O pseudo-sítio arqueológico da UFMG

Autores

  • Paulo Roberto Antunes Aranha
  • Marcos Antônio Timbó Elmiro
  • Ana Paula de Paula Loures de Oliveira
  • Leandro Elias Canaan Mageste
  • Mateus Alves dos Santos

Palavras-chave:

pseudo-sítio arqueológico, sítio arqueológico controlado, Zona da Mata mineira

Resumo

A construção de um pseudo-sítio arqueológico, ou sítio arqueológico controlado, foi realizada na Estação Ecológica da Universidade Federal de Minas Gerais com o objetivo de simular um sítio arqueológico natural. Tal criação será importante para o aprimoramento de estudos arqueológicos em Minas Gerais. Além dos métodos clássicos de pesquisas arqueológicas, métodos geofísicos serão testados no pseudo-sítio como norteadores em pesquisas do gênero no Brasil e em especial na Zona da Mata Mineira. O pseudo-sítio consiste em uma cava de 9m2, circundada por uma faixa de 1m de largura, o que determina uma área de estudo de 25 m2. Foi criado um mapa contendo o entorno da cava e as posições das peças dispostas no seu interior. Dentre os artefatos estão fragmentos de vasos cerâmicos de diversas dimensões, ossadas de animais, vasos cerâmicos de diversos tamanhos e em posição espaçadas de forma irregular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAGÃO, P.C.; LUIZ, J.G. & LOPES, P.R.C., 2005. Metodologia geofísica aplicada a salvamento arqueológico de área adjacente a mineroduto no Nordeste do Pará. In: Congresso Internacional da Sociedade Brasileira de Geofísica. Salvador: 2005. CD-ROM.

ARANHA, P.R.A., 2006. Possibilidades e limites da aplicação do geo-radar em arqueologia: Teixeira Lopes e Emílio Barão, Juiz de Fora, MG. In: OLIVEIRA, A.P.P.L. (Org) Arqueologia e patrimônio da Zona da Mata mineira. Juiz de Fora: Editar, 2006. 220p.

BARKER, D.B. DOOLITTLE, J. 1992. Ground-penetrating radar - an archaeological tool. Cultural Resource Management. 15(5): p.25-28.

BORGES, W.R. 2007 - Caracterização geofísica de alvos rasos com aplicações no planejamento urbano e meio ambiente: Estudo sobre o sítio controlado do IAG/USP. Tese de Doutorado. Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas, Universidade de São Paulo, SP. 256p.

CÉZAR, G.S.; ROCHA, P.L.F.; BUARQUE, A. & COSTA, A., 2001. Two brazilian archaeological sites investigated by GPR: Serrano and Morro Grande. Journal of applied Geophysics, V.47.

CONAMA, 1986 – Resolução Conama nº 1, de 23 de janeiro de 1986 Publicada no DOU, de 17 de fevereiro de 1986, Seção 1, páginas 2.548-2.549.

CONYERS, L.B. 2004. Ground penetrating radar for archaeology. Series: Geophysical Methods for Archaeology. Altamira Press. 223p.

CONYERS, L.B. 2006. Developing an efficient and cost effective Ground-Penetrating Radar field methodology for subsurface exploration and mapping of cultural resources on public lands. SERDP Final Technical Report. Arlington, VA. EUA. 118p.

ESTAÇÃO ECOLÓGICA DA UFMG - Belo Horizonte. Disponível em: <http://www.ufmg.br/estacaoecologica/index.php?option=com_content&task=view&id=12&Itemid=26> Acessado em: 16 de Abril/2011.

FUDE, T.; JIANLI, C. & HAI, Z. 2012. Controlled Archaeological Test Site: concept and design. Journal of National Museum of China – V. 07. p.134-145.

HILDEBRAND, J.A., WIGGINS, S.M., HENKART, P.C. & CONYERS, L.B. 2002. Comparison of seismic

reflection and ground penetrating radar imaging at the controlled archaeological test site. Champaign, Illinois, USA. Archaeological Prospection, V9, p.9-21.

HQUSACE. 2007. Selecting archaeological sites for geophysical survey. Public Works Technical Bulletin 200-4-42 . February. Washington, DC. EUA. 56p.

IPHAN, 1988 – Portaria Iphan nº 07/88 - http://portal.iphan.gov.br/portal/baixaFcdAnexo.do?id=319

ISAACSON, J.; HOLLINGER, E.; GUNDRUM, D. & BAIRD, J. 1999. A Controlled Archaeological Test Site facility in Illinois: training and research in archaeogeophysics, Volume 26, Issue 2 (01 January 1999), p. 227-236.

MOHD, N., MUZTAZA, N., MOKHTAR SAIDIN, M., AZWIN, I.N. & SAAD, R. 2012. Archaeological structure detection using 3D GPR survey in Jeniang, Kedah, Malaysia. International Conference on Geological and Environmental Sciences - 2012. IPCBEE vol.3 (6). IACSIT Press, Singapura.

PORSANI, J.L., 2003. Instalação de área para testes controlados de geofísica rasa no IAG/USP. In: III Workshop de geofísica aplicada à engenharia e meio ambiente. São Paulo: ABGE. 122p.

SILVA, G.I. 2011. Zona da mata de minas gerais. Disponível em:<http://www.tratosculturais.com.br/zona%20da%20mata/univlercidades/geografia/index.htm >.Acessado em: 16 de Abril/2011

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

ANTUNES ARANHA, P. R. .; TIMBÓ ELMIRO, M. A. .; DE PAULA LOURES DE OLIVEIRA, A. P. .; CANAAN MAGESTE, L. E. .; ALVES DOS SANTOS, M. . O pseudo-sítio arqueológico da UFMG. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 82–92, 2015. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/417. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo