Passado ponderado, futuro do fim: uma tentativa de (re)ativar estratigrafias de paisagens esvaziadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v35i3.986

Palavras-chave:

Antropoceno, Arqueologia, Reativar

Resumo

O Antropoceno não afeta apenas a vida na terra em uma escala climática e geológica, mas também política e científica. Essa era é também a era da feitiçaria do capitalismo, da captura de ciências e cientistas em um discurso e práticas voltadas ao progresso cego em direção à expansão do capital. Progresso esse fruto da degradação do meio ambiente, do etnocídio, da extinção e da destruição de lugares sagrados, paisagens e materiais do passado. Neste ensaio, abordo a participação da arqueologia nesse contexto, e como ela vem construindo uma narrativa inofensiva acerca do passado, esvaziando territórios e paisagens de suas agências não-humanas e assim abrindo espaço para novas paisagens e estratos de um futuro que está nos levando ao fim.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Antonio Schifino Wittmann, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando em Antropologia Social pela Museu Nacional/PPGAS/UFRJ.

Referências

ANDERS, Günther. Le temps de la fin. l'Herne: 2007.

BAPTISTA DA SILVA, Sérgio; TEMPASS, Martin César; COMANDULLI, Carolina Schneider. Reflexões sobre as especificidades Mbyá-guarani nos processos de identificação de Terras Indígenas a partir dos casos de Itapuã, Morro do Coco e Ponta da Formiga, Brasil. Amazônica, v. 2, n. 1, p. 10-23, 2010.

BRAJE, Todd J.; ERLANDSON, Jon M.; AIKENS, C. Melvin; BEACH, Tim; FITZPATRICK, Scott. An Anthropocene Without Archaeology: Should We Care? The SAA Archaeological Record, v. 14, n. 1, p. 26-29, 2014.

CABRAL, Mariana Petry. “E se todos fossem arqueólogos?”: experiências na Terra Indígena Wajãpi. Anuário Antropológico, n. II, p. 115-132, 2014.

CHAKRABARTY, Dipesh. The climate of history: Four theses. Critical inquiry, v. 35, n. 2, p. 197-222, 2009.

COSTA, Zeila. A Usina Hidrelétrica Itaipu Binacional e os Avá-Guarani do Tekoha Anetete. In: SANTOS, Silvio Coelho dos. NACKE, Aneliese (org.). Hidrelétricas e povos indígenas. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2003. p. 67-83

DANOWSKI, Déborah; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Cultura e Barbárie Editora: 2014.

EDGEWORTH, Matt; BENJAMIN, Jeffrey; CLARKE, Bruce; CROSSLAND, Zoe; DOMANSKA, Ewa; GORMAN, Alice Claire; GRAVES-BROWN, Paul; HARRIS, Edward Cecil; HUDSON, Mark James; KELLY, Jason M.; PAZ, Victor Joaquin; SALERNO, Melisa Anabella; WITMORE, Christopher; ZARANKIN, Andrés. Archaeology of the Anthropocene. Journal of contemporary archaeology, v. 1, n. 1, p. 73-132, 2014.

FAUSTO, Carlos. Donos Demais: Maestria e Domínio na Amazônia. Mana – Estudos de Antropologia Social, v. 14, n. 2, p. 329-366, 2008.

FUNAI. Informação nº223/2015/CGLIC/DPDS/FUNAI-MJ. Brasília, 23 de setembro de 2015.

GARCÍA ACOSTA, Virginia. Presentación: La incursión del Antropoceno en el sur del planeta. Desacatos, n. 54, p. 8-15, 2017.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. Beyond the anthropocene: defining the age of destruction. Norwegian Archaeological Review, v. 51, n. 1-2, p. 10-21, 2018.

GUARANI, Jerá. Tornar-se selvagem. PISEAGRAMA, n. 14, p. 12-19, 2020.

HARRISON, Rodney. Beyond “natural” and “cultural” heritage: toward an ontological politics of heritage in the age of Anthropocene. Heritage & Society, v. 8, n. 1, p. 24-42, 2015.

PUGLIESE JÚNIOR, Francisco Antonio; VALLE, Raoni Bernardo Maranhão. A gestão do patrimônio arqueológico em territórios indígenas: a resistência Munduruku e a preservação do patrimônio cultural frente ao licenciamento ambiental de empreendimentos em territórios tradicionalmente ocupados. Revista de Arqueologia, v. 28, n. 1, p. 30-51, 2015.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Editora Companhia das Letras: 2019.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. Companhia das Letras, 2019.

LANE, Paul J. Archaeology in the age of the Anthropocene: A critical assessment of its scope and societal contributions. Journal of field archaeology, v. 40, n. 5, p. 485-498, 2015.

LATOUR, Bruno. A esperança de Pandora. Editora UNESP: 2017.

LATOUR, Bruno. Diante de Gaia: oito conferências sobre a natureza no antropoceno. Ubu Editora, 2020.

LIPPERT, Dorothy. Remembering humanity: How to include human values in a scientific endeavor. IJCP, v. 12, p. 275-280, 2005.

LEWIS, Simon L.; MASLIN, Mark A. Defining the anthropocene. Nature, v. 519, n. 7542, p. 171-180, 2015.

MATHEWS, Andrew S. Anthropology and the Anthropocene: Criticisms, Experiments, and Collaborations. Annual Review of Anthropology, v. 49, p. 67-82, 2020.

MEANS, Russel. The same old song. Discurso proferido no Black Hills International Survival Gathering em Black Hills, Dakota do Sul, Estados Unidos,

Disponível em: <https://buttkittydistro.files.wordpress.com/2016/07/complete-same-old-song.pdf> Acesso em: 04/05/2021.

MUNDURUKU, Jair Boro. Caminhos para o passado: Ocaõ, Agukabûk e Cultura Material Munduruku. Trabalho de Conclusão de Curso de Arqueologia, Porgrama de Antropologia e Arqueoloiga. Santarém, Pará: Universidade Federal do Oeste do Pará, 2019.

NICHOLAS, George P. Being and becoming indigenous archaeologists. Left Coast Press, 2010.

PÉTURSDÓTTIR, Þóra. Climate change? Archaeology and anthropocene. Archaeological dialogues, v. 24, n. 2, p. 175-205, 2017.

PEZZUTI, Juarez; CARNEIRO, Cristiane; MANTOVANELLI, Thaís; GARZÓN, Biviany Rojas. Xingu, o rio que pulsa em nós: monitoramento independente para registro de impactos da UHE Belo Monte no território e no modo de vida do povo Juruna (Yudjá) da Volta Grande do Xingu. Altamira, ISA-Instituto Socioambiental, 2018.

PINNA, Renan. A Palavra e a Ação: reflexões Avá Guarani no dilúvio hidrelétrico. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

POVINELLI, Elizabeth. Geontologies: The Concept and Its Territories. E-Flux [online], n. 81, 2017a.

POVINELLI, Elizabeth A.; COLEMAN, Mathew; YUSOFF, Kathryn. An interview with Elizabeth Povinelli: geontopower, biopolitics and the Anthropocene. Theory, Culture & Society, v. 34, n. 2-3, p. 169-185, 2017b.

RIEDE, Felix; VESTERGAARD, Christina; FREDENSBORG, Kristoffer H. A field archaeological perspective on the Anthropocene. Antiquity, v. 90, n. 354, p. 1-5, 2016.

SOLLI, Brit; BURSTRÖM, Mats; DOMANSKA, Ewa; EDGEWORTH, Matt; GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo; HOLTORF, Cornelius; LUCAS, Gavin; OESTIGAARD, Terje; SMITH, Laurajane; WITMORE, Christopher. Some reflections on heritage and archaeology in the Anthropocene. Norwegian archaeological review, v. 44, n. 1, p. 40-88, 2011.

STENGERS, Isabelle. A proposição cosmopolítica. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 69, p. 442-464, 2018.

STENGERS, Isabelle. No tempo das catástrofes. São Paulo: Cosac Naify: 2015.

STENGERS, Isabelle. “Outra ciência é possível!”: um apelo a slow science. Cadernos do Ateliê, v.1, n.5, fascículo 1, p. 1-36, 2019.

STENGERS, Isabelle. Reativar o animismo. Caderno de leituras, n. 62, p. 1-15, 2017.

SUPERNANT, Kisha; BAXTER, Jane Eva; LYONS, Natasha; ATALAY, Sonya (Eds.). Archaeologies of the Heart. Springer, 2020.

SZERSZYNSKI, Bronislaw. Gods of the Anthropocene: geo-spiritual formations in the Earth’s new epoch. Theory, Culture & Society, v. 34, n. 2-3, p. 253-275, 2017.

SZTUTMAN, Renato. Reativar a feitiçaria e outras receitas de resistência-pensando com Isabelle Stengers. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 69, p. 338-360, 2018.

VANDER VELDEN, Felipe. Cacos de espíritos: aproximações entre antropologia e arqueologia no caso Karitiana em Rondônia. Amazônica-Revista de Antropologia, v. 10, n. 1, p. 184-208, 2018.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A floresta de cristal: nota sobre a ontologia dos espíritos Amazônicos. Cadernos de Campo, v. 14, n. 15, p. 319-338, 2006.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. Ubu Editora: 2018.

WAI WAI, Jaime Xamen. Levantamento Etnoarqueológico sobre a cerâmica Konduri e ocupação dos WaiWai na região da Terra Indígena Trombetas-Mapuera (Pará, Brasil). Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Arqueologia), Programa de Antropologia e Arqueologia. Santarém, Pará: Universidade Federal do Oeste do Pará, 2017.

WITTMANN, Marcus A. S. Arqueologia no licenciamento ambiental: uma etnografia de cientistas e suas burocracias. Anuário Antropológico, n. I, p. 217-252, 2019.

YELLOWHORN, Eldon Carlyle. Awakening internalist archaeology in the aboriginal world. Tese de Doutorado, Departamento de Antropologia. Canadá, Montreal: McGill University, 2002.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

WITTMANN, M. A. S. Passado ponderado, futuro do fim: uma tentativa de (re)ativar estratigrafias de paisagens esvaziadas. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 35, n. 3, p. 175–187, 2022. DOI: 10.24885/sab.v35i3.986. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/986. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo