Por que preservar?

Autores

  • Cornelius Holtorf Linnaeus University

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v20i2.555

Resumo

Especialistas do patrimônio cultural frequentemente pressupõem que os vestígios do passado são inerentemente valiosos e que merecem ser perpetuados. Consequentemente, fazem seu melhor para preservar os sítios arqueológicos, os objetos e a informação contida neles para a posteridade. Contudo, o paradigma preservacionista do patrimônio não é mais que um nobre esforço de proteger o passado para o futuro em nome de valores intemporais. De fato, o discurso contemporâneo do patrimônio pode ser melhor entendido se situado firmemente no contexto cultural e histórico específico da civilização Europeia – e por extensão, global – dos últimos séculos. A fim de avançar nessa ideia, os estudos históricos parecem úteis para iluminar as origens e desenvolvimentos desse paradigma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-12-30

Como Citar

HOLTORF, C. . Por que preservar?. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 30, n. 2, p. 193–207, 2017. DOI: 10.24885/sab.v20i2.555. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/555. Acesso em: 16 ago. 2022.