Os sapatos dos lobeiros-baleeiros

práticas de calçar nas Ilhas Shetland do Sul (Antártica)

Autores

  • Gerusa de Alkmim Radicchi Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v29i2.15

Palavras-chave:

Arqueologia Antártica, Calçados Arqueológicos, Lobeiros-Baleeiros

Resumo

O presente trabalho trata das práticas de calçar dos grupos lobeirosbaleeiros que estiveram na Antártica entre o final do século XVIII e o início do século XIX. Baseia-se na análise arqueológica de sapatos encontrados nos abrigos localizados na ilha Livingston (Arquipélago Shetland do Sul, Antártica Ocidental), resgatados pela equipe do Laboratório de Estudos Antárticos em Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais (Leach/UFMG) durante expedições realizadas por meio das Operações Antárticas Brasileiras (OPERANTARes) nos anos 2010, 2011, 2012 e 2014. O Leach é integrante do
projeto “Paisagens em Branco”: Arqueologia Histórica Antártica, que investiga os processos humanos de ocupação do continente desde os primeiros momentos até a contemporaneidade. Uma das principais linhas de investigação do projeto
é a compreensão das identidades e das estratégias de trabalho e de sobrevivência dos grupos de caçadores de mamíferos marinhos vanguardistas na ocupação do continente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-30

Como Citar

RADICCHI, G. de A. Os sapatos dos lobeiros-baleeiros: práticas de calçar nas Ilhas Shetland do Sul (Antártica). Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 29, n. 2, p. 157–159, 2016. DOI: 10.24885/sab.v29i2.15. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/15. Acesso em: 19 ago. 2022.