.

BAL, Aydin. System of disability. Critical Education, v. 8, n. 6, p. 1-27, 2017.

BARETTA, Jocyane. Arqueologia da repressão e da resistência e suas contribuições na construção de memórias. Revista de Arqueologia Pública, v. 8, n. 2, p. 76-89, 2017.

BATTLE-BAPTISTE, Whitney. Black feminist archaeology. Walnut Creek: Left Coast Press, 2011.

BORGES, Juliana. Encarceramento em massa. Belo Horizonte: Letramento, 2019.

BRITO, Gisele. Crimes de Maio: 10 anos. Brasil de Fato, 2016. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2016/05/13/surgido-da-dor-maes-de-maio-se-tornam-referencia-no-combate-a-violencia-do-estado/. Acesso em 15 mai. 2019.

BUCHLI, Victor; LUCAS, Gavin. (ed.) Archaeologies of contemporary past. Londres: Routledge, 2001.

CAMINO, Leôncio; SILVA, Patrícia; MACHADO, Aline; PEREIRA, Cícero. A face oculta do racismo no Brasil: uma análise psicossociológica. Revista de psicologia política, v. 1, n. 1, p.13-36, 2001.

CARDOSO, Cláudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 3, p. 965-986, 2014.

CARLE, Cláudio; SANTANA, Ingrid A. S. F.; OLIVEIRA, Cícero N. P. As cumplicidades racistas da arqueologia. Revista de Arqueologia Pública, v. 12, n. 2, p. 1-19, 2018.

CARNEIRO, Eliana F. V. O Ministério Público e os Serviços de Verificação de Óbito: a urgente necessidade de fiscalização desse serviço público em prol das pessoas desaparecidas ou da materialidade de delitos. In: MPF. (org.) O Ministério Público e o Controle Externo da Atividade Policial, v. 2. Conselho Nacional do Ministério Público. Brasília: CNMP, 2019. p. 30-44.

CARNEIRO, Sandra de Sá; PINHEIRO, Márcia Leitão. Cais do Valongo: patrimonialização de locais, objetos e herança africana. Religião e Sociedade, v. 35, n. 2, p. 384-401, 2015.

CARVALHO, José J. O confinamento racial do mundo acadêmico brasileiro. Revista USP, v. 68, p. 88-103, 2005-2006.

CHIN, Elizabeth. Feminist theory and the ethnography of children's worlds: Barbie in New Haven, Connecticut. In: SCWARTZMAN, Helen B. (ed.) Children and anthropology: perspectives for the 21st century. Westport (Connecticut/EUA): Bergin & Garvey, 2001. p. 129-148.

CICALO, André. A voice for the past: making ‘public’ slavery heritage in Rio de Janeiro. International Journal of Tourism Anthropology, v. 3, n. 2, p. 170-183, 2013.

CORRÊA, Mariza. Sobre a invenção da mulata. Cadernos Pagu, v. 6-7, p. 35-50, 1996.

CORSO, João C. Aproximações entre Arqueologia e o estudo dos movimentos sociais contemporâneos: MST e CPT. Vestígios, v. 4, n. 2, p. 69-87, 2010.

CUNHA, Manuela C. Olhar escravo, ser olhado. In: AZEVEDO, Paulo C.; LISSOVSKY, Maurício. (org.) Escravos brasileiros do século XIX na fotografia de Christiano Jr. São Paulo: ExLibris, 1988. p. 23-30.

CURTONI, Rafael P.; POLITIS, Gustavo G. Race and racism in South American archaeology. World Archaeology, v, 38, n. 1, p. 93–108, 2006.

DAMATTA, Roberto. Digressão: a fábula das três raças, ou o problema do racismo à brasileira. In: DAMATTA, Roberto. Relativizando, uma introdução à antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 1990. p. 58-87.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2007.

DELEUZE, Gilles; GUATARRI, Félix. Mil platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

ECHO-HAWK, Roger C.; ZIMMERMAN, Larry J. Beyond Racism: Some Opinions about Racialism and American Archaeology. The American Indian Quarterly, v. 30, n. 3-4, p. 461-485, 2006.

ELY, Guilherme. A saudosa fábrica de brinquedos gaúcha. Gauchazh, Almanaque, 2017. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/almanaque/noticia/2017/10/a-saudosa-fabrica-de-brinquedos-gaucha-cj8nkuffm024c01mqwjqglqah.html. Acesso em 11 abr. 2019.

FANON, Franz. Pele negra máscaras brancas. Salvador: Edufba, 2008.

FERREIRA, Lucio M. Vestígios de civilização: a arqueologia no Brasil Imperial (1838-1877). Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

FERREIRA, Lucio M. Sobre o conceito de arqueologia da diáspora africana. Métis, v. 8, n. 16, p. 267-275, 2009.

