Repensando as velhas práticas

transversalidade e os papéis da Arqueologia e Museologia na preservação do patrimônio do Parque Municipal Arqueológico Morro da Queimada – Ouro Preto, MG

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i3.871

Palavras-chave:

patrimônio arqueológico, Ecomuseologia, Serra de Ouro Preto

Resumo

O trabalho propõe uma reflexão sobre a interface entre os campos da Arqueologia e Museologia, no que tange às aproximações teóricas, às metodologias e às políticas públicas de preservação e gestão do patrimônio arqueológico. A reflexão fundamenta-se nos debates acadêmicos concernentes aos temas do patrimônio cultural, da memória social, dos territórios, das comunidades e do desenvolvimento local. Apresentamos dados obtidos nas atividades de pesquisa e extensão universitária que vêm sendo realizadas no Parque Municipal Arqueológico Morro da Queimada, com o objetivo de ampliar a discussão das estratégias de trabalho adotadas no enfrentamento cotidiano de desafios à pesquisa e gestão do patrimônio arqueológico da Serra de Ouro Preto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Regina. Tal antropologia, qual museu. Museus, coleções e patrimônios: narrativas polifônicas. Rio de Janeiro: Garamond, p. 138-178, 2007.

AMBROSIO, Maíla Marques; ARCURI, Marcia M. Relatório de pesquisa de Iniciação Científica apresentado à Pró Reitoria de Pesquisa da Universidade Federal de Ouro Preto. Ouro Preto: Universidade Federal de Ouro Preto, 2019.

BEZERRA, Marcia. Bicho de nove cabeças: os cursos de graduação e a formação de arqueólogos no Brasil. Revista de Arqueologia n. 21, v.2., p. 139-154, 2008.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Musealização da Arqueologia: um estudo de modelos para o Projeto Paranapanema. São Paulo: FFLCH/USP, Tese de doutorado,1995.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira; NEVES, Katina Regina Felipini (orgs.). Museus como agentes de mudança social e desenvolvimento: propostas e reflexões museológicas. São Cristóvão: Museu de Arqueologia de Xingó, 2008, 185 p.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira; VASCONCELLOS, Camilo de Mello. A proposta educativa do Museu de Pré-História Paulo Duarte. Revista de Pré-História, São Paulo, n. 7, p. 161-82, 1989.

CARNEIRO, Carla Gibertoni. Ações educacionais no contexto da arqueologia preventiva: uma proposta para a Amazônia. São Paulo: MAE/USP. Tese de doutorado, 2009.

CHAGAS, Mário de Souza. Há uma gota de sangue em cada museu: a ótica museológica de Mário de Andrade. 1999.

CHAGAS, Mário Souza. Museus, memórias e movimentos sociais. Cadernos de sociomuseologia, n. 41, 2011.

CHAGAS, Mário Souza; PRIMO, Judite; ASSUNÇÃO, Paula; STORINO, Claudia. A museologia e a construção de sua dimensão social: olhares e caminhos. Cadernos de Sociomuseologia, v. 55, n. 11, 2018.

COHN, Gabriel. Crítica e resignação: fundamentos da sociologia de Max Weber. São Paulo: TA Queiroz, 1979.

COSTA, Carlos Alberto Santos. Por políticas para a gestão e musealização do patrimônio arqueológico: uma escala de sentidos. Revista Habitus-Revista do Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia, v. 17, n. 1, p. 101-124, 2019.

DE VARINE, Hugues. El ecomuseo. Una palabra, dos conceptos, mil prácticas. Mus-A: Revista de los museos de Andalucía, n. 8, p. 19-29, 2007.

DHARMENDRA, Ben. Material Matters: The Moral Imperative for a Large‐Scale Perspective within the Archaeology of the Contemporary Past. Bachelor of Arts (Honours), Department of Archaeology, School of Philosophical and Historical Inquiry, the University of Sydney, 2011.

FERREIRA, Lúcio Menezes. Sob fogo cruzado: Arqueologia comunitária e patrimônio cultural. Revista Arqueologia Pública, vol 3, n. 1, p. 81-92, 2008.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônios. Horizontes antropológicos vol.11, n.23, p. 15-36, 2005.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. De la etnoarqueología a la arqueología del presente. In: SALAZAR. J.; DOMINGO, I; ASKARRÁGA, J; BONET, H. (Coord.). Mundos tribales: una visión etnoarqueológica. Valencia: Museo de Prehistoria, p. 16-27, 2009.

GRAVES-BROWN, Paul. (ed.). Matter, materiality, and modern culture. Psychology Press, 2000.

GUARNIERI, Waldisa Russio Camargo. Conceito de cultura e sua inter-relação com o patrimônio cultural e a preservação. Cadernos museológicos, v. 3, p. 7-12, 1990.

GUIMARÃES, Carlos Magno; DE MORAIS, Camila Fernandes. Mineração, degradação ambiental e arqueologia. Minas Gerais, Brasil século XVIII. Memoria Americana. Cuadernos de Etnohistoria, vol. 26, n. 2, p. 82-101,2018.

HAMILAKIS, Yannis. Archaeology and the senses: human experience, memory, and affect. Cambridge University Press, 2014.

HAMILAKIS, Yannis; ANAGNOSTOPOULOS, Aris. What is archaeological ethnography?.Public archaeology, v 8., n 2-3, p. 65-87, 2009.

HARRISON, Rodney. On Heritage Ontologies: Rethinking the Material Worlds of Heritage. Anthropological Quarterly, v. 91, n. 4, p. 1365-1383, 2018.

HARRISON, Rodney; BREITHOFF, Esther. Archaeologies of the contemporary world. Annual Review of Anthropology, 46. p. 203-221, 2017.

HARRISON, Rodney; CABRAL, Mariana Petri Arqueologias de futuros e presentes emergentes. Vestígios-Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, 12(2), p. 83-104, 2018.

INGOLD, Tim. Materials against materiality. Archaeological dialogues v.14, n.1, p. 1-16, 2007.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida. Horizontes Antropológicos, n. 37, p. 25-44, 2012.

KARLSSON, Håkan; OLSEN, Bjørnar (eds). 40 Years of Theoretical Engagement: A Conversation with Ian Hodder. Norwegian Archaeological Review, v. 41, n. 1, p. 26-42, 2008.

LIMA, Tania A. Cultura material: a dimensão concreta das relações sociais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi de Ciências Humanas, Belém, v. 6, n. 1, p. 11-23, 2011.

MATTOS, Yára. Museus e o sentido universal do patrimônio. Revista Museu, v. 18, p. 1-3, 2007.

MATTOS, Yara; DE VARINE, Hugues. La contribution des écomusées à l’éducation à l’environnement : Le cas de l’Ecomusée de la Serra de Ouro Preto (Brésil). Éducation relative à l'environnement, vol. 15, n. 1 2019.

RIBEIRO, Diego Lemos; TAVARES, Davi Kiermes; BRAHM, José Paulo Siefert. Entre a vida e a morte: cemitérios, em si próprios, são museus? Interfaces Científicas-Humanas e Sociais, v. 6, n. 3, p. 27-36, 2018.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Brasiliana, 1938.

SALADINO, Alejandra. Prospecções: o patrimônio arqueológico nas práticas e trajetória do IPHAN. Rio de Janeiro, Universidade, 2010.

SALADINO, Alejandra; COSTA, Carlos Alberto Santos. E agora, José? Reflexões sobre o estado da arte do patrimônio arqueológico no Brasil. Patrimônio cultural, direito e meio ambiente: um debate sobre a globalização, cidadania e sustentabilidade. Curitiba: Multideia Editora, p. 169-190, 2015.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.).Epistemologias do sul. Coimbra, Almedina, 2010.

SCHEINER, Tereza Cristina. Repensando o Museu Integral: do conceito às práticas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 7, n. 1, p. 15-30, 2012.

SOARES, Bruno C. Brulon. A experiência museológica: Conceitos para uma fenomenologia do Museu. Revista Museologia e Patrimônio, n. 2, v. 5, p. 55-71, 2012.

SOBREIRA, Frederico Garcia; FONSECA, Marco Antônio. Impactos físicos e sociais de antigas atividades de mineração em Ouro Preto, Brasil. Revista Geotecnia, n.92, 2001, pp. 5-28, 2001

STELLO, Vladimir Fernando. Além das Reduções: a paisagem cultural da região missioneira. Tese de Doutorado em Planejamento Urbano e Regional apresentada à Faculdade de Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2013.

SUÑER, Rodrigo Almeida; NEVES, Eduardo Góes. Duarte, Paulo. In: Smith C. (eds) Encyclopedia of Global Archaeology. Springer, Cham. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1007/978-3-030-30018-0_206.

SYMANSKI, Luís Cláudio P. Cerâmicas, identidades escravas e crioulização nos engenhos de Chapada dos Guimarães (MT). História Unisinos, v. 14, n. 3, p. 294-310, 2010.

SYMANSKI, Luís Cláudio Pereira; GOMES, Flávio. Da cultura material da escravidão e do pós-emancipação: perspectivas comparadas em arqueologia e história. Revista de História Comparada vol.7, n.1, p. 293-338, 2013.

VON ESCHWEGE, Wilhelm Ludwig. Pluto brasiliensis. Universidade de São Paulo, 1979.

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Museus e antropofagia do patrimônio arqueológico:(des) caminhos da prática brasileira. Lisboa: Universidade Lusófona, Tese de doutorado, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

ARCURI, M.; RODRIGUES COSTA, J. Repensando as velhas práticas: transversalidade e os papéis da Arqueologia e Museologia na preservação do patrimônio do Parque Municipal Arqueológico Morro da Queimada – Ouro Preto, MG. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 3, p. 124–145, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i3.871. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/871. Acesso em: 7 ago. 2022.