Uma nova política para um antigo acervo

a redescoberta das coleções arqueológicas do Museu Goeldi

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i3.824

Palavras-chave:

acervos arqueológicos, curadoria, Arqueologia Amazônica

Resumo

Este artigo apresenta a coleção arqueológica do Museu Goeldi sob a perspectiva da nova política de acervo, que está em processo de construção pela equipe de curadoria da Reserva Técnica Mário Ferreira Simões. Esta renovada orientação, mais voltada à extroversão, busca, entre outras coisas, reconectar os objetos aos seus contextos originais e documentações, visando oferecer novas possibilidades para sua conexão com diferentes grupos sociais. Particularmente, ao requalificar os objetos e coleções em seus aspectos relacionais, buscamos potencializar a pluralidade de formas de leituras, percepções e ressignificações do patrimônio arqueológico salvaguardado na instituição. Consideramos ainda a necessidade premente de um maior engajamento digital para fins de documentação de comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACERVOS DA SAB, GT. Recomendações de Ouro Preto/abril – 2017 - Fórum de Arqueologia da SAB – Acervos Arqueológicos. Revista Arqueologia Pública, v. 11, n. 2[19], p. 2-5, 30 nov. 2017.

BARRETO, Cristiana. Corpo, Comunicação e Conhecimento: Reflexões para a Socialização da Herança Arqueológica na Amazônia. Revista de Arqueologia, v. 26, n.1, p.112-128, 2013.

BESSER, Howard. Integrating collections management information into online exhibits: the world wide web as a facilitator for linking 2 separate processes. Trabalho apresentado na conferência Museums and the Web 1997, 16–19 Março 1997. Disponível em: http://www.archimuse.com/mw97/speak/besser.htm

BESSER, Howard. The transformation of the museum and the way it’s perceived. In: K. GARMIL-JONES, K. (ed.). The wired museum emerging technology and changing paradigms. Washington (DC): American Association of Museums, 1998, p.161-192.

BEZERRA, Marcia. As moedas dos índios: um estudo de caso sobre os significados do patrimônio arqueológico para os moradores da Vila de Joanes, ilha de Marajó, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 6, n. 1, p. 57- 70, 2011.

BEZERRA, Marcia. As Cores do Passado na Amazônia: o patrimônio arqueológico no artesanato da Vila de Joanes, Ilha do Marajó, Brasil. Amazônica, Revista de Antropologia, v.6, n. 2, p. 418-441, 2014.

BONACCHI, Chiara; MOSHENKA, Gabriel. Critical reflexions on digital Public Archaeology. Internet Archaeology, 40. 2015. https://doi.org/10.11141/ia.40.7.1.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. As expedições e os museus: Reciprocidades e promiscuidades. Revista Habitus. Goiânia, v. 17, n.1, p. 7-24, jan./jun. 2019.

CABRAL, Mariana Petry. “E se todos fossem arqueólogos?”: experiências na Terra Indígena Wajãpi. Anuário Antropológico II, p.115-132, 2014.

CABRAL, Mariana Petry. No tempo das pedras moles: arqueologia e simetria na floresta. Revista Habitus-Revista do Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia, v. 12, n.2, p.331-332, 2015.

CABRAL, Mariana Petry; PEREIRA, Daiane; BEZERRA, Marcia. Patrimônio Arqueológico da Amazônia: a pesquisa, a gestão e as pessoas: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. n.38. p. 247-268, 2018.

CAMERON, Fiona. Wired collections – the next generation. Museum Management and Curatorship, vol. 19, n. 3, p. 309–315, 2001.

CHAGAS, Mário; PRIMO, Judite; ASSUNÇÃO, Paula; STORINO, Claudia. A museologia e a construção de sua dimensão social: olhares e caminhos. Cadernos de Sociomuseologia v. 55, n.11, p.73-101, 2018.

CURY, Marília Xavier. Museologia, Comunicação Museológica e Narrativa Indígena: a Experiência do Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 1, n. 1, p. 49-76, 26 abr. 2012.

DOS REIS, José Alberione; CABRAL, Mariana Petry. Precisamos falar sobre tempo, cosmologias ameríndias, ontologias e outras... mas, o que é que a arqueologia tem a ver com isso? Vestígios-Revista Latino-Americana De Arqueologia Histórica, v. 12, n. 2, p. 35-50, 2018.

FAUSTO, Carlos. Entre o passado e o presente: mil anos de história indígena no Alto Xingu. Revista de Estudos e Pesquisas v.2, n.2, p. 09-52, 2005.

FRANCHETTO, Bruna; HECKENBERGER, Michael [orgs.] Os povos do Alto Xingu – História e Cultura. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2001.

FRANÇOSO, Mariana; VAN BROEKHOVEN, Laura. Dossiê “Patrimônio indígena e coleções etnográficas”." Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v.12, n. 3, p.709-711, 2017.

GARCÉS, Claudia Leonor López, DE ROBERT, Pascale; COELHO-FERREIRA, Márlia. Pesquisas científicas em colaboração com povos indígenas: uma tradição de diálogos e inovações metodológicas no Museu Goeldi. In: VIEIRA, Ima Célia Guimarães; DE TOLEDO, Peter Mann; JUNIOR, Roberto Araújo Oliveira Santos (Eds.) Ambiente e sociedade na Amazônia: uma abordagem interdisciplinar. Garamond, 2014, p.407-431.

HECKENBERGER, Michael. The ecology of power: culture, place, and personhood in the southern Amazon, AD 1000-2000. Psychology Press, 2005.

HECKENBERGER, Michael J.; KUIKURO, Afukaka; KUIKURO, Urissapá Tabata. Amazonia 1492: Pristine Forest or Cultural Parkland? Science v. 301, n.5640, p. 1710–1714, 2003.

HECKENBERGER, Michael J.; RUSSEL, J. Christian; FAUSTO, Carlos. Pre-Columbian Urbanism, Anthropogenic Landscapes and the Future of the Amazon. Science, n. 321, p.1214–1217, 2008.

ICOM. Museums as cultural hubs: the future of tradition. 2019. Disponível em: #IMD2019 Museums as Cultural Hubs: The future of tradition - ICOM.

IPHAN. Política do Patrimônio Cultural Material. Departamento de Patrimônio Material e Fiscalização. 2018. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/publicacao_politica_do_patrimonio.pdf.

JULIÃO, Letícia. Apontamentos sobre a história dos museus. In: NASCIMENTO, Silvânia Sousa do; TOLENTINO, Átila; CHAGAS, Mário. Cadernos de diretrizes museológicas 1. 2º ed. Brasília: Ministério da Cultura, 2006.

LIMA, André Penin Santos de. Academia, contrato e patrimônio: visões distintas da mesma disciplina. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. 2010.

LIMA, Helena P.; BARRETO, Cristiana; FERNANDES, Camila. Museus no século 21: ações para a salvaguarda e socialização do acervo do Museu Goeldi. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, v. 38, p. 145-161, 2018.

LIMA, Helena P.; CUNHA, C. M. S. Reassessing museum archaeological collections: unprecedented osteological and ceramic data for the Sucuriju site at the Urubu River, Central Amazon, Brazil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Série Ciências Humanas, v. 12, p. 649-665, 2017.

LIMA, Helena P.; BARRETO, Cristiana; TAVARES, Fernando.; BOTELHO, Grabrielle; MORAES, Bruno, HARPER, Kyle; & BENATHAR, Cássia. L. OCA: Uma proposta de arqueologia colaborativa em Gurupá. Revista Arqueologia Pública, v. 14, n.1, p. 96-128, 2020.

LIMA, Helena P.; SHEPARD, Glenn H. Amazonian Archeology in the 21st Century, Dialogues with Historical Ecology and Ethnography. Londres: Royal Anthropological Institute. (no prelo).

MACHADO, Juliana Salles. História (s) indígena (s) e a prática arqueológica colaborativa. Revista de Arqueologia, v. 26, n.1, p. 72-85, 2013.

MACHADO, Juliana Salles. Arqueologias Indígenas, os Laklãnõ Xokleng e os objetos do pensar. Revista de Arqueologia, v. 30, n.1, p. 89-119, 2017.

MAIA, Lorena Porto; SANJAD, Thais; LIMA, Helena P. A teoria contemporânea do restauro e a recuperação de cerâmicas arqueológicas da Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas. (no prelo).

MILHEIRA, Rafael Guedes et al. Manual de gestão da reserva técnica sob a salvaguarda do LEPAARQ-UFPEL. Revista Arqueologia Pública, v. 11, n. 2 [19], p. 25-42, 2017.

MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI. Plano Diretor 2017-2021. Belém, 2017. Disponível em: https://www.museu-goeldi.br/assuntos/o-museu/plano-diretor-institucional-pdi.pdf.

NEVES, Eduardo Góes. The Heart of Lightness: Doing Archaeology in the Brazilian Central Amazon. In: SILLIMAN, S. (ed.) Engaging Archaeology: 25 Case Studies in Research Practice. John Wiley & Sons, Inc., 2018. p.79-86.

PARDI, Maria Lúcia Franco. Gestão de patrimônio arqueológico, documentação e política de preservação. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

PEREIRA, Daiane. Extroversão do patrimônio arqueológico salvaguardado: reserva técnica do laboratório de arqueologia Peter Hilbert. Revista Arqueologia Pública, v. 11, n. 2 [19], 2017.

PEREIRA, Edithe. O Museu Goeldi e a pesquisa Arqueológica: Panorama dos últimos dezessete anos. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v.4,n.1, p. 171-190, Jan-Abr 2009.

ROCHA, Bruna C.; JÁCOME, Camila.; STUCHI, Francisco F.; MONGELÓ, Guilherme Z.; VALLE, Raoni. Arqueologia pelas gentes: um manifesto. constatações e posicionamentos críticos sobre a arqueologia brasileira em tempos de PAC. Revista de Arqueologia, v. 26, n. 1, p. 130-140, 4 jul. 2013.

ROCHA, Bruna C.; BELETTI, Jaqueline; PY-DANIEL, Anne R.; MORAES, Claide de Paula; OLIVEIRA, Vinicius. H. Na Margem e à Margem: arqueologia Amazônica em territórios tradicionalmente ocupados. Amazônica-Revista de Antropologia, v.6, n.2, p. 358-384, 2014.

ROSADO, Alessandra. Tópicos em conservação preventiva: Manuseio, embalagem e transporte de acervos. Belo Horizonte: LACICOR−EBA−UFMG, 2008. 30 p.

SBM, IBRAM. Recomendações aos museus em tempos de covid-19. Disponível em: https://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2020/06/Recomendacoes_Museus.pdf

SALES, Taynara Soares; VICENTE, Bianca Cristina Ribeiro. Urnas da Cultura Maracá: Estudo e conservação preventiva no Museu Paraense Emílio Goeldi. Anais do V Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico, Rio de Janeiro: MAST, 2019, p.342-362.

SCHAAN, Denise Pahl. Entre a tradição e a pós-modernidade: a cerâmica marajoara como símbolo da identidade ‘paraense’. In: MAUÉS, H. R.; MACIEL, M. E. (eds.), Diálogos antropológicos: diversidades, patrimônios, memórias. Belém: L & A Editora, 2012. p. 119-150.

SILVA, Fabíola Andréa. As tecnologias e seus significados. Um estudo da cerâmica dos Asuriní do Xingu e da cestaria dos Kayapo-Xikrin sob uma perspectiva etnoarqueologica. Diss. Universidade de São Paulo. 2000.

SILVA, Fabíola Andréa. O significado da variabilidade artefatual: a cerâmica dos Asurini do Xingu e a plumária dos Kayapó-Xikrin do Catete. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas 2.1, 2007, p. 91-103.

SILVA, Fabíola Andréa. Mito e arqueologia: a interpretação dos Asuriní do Xingu sobre os vestígios arqueológicos encontrados no parque indígena Kuatinemu - Pará. Horizontes Antropológicos, v.8, n. 18, 2002, p. 174-187. https://doi.org/10.1590/S0104-7183200200020000

SILVA, Letícia Dutra Romualdo; SILVA, Martha Maria de Castro. Acervos arqueológicos pré-históricos. O inventário como ferramenta essencial de política de gestão. In.: Campos, G.N. e Granato, M. (Ogs.) Anais do IV Seminário de Preservação de Patrimônio Arqueológico. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST). 2016, p. 389-400.

SILVEIRA, Maura Imázio; DUTRA, Vanessa de Castro; SILVA, Camila Fernandes Alencar; FERREIRA, Regina Maria de Farias; JALLES, Cíntia. Coleções arqueológicas do Museu Paraense Emílio Goeldi. Panorama da reserva técnica e os desafios da conservação. In: CAMPOS, G.N. e GRANATO, M.(eds.). Preservação do patrimônio arqueológico: desafios e estudos de caso. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins, 2017, p. 169-191.

SIMAS, Maria. Conservar é conhecer: desafios à conservação das coleções arqueológicas e etnográficas do Museu Paraense Emílio Goeldi. Relatório de bolsa referente ao Programa de Capacitação Institucional – PCI/MPEG/CNPq, Manuscrito não publicado, 2017.

SIMAS, Maria Santana; ROSA, Cassia Da; BARRETO, Cristiana; LIMA, Helena Pinto. A fragment in each institution: the dispersion of Dita Acatauassu Marajoara Archaeological Collection (Amazonia, Brazil). Conservar Património, v. 31, p. 1-8, 2019.

SIMÕES, Mário F. Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas na Bacia Amazônica. Acta Amazônica, v. 7, n. 3, p. 297-300, 1977.

SHEPARD JR, Glenn H.; GARCÉS, Claudia Lopes; ROBERT, Palcale de; CHAVES, Carlos Eduardo. Objeto, sujeito, inimigo, vovô: um estudo em etnomuseologia comparada entre os Mebêngôkre-Kayapó e Baniwa do Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 12, n. 3, p. 765-787, 2017.

THOMAS, Selma; MINTZ, Ann (eds.). The virtual and the real: media in museums. Washington (DC): American Association of Museums, 1998.

TRINGHAM, Ruth. Interweaving digital narratives with dynamics archaeological databases for the public presentation of cultural heritage. In: Enter the Past. The E-way into the four Dimensions of Cultural Heritage. W. Borner, J. Ehrenhofer e M. Goriany. Oxford, BAR International Series 1227: 2004, p. 196-199.

VASCONCELOS, Mara Lúcia Carrett; ALCÂNTARA, Tainã Moura. Com quantas caixas se faz uma reserva técnica? Um relato de experiência sobre a gestão dos acervos arqueológicos no MAE/UFBA. Revista Arqueologia Pública, v. 11, n. 2 [19], 2017: p. 153-165.

VASCONCELOS, Mara Lúcia Carrett; GRANATO, Marcus. A noção de integridade aplicada à conservação e restauro de bens culturais móveis: alguns antecedentes e desdobramentos. Revista CPC, n. 23, 2017: p. 93-113.

VELTHEM, Lucia Hussak van; GUAPINDAIA, Vera Lúcia Calandrini. Patrimônios entrelaçados: coleções etnográfica e arqueológica. In: SANJAD, Nelson, VELTHEM, Lucia Hussak van (eds.) Reencontros: Emílio Goeldi e o Museu Paraense, Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi, 2006, p. 27-37.

VELTHEM, Lucia Hussak van.; PEREIRA, Edithe.; GALUCIO. Ana Vilacy. Acervos culturais do Museu Paraense Emílio Goeldi: 150 anos de história e perspectivas futuras. In: GALUCIO, Ana Vilacy, PRUDENTE, Ana Lúcia (eds.) Museu Goeldi: 150 anos de ciência na Amazônia, Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. 2019, p.272-290.

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Museus e antropofagia do patrimônio arqueológico: (des) caminhos da prática brasileira. Lisboa: Tese (Doutorado), Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia, Departamento de Museologia, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

LIMA, H. P.; BARRETO, C. Uma nova política para um antigo acervo: a redescoberta das coleções arqueológicas do Museu Goeldi. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 3, p. 43–62, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i3.824. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/824. Acesso em: 7 ago. 2022.