FONSECA, Dagoberto J. Você conhece aquela? A piada, o riso e o racismo à brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2012.

FOUCAULT, Michel. Sobre a história da sexualidade. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1998. p. 243-276.

FRANCO, Fábio L. Da biopolítica à necrogovernabilidade: um estudo sobre os dispositivos de desaparecimento Brasil. Tese (Doutorado em Filosofia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. doi: 10.11606/T.8.2019.tde-25022019-112250.

FUNARI, Pedro P. A arqueologia e a cultura africana nas Américas. Estudos Ibero-Americanos, v. 16, n. 2, p. 61-71, 1991.

GARCIA, Roosevelt. Grandes fabricantes de brinquedos que fecharam as portas. Blog Memória - Veja São Paulo, 2017. Disponível em: https://vejasp.abril.com.br/blog/memoria/grandes-fabricantes-de-brinquedos/. Acesso em 20 jun. 2020.

GOMES, Nilma L. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

GOMES, Nilma L. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural? Revista Brasileira de Educação, v. 21, p. 40-51, 2002.

GONZALEZ, Lélia. O movimento negro na última década. In: GONZÁLEZ, Lélia; HASENBALG, Carl. (ed.) Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982. p. 9-66.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afrolatinoamericano. Revista Isis Internacional, v. 9, p. 133-141, 1988.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. The past is tomorrow. Towards and Archaeology of the vanishing past. Norwegian Archaeological Review, v. 39, n. 2, p. 110-125, 2006.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. Hacia otra arqueología: diez propuestas. Complutum, v. 23, n. 2, p. 103-116, 2012.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. An Archaeology of the Contemporary Era: the Age of Destruction. Londres: Routledge, 2016.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo; HERNANDO, Almudena. Genealogies of destruction: an archaeology of the contemporary past in the Amazon forest. Archaeologies, v. 6, n. 1, p. 5-28, 2010.

GRAVES-BROWN, Peter. Touching from a distance: alienation, abjection, estrangement and archaeology. Norwegian Archaeological Review, v. 44, n. 2, p. 131-144, 2011.

GUIMARÃES, Antônio S. Preconceito de cor e racismo no Brasil. Revista de Antropologia, v. 47, n. 1, p. 9-43, 2004.

HARAWAY, Donna. Situated knowledges: the science question in feminism and the privilege of partial perspective. Feminist studies, v. 14, n. 3, p. 575-599, 1988.

HARRISON, Richard; SCHOFIELD, John. Archaeo-Ethnography, Auto-Archaeology: Introducing Archaeologies of the Contemporary Past. Archaeologies, v. 5, n. 2, p. 185-209, 2009.

HASENBALG, Carl. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

JOYCE, Rosemary. Archaeology of the body. Annual Review of Anthropology, v. 34, p. 139-158, 2005.

LEMES, Conceição. Para ativista, boneca da Estrela fere dignidade das crianças negras. Forum, 2015. Disponível em: https://www.revistaforum.com.br/para-ativista-boneca-da-estrela-fere-dignidade-das-criancas-negras/. Acesso em 20 jul. 2020.

LEONARDO, Zeus. Race, whitness and education. Nova York: Routledge, 2009.

LIMA, Tânia A. Los zapateros descalzos: arqueología de una humillación en Rio de Janeiro del siglo XIX. In: ACUTO, Félix; ZARANKIN, Andrés. (org.) Sed non satiata II: acercamientos sociales en la arqueología latinoamericana. Buenos Aires: Encuentro, 2008. p. 33-55.

LIMA, Tânia A. Arqueologia como ação sociopolítica: o caso do cais do Valongo, Rio de Janeiro, século XIX. Vestígios, v. 7, n. 1, 2013, p. 179-207.

LUGONES, Maria. Hard-to-handle anger. In: BELL, Linda; BLUMENFELM, David. (org.) Overcoming Racism and Sexism. Lanham (Maryland/EUA): Rowman & Littlefield Publishers, 1995. p. 203-217.

MARQUES, Gabriel. Da Senzala a Unidade Racial: uma abordagem do problema racial no Brasil. Brasília: Planeta Paz, 1996.

MARTIN, Anthony. Toys with Professions: Racialized Black Dolls, 1850-1940. Journal of African Diaspora Archaeology and Heritage, v. 3, n. 2, p. 137-158, 2014.

MARTIN, Anthony. A list of racialized black dolls: 1850-1940. African Diaspora Archaeology Newsletter, v. 15, p. 1-65, 2015.

MARTINS, Leandra R. Perfil racial dos docentes da USP analisa baixo índice de professores negros. AUN - Agência Universitária de Notícias, 2017. Disponível em: https://paineira.usp.br/aun/index.php/2017/03/23/perfil-racial-dos-docentes-da-usp-analisa-baixo-indice-de-professores-negros/. Acesso em 07 set. 2019.

MATTHEWS, Christopher N.; LEONE, Mark P.; JORDAN, Kurt A. The political economy of archaeological cultures: Marxism and American historical archaeology. Journal of Social Archaeology, v. 2, n. 1, p. 109-134, 2002.

MBEMBÉ, Achille. Necropolítica. São Paulo: n-1 Edições, 2018.

MCDAVID, Carol. 2010. Public archaeology, activism, and racism: rethinking the heritage "product". In: STOTTMAN, M. Jay (ed.) Archaeologists as activists: can archaeologists change the world? Tuscaloosa (Alabama/EUA): University of Alabama Press, 2010. p. 36-47.

MCGUIRE, Randall. Arqueologia como ação política: o projeto guerra do carvão no Colorado. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, v. 3, p. 387-397, 1999.

MESKELL, Lynn. The intersections of identity and politics in archaeology. Annual Review of Anthropology, v. 31, p. 279-301, 2002.

MILLER, Daniel. Consumo como cultura material. Horizontes Antropológicos, v. 13, n. 28, p. 33-63, 2007.

MIZRAHI, Mylene. Cabelos ambíguos: beleza, poder de compra e “raça” no Brasil urbano. Revista brasileira de Ciências Sociais, v. 30, n. 89, p. 31-45, 2015.

MULLINS, Paul. Racializing the commonplace landscape: an archaeology of urban renewal along the color line. World Archaeology, v. 38, n. 1, p. 60-71, 2006.

MUNANGA, Kabengele. Negritude afro-brasileira: perspectivas e dificuldades. Revista de Antropologia, v. 33, p. 109-117, 1990.

MUNANGA, Kabengele. Algumas considerações sobre "raça", ações afirmativas e identidade negra no Brasil: fundamentos antropológicos. Revista USP, v. 68, p. 46-57, 2005-2006.

MUNANGA, Kabengele. Por que ensinar a história da África e do negro no Brasil de hoje? Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, v. 62, p. 20-31, 2015.

NASCIMENTO, Anna B. O impacto do colorismo no feminismo negro no Brasil. Cadernos Humanidades em Perspectivas, v. 4, n. 2, p. 57-61, 2018.

NORWOOD, Kimberly J. "If You Is White, You’s Alright...” Stories about colorism in America. Washington University Global Studies Law Review, v. 14, n. 4, p. 585-605, 2015.

OLSEN, Bjørnar. Material culture after text: re-membering things. Norwedian Archaeological Review, v. 36, n. 2, p. 87-104, 2003.

ORSER JR, Charles; FUNARI, Pedro Paulo. Arqueologia da resistência escrava. Cadernos LEPAARQ, v. 1, n. 2, p. 11-25, 2004.

ORSER JR., Charles. The challenge of race to American Historical Archaeology. American Anthropologist, v. 100, n. 3, p. 661-668, 1999.

ORSER JR., Charles. The Archaeology of Race and Racialization in Historic America. Tallahassee (Flórida/EUA): University Press of Florida, 2007.

PADRÓS, Eduardo S. América Latina: ditaduras, segurança nacional e terror de Estado. História e lutas de classe, v. 4, n. 4, 43-49, 2012.

PASSOS, Lara de P. Arqueopoesia: uma proposta feminista afrocentrada para o universo arqueológico. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

PEARSON, Marlys; MULLINS, Paul R. Domesticating Barbie: an archaeology of Barbie material culture and domestic ideology. International Journal of Historical Archaeology, v. 3, n. 4, p. 225-259, 1999.

PEIRANO, Mariza. Sem lenço, sem documento: reflexões sobre cidadania no Brasil. Sociedade e Estado, v. 1, n. 1, p. 49-64, 1986.

PENA, Sergio D. Razões para banir o conceito de raça da medicina brasileira. Manguinhos, v. 12, n. 2, p. 321-346, 2005.

PEREIRA, Ricardo; CHEVITARESE, André L. Por uma arqueologia dos candomblés: contribuições da ciência do passado aos estudos dos fenômenos religiosos. Revista Maracanan, v. 20, p. 112-136, 2019.

PEREIRA, Rodrigo. Por uma outra diáspora: formação histórica e dispersão dos terreiros de candomblé no Grande Rio. Revista de História Bilros, v. 2, n. 3, p. 125-152, 2014.

POMPEU, Fernanda; MUNANGA, Kabengele. Kabengele Munanga, professor. Geledés - Instituto da Mulher Negra, 2017. Disponível em: https://www.geledes.org.br/kabengele-munanga-professor/. Acesso em 20 mar. 2020.

PRADA, Monique. Putafeminista. São Paulo: Veneta, 2018.

