NUVIS-UFPE

uma proposta inovadora de extroversão da reserva técnica associada ao laboratório LACOR-UFPE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i3.846

Resumo

O presente artigo aborda o desafio que envolve a restrição dos espaços e a falta de comunicação dos bens arqueológicos nas reservas técnicas das instituições responsáveis por sua salvaguarda, ao problematizar a situação atual do acervo da reserva técnica do Laboratório de Arqueologia para Conservação e Restauro da Universidade Federal de Pernambuco. Através da apresentação de singulares experiências nacionais e internacionais, pode-se apontar contribuições que potencializam o uso das reservas técnicas como espaço de extroversão. O resultado deste trabalho é a proposição de uma nova forma de gestão e comunicação de acervos arqueológicos, aqui na forma do Núcleo de Visitação da Universidade Federal de Pernambuco, como uma inovadora experiência de fazer essa extroversão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERTIN, Fauzia; BETTUZZI, Matteo; BRANCACCIO, Rosa; MORIGI, Maria Pia; CASALI, Franco. X-Ray Computed Tomography In Situ: An Opportunity for Museums and Restoration Laboratories. Heritage, v. 2, n. 3, p. 2028-2038, 2019.

BORDINHÃO, Kátia; VALENTE, Lúcia; SIMÃO, Maristela dos Santos. Caminhos da memória: para fazer uma exposição. Brasília: IBRAM, 2017.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Musealização da arqueologia: um estudo de modelos para o projecto de Paranapanema. Cadernos de Sociomuseologia, v.17, n. 17, 1999.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. Musealização da Arqueologia. Revista de Arqueologia, p. 4-5, 2013.

CAESAR, Lucinda. Store Tours: Accessing Museums’ Stored Collections. Papers from the Institute of Archaeology, v. 18, n. S1, 2007.

CALDARELLI, Solange Bezerra; CÂNDIDO, Manuelina Maria Duarte. Desafios da Arqueologia Preventiva: como gerir e socializar o imenso volume de materiais e documentos por ela produzidos?. Revista Arqueologia Pública, v. 11, n. 2 [19], p. 186-214, 2017.

CÂNDIDO, Manuelina Maria Duarte. Orientações para gestão e planejamento de museus. Florianópolis: FCC Edições, 2014.

CHALMERS, Neil. Public understanding of research in a natural history museum: The Darwin centre. Creating connections. Museums and the public understanding of current research, p. 276-88, 2004.

CUNHA, Marcelo. A Exposição Museológica Como Estratégia Comunicacional: o tratamento museológico da herança patrimonial. Revista Magistro, v. 1, n. 1, p. 109-120, 2010.

DESVALLÉES, André; MAIRESSE, François (Ed.). Conceitos-chave de Museologia. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus, 2013.

GARDNER, Laura. The Uses of Stored Collections in some London Museums. Papers from the Institute of Archaeology, v. 18, n. S1, p. 36-78, 2007.

GOMES, Maria Fernando; VIEIRA, Eduarda. As Reservas Visitáveis do Musée des Arts et Métiers em Paris. Estudos de Conservação e Restauro, n. 5, 2013.

HIX, Paul. Professional Guidelines for establishing an Open Nano Lab/a Nano Researcher Live area. Deutsches Museum, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS. Subsídios para a elaboração de planos museológicos. Brasília, 2016.

INSTITUTO DOS MUSEUS E DA CONSERVAÇÃO. Plano de conservação preventiva: bases orientadoras, normas e procedimentos. Temas de Museologia. Portugal: IMC, 2007.

INTERNATIONAL COUNCIL OF MUSEUMS (ICOM). Definição: museu. Disponível em: https://icom-portugal.org/2015/03/19/definicao-museu/. Acesso em: 18 ago. 2020.

LAHANIER, Ch.; PREUSSER, F. D.; VAN ZELST, L. Study and conservation of museum objects: use of classical analytical techniques. Nuclear Instruments and Methods in Physics Research Section B: Beam Interactions with Materials and Atoms, v. 14, n. 1, p. 1-9, 1986.

MELLO, José Antônio G. de. Restauradores de Pernambuco: Biografias de figuras do século XVII que defenderam e consolidaram a unidade brasileira – João Fernandes Vieira. Volume 1, Recife. Imprensa Universitária, 1967.

