Viver em Pinheiros, São Paulo (1850-1950)

casa, quintal e refugo

Autores

  • Rafael de Abreu e Souza Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Arqueologia Urbana, São Paulo, Século XX

Resumo

O artigo busca tecer reflexões em torno dos grupos médios que habitaram bairros afastados da cidade de São Paulo, como Pinheiros, entre o final do século XIX e as primeiras décadas do XX. Serão analisados os refugos localizados na Área 5 do sítio Pinheiros 2, relacionada a uma unidade doméstica, abordada sob ótica da household archaeology. Além da pouca literatura disponível sobre o bairro, assim como sobre as camadas médias paulistanas, em zonas perirurbanas, os estudos partem de artefatos referentes ao novecentos, pouco estudados
pela Arqueologia Brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Matrícula n° 9.679 do 10° Oficial de Registro de Imóveis da Capital.

Matrícula n° 9.681 do 10° Oficial de Registro de Imóveis da Capital.

Transcrição n° 37.700 do 1° Oficial de Registro de Imóveis da Capital.

Transcrição n° 8.569 do 4° Oficial de Registro de Imóveis da Capital.

Transcrição n° 12.188 do 4° Oficial de Registro de Imóveis da Capital.

Transcrição n° 9.625 do 4° Oficial de Registro de Imóveis da Capital.

Transcrição n° 16.151 do 4° Oficial de Registro de Imóveis da Capital.

Transcrição n° 16.829 do 4° Oficial de Registro de Imóveis da Capital.

Transcrição n° 16.193 do 4° Oficial de Registro de Imóveis da Capital.

AB’SABER, A. 2004. O solo de Piratininga. In: BUENO, E. (org.). Os nascimentos de São Paulo. São Paulo, Ediouro, pp. 23-46.

ALGRANTI, L. M. 1997. Famílias e vida doméstica. In: NOVAIS,

F. & SOUZA, L. M. (org.) História da vida privada, v. 1. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 54-96.

AMARAL, A. B. 1985. História dos Bairros de São Paulo – Pinheiros. São Paulo, Prefeitura Municipal.

AZEVEDO, A. 1963. Pinheiros: aspectos geográficos de um bairro paulistano. São Paulo, Edusp.

BAUMAN, Z. 2007. Vida de Consumo. Madrid, Fondo de Cultura Económica.

BEAUDRY, M. C. 2004. Doing the Household: new approaches to the Archaeology of Households. In: BARILE, K. S. &

BRANDON, J. C. (org). Theorizing the domestic sphere in Historical Archaeology. Alabama, Alabama University Press, pp. 254-262.

BEAUDRY, M. C. 2004. Household archaeology. ORSER, C. (org.) Encyclopedia of Historical Archaeology. Routledge: London/ NY, 2002, pp. 301-310.

CARVALHO, M. R. R. 1999. Pratos, xícaras e tigelas: um estudo de arqueologia Histórica em São Paulo, séculos XVIII e XIX. Dissertação de Mestrado. São Paulo, Usp.

COELHO, F. (org.) 2002. O Rio Pinheiros. São Paulo, SMA.

DEAECTO, M. M. 2001. Comércio e vida urbana na cidade de São Paulo (1889-1930). São Paulo, Senac.

JORGE, J. 2006. A pesca na cidade de São Paulo, 1890-1940. História – Revista Eletrônica do AESP, 14

LA MOTTA, V. M. & SCHIFFER, M. 1999. Formation processes of house floor assemblages. In: ALLISON, P. M. (org.) The Archaeology of Household Activities. London/NY, Routledge, pp.

-27.

LEMOS, A. C. 1999. A República Ensina a Morar (melhor). São Paulo: Hucitec

LEONE, M. 1984. Interpreting ideology in historical archaeology: using the rules of perspective in William Paca Garden in Annapolis, Maryland. In: MILLER, D. & TILLEY, C. (eds.) Ideology,

Power and Prehistory. Cambridge, Cambridge University Press, pp. 25-35.

LUCAS, M. T. & SHACKEL, P. A. 1994. Changing Social and Material Routine in Nineteenth- Century Harper’s Ferry. Historical Archaeology, 28 (4): 27–36.

MOURA, C. E. M. 1999. Vida cotidiana em São Paulo no século XIX. São Paulo, UNESP.

MOURA, D. S. 2005. Sociedade movediça: economia, cultura e relações sociais em São Paulo (1808-1850). São Paulo, Unesp.

MROZOWSKI, S. A. 1984. Prospects and perspectives on an Archaeology of Household. Man in the Northeast, 24: 31-49.

NAZZARI, M. 2001. O desaparecimento do dote. São Paulo, Cia das Letras.

OLIVEIRA, M. L. F. 2000-2001. Em casas térreas com alcovas. Formas de morar entre os setores médios em São Paulo, 1875- 1900. Anais do Museu paulista, São Paulo, 8/9: 55-76.

PASSOS, M. L. P & EMÍDIO, T. 2009. Desenhando São Paulo: mapas e literatura, 1877-1954. São Paulo: IMESP.

PETRONE, P. 1995. Aldeamentos Paulistas. São Paulo, Edusp.

REALE, E. 1982. Brás, Pinheiros, Jardins. Três bairros, três mundos. São Paulo: Pioneira, Edusp.

REBOUÇAS, L. M. 2000. O planejado e o vivido. São Paulo, Annablume.

SCHIFFER, M. B. 1972. Archaeological context and systemic context. American Antiquity, 37 (2): 156-165.

SCHRIJNEMAEKERS, S. C. 2006. Os significados da casa para as camadas médias. In: LUCENA, C. T. et al (org.) Discutindo identidades. São Paulo, Humanitas/Ceru, pp. 205-228

SNEDDON, A. 2003. Rose-coloured glasses: the Mountain Street Site, Sydney and its limitations in the search for vanished slum communities. Australian Archaeology, n. 63, pp. 1-8

SOUTH, S. 1977. Method and theory in historical archeology. California, Academic Press.

SOUZA, R. A. 2010. Louça branca para a Pauliceia: Arqueologia Histórica da Fábrica de Louças Santa Catharina / IRFM - São Paulo e a produção da faiança fina nacional (1913 - 1937). Dissertação de Mestrado. São Paulo, Usp.

SPOSITO, M. E. B. 2004. O chão em pedaços: urbanização, economia e cidades no Estado de São Paulo. Tese de Livre Docência. Presidente Prudente, Unesp.

SYMANSKI, L. C. P. 1998. Espaço privado e vida material em Porto Alegre no século XIX. Porto Alegre, Edipucrs.

VILLAÇA, F. A. 1997. A delimitação territorial do processo urbano. No prelo.

VILLAÇA, F. 2001. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo, Studio Nobel, Fapesp.

WHEELER, K. 2000. Theoretical and methodological considerations for excavating privies. Historical Archaeological, 34 (1): 3-19.

ZANETTINI ARQUEOLOGIA. 2010. Programa de prospecções e resgate Quadra 090, Setor 008, (Perímetro Nova Luz). São Paulo, s.c.e.

ZANETTINI ARQUEOLOGIA. 2012. Programa de Resgate Arqueológico. Terreno sito à Rua Butantã, nº 298, Bairro de Pinheiros, Município de São Paulo. Sítio arqueológico Pinheiros 2.

São Paulo, s.c.e.

Downloads

Publicado

2012-06-30

Como Citar

DE ABREU E SOUZA, R. Viver em Pinheiros, São Paulo (1850-1950): casa, quintal e refugo. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 25, n. 1, p. 128–143, 2012. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/343. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo