Cauixi em cerâmica arqueológica

Uma questão de escolhas culturais

Autores

  • Sibeli A. Viana Pontífica Universidade Católica de Goiás
  • Cecília Volkmer Ribeiro Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul
  • Sergio Daher Oliveira Pontífica Universidade Católica de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v24i1.313

Palavras-chave:

Escolhas culturais, Tecnologia, Cauixi, Esponjas

Resumo

A produção artesanal de objetos cerâmicos envolve conhecimento técnico e saber fazer, necessários para engendrar as operações técnicas. Esse artigo traz à reflexão as escolhas que teriam permeado os esquemas técnicos de produção de vasilhames cerâmicos encontrados em alguns sítios arqueológicos pré-coloniais localizados em duas áreas distintas da região centro-oeste, vale do rio Manso e vale do rio Araguaia. Os componentes silicosos de esponjas de água doce, comumente denominados de cauixi, foram utilizados como aditivos da pasta cerâmica dos vasilhames de sítios desta região. Entende-se o cauixi como componente natural que teria sido socialmente apropriado como um dos elementos constituintes das tradições culturais expressas nos vasilhames cerâmicos e, por isso, além dos aspectos funcionais do cauixi nos vasilhames, ele também é considerado neste artigo como agente ativo nas relações sociais e/ou simbólica dos grupos envolvidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, A. G. M. A tradição cerâmica Itararé-Taquara: características, área de ocorrência e algumas hipóteses sobre a expansão dos grupos Jê no sudeste do Brasil. Revista de Arqueologia, 20, p. 09-38, 2007.

BALFET, H. (Dir.). Observer l’action technique. Des chaînes opératoires, pour quoi faire? Paris: CNRS. 1991. p.101-18.

BECQUELIN, P. Arqueologia Xinguana. In: COELHO,V. P. (Org.). Karl von Steinein: um século de antropologia no Xingu. São Paulo: Edusp. 1993, p.223-232.

BERRA, J.; DeBlasis, P. A cerâmica de Ferraz Egreja. In: Pré-história do Mato Grosso, São Paulo, EDUSP, Vol 2 Cidade de Pedra, p.191-202. 2006.

BEZERRA DE MENEZES, U. B. A cultura material no estudo das sociedades antigas. Revista de História, 115 (Nova Série), São Paulo, USP, p.103-117, 1983.

BOËDA, E. Technogenèse de systèmes de production lithique au Paléolithique Inférieur et Moyen en Europe Occidentale et au Proche-Orient. 1997. Tese de Doutorado. Université de Paris X – Nanterre. Mimeografado.

CALDARELLI, S. B. Relatório final de prospeccão arqueológica na linha de transmissão 500 kV. Interligação norte sul III, Trecho 2, TO/GO. Relatório técnico Scientia Consultoria Cientifica. 2007.

CHIRINOS, R. P. A variabilidade espacial no sitio Osvaldo: estudo de um assentamento da Tradição Barrancóide na Amazônia Central. Dissertação de Mestrado USP. São Paulo, 2007.

CHILTON, E. S. One size fits all. In : E. Chilton ed. Material Meanings. The University of Utah Press, p. 44-60. 1999.

GARCIA, G. Sobre Técnicas e Decorações Plásticas - a Cerâmica Arqueológica do Sítio Aterro Bem-te-vi/ Pantanal Sul-matogrossense. Monografia defendida pelo curso de arqueologia. PUC Goiás/IGPA, 2010.

GONÇALVES, J. R. S. Teoria Antropológica e Objetos Materiais. In: Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. pp. 14-32. 2007

GONZÁLES, E. M. R. A ocupação Ceramista Pré-colonial do Brasil Central: origens e desenvolvimento. Universidade de São Paulo. Tese de doutorado. São Paulo. 1996.

HAUDRICOUR, A.C. La technologie, science humaine. In: Recherches d’histoire et d’ethnologie des techniques. Paris: Ed. de la Maison des sciences de l’homme. 1987.

INGOLD, T. Tools and Hunter-gatherers. In: The use of Tools by Human and non-human Primates. Ed. By Arlette Berthelet and Jean Chavaillon. Oxford , 1993.

KARLIN, C.; BODU, P.; PELEGRIN, J. Processus techniques et chaînes operatoires. Comment les préhistoriens s’approprient un concept élaboré par les ethnoloques. In: BALFET, H. (Dir.). Observer l’action technique. Des chaînes opératoires, pour quoi faire? Paris: CNRS. p. 101-18, 1991.

KASHIMOTO, E.; MARTINS, G. Arqueologia e Paleoambiente do rio Paraná em Mato Grosso do Sul. Ed. Life. Campo Grande. 2009.

LEMONNIER, P. Elements for an anthropology of technology. University of Michigan, n°88. 1992.LEMONNIER, P. Introduction. In: LEMONNIER, P. (Org.). Technological choices –transformation in material culture since the Neolitic. London: Routledge, p.1- 35. 2002.

LEROI-GOURHAN A. Le geste et la parole. La mémoire et les rythmes. Paris, Albin Michel, p. 247-250, 1964.

MAGALHÃES A. O, VOLKMER-RIBEIRO C, FUJIMOTO L.B.M., BARBOSA M.F., CARDOSO J.L., BARCELOS J.F.M., SILVA C.C., CAMPOS R.R., cunha M.C.F., Freitas-Lemos A..P, Dos Santos M.C.F. Induction of cell migration and activation in mice by the freshwater sponge Drulia uruguayensis Bonetto & Ezcurra de Drago, 1968 Porifera:Metaniidae. The Journal of Venemous Animals and Toxins including Tropical Diseases. 17 (1):66-73. 2011

MAUSS M , Les techniques du corps. Un document produit en version numérique par Jean- arie Tremblay. In: Le cadre de la collection: Les classiques des sciencessociales, p.1-23, 1934.

OLIVEIRA, S. D. de Cauixi na Cerâmica Arqueológica do Brasil Central. Estudo dos sítios GO-JU- 7 e GO- -JU-19. Monografia defendida pelo curso de arqueologia. PUC Goiás/IGPA 2009.

ORTON, C.; TYERS, P. ; VINCE, A. Pottery in archaeology. Cambridge University Press. Cambridge, 1993.

PEIXOTO, J. L. S. A ocupação dos povos indígenas pré-coloniais nos grandes lagos do Pantanal Sul-mato- -grossense. Porto Alegre. Tese e Doutorado. Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

PERLÈS, C. Les industries lithiques taillées de Franchthi Argolide, Grèce. Indiana University Press, Bloomington, Tome I, Fascicle 3. 1987. Washington: Australian National University, Manuals in Archaeology, 4, 1981.

RABARDEL, P. Les hommes & les technologies – approache cognitive des instruments contemporains. Paris: Armand Colin, 1995.

REBELLATO, L. Interpretando a variabilidade cerâmica e as assinaturas químicas e físicas do solo no sitio arqueológico Hatahara – AM. Dissertação de Mestrado. USP. São Paulo, 2007.

SCHIFFER, M. B. Archeological context and systemic context. American Antiquity, 37 (2): 156-165.1975

SCHLANGER, N. Mindful technology: unleashing the chaine operatoire for na archaology of mind. In: RENFREW, C.; ZUBROW, E. B. W. (Ed.). The ancient minds. Elements of cognitive archaeology. Cambridge: Cambridge University Press, p.143-151. 1996.

SCHMITZ, P. I.; WÜST, I.; COPÉ, S. M.; THIES, U. Arqueologia do Centro-Sul de Goiás – uma fronteira de horticultores indígenas no centro do Brasil. Pesquisas, São Leopoldo: IAP, n. 33, 1982.

SIMÕES, M. Considerações preliminares sobre a arqueologia do Alto Xingu (MT). PRONAPA. Resultados preliminares do primeiro ano 1965-1966., Museu Paraense Emílio Goeldi. Publicações Avulsas. Belém, n.6, 1967.

SIMONSEN, I.; OLIVEIRA, A. P. Cerâmica da Lagoa Miararré: notas prévias. Goiânia: Museu Antropológico/Universidade Federal de Goiás, 1976.

