Corpos que emergem

vegetais trançados e sua persistência entre os povos do rio Mapuera

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v34i3.915

Palavras-chave:

tecnologias perecíveis, vegetais trançados, ontologias ameríndias

Resumo

Com base em um estudo etnoarqueológico sobre a tecnologia dos trançados dos povos do rio Mapuera (noroeste do Pará), este artigo discute materiais e o conceito moderno de cultura material, submetendo-os a cosmovisões e ontologias ameríndias. Articulando conceitos de cosmopolítica, ecologia das práticas, transdução e individuação, argumentar-se-á que trançar não é um saber-fazer exclusivamente humano. Trançados são corpos feitos basicamente de vegetais metamorfoseados e suas vidas emergem de operações técnicas permeadas de negociações. A agência dos trançados vincula-se às suas respectivas corporalidades e às subjetividades e potências de parte dos vegetais que compõe seus corpos. Embora perecíveis, trançados são persistentes na vida dos povos ameríndios do rio Mapuera.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADOVASIO, James. Basketry Technology. Chicago: Aldine Publishing Company, 1977.

ADOVASIO, James. Fifty years with baskets. North American Archaeologist, v.42, n.2, p. 119-139, 2021.

ALBERTI, Benjamin. Archaeologies of Ontology. Annual Review of Anthropology, n. 45, p. 163-79, 2016.

ATALAY, Sonya. Community-Based Archaeology. Research with, by, and for Indigenous and Local Communities. Berkeley: University of California, 2012.

BAPTISTA DA SILVA, Sergio. Etnoarqueologia dos Grafismos Kaingang: um modelo para a compreensão das sociedades proto-Jê meridionais. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

BARCELOS NETO, Aristóteles. Apapaatai. Rituais de máscaras no Alto Xingu. São Paulo: Edusp, 2008.

BARCELOS NETO, Aristóteles. A serpente de corpo repleto de canções: um tema amazônico sobre a arte do trançado. Revista de Antropologia, v. 54, n.2, p. 981-1012, 2011.

BIAGETTI, Stefano; LUGLI, Francesca. (Eds.). The Intangible Elements of Culture in Ethnoarchaeological Research. Cham: Springer International Publishing AG, 2016.

BLASER, Mario; DE LA CADENA, Marisol. Pluriverse: Proposals for a World of Many Worlds. IN: DE LA CADENA, Marisol; BLASER, Mario (eds.). A World of Many Worlds. Durham/London: Duke University Press, 2018. p. 1-22.

BOS, Gerrit. Atorai, Trio, Tunayana and Wai Wai in early eighteen century Records. Folk, v. 27, p. 5-15, 1985.

BRIGHTMAN, Marc. Creativity and control: property in Guianese Amazonia. Journal de la Société des Américanistes, n. 96, v. 1, p. 135-167. 2010.

BUNN, Stephanie. Making Plants and Growing Baskets. IN: HALLAN, Elizabeth; INGOLD, TIM (Eds.), Making and Growing: Anthropological Studies of Organisms and Artefacts. FARNHAM: Ashgate, 2014. p. 163-181.

BUNN, Stephanie. The importance of materials. Journal of Museum Ethnography, n. 11, p. 15-28, 1999.

CABRAL DE OLIVEIRA, Joana. Entre Plantas e Palavras: modos de constituição de saberes entre os Wajãpi (AP). Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

CABRAL, Mariana Petry. Sobre el Ronquido del Haca y Outras Cosas Extrañas: reflexiones sobre la arqueologia y outros modos de conocimento. IN: PELLINI, José; ZARANKIN, Andrés; SALERNO, Malisa (Eds.), Sentidos Indisciplinados: arqueología, sensorialidad y narrativas alternativas. Madrid: JAS Arqueología, 2017. p.221-249.

CAIXETA DE QUEIROZ, Ruben. A saga de Ewka: Epidemias e evangelização entre os Waiwai. In: WRIGHT, R. (Org.). Transformando os deuses. Os múltiplos sentidos da conversão entre os povos indígenas no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 1999. p.256-283.

CAIXETA DE QUEIROZ, Ruben. Cosmologia e História Waiwai e Katxuyana: Sobre os Movimentos de Fusão e Dispersão dos Povos (Yana). In: GRUPIONI, D.F.; ANDRADE, L.M.M. (Orgs.) Entre Águas Bravas e Mansas: índios & quilombolas em Oriximiná. São Paulo: Comissão Pró-Índio de São Paulo/Iepé, 2015. p. 104-132.

CAIXETA DE QUEIROZ, Ruben. Trombetas-Mapuera. Território indígena. Brasília: FUNAI-PPTAL, 2008.

CAROMANO, Caroline. Botando lenha na fogueira: um estudo etnoarqueológico do fogo na Amazônia. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

CASCON, Leandro. Indo à Raiz da Questão: repensando o papel de plantas cultivadas no passado Amazônico através da etnoarqueologia entre os Asurini do rio Xingu. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

COSTA, Flávia R.C. Guia de marantáceas da Reserva Ducke e da Reserva Biológica do Uatumã. Manaus: INPA, 2008.

COSTA, Rodrigo. Palha e Tala: estudo da tecnologia do trançado entre grupos pré-históricos brasileiros. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

COUPAYE, Ludovic. Cadeia operatória, transectos e teorias: algumas reflexões e sugestões sobre o percurso de um método clássico. IN: SAUTCHUK, C.E (Org), Técnica e Transformação: perspectivas antropológicas, Rio de Janeiro: ABA publicações, 2017. p. 475-494

CUNNINGHAM, Jerimy. Ethnoarchaeology beyond Correlates. Ethnoarchaeology, v.1, n.2, p. 115–136, 2009.

DALY, Lewis. The Symbiosis of People and Plants: ecological engagements among the Makushi Amerindians of Amazonian Guyana. Tese (Doutorado em Antropologia) - Institute of Social and Cultural Anthropology, University of Oxford, Oxford, 2015.

DAVID, Nicholas; KRAMER, Carol. Ethnoarchaeology in action. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

DE LA CADENA, Marisol. Cosmopolítica indígena nos Andes: reflexões conceituais para além da “política”. Maloca, v.2, p.1-37, 2019.

DE LA CADENA, Marisol. Natureza incomum: histórias do antropo-cego. Revista do instituto de Estudos Brasileiros, n. 69, p. 95-117, 2018.

DESCOLA, Philipe. Landscape as Transfiguration. Suomen Antropologi, v. 41, n. 1, p. 3-14, 2016.

DIAS, Jamille; BORBA; Maria; VANZOLINI, Marina; SZTUTMAN, Renato; SCHAVELZON, Salvador. Uma ciência triste é aquela em que não se dança: conversações com Isabelle Stengers. Revista de Antropologia, v. 59, n. 2, p. 155-186, 2016.

FARABEE, William Curtis. The Central Caribs. University Museum Anthropological Publications. Vol. 10. Philadelphia: University of Pennsylvania Museum, 1924.

FAUSTO, Carlos. Donos demais: maestria e domínio na Amazônia. Mana, v. 14, n. 2, p. 329-366, 2008.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. Cadernos de campo, n. 13, p. 155-161, 2005.

FOCK, Niels. Waiwai religion and society of an Amazonian tribe. Copenhagen: National Museum of Denmark, 1963.

FRIKEL, Protásio. Os Tiriyó: Seu sistema adaptativo. Völkerkundliche Abhandlungen des Niedersächsischen Landesmuseums Hannover. Hannover: Kommissionsverlag Müsnstermann-Druck KG, 1973.

FURQUIM, Laura. Arqueobotânica e Mudanças Socioeconômicas durante o holoceno Médio no Sudoeste da Amazônia. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

GAGLIANO, Monica; GRIMONPREZ, Mavra. Breaking the Silence: language and the making of meaning in plants. Ecopsychology, v. 7, n. 3, p. 145-152, 2015.

GASPAR, Meliam V.; RODRIGUES, Igor M. Mariano. Coleções etnográficas e Arqueologia: uma relação pouco explorada. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Ciências Humanas, v. 15, n. 1, p. 1-19, 2020.

GELL, Alfred. Arte e agência. São Paulo: Ubu, 2018[1998].

GELL, Alfred. A tecnologia do encanto e o encanto da tecnologia. Concinnitas, v. 1, n. 8, p. 41-63, 2005.

GNECCO, Cristóbal; ROCABADO, Patricia Ayala. ¿Qué hacer? Elementos para una discusión. In: GNECCO, C.; ROCABADO, P. A. (Eds.). Pueblos indígenas y arqueologia en América Latina. Bogotá: Universidad de Los Andes, 2010. p.23-47.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. La experiência del otro: una introducción a la etnoarqueología. Madrid: Akal, 2003.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo; HERNANDO, Almudena; POLITIS, Gustavo. Ontologia da pessoa e cultura material: manufatura de flechas entre os caçadores-coletores Awá. In: HERNANDO, A.; COELHO, E.M.B. (Orgs.). Estudos sobre os Awá: caçadores-coletores em transição. São Luís: Ed. EDUFMA/IWGIA, 2013. p. 91-130.

GRUPIONI, Denise Farjado. The Guayanese Paradox. In: WHITEHEAD, N. L.; ALEMÁN, S. W. (eds.). Anthropologies of Guayana: cultural spaces in northeastern Amazonia. Tucson: The University of Arizona Press, 2009, p.102-112.

HALLOWELL, Alfred Irving. Ojibwa Ontology, Behavior, and World View. IN: DIAMOND, Stanley (ed.), Culture in History: essays in Honor of Paul Radin. New York: Columbia University Press, 1960. p. 19-52.

HARAWAY, Donna. Antropoceno, Capitaloceno, Plantationoceno, Chthuluceno: fazendo parentes. ClimaCom – Vulnerabilidade [Online], v.3, n.5, 2016. Disponível em: http://climacom.mudancasclimaticas.net.br/rafa-carvalho-…e-uma-vergonha/

HARTINGAN, John. Plants as ethnographic subjects. Anthropology Today, v. 35, n. 2, p.1-2, 2019.

HAWKINS, Robert E. Dicionário Uaiuai-Português. Boa Vista: MEVA (Missão Evangélica da Amazônia), 2002.

HAWKINS, Robert E. Wai Wai. In: DERBYSHIRE, Desmond C.; PULLUM, Geoffrey K. (Eds.). Handbook of Amazonian Languages, v. 4. Berlin: Mouton de Gruyter, 1998, p. 24-224.

HAWKINS, Willian Neil. A morfologia do substantivo na língua uaiuai. Publicações avulsas do Museu Nacional, n. 21. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1962.

HOWARD, Catherine. Pawana: a farsa dos “visitantes” entre os Waiwai da Amazônia setentrional. In. VIVEIROS DE CASTRO, E.; CUNHA, M.C. (Orgs.) Amazônia: etnologia e história indígena. São Paulo: NHI/USP, 1993. p. 229-264.

HOWARD, Catherine. Wrought identities: the Waiwai expeditions in search of the "unseen tribes" of Northern Amazonia. Tese (Doutorado em Antropologia) – Department of Anthropology, University of Chicago, Chicago, 2001.

HURCOMBE, Linda. Perishable Material Culture in Prehistory: investigating the missing majority. London/New York: Routledge, 2014.

INGOLD, Tim. Beyond Art and Technology: The Anthropology of Skill. In: SCHIFFER, M.B. (org). Anthropological perspectives on technology. New Mexico: University of New Mexico Press, 2001. p.17-31.

INGOLD, Tim. Estar Vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Rio de Janeiro: Vozes, 2015.

INGOLD, Tim. No more ancient; no more human: the future past of archaeology and anthropology. In: GARROW, D.; YARROW, T. (eds). Archaeology & Anthropology. Understanding similarity, exploring difference. Oxford: Oxbow Books, 2010. p. 160-170.

INGOLD, Tim. The Perception of the Environment: Essays in Livehood, Dwelling and Skill. London: Routledge, 2000.

INGOLD, Tim. Toward an Ecology of Materials. Annual Review of Anthropology, v.41, p.427-442, 2012.

INGOLD, Tim; HALLAM, Elizabeth. Making and Growing: an introduction. IN: HALLAN, Elizabeth; INGOLD, TIM (Eds.), Making and Growing: Anthropological Studies of Organisms and Artefacts. FARNHAM: Ashgate, 2014. p.1-24.

JÁCOME, Camila. Dos Waiwai aos Pooco – fragmentos de história e arqueologia das gentes dos rios Mapuera (Mawtohrî), Cachorro (Katxuru) e Trombetas (Kahu). Tese (Doutorado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

JOLIE, Edward A.; MCBRINN, Maxine. Retrieving the perishable past: experimentation in fiber artifact studies. In: FERGUSON, Jeffrey (Ed.). Designing experimental research in archaeology: examining technology through production and use. Boulder, CO: University Press of Colorado, 2010. p.153-193.

JONES, Owain; CLOKE, Paul. Non-Human Agencies: trees in place and time. IN: KNAPPETT, Carl; MALAFOURIS, Lambros (Eds.), Material Agency: towards a non-anthropocentric approach. New York: Springer, 2008. p.79-96.

KNAPPETT, Carl. Materiality in Archaeological theory. IN: SMITH, CLAIRE (Ed.), Encyclopedia of Global Archaeology. New York/London: Springer, 2014. p. 4700-4708.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LANE, Paul. Peripheral Vision: Reflections on the Death and Rebirth of ethnoarchaeology. In: CROOK, R.; EDWARDS, K.; HUGHES, C. (Eds.). Breaking Barriers. The University of Calgary, 2015. p.19-34.

LEMONNIER, Pierre. Elements for an Anthropology of Technology. Museum of Anthropological Research (88). Michigan: University of Michigan, 1992.

LEMONNIER, Pierre. Mundane Objects: materiality and non-verbal communication. Walnut Creek: Left Coast Press, 2012.

LEROI-GOURHAN, André. Evolução e técnicas: I- O Homem e a Matéria. Lisboa: edições 70, 1971.

LEROI-GOURHAN, André. O gesto e a palavra: I- Técnica e Linguagem. Lisboa: edições 70, 1964.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.

LYONS, Diane; CASEY, Joanna. It’s a material world: the critical and on-going value of ethnoarchaeology in understanding variation, change and materiality. World Archaeology, v. 48, n. 5, p.609-627, 2016.

LYONS, Diane; DAVID, Nicholas. To Hell with Ethnoarchaeology... and Back! Ethnoarchaeology, v.11, n.2, p. 99-133, 2019.

MACHADO, Juliana Salles; TSCHUCAMBANG, Copacãm; FONSECA, Jidean Raphael. Stones, Clay and People Among the Laklãnõ Indigenous People in Southern Brazil, Archaeologies, v. 16, p. 460-491, 2020.

MANCUSO, Stefano. Revolução das plantas: um novo modelo para o futuro. São Paulo: Ubu, 2019.

MARDER, Michael. Plant intentionality and the phenomenological framework of plant intelligence. Plant Signaling & Behavior, v.7, n.11, p. 1-8, 2012.

MEGGERS, Betty. Amazônia: a ilusão de um paraíso. Belo Horizonte: Ed. Itataia, 1987.

MENTORE, George. Of Passionate Curves and Desirable Cadences. Themes on Waiwai Social Being. Lincoln and London: University of Nebraska Press, 2005.

MENTORE, Laura. The Intersubjective Life of Cassava among the Waiwai. Anthropology and Humanism, v. 37, n. 2, p.146-155, 2012.

MORIM DE LIMA, Ana Gabriela. A cultura da batata-doce: cultivo, parentesco e ritual entre os Krahô. Mana, v.23, n.2, ´.455-490, 2017.

PEIRANO, Mariza. Etnografia, ou a teoria vivida. Ponto Urbe [online], 2. 2008. Disponível em: http//pontourbe.revues.org/1890, acesso em: 10/11/2017.

POLITIS, Gustavo. Reflections on Contemporary Ethnoarchaeology. PYRENAE, v. 1, n. 46 p.41-83, 2015.

PORRO, Antonio. Notas sobre o antigo povoamento indígena do alto Trombetas e Mapuera. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 3, n.3, p. 387-397, 2008.

REICHEL-DOLMATOFF, Gerardo. Basketry as metaphor: arts and crafts of the Desana Indians of the Nortwest Amazon. Los Angeles, CA: Museum of Cultural History, 1985.

RIBEIRO, Berta. A arte do trançado dos índios do Brasil. Um estudo taxonômico. Belém: Museu Parense Emílio Goeldi; Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Folclore, 1985.

RIBEIRO, Berta. Dicionário do Artesanato Indígena. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Ed da Universidade de São Paulo, 1988.

RODRIGUES, Igor M. Mariano. Por uma etnoarqueologia dos trançados ameríndios. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, n. 34, p. 87-110, 2020.

RODRIGUES, Igor M. Mariano; GASPAR, Meliam V. Tecnologias de trançados e cerâmicas dos Wai Wai em coleções etnográficas. Indiana, v.37, n.2, p. 171-203, 2020.

RODRIGUES, Igor M. Mariano; KATER, Thiago; WAI WAI, Jaime Xamen. Arqueologia indígena dos povos do rio Mapuera: entrevista com Jaime Xamen Wai Wai. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, n. 35, p.114-121, 2020.

ROE, Peter G. Of Rainbow dragons and the origins of Designs: Waiwai and the Shipibo Ronin Ehua. Latin American Indian Literatures Journal, v.5, n.1, p.1-67, 1989.

SANTOS-GRANERO, Fernando. Beinghood and people-making in native Amazonia: a constructional approach with a perspectival coda, HAU: Journal of Ethnographic Theory, v. 2, n. 1, p. 181-211, 2012.

SANTOS-GRANERO, Fernando. Introduction: Amerindian Constructional Views of the World. IN: SANTOS-GRANERO, Fernando (Ed.), The Occult Life of Things: Native Amazonian Theories of Materiality and Personhood. Tucson: The University of Arizona Press, 2009. p.1-29

SAUTCHUK, Carlos Emanuel. Aprendizagem como Gênese: prática, skill e individuação, Horizontes Antropológicos, v.21, n.44, p. 109-139, 2015.

SAUTCHUK, Carlos Emanuel; MURA, Fabio. Technique, power, transformation: views from Brazilian anthropology. Vibrant, v.16, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1809-43412019v16d451

SCHIFFER, Michael; SKIBO, James. The explanation of artifact variability. American Antiquity, v.62, n.1, p.27-50, 1997.

SEDUC. Mapuera Pono Komo Yehtopono Karita/Livro de História dos povos do Mapuera. Belém: Secretaria Executiva de Educação, 2003.

SEEGER, Anthony; Da MATTA, Roberto, VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras. Boletim do Museu Nacional, Rio de Janeiro, n. 32, p.2-19,1979.

SHIRATORI, Karen. O olhar envenenado: da metafísica vegetal Jamamadi (médio Purus, AM). Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 2018

SILVA, Fabíola Andréa. Arqueologia e Etnoarqueologia na Aldeia Lalima e na Terra Indígena Kayabi: reflexões sobre Arqueologia Comunitária e Gestão do Patrimônio Arqueológico, Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, n. 19, p. 205-219, 2009a.

SILVA, Fabíola Andréa. As tecnologias e seus significados: um estudo da cerâmica dos Asurini do Xingu e da cestaria dos Kayapó-Xikrin sob uma perspectiva etnoarqueológica. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

SILVA, Fabíola Andréa. A variabilidade dos trançados dos Asurini do Xingu: uma reflexão etnoarqueológica sobre função, estilo e frequência dos artefatos. Revista de Arqueologia, v. 22, p. 17-34, 2009b

SILVA, Fabíola Andréa. Ceramic Production Technology among the Asurini of Xingu: technical choices, transformations and enchantment. Vibrant, v.16, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1809-43412019v16d601

SILVA, Sónia. A vez dos cestos. Lisboa: Museu Nacional de Etnologia/Europress, 2003.

SIMARD, Suzanne. Mycorrhizal Networks Facilitate Tree Communication, Learning, and Memory. IN: BALUSKA, F.; GAGLIANO, M.; WITZANY, G.(Eds.), Memory and Learning in Plants, Cham: Springer, 2018. p.191-213.

SIMONDON, Gilbert. A individuação à luz das noções de forma e de informação. São Paulo: Editora 34, 2020.

SIMONDON, Gilbert. El modo de existencia de los objetos técnicos. Buenos Aires: Prometeo libros, 2007.

STENGERS, Isabelle. An Ecology of Practices. Cultural Studies Review, v.11, n.1, p.183-196, 2005.

STENGERS, Isabelle. A proposição cosmopolítica. Revista do instituto de Estudos Brasileiros, n.69, p.442-464, 2018.

STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014. p.345-405.

SZTUTMAN, Renato. Sobre a ação xamânica. In: GALLOIS, Dominique (Org). Redes de relações nas Guianas. São Paulo: Humanitas/FAPESP, 2005, p.151-226.

TAYLOR, Anne-Christine; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Um corpo feito de olhares, Revista de Antropologia, v. 62, n. 3, p. 769-818, 2019.

THOMAS, Julian. The trouble with material culture. Journal of Iberian Archaeology, v. 9/10, p. 11-24, 2007.

VALENTINO, Leonor. As transformações da pessoa entre os Katwena e os Tunayana dos rios Mapuera e Trombetas. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

VELTHEM, Lucia Hussak van. Mulheres de cera, argila e arumã: princípios criativos e fabricação material entre os Wayana. Mana, v. 15, n. 1, p. 213-236, 2009.

VELTHEM, Lucia Hussak van. O Belo é a Fera. A estética da produção e da predação entre os Wayana. Lisboa: Museu Nacional de Etnologia/Assírio e Alvim, 2003.

VELTHEM, Lucia Hussak van. Longas viagens: canoas e intercâmbios nas Guianas. Revista Hawò, v.1, p.2-43, 2020.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Exchanging perspectives: the transformation of objects into subjects in Amerindian ontologies. Common Knowledge (Oxford), v.10, n.3, p. 463-484, 2004.

WAI WAI, Cooni. A cerâmica Wai Wai: modos de fazer do passado e do presente. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Arqueologia) – Instituto de Ciências da Sociedade, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, 2019.

WAI WAI. Jaime Xamen. Levantamento etnoarqueológico sobre a cerâmica Konduri e ocupação dos Wai Wai na região da Terra Indígena Trombetas-Mapuera (Pará, Brasil). Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Arqueologia) – Instituto de Ciências da Sociedade, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, 2017.

WAI WAI, Walter Powci. A mudança no ritual do povo Wai Wai. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Arqueologia) – Instituto de Ciências da Sociedade, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, 2017.

WATTS-POWLESS, Vanessa. Lugar-pensamento indígena e Agência de humanos e Não humanos (a primeira mulher e a mulher céu embarcam numa turnê pelo mundo europeu!). Espaço Ameríndio, v.11, n.1, p. 250-272, 2017.

WENDRICH, Willeke. The world according to basketry: an ethno-archaeological interpretation of basketry production in Egypt. Los Angeles: Cotsen Institute Press, 2012

WITMORE, Christopher. Matter. IN: CALLAN, H. (ed.), The International Encyclopedia of Anthropology. Wiley Blackwell, 2021. https://doi.org/10.1002/9781118924396.wbiea2434

YDE, Jens. Material culture of the Waiwái. Copenhagen: National Museum of Denmark, 1965.

Downloads

Publicado

2021-09-30

Como Citar

RODRIGUES, I. Corpos que emergem: vegetais trançados e sua persistência entre os povos do rio Mapuera. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 34, n. 3, p. 146–177, 2021. DOI: 10.24885/sab.v34i3.915. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/915. Acesso em: 16 ago. 2022.