Em Busca do Invisível

o material lítico como vetor de visibilidade para o material perecível

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v34i3.937

Palavras-chave:

material lítico, experimentação, tecnologias perecíveis

Resumo

As análises de material lítico tradicionalmente adotam uma perspectiva tecnológica, centrada nos processos de produção e de gestão da matéria-prima lítica. Ainda que a arqueologia experimental e a traceologia exijam por vezes o contato entre o material lítico e o mundo orgânico e perecível o foco dos estudos é quase sempre muito “litocentrado”, invisibilizando por vezes todo o conhecimento apreensível sobre o material perecível relacionado a essas abordagens. Propomos aqui um exercício de olhar para o material lítico, sob a perspectiva experimental e de análise tecnológica, com foco no que não se preservou, mostrando o potencial para uma apreensão mais completa da realidade arqueológica. Demonstramos assim que o material lítico pode ser um vetor importante para enxergar o mundo orgânico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BINFORD, Lewis R. Nunamiut ethnoarchaeology. New York: Academic Press, 1978.

BINFORD, Lewis R. a Bones, ancient men and modern myths. New York: Academic Press, 1981

BINFORD, Lewis R. b Behavioral Archaeology and the "Pompeii Premise". Journal of Anthropological Research, v 37, n. 3, p. 195-208. 1981.

BRAUDEL, Fernand. "Histoire et sciences sociales. La longue durée". Annales E.S.C, v. 4, pp.725-753. 1958.

COLES, John M. Experimental Archaeology. London: Academic Press. 1979.

CORREA, Ângelo A. Longue durée: história indígena e arqueologia. Ciência e Cultura. [online]. v. 65, n. 2, pp.26-29. 2013.

GARDIMAN, Gilberto G. Vereda III: Uma análise paleoetnobotânica. Monografia (Graduação em Antropologia). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

HURCOMBE, Linda. Organics from inorganics: using experimental archaeology as a research tool for studying perishable material culture. World Archaeology, v. 40, n. 1, p. 83-115. 2008. DOI: 10.1080/00438240801889423

IHERING, Herman. Os machados de pedra dos índios do Brasil e o seu emprego nas derrubadas de matto. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, v. XII, p. 426-432. 1907.

KOZÁK, Vladmir; BAXTER, David; WILLIANSON, Laila; CARNEIRO, Robert. Os índios Hetá: peixe em lagoa seca. Revista do Instituto Histórico, Geográfico e Etnográfico Paranaense v. XXXVIII, p. 9-120. 1981.

LAMING-EMPERAIRE, Annette; MENEZES, Maria José & ANDREATTA, Margarida. O trabalho da pedra entre índios Xetá, Serra dos Dourados, Estado do Paraná. Coleção Museu Paulista, Série Ensaios, v. 2, p.19-82.1978.

LÉRY, Jean de. Viagem à Terra do Brasil. São Paulo: Martins/EDUSP. 1972. (original 1576)

LYMAN, Richard L. Archaeology’s quest for a seat at the high table of anthropology. Journal of Anthropological Archaeology, v. 26, Issue 2, p. 133-149. 2007. doi: doi.org/10.1016/j.jaa.2006.11.003.2007.

NETTO, Ladislau. Investigações sobre a Archeologia Brazileira. Archivos do Museu Nacional do Rio de Janeiro, v. VI, p.261-554. 1885.

OTT, Carlos F. Contribuição à Arqueologia Baiana. Boletim do Museu Nacional. Nova Série. Antropologia, n. 5, 20 nov. de 1944

PROUS, André. Experimentação na Arqueologia Brasileira: entre gestos e funções. In: BUENO, Lucas; ISNARDIS, Andrei. (org.) Das pedras aos homens: Tecnologia Lítica na Arqueologia Brasileira. Belo Horizonte: ed. Fino Traço, 2008. p. 155-172.

PROUS, André. Os instrumentos polidos e picoteados. Arquivos do Museu de História Natural/UFMG . Santana do Riacho, v.1, n.12, p.211-228, 1991.

PROUS, André, ALONSO, Márcio., PILÓ, Henrique., XAVIER, L. A. F., LIMA, Ângelo P. & SOUZA, Gustavo N. Os machados pré-históricos no Brasil - descrição de coleções brasileiras e trabalhos experimentais: fabricação de lâminas, cabos, encabamento e utilização. Canindé: Revista do Museu de Arqueologia de Xingó. v. 2, p.161-236. 2003.

RODRIGUES, Igor M. M.; GARDIMAN, Gilberto G. Fora das grandes aldeias: o sítio Vereda III e suas informações complementares sobre sistemas de ocupação de grupos portadores de cerâmica associada à tradição Aratu-Sapucaí. Revista do Museu Arqueologia e Etnologia, v. 27, p. 103-110. 2016.

SCHIFFER, Michael B. Behavioral archeology. New York: Academic Press. 1976.

SCHIFFER, Michael B. Is There a "Pompeii Premise" in Archaeology? Journal of Anthropological Research, v. 41, nº 1, pp. 18-41. 1985.

SCHIFFER, Michael B. Formation processes of the archaeological record. Salt Lake City: University of Utah Press. 1996.

SOUZA, Gustavo N. & LIMA, Ângelo P. Experimental archaeology on Brazilian polished artifacts: making adornments, hafting blades and cutting trees. In: CURA, Sarah; CEREZER, Jedson; GUROVA, Maria; SANTANDER, Boris; OOSTERBEEK, Luiz & CRISTÓVÃO, Jorge. (Orgs.) Technology and Experimentation in Archaeology. BAR International Series. 2014. p. 17-24.

SOUZA, Gustavo Neves de. Estudo das lâminas de pedra polidas do Brasil: diversidades regionais e culturais. 2013. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. doi:10.11606/T.71.2013.tde-04092013-164621.

SOUZA, Gustavo N. & FIGUEIREDO, Filipe A. Experimentação de Perfuração em Madeira. Anais do XII Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira, p.1-10. 2005.

STADEN, Hans. Viagem ao Brasil. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1968. (original: 1557).

VERSTEEG, Aad H. & ROSTAIN, Stephen. A hafted Amerindian stone axe recovered from the Suriname River. Mededelingen Surinaams Museum v. 55. 1999.

Downloads

Publicado

2021-09-30

Como Citar

NEVES DE SOUZA, G. Em Busca do Invisível: o material lítico como vetor de visibilidade para o material perecível. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 34, n. 3, p. 211–232, 2021. DOI: 10.24885/sab.v34i3.937. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/937. Acesso em: 7 ago. 2022.