QUADFLIEG, Jutta M. Fundamental properties of afro-american hair as related to their straightening/relaxing behaviour. Tese (Doutorado em Ciências Naturais) - Faculdade de Matemática, Ciência da Computação e Ciências Naturais, Rheinisch-Westfalischen Technischen Hochschule Aachen, 2003.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura S.; MENESES, Maria Paula. (org.) Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009. p. 73-117.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

RIBEIRO, Loredana. Crítica feminista, arqueologia e descolonialidade: sobre resistir na ciência. Revista de Arqueologia, v. 30, n. 1, p. 210-234, 2017.

RIZVI, Uzma Z. Checkpoints as gendered spaces: an autoarchaeology of war, heritage and the city. In: GRAVES-BROWN, Peter; HARRISON, Rodney; PICCINI, Angela. (ed.) The Oxford Handbook of the Archaeology of the Contemporary World. Oxford (UK): Oxford University Press, 2013. p. 497-507.

ROSEMAN, Michele T. Hairlooms: the untangled truth about loving our natural hair and beauty. Deerfield Beach (Florida/EUA): Health Communications Inc, 2017.

SALES JÚNIOR, Ronaldo. Democracia racial: o não-dito racista. Tempo Social, v. 18, n. 2, p. 229-250, 2006.

SANSONE, Livio. Os objetos da identidade negra: consumo, mercantilização, globalização e a criação de culturas negras no Brasil. Maná, v. 6, n. 1, p. 87-119, 2000.

SANTOS, Vanicléia S., SYMANSKI, Luís C.; HOLL, Augustin. (org.) Arqueologia e história da cultura material na África e na diáspora africana. Curitiba: Prismas, 2018.

SCHAMBERGER, Karen. Resistance, advocacy and education: collecting and exhibiting "race". Museums Australia National Conference, p. 146-151, 2010.

SCHOFIELD, John. Archaeology and contemporary society: an introduction. World Archaeology, v. 42, n. 3, p. 325-327, 2010.

SCHWARCZ, Lilia M. As teorias raciais, uma construção histórica de finais do século XIX: o contexto brasileiro. In: SCHWARCZ, Lilia M.; QUEIROZ, Renato S. (org.) Raça e diversidade. São Paulo: Edusp, 1996. p. 147-185.

SCHWARCZ, Lilia M. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Claroenigma, 2012.

SCHWARCZ, Lilia M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questões raciais no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILLIMAN, Stephen W. Culture Contact or Colonialism? Challenges in the Archaeology of Native North America. American Antiquity, v. 70, n. 1, p. 55-74, 2005.

SILVA, Nelson V. Extensão e natureza das desigualdades raciais no Brasil. In: GUIMARÃES, Antonio S.; HUNTLEY, Lynn. (org.) Tirando a máscara: ensaios sobre racismo no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2000. p. 33-52.

SOUZA, Marcos A. Por uma arqueologia da criatividade: estratégias e significações da cultura material utilizada pelos escravos no Brasil. In: AGOSTINI, Camilla. (org.) Objetos da escravidão: abordagens sobre a cultura material da escravidão e seu legado. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013. p. 11-36.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Edufmg, 2010.

SYMANSKI, Luís C. A arqueologia da diáspora africana nos Estados Unidos e no Brasil: problemáticas e modelos. Áfro-Ásia, v. 49, p. 159-198, 2014.

TAUSSIG, Michael. Culture of terror-space of death: Roger Casement's Putamayo report and the explanation of torture. Comparative studies in society and history, v. 26, n. 3, p. 467-497, 1984.

TELES, Janaina. Métodos e técnicas de ocultação de corpos na cidade de São Paulo. Relatório/Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva”. Tomo I – Parte I – Capítulo 3. São Paulo: Assembleia Legislativa, 2015.

TERTO, Amauri. Apenas 3% das bonecas à venda em lojas virtuais no Brasil são negras, aponta estudo. Geledés - Instituto da Mulher Negra, 2016. Disponível em: https://www.geledes.org.br/apenas-3-das-bonecas-venda-em-lojas-virtuais-no-brasil-sao-negras-aponta-estudo/. Acesso em 19 out. 2019.

WHEELER, Kathleen. Theoretical and methodological considerations for excavating privies. Historical archaeology, v. 34, n. 1, p. 3-19, 2000.

ZARANKIN, Andrés; SALERNO, Melissa. Sobre bonecas e carrinhos: desconstruindo as categorias “feminino” e “masculino” no passado. Especiaria, v. 11/12, n. 20/21, p. 219-240, 2010.

ZEDEÑO, Maria I. Landscapes, land use, and the history of territory formation: an example from Puebloan southwest. Journal of archaeological method and theory, v. 4, p. 63-103, 1997.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

ABREU E SOUZA, R. de. Deixa meu cabelo em paz e outros contos sobre Arqueologia do Racismo à Brasileira. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 2, p. 43–65, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i2.743. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/743. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo