Arqueologias nas redes sociais

o passado representado em tempos de pandemia

Autores

Palavras-chave:

comunicação da arqueologia, divulgação científica, redes sociais

Resumo

Com a Pandemia do COVID-19, uma expressiva parcela das atividades acadêmicas e de Divulgação Científica começou a se desenvolver      em ambientes virtuais, intensificando ou dando origem a novos processos comunicativos. Palestras, aulas, simpósios, congressos, entre outros, passaram a estar disponíveis em plataformas fechadas ou em redes sociais, como Instagram, YouTube ou Facebook. Esses processos comunicativos também se intensificaram na Arqueologia, abarcando tanto ações de Divulgação Científica como de Difusão Científica. Com o intuito de compreender esse novo cenário da comunicação da Arqueologia, apresento, em primeiro lugar, dados que evidenciam o significativo aumento do consumo de Redes Socais a partir do início da Pandemia. Em seguida, estabeleço um breve panorama a respeito do expressivo aumento das postagens relativas à Arqueologia em Redes Sociais (Instagram, YouTube ou Facebook), bem como uma observação das páginas do Instagram do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP, do Museu Nacional da UFRJ, do Museu de História Natural do Jardim Botânico UFMG e do Museu Paraense Emílio Goeldi. Por fim, a partir de uma pesquisa inicial da #arqueologia no Instagram, proponho uma reflexão breve sobre as representações do passado que vêm sendo associadas à Arqueologia nas redes sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU E SOUZA, Rafael de. Deixa meu cabelo em paz e outros contos sobre Arqueologia do Racismo à Brasileira. Revista de Arqueologia, 33 (2): 43–65, 2020.

AGRELA, Lucas. Revista Exame. WhatsApp cresce até 76% por causa do coronavírus. 2020. Disponível em: https://exame.com/tecnologia/whatsapp-cresce-ate-76-por-causa-do-coronavirus/. Acesso em: 26 jul. 2020.

BEZERRA, Marcia. ‘Nossa Herança Comum’: considerações sobre a Educação Patrimonial na Arqueologia Amazônica. In: PEREIRA, E.; GUAPINDAIA, V. (Orgs.) Arqueologia Amazônica. Belém, MPEG, vol. 2, p.1021-1036, 2010.

BEZERRA, Marcia. "As moedas dos índios": um estudo de caso sobre os significados do patrimônio arqueológico para os moradores da Vila de Joanes, ilha de Marajó, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas 6, p.57-70, 2011.

BRIGS, Asa; BURKE, Peter. Uma história social da Mídia: de Gutemberg à internet; tradução Maria Carmelita Pádua Dias; 2. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

BUENO, Wilson da Costa. Jornalismo Científico no Brasil: os compromissos de uma prática dependente. 1984. 364 p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) - Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984.

BUENO, Wilson da Costa. Comunicação cientifica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, v. 6, n. 1, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/28170. Acesso: 20 jul, 2020.

CARVALHO, Carlos Alberto de. Com a mídia, sem a mídia, contra a mídia: reflexões sobre processos de midiatização e limites do midiacentrismo. In: LEAL, Bruno et al (org.). Textualidades midiáticas. Belo Horizonte: Ppgcom/ufmg, p. 83-101, 2018.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Vol. 1. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTELLS, Manuel. O poder da comunicação. 1 ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2015.

CLEMENT, J. Number of monthly active Instagram users from January 2013 to June 2018. 2019 Disponível em: https://www.statista.com/statistics/253577/number-of-monthly-active-instagram-users/. Acesso em: 31 ago, 2020.

CLEMENT, J. Leading countries based on Instagram audience size as of July 2020. 2020b. Disponível em: https://www.statista.com/statistics/578364/countries-with-most-instagram-users/. Acesso em: 31 ago, 2020.

CLACK, Timothy; BRITTAIN, Marcus. Archaeology and the Media. Walnut Creek, California. Left Coast Press, 2007.

COSTA, Verônica Soares da. Faz todo sentido biológico? Mulheres, (homens) e ciências nas textualidades do canal Nerdologia. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/30221/1/tese_vsc_final.pdf. Acesso em: 25 jul. 2020.

FAGAN, Brian. Writing Archaeology: Telling Stories About the Past. Walnut Creek, CA: Left Coast Press, 2006.

RESULTADOS DIGITAIS. HASHTAG: o que significa e como usá-la na sua estratégia de Marketing Digital. Resultados Digitais, 2020. Disponível em: https://resultadosdigitais.com.br/blog/o-que-e-hashtag/#:~:text=Hashtag%20%C3%A9%20um%20termo%20associado,publica%C3%A7%C3%B5es%20relacionadas%20ao%20mesmo%20tema. Acesso em: 03 abr. 2021.

HUTCHINSON, Andrew. What Happens on the Internet Every Minute (2020 Version) [Infographic]. 2020. Disponível em: https://www.socialmediatoday.com/news/what-happens-on-the-internet-every-minute-2020-version-infographic/583340/. Acesso em: 20 ago. 2020.

IKE, Nkem; MILLER, Gabrielle; HARTEMANN, Gabby Omoni. Anti-Racist Archaeology: Your Time Is Now. The SAA Archaeological Record, p. 12 -16, 2020.

LUPINACCI, Ludmila. "Da minha sala pra sua": Teorizando o fenômeno das lives em mídias sociais. 2020. Disponível em: https://preprints.scielo.org/index.php/scielo/preprint/download/960/1356/1433 . Acesso em: 05 set. 2020.

MENDONÇA, Carlos Camargos; LEAL, Bruno Souza. Ver a elas: mulheres trans e dimensões políticas da cultura visual. In: LEAL, Bruno et al. (org.). Textualidades midiáticas. Belo Horizonte: Ppgcom/ufmg, p. 103-112, 2018.

MOSER, Stephanie. Reconstructing ancient worlds: reception studies, archaeological representation and the interpretation of Ancient Egypt. Journal of Archaeological Method and Theory, 22, p. 1263–1308, 2015.

ORLANDI, Eni P. Análise do Discurso: Princípios e Procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 2007.

ORLANDI, Eni P. Discurso e texto: formulação e circulação de sentidos. 3 ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2008.

ORLANDI, Eni P. A linguagem e seu funcionamento. 5 ed. Campinas, SP: Pontes, 2009.

ORLANDI, Eni P. Análise de Discurso. In: ORLANDI, Eni P.; LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy (org.). Discurso e Textualidade. 2. ed. Campinas: Pontes Editores, 2010. p. 11-31.

ORLANDI, Eni P. Discurso e Textualidade. 2 ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2010.

RADFAHRER, Luli. O meio é a mediação: uma visão pós-fenomenológica da mediação datacrática. MATRIZES, 12(1), p. 131-153, 2018. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v12i1p131-153.

RAMALHO, José Antônio. Mídias Sociais na Prática. São Paulo: Elsevier, 2010.

RANZANI DA SILVA, Bruno Sanches. Das Ostras só as pérolas: Arqueologia Pública e Arqueologia Subaquática no Brasil. 2011. 238f. Dissertação (Mestre) - Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2011.

RIBEIRO, Djamila. O que é: lugar de fala? Letramento: Belo Horizonte, 2017.

SHEPHERD, Nick. Cuando la mano que sostiene la palustre es negra...’: prácticas disciplinarias de autorepresentación y el asunto de la mano de obra “nativa” em arqueologia”. Arqueología Suramericana, 5, p. 3-20, 2009.

SHOHAT, Ella. Gender in Hollywood's Orient. Middle East Research and Information Project, MER162, 1990. Disponível em: https://www.merip.org/mer/mer162/gender-hollywoods-orient#_3.

TEGA-CALIPPO, Glória M. V. Arqueologia em notícia: pesquisas impressas, sentidos

circulantes e memórias descobertas. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

TERRA, Carolina Frazon. Comunicação corporativa digital: o futuro das relações públicas na rede. Dissertação (Escola de Comunicações e Artes -Mestrado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

VIANNA, Graziela Mello; VAZ, Paulo Bernardo; SANTOS, Humberto. Sobre texto visual, som e imagem: novas paragens para as paisagens textuais. In: LEAL, Bruno et al. (org.). Textualidades midiáticas. Belo Horizonte: Ppgcom/ufmg. p. 113-130, 2018.

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Museus e antropofagia do patrimônio arqueológico: caminhos da prática brasileira. Tese (Doutorado em Museologia), Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Lisboa, 2010.

ZAMBONI, Lílian Márcia Simões. Heterogeneidade e subjetividade no discurso da divulgação científica. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Estadual de Campinas. São Paulo, 1997.

Downloads

Publicado

2022-01-15

Como Citar

V. TÉGA CALIPPO, G. M. Arqueologias nas redes sociais: o passado representado em tempos de pandemia. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 35, n. 1, p. 205–222, 2022. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/966. Acesso em: 16 ago. 2022.