O silêncio do corpo

intersexualidade invisibilizada no cemitério do Bonfim

Autores

  • Luísa de Assis Roedel Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v20i2.545

Palavras-chave:

Arqueologia da Intersexualidade, Arqueologia Cemiterial, Arqueologia das Práticas Funerárias

Resumo

O presente artigo baseia-se em uma pesquisa em andamento que, através de um olhar arqueológico apoiado em noções da Antropologia do Gênero, buscou abordar relações de gênero expressas no Cemitério do Bonfim, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Como estudo de caso será analisada a sepultura referente à Herculine Barbin, que estabelece um pano de fundo para iniciar, desde a cultura material, o entendimento da intersexualidade na capital mineira. A discussão perpassa a compreensão da categoria “intersex” por algumas instituições – principalmente no pensamento biomédico – em um contexto delimitado, em uma sociedade moderna e ocidental. Finalmente, podemos perceber como o túmulo em questão expressa uma série de relações de gênero (mas não somente) em vida que são perpetuadas para a cidade dos mortos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-12-30

Como Citar

ROEDEL, L. de A. O silêncio do corpo: intersexualidade invisibilizada no cemitério do Bonfim. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 30, n. 2, p. 71–85, 2017. DOI: 10.24885/sab.v20i2.545. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/545. Acesso em: 16 ago. 2022.