Caracterização de solos com terra preta

Estudo de caso em um sítio tupi-guarani pré-colonial da Amazônia oriental

Autores

  • Jucilene Amorim Costa
  • Lorena Garcia
  • Dirse Clara Kern
  • Francisco Juvenal Lima Frazão

Palavras-chave:

Amazônia Oriental, Terra Preta de índio, sítio Onça Puma 3

Resumo

Na Amazônia há uma ampla extensão de solos que resultam de ocupações indígenas pré-coloniais. Esses solos, muito férteis e estáveis, são denominados Terra Preta de Índio (TPI), e são correlacionados à deposição de matéria orgânica, maior espessura do refugo ocupacional e maior densidade de cerâmica, indicando áreas de atividades constituídas ao longo do tempo por diferentes processos de ocupação humana no passado. Na Amazônia Oriental, região de interflúvio Xingu-Tocantins, alguns estudos vem demonstrando que a formação da TPI nos sítios arqueológicos está intimamente relacionada ao estabelecimento das populações falantes de línguas Tupi-Guarani, aspecto esse evidenciado no sítio Onça Puma 3 a partir da correlação entre os depósitos de TPI e o estilo tecnológico das cerâmicas identificadas nesses sítios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABBEVILLE, C. D’[1614]. 1975. História da missão dos Padres Capuchinos na Ilha do Maranhão e Terras Circunvizinhas. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP.

ALMEIDA, F. O. de. 2008. O Complexo Tupi da Amazônia Oriental. Dissertação Mestrado. São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, 353 p.

ALMEIDA, F. O.& GARCIA, L. 2008. Aspectos do Espaço Tupinambá. Revista da SAB, vol. 21, n. 2, p.97-119.

ALMEIDA, F.O. de. 2013. A Tradição Policroma no alto Rio Madeira. Tese doutorado. São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, 650 p.

AMMERMAN, A. J. Surveys and archaeological research. Annual Review of Anthropology, 1981 (10): 63-88.

ARAÚJO COSTA, F. 1983. Projeto Baixo Tocantins: Salvamento Arqueológico na Região de Tucuruí – Pará. Dissertação de Mestrado, São Paulo, Universidade de São Paulo, 72 p.

ARAÚJO COSTA, F. CALDARELLI, S.B. 1988. Relatório do Programa de Estudos Arqueológicos na Área do Reservatório de Kararaô (PA). Belém, MPEG, 2 vol.

BALEÉ, W. 1989. The Culture of Amazonian Forests. In: POSEY, D. A; BALEÉ, Willian (eds.). Resource Management in Amazonia: Indigenous and Folk Strategies, bulletin 7, p.1-17.

BALEÉ, W. 2000. Antiquity of tradicional ethnobiological knowledge in Amazonia: The Tupí-Guaraní family and time. Ethnohistory, 47 (2).

BALEÉ, W. 2013. Cultural Forests of the Amazon: A historical ecology of people and their landscapes. The University of Alabama Press, Tuscaloosa, Alabama.

BANNING, E.B. 2002. Archaeological Survey. New York, Kluwer Academic/Plenum Publishers.

BENNEMA, J., 1977. Soils. In: BENNEMA, J. (Ed.), Ecophysiology of Tropical Crops. Academic Press, New York, pp. 29-55.

BLANKHOLM, C. 1991. Intrasite spatial analysis in theory and practice. Denmark, Aarthus Univ. Press.

BROCHADO, J. J. P. 1984. An Ecological Model of the Spread of Pottery and Agriculture into eastern South America. PhD Dissertation, University of Illinois at Urbana Champain.

CARR, C. 1995. Building a Unified Middle-Range Theory of Artifact Design: Historical perspectives and Tactics. In: CARR, C.; NEITZEL, J. E. Style, Society and Person: Archaeological and Ethnological Perspectives. New York, London: Plenum Press, p.151-170.

CHARTKOFF, J. 1978. Transect interval in forests. American Antiquity, vol. 43, nº1, pp. 46-53.

CLARKE, D. L. 1977. Spatial Information in Archaeology. In: Spatial Archaeology. London and New York, Academic Press, p.1-32.

CORRÊA, Â. A. 2014. Pindorama Mboîa e Îakaré: continuidade e mudança na trajetória das populações Tupi. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

COSTA, J. A.; COSTA, M.L.; KERN, D. C. 2013. Analysis of the spatial distribution of geochemical signatures for the identification of prehistoric settlement patterns in ADE and TMA sites in the lower Amazon Basin. Journal of Archaeological Science, v. 40, p. 2771-2782.

COUREAU, H. [1897]. 1980. Viagem á Itaboca e ao Itacaiúnas. tradução de Eugenio Amado. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, (Coleção Reconquista do Brasil, v. 60)

CUNHA FRANCO, E.1962. As “Terras Pretas” do planalto de Santarém. Rev. da Sociedade Agrônomia e Veterinária. Pará, v. 8, p.17-21.

D’ÉVREUX, Y.[1613-1614]. 2002. Viagem ao Norte do Brasil: feita nos anos de 1613 e 1614. São Paulo: Siciliano, 3. ed., 379 p.

EDEN, M.J.; BRAY, W.; HERRERA, L. MCEWAN, C. 1984. Terra Preta soils and their archaeological context in the Caqueia Basins of southeast Colombia. American Antiquity, nº 49, p. 125-140.

ERICKSON, C. 2003. Historical Ecology and Future Explorations. In KERN, D. C. LEHMANN, J.; KERN,

D.C.; GLASER, B. WOODS, W.I. Amazonian Dark Earths. Origin, properties and management. Dordrecht, Kluwer Academic Publishers, 455-500p.

FALESI, I.C. 1970. Solos de Monte Alegre. Belém, IPEAN, (Série Solos da Amazônia, v.2, n.1).

FALESI, I.C. 1972. O estado atual dos conhecimentos sobre os solos da Amazônia brasileira. In: Zoneamento Agrícola da Amazônia (1a aproximação). Belém, IPEAN, 153 p.(Boletim Técnico, 54).

FALESI, I., 1974. Soils of Brazilian Amazon. In: WAGLEY, Ch (Ed.), Man in the Amazon.

FAUSTO, C.. 2001. Inimigos Fiéis: história, guerra e xamanismo na Amazônia. São Paulo, EDUSP.

FERNANDES, F.. 1963. A organização social dos Tupinamba. São Paulo, Difusão Europeia do Livro, 2. ed.(Corpo e Alma do Brasil)

FERRING, C.R. Intrasite Spatial Patterning: its role in settlement-subsistence systems analysis. London: Cambridge University Press, 1984.

FIGUEIREDO, N.. 1965. A cerâmica arqueológica do rio Itacaiúnas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, n. 27.

FLANNERY, K. V. WINTER, M. 1976. Analyzing household activities. In: FLANNERY, K.V. (ed.). The Early Mesoamerican Village. New York: Academic Press, p. 34-47.

FRIKEL, P. 1963. Notas sobre a situação atual dos índios Xikrin do Rio Caeteté. Revista do Museu Paulista, nova série, v.XIV, São Paulo, p.145-158.

GARCIA, L.. 2012. Arqueologia na região dos interflúvios Xingu-Tocantins: A ocupação Tupi no Cateté. Dissertação de Mestrado. São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, 378 p.

GOMES, D.C. 2002. Cerâmica Arqueológica da Amazônia. São Paulo: Fapesp, Edusp,

GOMES, D.C. 2008. Cotidiano e Poder na Amazônia Pré-colonial. São Paulo: Edusp,

GORDON, C. 2006. Economia Selvagem: Ritual e Mercadoria entre os índios Xikrin-Mebêngokrê. São Paulo: UNESP, ISA; Rio de Janeiro: NUTI.

GREENE, K. Archaeology: An Introduction. London: Batsford Ltd, 3º Ed, 1999.

GUAPINDAIA, V.L.C. 1993. Fontes Históricas e Arqueológicas sobre os Tapajó de Santarém:A Coleção “Frederico Barata” do Museu Paraense Emílio Goeldi.Unpublished MA Dissertation, Federal University of Pernambuco.

GUAPINDAIA, V.L.C. 2008. Além da margem do rio – a ocupação Konduri e Pocó na região de Porto Trombetas, PA. Unpublished PhD thesis, University of São Paulo.

HECKENBERGER, M. 1996. War and Peace in the shadow of empire: sociopolitical change in the Upper Xingu of Southeast Amazônia, A.D 1400-2000. University of Pittsburgh.

HIETALA, H. J. 1984. Intrasite spatial analysis in archaeology. New York. Cambridge University Press.

HILBERT, P.P. HILBERT, K. 1980. Resultados preliminares da pesquisa arqueológica nos rios Nhamundá e Trombetas, Baixo Amazonas. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, Nova série Antropologia, n. 75, 1-15.

HODDER, Ian (ed). 1987. Archaeology as long-term history. Cambridge: Cambridge University Press, (New Directions in Archaeology).

IBGE. Mapas temáticos. 2009. Disponível em: www.ibge.gov.br.

KÄMPF, N. KERN, D.C. 2005. O solo como registro da ocupação humana pré-histórica na Amazônia. In Trópicos em ciência do solo. Viçosa, MG: Sociedade brasileira de ciência do solo, vol. 4, julho.

KÄMPF, N. et al. 2003. Classification of Amazonian Dark Earths and other ancient anthropic soils. In: J.

LEHMANN, D.C. KERN, B. GLASER, & W.I. WOODS (eds) Amazonian Dark Earths: origin, properties, Management. The Netherlands: Kluwer Academic Publishers. 77-102p.

KENT, S. 1987. Method and theory for activity área research: na ethnoarchaeological approach. New York. Colombia University Press.

KERN, D. C. 1996. Geoquímica e pedogeoquímica de sítios arqueológicos com terra preta na floresta nacional de Caxiuanã (Portel-Pa). Tese de Doutorado. Belém, Centro de Geociências, Universidade Federal do Pará, 124p.

KERN, D.C. 1988. Caracterização pedológica de solos com Terra Preta Aqueológica na região de Oriximiná, Pará. Tese de Mestrado, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 232 p.

KERN, D. C. et al. 2003. Distribution of Amazonian Dark Earths in the Brasilian Amazon. In LEHMANN,

J.; KERN, D.C.; GLASER, B. WOODS, W.I. Amazonian Dark Earths. Origin, properties and management. Dordrecht, Kluwer Academic Publishers, 51-75p.

KERN, D.C., COSTA, M.L., FRAZÃO, F.J.L. 2004. Evolution of the scientific knowledge regarding Black Earth soil in the Amazon. In B. GLASER, W.I. WOODS (Eds.), Explorations in Amazonian Dark Earth. Heidelberg: Springer.

KERN, D.C.; COSTA, J.A; SILVEIRA, M. I.; OLIVEIRA, E. R.; FRAZÃO, F. J. L; BERREDO, J. F.; COSTA,

M. L.; KÃMPF, N. 2015. Pedo-Geoquimical Signatures of Archaeological Sites in the Tapirapé-Aquiri National Forest in Marabá, Brasil. Geoarchaeology: an international Journal, 30, 430-451.

KERN, D.C.; FRAZÃO, F.J.L.; COSTA, M.L; FRAZÃO, E. & JARDIM, M.A. 1999. A influência das palmeiras como fonte de elementos químicos em sítios arqueológicos com Terra Preta. SIMPÓSIO DA

GEOLOGIA DA AMAZÔNICA 6., Manaus. Anais. Manaus, Sociedade Brasileira de Geografia, p.347-350.

KERN, D.C. KÄMPF, N. 1989. O Efeito de Antigos Assentamentos Indígenas na Formação de Solos com Terra Preta Arqueológica na Região de Oriximiná-Pa. Rev. Bras. Ci. Solo, Campinas,. 13: 219-25.

KROLL, E. M. PRICE, T. D. (eds.) 1991. The Interpretation of Archaeological Spatial Patterning. Plenum Press, New York e London.

LATHRAP, D.W.1970. The Upper Amazon. London: Thames and Hudson.

LEHMANN, J.; KERN, D.C.; GLASER, B. WOODS, W.I. 2003. Amazonian Dark Earths. Origin, properties and management. Dordrecht, Kluwer Academic Publishers, 505p.

LEITE, S.J [1938].2004a. Histórica da Companhia de Jesus no Brasil. São Paulo: Edições Loyola, 2. ed., v. 2, Tomos IV-VI.

LEITE, S.J [1938]. 2004b. Histórica da Companhia de Jesus no Brasil. São Paulo: Edições Loyola, 2. ed., vol. 1, Tomos I – III.

LEMOS, R. C. de. SANTOS, R. D. dos. 2002. Manual de descrição e coleta de solo no campo. Visoça, 4 ed. SBCS, 83p.

LIZEE, T. PLUNKETT, T. 1996. Archaeological Sampling Strategies. University of Connecticut (www.lib.uconn.edu/).

MAGALHÃES, M. P. 1994. Arqueologia de Carajás. Rio de Janeiro: Vale do Rio Doce.

MEGGERS, B. EVANS, C. 1961. An experimental formulation of horizon styles in theTropical Forest Area of South America. In: S.K. LOTHROP (ed.), Essays in Pre-Columbian Art and Archaeology. Cambridge: Harvard University Press, 372-288.

MENÈNDEZ, M. 1992. A área Madeira-Tapajós: situação de contato e relações entre colonizador e indígenas. In: M.C. da Cunha (ed.), História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 281-296.

MUELLER (ed.) 1975. Sampling in Archaeology. Tucson, The University of Arizona Press, p.147-154.

MUNSELL COLORS COMPANY. 2000. Munsell soil colors charts. Baltimore.

NEVES, E.G. 2008. Ecology, Ceramic Chronology and Distribution, Long-Term History, and Political Change in the Amazonian Floodplain. In: SILVERMAN, Helaine; ISBELL, William. Handbook of South American Archaeology, London: Springer, p. 359-379.

NEVES, E. G.; PETERSEN, J. B. 2006. Political economy and pre-Columbian landscape transformations in Central Amazonia. In.: BALÉE, W. ERICKSON, C. Time and complexity in historical ecology: Studies in the neotropical lowlands. Editado por, pp. 279-309. New York: Columbia University Press.

NEVES, E.G., PETERSEN, J.B., BARTONE, R.N., SILVA, C.A., 2003. Historical and sociocultural origins of Amazonian Dark Earths. In: LEHMANN, J., KERN, D.C., GLASER, B., WOODS, W.I. (Eds.), Amazonian Dark Earths. Origin, Properties and Management. Kluwer Academic Publishers, pp. 29-50.

NEVES, E.G.; PETERSEN, J.B.; BARTONE, R.N.; HECKENBERGER, M.J. 2004. The Timing of terra preta formation in the central amazon: archaeological data from three sites. In B. Glaser, & W.I. Woods (Eds.), Explorations in Amazonian Dark Earth. Heidelberg: Springer.

NIMUENDAJU, C.. 1948. Tribes of the lower and middle Xingú River. In: STEWARD, J. H. (ed). Handbook of South American Indians: The Tropical Forest Tribes, v.3, Washington: Smithsonian Institution, Bureau of American Ethnology Bulletin 143, p.213-243.

NOELLI, F.S. 1993. Sem Tekoha não há Tekó: Em busca de um modelo Etnoarqueologico da Aldeia e da subsistência Guarani e sua Aplicação a uma área de Domínio no Delta do Rio Jacuí-RS. Porto Alegre, 1993. Dissertação (Mestrado), Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul-Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Porto Alegre.

NOELLI, F.S . 1996. As hipóteses sobre o centro de origem e rotas de expansão dos Tupi. Revista de Antropologia, v. 39, n. 2, FFLCH/USP, São Paulo, p. 08-53.

NOELLI, F.S. 1998. The Tupi: explaining origin and expansions in terms of archaeology and historical linguistics. Antiquity, Special sections: Issues in Brazilian archaeology, vol. 72, n. 277, p.648-663.

NOELLI, F.S. 2004. La Distribuición Geográfica de Las Evidencias Arqueológicas Guarani. Revista de Índias, v.LXIV, n. 230, p.17-34.

NOELLI, F.S. 2008. The Tupi Expansion. In: SILVERMAM, H.; ISBELL, W. H. (eds), The Handbook of South American Archaeology. London: Springer Science, Business Media, LLC, p.659-670.

ORTON, C. Sampling in Archaeology. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

PABST, E. 1991. Critérios de distinção entre Terra Preta e Latossolo na região de Belterra e seus significados para a discussão pedogenética. B. Museu Paraense Emílio Goeldi, 7:5-19.

PALMATARY, H.C. 1960. The Archaeology of the Lower Tapajós Valley: Brazil. Transactions of the American Philosophical Society, New Series, n. 50.

PEREIRA, E.; SILVEIRA, M.I.; RODRIGUES, M. C. L. F.; COSTA, C.J.; MACHADO, C. L.. 2008. A Tradição Tupiguarani na Amazônia. In: PROUS, André e LIMA, Tânia (org.), Ceramistas Tupiguarani. Belo Horizonte: IPHAN/Ministério da Cultura, Sigma, p. 49-66.

PEROTA, C.. 1977. Relatório de Trabalho de Campo, Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas da Bacia Amazônica. Vitória, ES.

PEROTA, C.. 1978. Relatório de Trabalho de Campo, Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas da Bacia Amazônica. Vitória, ES.

PEROTA, C.. 1992. Adaptação Agrícola no baixo Xingu. In: Prehistória Sudamericana; Nuevas Perspectivas. Santiago: Taraxacum, p. 221-218.

PETERSEN, J.B.; NEVES, E. , HECKENBERGER, M.J. 2001. Gift from the past: Terra Preta and prehistoric amerindian occupation in Amazonia. In: MCEWAN, C.; BARRETO, C. NEVES, E.G., eds. Unknown Amazon. London, The British Museum Press, p.86-105.

PLOG, S; PLOG, F. e WAIT, W. 1978. Decision Making in Modern Surveys. In: PLOG, S; PLOG, F. e

WAIT, Decision making in modern surveys. Advances in Archaeological Method and Theory, 1:384-21.

RANZANI, G., KINJO, T., FREIRE, O., 1962. Ocorrência de “Plaggen Epidedon” no Brasil.

REDMAN, C. 1973. Multistage fieldwork and analytical techniques. American Antiquity, 38:61-79.

RENFREW, C. & BAHN, P. 1993. Teorías, Métodos y Prácticas. Traducción María Jesús Mosquera Rial Torrejón de Ardoz. Madrid: Akal.

ROSKAMS, S. 2001. Excavation. Cambridge University Press, Cambridge.

SACKET, J. 1977. The meaning of Style in Archaeology: a general model. American Antiquity, 42 ( 3): 369-380.

SCHIFFER, M. B. 1991. Formation Processes f the archaeological record. Albuquerque: University of New Mexico Press, 428 p.

SCHIFFER, M.B. et al. 1978. The design of archaeological surveys. World Archaeology., 10, (1): 1-28.

SCHIFFER, M.B. SKIBO, J. 1997. The explanation of artifact variability. American Antiquity, 62 (01): 27-50.

SCHMIDT, M. 2013. Amazonian Dark Earths: pathways to sustainable development in tropical rainforests?. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum.,vol.8, no.1, p.11-38

SCIENTIA. 2008. Arqueologia Preventiva na Área de Intervenção da Mineração Onça Puma e Linha de Transmissão associada, Sudeste do Pará - Relatório Final.

SHOTT, M. 1995. Reliability of Archaeological Records on Cultivated Surfaces: A Michigan Case Study. Journal of Field Archaeology, vol. 22, nº 4, pp. 475-490.

SHOTT, M. J. 1991. Archaeological Implications of Revisionism in Ethnography. Michigan Discussions in Anthropology, p. 10:31-40.

SHOTT, M. 1989. Shovel-Test Sampling in Archaeological Survey: Comments on Nance and Ball, and Lightfoot. American Antiquity, vol. 54, nº2, pp. 396-404.

SILVA, B.N.R.; ARAUJO, J.V.; RODRIGUES, T.E.; FALESI, C.I. & REGO,R.S. 1970. Os solos da área de Cacau Pirera-Manacapuru. IPEAN, Série Solos da Amazônia, Belém, 2:1-198.

SILVA, F. A. 2000. As tecnologias e seus significados: Um Estudo da cerâmica dos Asuriní do Xingu e da cestaria dos Kaiapó-Xikrin sob uma perspectiva Etnoarqueologica. São Paulo, 2000. Tese (Doutorado), Departamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SILVA, F.A.. 2003. Cultural Behaviors of indigenous population and the formation on the archaeological record in amazonian dark earths: The Asurini do Xingú case study. In: LEHMANN, J. Amazonian Dark Earths: Origin, properties, management. Kluwer Academic Publishers, p.373-386.

SILVA, F. A. 2010. As Atividades Econômicas das Populações Indígenas Amazônicas e a Formação das Terras Pretas: O Exemplo dos Asurini do Xingu. In TEIXEIRA, W.G; KERN, D. K.; MADARI, B.E;

LIMA, H. N.; WOODS, W. (Eds.). As Terras Pretas de índio da Amazônia: Caracterização e uso deste conhecimento na criação de novas áreas. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas/Embrapa Amazônia Ocidental, p.54-61.

SILVA, F. A. 2013. Território, lugares e memória dos Asurini do Xingu. Revista de Arqueologia (Sociedade de Arqueologia Brasileira. Impresso), v. 26, p. 28-41.

SILVA, F.A. et al. 2004. A arqueometria e a Análise de Artefatos Cerâmicos: um estudo de fragmentos

cerâmicos etnográficos e arqueológicos por fluorescência de Raios X (EDXRF) e transmissão Gama. Revista de Arqueologia da SAB, v. 17, p.41-61.

SILVA, F.A. STUCHI, F. F. 2010. Evidências e significados da mobilidade territorial: A terra indígena Kaiabi, Mato Grosso, Pará. Amazônica, v.2, n. 1, p.38-59.

SILVA, F. A.; BESPALEZ, E.; STUCHI, F. F. 2011. Arqueologia Colaborativa na Amazônia: Terra Indígena Koatinemo, Rio Xingu, Pará. Revista Amazônica 3, nº1. Belém.

SILVA, F. A.; Garcia, L. 2015. Arqueologia Colaborativa na Amazônia: Terra Indígena Kuatinemu, Rio Xingu, Pará. Revista Amazônica 7 ( nº1) Belém, p.74-99.

SILVEIRA, M. I. ; KERN, D. C.; OLIVEIRA, E. R.; FRAZÃO, F.J. L. 2007. Seriam as Terras Pretas Arqueológicas grandes áreas contínuas? O caso dos sítios Bitoca 1 e Bitoca 2 na região de Carajás-PA. In: Anais do XI Congresso da Sociedade Brasileira de Estudos do Quaternário-ABEQUA, Belém-Pa: Museu Goeldi, v. 1.

SILVEIRA, M. I.; RODRIGUES, M. C.; OLIVEIRA, E.; LOSIER, L.M. 2008. Sequência Cronológica de Ocupação na Área do Salobo (Pará). Revista de Arqueologia, v.21, n. 1.

SIMÕES, M.F. 1972. Índice das fases arqueológicas Brasileiras (1950-1971). Museu Paraense Emílio Goeldi (Publicações Avulsas v. 18), Belém, PA, 75.p.

SIMÕES, M.F. 1986. Salvamento arqueológico. In. ALMEIDA JR, José M. Gonçalves (org.). Carajás: desafio político, ecologia e desenvolvimento. Brasília-DF: Ed. Brasiliense, CNPq.

SIMÕES, M. F. ARAÚJO-COSTA, F. 1978. Áreas da Amazônia Legal Brasileira para pesquisa e cadastro de sítios arqueológicos. Belém/PA: MPEG (Publicações Avulsas, v. 30).

SIMÕES, MF.; CORRÊA, C. G.; MACHADO, A.L.. 1973. Achados Arqueológicos no Baixo rio Fresco – Pará. Belém/PA: MPEG, 142 p.(Publicações Avulsas, v.20).

SMITH, N.J.H. 1980. Anthrosols and human carrying capacity in amazonia. Ann. Assoc. Am. Geogr., 70:553-566.

SOMBROEK, W. 1966. Amazon soil: A reconnaissance of the soils of the Brazilian Amazon region. Wageningen, Centre for Agricultural Publications and Documentation, 292p.

STARK, M. (Ed.) 1998. The archaeology of social boundaries. Washington: SMITHsonian Institution Press.

STENBORG, P.; SCHAAN, D.; LIMA, A.M.A.2012. Precolumbian land use and settlement pattern in the Santarén region, Lower Amazon. Amazônia: Revista de Antropologia, nº 4, p.222-250.

TEIXEIRA, W.G; KERN, D. K.; MADARI, B.E; LIMA, H. N.; WOODS, W. (Eds.)2010. As Terras Pretas de índio da Amazônia: Caracterização e uso deste conhecimento na criação de novas áreas. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas/Embrapa Amazônia Ocidental.

TONEY, J.R. 2012. Pottery Technology in the upper Xingu, southern amazon, Brazil, A.D. 700-1770. Doctor Degree Dissertation. Florida University of Florida, 327 p.

TURNER, T. 1992. Os Mebêngôkre Kayapó: História e Mudança Social: De comunidades autônomas para coexistência interétnica. tradução: Beatriz Perrone-Móises. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (ed.), História dos índios do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, p. 311-339.

URBAN, G. 1992. A história da cultura brasileira segundo línguas nativas. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (ed.), História dos índios do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, p.87-102.

VIDAL, L. 1977. Morte e vida de uma sociedade indígena brasileira: os Kayapó-Xicrin do Rio Cateté. São Paulo: Ed. HUCITEC.

VIEIRA, L.S. 1975. Manual da ciência do solo. São Paulo, Agronômica Ceres, 464p.

VIVEIROS DE CASTRO, E.B. 1986. Araweté: Os deuses Canibais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

WANDSNIDER, L. CAMILLI, E. 1992. The Character of Surface Archaeological Deposits and Its Influence on Survey Accuracy. Journal of Field Archaeology, vol. 19, nº.2, pp.169-188.

WHITE, G. G. & KING, T. F. 2007. The Archaeological Survey Manual. Walnut Creek, Ca., Left Coast Press.

ZECH, W.; PABST, E. & BECHTOLD, G. 1979. Analytische Kennzeichnung von Terra Preta do Índio. Mitt. Dtsch. Bondenk. Ges., 29:709-716.

ZUCCHI, A. 1985. Evidencias arqueológicas sobre grupos de posible lengua Caribe. Antropológica, 63-64, 23-44.

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

AMORIM COSTA, J. .; GARCIA, L. .; CLARA KERN, D. .; JUVENAL LIMA FRAZÃO, F. . Caracterização de solos com terra preta: Estudo de caso em um sítio tupi-guarani pré-colonial da Amazônia oriental. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 52–81, 2015. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/415. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo