Covid, afetos e a sala de aula digital

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v35i1.964

Palavras-chave:

ensino de arqueologia, pandemia, arqueologia afetiva

Resumo

Este texto traz reflexões a partir de experiências, expectativas e projeções das nossas práticas como docentes de arqueologia durante a pandemia da Covid-19, em duas universidades federais (UFMG e UFPA) que oferecem cursos de graduação e pós-graduação com os quais estamos envolvidas. Ao relatar nossas vivências, entremeadas e atravessadas por múltiplas situações e contextos, buscamos compartilhar os caminhos que estamos construindo no Ensino Remoto Emergencial (ERE). Partimos de uma perspectiva em que os afetos, as emoções e as sensibilidades são parte constituinte das nossas práticas, entendendo que ensinar e aprender são atos de resistência; e a sala de aula pode abrir caminho para uma arqueologia ativista, afetiva e transformadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU e SOUZA, Rafael de. Deixa meu cabelo em paz e outros contos sobre arqueologia do racismo à brasileira. Revista de Arqueologia, v. 33, n. 1, p. 43–65, 2020.

ALONSO, Katia M. A EaD no Brasil: sobre (des)caminhos em sua instauração. Educar em Revista, (spe 4), p. 37-52, 2014.

ATALAY, Sonya. Community-based archaeology: research with, by, and for indigenous and local communities. Kindle (e-book). Berkeley: Los Angeles, London: University of California Press, 2012.

ATALAY, Sonia, CLAUSS, Lee R., MCGUIRE, Randal H., and WELCH, John R. 2016. Transforming Archaeology. In ATALAY, Sonya; CLAUSS, Lee R.; MCGUIRE, Randall H., and John R. WELCH (eds). Transforming Archaeology Activist Practices and Prospects. Routledge, 2016.p. 1-28.

BATTLE-BAPTISTE, Whitney. Black Feminist Archaeology. Walnut Creek: Left Coast Press, 2011.

BEZERRA, Marcia. Bicho de nove cabeças: Os cursos de graduação e a formação de arqueólogos no Brasil. Revista de Arqueologia, v. 21, n. 2, p. 139–154, 2008.

BEZERRA, Marcia. Teto e afeto: sobre as pessoas, as coisas e a arqueologia na Amazônia. Belém: GK Noronha, 2017.

BLANCO, Felipe de S.; LACERDA, Lohania C. Por uma expansão da EaD acompanhada das metodologias ativas: principais dificuldades e possíveis caminhos. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta. v. 2, Especial: Estratégias Ativas na EAD: abordagem digital no processo de ensino e aprendizagem: e388, 2021.

BRASIL. Lei Nº 9.394/96: Lei de Diretrizes e Bases da Educação, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria n.° 544, de 16 de junho de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais, enquanto durar a situação de pandemia do novo coronavírus - Covid-19, e revoga as Portarias MEC nº 343, de 17 de março de 2020, nº 345, de 19 de março de 2020, e nº 473, de 12 de maio de 2020. Brasília, DF: 16 de junho de 2020, 2020.

CABRAL, Mariana P. De cacos, pedras moles e outras marcas: percursos de uma Arqueologia não-qualificada. Amazônica - Revista de Antropologia, v. 6, n. 2, p. 314-331, 2014.

CASTAÑEDA, Quetzil E.; MATTHEWS, Christopher N. (eds.). Ethnographic Archaeologies. Reflections on Stakeholders and Archaeological Practices. Lanham/ Plymouth: Altamira Press, 2008.

CEPE/UFMG. Resolução do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Nº02/2020. Regulamenta o ensino remoto emergencial para os cursos de graduação da UFMG durante período de pandemia da doença COVID-19. Belo Hozironte. UFMG. 4p, 2020b.

CEPE-UFMG. 2020a. Resolução do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Nº01/2020. Dispõe sobre o planejamento e a execução de atividades acadêmicas de forma remota emergencial nos cursos de pós-graduação stricto sensu e lato sensu durante a pandemia da COVID-19. Belo Horizonte. UFMG. 2p.

COLETIVO ESTRATIGRAFIA FEMINISTA. Zine Machismo e Arqueologia. São Paulo. Disponível em: https://arqueologiaeprehistoria.files.wordpress.com/2015/10/souza-et-al-2015-zine-sobre-omachismo-e-a-arqueologia.pdf, 2015.

COLWELL-CHANTHAPHONH, Chip; FERGUSON, T.J. (orgs.). Collaboration in Archaeological Practice: Engaging Descendant Communities. Plymouth: Altamira Press, 2008.

CRUZ, Leandro R. Educação Vigiada: O avanço do capitalismo de vigilância sobre a educação pública brasileira. Canal Mirante das FACS-UFPA. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=yd8yzisrCh8. 1:36:50, 2020.

FERNANDES, Alessandro M.; DRUMMOND, Adriana DE F.; FERREIRA, Janaína M. S.; OLIVEIRA, Janaína P. DE; CARNEIRO, Luiz P. DA S. M.; RIBEIRO; Paula MAIA NOGUEIRA, Maria das Graças. S.; BARBOSA, Regina M. C.; GODOY, Solange C. B.; KURIMOTO, Teresa. Política de saúde mental da UFMG: reflexões para tempos de ensino e trabalho remotos. Comissão Permanente de Saúde Mental/ UFMG. Disponível em: https://www.ufmg.br/saudemental/type-recomendacao/politica-de-saude-mental-da-ufmg-reflexoes-para-tempos-de-ensino-e-trabalho-remotos/, 2020.

FLEWELLEN, Ayana O.; DUNNAVANT, Justin P.; ODEWALE, Alicia; JONES, Alexandra; WOLDE-MICHAEL, Tsione; CROSSLAND, Zoë; FRANKLIN, Maria. The Future of Archaeology Is Antiracist: Archaeology in the Time of Black Lives Matter. American Antiquity, v. 86, n. 2, p. 224–243, 2021.

FREIRE, Paulo. Do direito e do dever de mudar o mundo. In: FREIRE, Paulo. Pedagogia da Indignação: Cartas Pedagógicas e Outros Escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000, 26-30.

FURQUIM, Laura P.; JÁCOME, Camila P. Teorias de gênero e feminismos na arqueologia brasileira: do dimorfismo sexual à primavera queer. Revista Arqueologia Pública, v. 13, n. 1[22]), p. 255–279, 2019.

GAMBLE, Lynn H.; CLAASSEN, Cheryl; EERKENS, Jelmer W.; KENNETT, Douglas J.; LAMBERT, Patricia M.; LIEBMANN, Matthew J.; LYONS, Natasha; MILLS, Barbara J.; RODNING, Christopher B.; SCHNEIDER, Tsim D.; SILLIMAN, Stephen W.; ALT, Susan M.; BAMFORTH, Douglas; HAYS-GILPIN, Kelley; PRENTISS, Anna Marie; RICK, Torben C. Finding Archaeological Relevance during a Pandemic and What Comes After. American Antiquity, v. 86, n.1, p. 2–22, 2021.

GONZÁLES-RUIBAL, Alfredo. La experiencia del otro: Una introducción a la etnoarqueología. Madrid: Ediciones Akal, 2003.

GUERRA, Leonor B. O diálogo entre a neurociência e a educação: da euforia os desafios e possibilidades. Revista Interlocução, v.4, n.4, p.3-12, 2011.

HAMILAKIS, Yannis. A Arqueologia e a lógica do capital: puxando o freio de emergência. Revista de Arqueologia, v. 28, n. 2, p. 45-63, 2015.

HARTEMANN, Gabby Omoni. Unearthing Colonial Violence: Griotic Archaeology and Community‑Engagement in Guiana. International Journal of Historical Archaeology (on-line), 2021.

HARTEMANN, Gabby; MORAES, Irislane P. de. Contar histórias e caminhar com ancestrais: por perspectivas afrocentradas e decoloniais na arqueologia. Vestígios - Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, v.12, n. 2, p. 9-34, 2019.

HOFFMANN, Jussara. O Jogo do Contrário em Avaliação. Porto Alegre: Editora Mediação, 2012.

hooks, bell. 2017. Ensinando a transgredir: A educação como prática da liberdade. São Paulo, WMF Martins Fontes. 283p.

IKE, Nkem; MILLER, Gabrielle, and HARTEMANN, Gabby Omoni. Anti-Racist Archaeology: Your Time Is Now. The SAA Archaeological Record, v. 20, p. 12 -16, 2020.

JÁCOME, Camila; PY-DANIEL, Anne R.; PRESTES-CARNEIRO, Gabriela; P. SHOCK, Myrtle; MORAES, Claide de P.; BARBOZA, Myrian S. L.; AMARAL, Márcio; ROCHA, Bruna; OLIVEIRA, Vinicius H. de; PINTO, Elaine dos S. Pluralidade dos Acervos Epistêmicos na Amazônia: história, gestão e desafios do Laboratório de Arqueologia Curt Nimuendajú (UFOPA). Revista de Arqueologia, v. 33, n.3, p. 306-29, 2020.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Editora Cobogó, 2020.

LIMA, Helena Pinto. Patrimônio para quem? Por uma arqueologia sensível. Habitus, v.17, n.1, p. 25-38, 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção e política da morte. São Paulo: n-1 edições, 2018a.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições. 320p. 2018b.

MORAES, Irislane P. Arqueologia ‘na Flor na Terra’ Quilombola: Ancestralidade e Movimentos Sankofa no Território dos Povos do Aproaga - Amazônia Paraense. Tese (Doutorado em Antropologia), Universidade Federal de Minas Gerais, 2021.

PASSOS, Lara de P. Gotas de um Oceano: uma análise bibliométrica feminista de um curso de graduação. Revista de Arqueologia, v. 30, n. 2, p. 130–144, 2017.

PASSOS, Lara de P. Arqueopoesia: Uma Proposta Feminista Afrocentrada para o Universo Arqueológico. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Universidade Federal de Minas Gerais, 2019.

PELLINI, José Roberto. Redomas de vidro: Relações entre tato, cultura material e práticas de institucionalização. Revista Arqueologia Pública, v. 8 n. 1[9], p. 63-78, 2015.

PELLINI, José Roberto; ZARANKIN, Andrés & SALERNO, Melisa (eds). Sentidos Indisciplinados: Arqueología, Sensorialidad y Narrativas Alternativas. Madrid: JAS Arqueología S.L.U, 2017.

PY-DANIEL, Anne. R. e MORAES, Claide de P. A quem pertence o futuro da Amazônia? Amazonia Latitude. https://amazonialatitude.com. Acesso 08/2020, 2019.

QUEIROZ, Ruben C. Biblioteca da Selva: Poriciwi Wai Wai, a memória de um povo e o enterro na aldeia. Revista Piauí. Edição 168, Setembro, 2020.

ROCHA, Bruna; LOURES, Rosamaria. Na Amazônia, bibliotecas estão sendo incendiadas. El Pais, 03 de Junho de 2020, 2020a.

ROCHA, Bruna e LOURES, Rosamaria. A expropriação territorial e o Covid-19 no Alto Tapajós, PA. In: ALMEIDA, Alfredo W. B. de; MARIN, Rosa E. A. e ALEIXO, Eriki (orgs.). Pandemia e território. São Luis: UEMA Edições PNCSA, p. 337-367, 2020b.

SEGATA, Jean. A colonização digital do isolamento. Cadernos de Campo, 29 (1): 163-171, 2020.

SILVA, André L.; HORTA, Andrei I.; CABRAL, Mariana P. & LACERDA, Mariana de O. Depois do fogo: ações e reações do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG ao incêndio na Reserva Técnica. Revista Arquivos do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG. v. 29, p. 160-174, 2021.

SILVA, Emerson N. da., As Folhas de Videiras das Evas da Ilha de Marajó e a (des)construção de Narrativas arqueológicas. Revista Arqueologia Pública, v. 13, n. 1[22], p.155-79, 2019.

SILVA, Fabíola A. Etnoarqueologia: uma perspectiva arqueológica para o estudo da cultura material. Métis História & Cultura, v. 8, n. 16, p.121-139, 2009.

SILVA, Lucas A.; TRAMASOLI, Felipe B. O vírus e os materiais: uma arqueologia da pandemia. Tessituras, v. 8, n.1, p.192-201, 2020.

SUPERNANT, Kisha; BAXTER, Jane E.; LYONS, Natasha; ATALAY, Sonya (eds). Archaeologies of the Heart. Switzerland: Springer Nature, 2020.

SURYA, Leandro. O ensino de Arqueologia no mundo pós-pandemia: possibilidade e aproximações com a pedagogia contemporânea. Tessituras, v. 8, n.1, p. 221-226, 2020.

TOLEDO, Luiz H. de, e SOUZA JUNIOR, Roberto de A. P. de. Sociabilidade pandêmica? o que uma Antropologia urbana pode dizer a respeito da crise deflagrada pela COVID-19. Cadernos de Campo, v. 29 (supl), p. 53-6, 2020.

TUHIWAI SMITH, Linda. Decolonizing Methodologies: research and indigenous peoples. Otago: University of Otago Press, 1999.

UFMG. Ensino Remoto Emergencial (ERE) nos cursos de graduação da UFMG. Série Integração Docente - Ações Formativas paras as Práticas Pedagógicas. Belo Horizonte: Centro de Apoio ao Ensino a Distância - CAED/ Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD. Belo Horizonte. UFMG. 37p, 2020.

UFPA. Resolução N. 5.294, de 21 de agosto de 2020. Aprova, de forma excepcional e temporária, o Ensino Remoto Emergencial em diferentes níveis de ensino para os cursos ofertados pela Universidade Federal do Pará, em decorrência da situação de pandemia do novo Coronavírus –COVID-19, e dá outras providências, 2020.

Downloads

Publicado

2022-01-15

Como Citar

CABRAL, M. P.; BEZERRA, M. Covid, afetos e a sala de aula digital. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 35, n. 1, p. 139–156, 2022. DOI: 10.24885/sab.v35i1.964. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/964. Acesso em: 16 ago. 2022.