SOUZA, M. Carimbos Arqueológicos. Revista de Arqueologia. SAB. V. 18, 2005, p. 43-50.

SOUZA, R. L. Análise Tecnológica Dos Instrumentos Líticos Polidos do Vale do Rio Manso. Monografia defendida pelo curso de arqueologia. PUC Goiás/IGPA, 2010.

VAN DER LEEUW, S. Giving the potter a choice – concedptual aspectos of pottery techniques. Ed. Pierre Lemonnier. In: Tecnological Choices. London, p. 23- 288, 2002.

VILHENA-VIALOU, A; VIALOU, D. Abrigo pré-histórico Santa Elina, Mato Grosso: habitats e arte rupestre. Revista de Pré-história, São Paulo: Universidade de São Paulo, n. 7, p. 34-53, 1989.

VILHENA-VIALOU A.; VIALOU, D. Les premiers peulements préhistoriques du Mato Grosso. Bulletin de la société préhistorique française, Paris, v.91, n. 45, p.257-263, 1994.

VILHENA-VIALOU, A. Pré-História do Mato Grosso, Volume 2: Cidade de Pedra, EDUSP. São Paulo, 2002.

VIANA S. A variabilidade tecnológica do sistema de débitage e de confecção dos instrumentos líticos lascados de sítios lito-cerâmicos da região do rio Manso/MT, tese de Doutorado, PUCRS, p. 355. 2005.

VIANA, S. A. (Org.) Pré-história no vale do rio Manso. Ed. UCG. Goiânia. 2009.

VOLKMER-RIBEIRO, C.; VIANA, S. Cerâmica arqueológica com cauxí. In: VIANA, S. A. (Org). Pré- história no vale do rio Manso. Ed. UCG. Goiânia. 2009.

VOLKMER-RIBEIRO, C.; GOMES, D. M. C. Ferraz Egreja: Implicações zooarqueológicas no estudo do anantiplástico cerâmico. In: VIALOU, A. V. (org.) Pré-História do Mato Grosso, Volume 2: Cidade de Pedra, EDUSP, P. 203-206. São Paulo, 2002.

VOLKMER-RIBEIRO, C.; PAULS, S. M. Esponjas de agua dulce (Porifera, Demospongiae) de Venezuela. Acta Biológica Venezuelana. Cararas, 20 (1): 1-28. 2000.

VOLKMER-RIBEIRO, C.; MOTTA, J. F. M. Esponjas formadoras de espongilito em lagoas do Triângulo Mineiro e adjacências, com a indicação de preservação de habitat. Biociências, Porto Alegre, V. 3, n. 2, p. 145-169. 1995.

VOLKMER-RIBEIRO, C. The freshwater sponges in some peat-bog ponds in Brazil. Amazoniana, 12 (2): 317-335. 1992.

WARNIER, J. P. Construire la culture materielle. L’homme qui pensait avec ses doigts. Paris: Presses Universitaires de France, 1999.

WARNIER, J. P. A Mundialização da Cultura. Lisboa. Ed. Noticias, 2000

WÜST, I. A cerâmica Carajá de Aruanã. Anuário de Divulgação Científica, Goiânia, ano 2, n.2, p. 90-165, 1975.

WUST, I. Aspectos da Ocupação Pré-Colonial em área do Mato Grosso de Goiás. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Ciências Sociais. Área de Antropologia Social, São Paulo, 1983.

WÜST, I. Continuidade e mudança: para uma interpretação dos grupos ceramistas pré- coloniais da Bacia do Rio Vermelho, Mato Grosso. Tese de Doutorado em Arqueologia. Universidade de São Paulo, São Paulo. 1990.

Downloads

Publicado

2011-06-30

Como Citar

A. VIANA, S.; VOLKMER RIBEIRO, C.; DAHER OLIVEIRA, S. Cauixi em cerâmica arqueológica: Uma questão de escolhas culturais. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 24, n. 1, 2011. DOI: 10.24885/sab.v24i1.313. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/313. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo