Gestão do patrimônio arqueológico do Museu de Arte Pré-histórica de Mação, Portugal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i3.836

Palavras-chave:

gestão do patrimônio, museu, Arqueologia Pré-histórica

Resumo

O artigo explora a gestão dos recursos arqueológicos dos vales dos rios Tejo e Ocreza, em Portugal, a partir das experiências de investigação, comunicação e educação desenvolvidas no Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado do Vale do Tejo, localizado em Mação, Portugal, com ênfase temporal em anos mais recentes, já no século XXI, quando o museu recebeu esse nome e foi bastante reestruturado. Em um primeiro momento, reflete-se sobre as estratégias e guias teóricos utilizados na operação do museu, para, em seguida, adentrar-se na descrição de experiências de pesquisa, pós-graduação, comunicação e educação. Por fim, se faz um balanço geral, seguido de propostas de caminhos futuros para a gestão de bens patrimoniais, cujo centro é a instituição museológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARQUITECTOS, José Adrião. Novo: Núcleo de Observación del Valle del Ocreza. PH: Boletín del Instituto Andaluz del Património Histórico, n. 68, 2008, p. 76-95.

CARBONE, Fabio; OOSTERBEEK, Luiz., COSTA, Carlos. The educational and awareness purposes of the Paideia approach for heritage management. Natural Hazards and Earth Systems Science, n. 12, 2012, p. 1983-1986.

CARVALHO, Patrícia. Ainda Aqui Estou. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2018.

CURA, Sara; CURA, Pedro; OOSTERBEEK, Luiz. Projecto Andakatu: Didáctica da Pré-história através da experimentação. Actas do Fórum Valorização e Promoção do Patrinônio Regional, 2008, p. 54.59.

CURA, Sara; OOSTERBEEK, Luiz; CURA, Pedro. Educação Patrimonial no Museu de Arte Pré-histórica de Mação. Actas do Encontro Arqueologia e Autarquias, 2011, p.597-605.

CURA, Sara; OOSTERBEEK, Luiz. Museu de Mação: 70 anos de um programa social de investigação arqueológica e humanidades. Arkeos 41, 2017, p. 45-59.

FERRARA, Lucrécia D’Aléssio. Espaços Comunicantes. São Paulo: Annablume, 2007.

GARCÊS, Sara. A figura do cervídeo na arte rupestre do Vale do Tejo: Símbolos de Transição. Arkeos, n. 46, 2017-2018, p. 1-133.

GUIMARÃES, Roberto Pereira; FONTOURA, Yuna Souza dos Reis de. Rio+20 ou Rio -20? Crônica de um fracasso anunciado. Ambiente e Sociedade, São Paulo, v. XV, n. 3, 2012, p. 19-39.

OOSTERBEEK, Luiz. Arqueologia e Identidades: A torre de marfim na encruzilhada. Cadernos do Lepaarq, Pelotas, v. II, n.3, 2005, p. 36-45.

OOSTERBEEK, Luiz. Gestão Cultural Integrada do Território: Um Programa de Atuação para as Ciências Humanas. Rede: Revista Eletrônica da Prodeme, Fortaleza, v. 12, n.3, 2018, p. 53-61.

OOSTERBEEK, Luiz. PERSONA: From Unrest into Adaptation. Plastir, v.56, 2019, p. 1-15.

POSSAMAI, Zilda Rita. As artimanhas do percurso museal: narrativas sobre objetos e peças de museu. Mouseion, vol. 4, n.7, Jan-Jun/2010, p. 64-72.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2012.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

OOSTERBEEK, L.; LINO, J. T. Gestão do patrimônio arqueológico do Museu de Arte Pré-histórica de Mação, Portugal. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 3, p. 226–241, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i3.836. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/836. Acesso em: 7 ago. 2022.