MELLO, José Antônio G. de. A economia açucareira: Fontes para a história do Brasil holandês. 2a edição. CEPE, 2004.

MENU, Michel. Natural sciences inside museums. The development of the Research Laboratory for the French Museums from its origin and into the future. TAREA, n. 3, 2016.

MEYER, Morgan. Researchers on display: moving the laboratory into the museum. Museum management and curatorship, v. 26, n. 3, p. 261-272, 2011.

MILHEIRA, Rafael Guedes et al. Manual de gestão da reserva técnica sob a salvaguarda do LEPAARQ-UFPEL. Revista Arqueologia Pública, v. 11, n. 2 [19], p. 25-42, 2017.

MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO. Reserva técnica visitável. Disponível em: https://www.unifal-mg.edu.br/museump/acervo/reserva-tecnica-visitavel/. Acesso em: 09 set. 2020.

MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA (MAE). Reserva técnica visitável – Arqueologia Amazônica. Disponível em: http://mae.usp.br/reserva-tecnica-visitavel-arqueologia-amazonica/. Acesso em: 09 set. 2020.

NASCIMENTO, A; LUNA, S. Projeto Integrado Engenho do Meio: Relatório de escavação da Casa Grande do Engenho do Meio. Núcleo de Estudos Arqueológicos - NEA, UFPE, 1996.

OLIVEIRA, Mayara Manhães de; GRUZMAN, Carla. Refletindo sobre experiências de visitação às reservas técnicas de museus enquanto práticas educativas e comunicativas voltadas a públicos não especializados. ANPUH-Brasil – 30º Simpósio Nacional de História, Recife, 2019.

PEREIRA, Daiane. Reserva Técnica Viva: Extroversão do Patrimônio Arqueológico no Laboratório de Arqueologia Peter Hilbert. 160p. 2015. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, 2015.

PEREIRA, Daiane. Extroversão do patrimônio arqueológico salvaguardado: reserva técnica do laboratório de arqueologia Peter Hilbert. Revista Arqueologia Pública, v. 11, n. 2 [19], p. 66-82, 2017.

PERKEL, Jeffrey M. Museum Laboratories: Where Art Meets Science. Future Science, v. 48, n. 2, p. 95-99, 2010.

PIO, Fernando. Cinco documentos para a história dos engenhos de Pernambuco. Separata da Revista do Museu do Açúcar, n.2, pp 25 - 31, 1969.

RAMOS, Ana Catarina Peregrino Torres; CASTRO, Viviane Maria Cavalcanti de; MEDEIROS, Ricardo Pinto de. A Comunidade do Arruado do Antigo Engenho do Meio, Universidade e Ações educativas. Anais do XX Congresso SAB – Memória, Patrimônio Cultural e Direitos Humanos, Pelotas RS, 2019

SALADINO, Alejandra; COSTA, Carlos Alberto Santos; MENDONÇA, Elizabete de Castro. A César o que é de César: o patrimônio arqueológico nas organizações formais do Brasil. Revista de Arqueología Pública: Revista eletrônica do Laboratòrio de Arqueologia Pública de Unicamp, v. 7, n. 2, p. 106-118, 2013.

SOUSA, Laize Carvalho; SILVA, Abrahão S. N. Fernandes da. Arqueologia Pública: um olhar sobre a interação social e a preservação de recursos arqueológicos no Estado do Piauí. Rev. Arqueologia Pública Campinas, SP v.11 n.1 p.67 julho/2017.

VASCONCELOS, Mara Lúcia Carrett de; ALCÂNTARA, Tainã Moura. Com quantas caixas se faz uma reserva técnica? Um relato de experiência sobre a gestão dos acervos arqueológicos no MAE/UFBA. Revista Arqueologia Pública, v. 11, n. 2 [19], p. 153-165, 2017.

WICHERS, Camila Azevedo de Moraes. Patrimônio arqueológico paulista: proposições e provocações museológicas. Tese de doutorado, Museu de Arqueologia e Etnologia, Catálogo de teses da USP, São Paulo, 2012.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

CAMPELO DOS SANTOS, A. L.; MARANHÃO, A. P. B.; LAVALLE SULLASI, H. S.; TORRES RAMOS, A. C. P. NUVIS-UFPE: uma proposta inovadora de extroversão da reserva técnica associada ao laboratório LACOR-UFPE. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 3, p. 330–351, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i3.846. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/846. Acesso em: 7 ago. 2022.