Presença/ausência de museus na Amazônia Marajoara

entre desafios e perspectivas contemporâneas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i3.861

Palavras-chave:

musealização, salvaguarda, Marajó

Resumo

O texto trata da presença/ausência de museus na Amazônia Marajoara e discute a salvaguarda e gestão do patrimônio arqueológico nos municípios de Breves e Portel, estado do Pará. A análise dos dados revela que no Marajó museus não se reduzem a instituições. Devem ser entendidos como espaços dinâmicos caracterizados pelas paisagens, sítios arqueológicos e o ambiente. Nos municípios estudados verifica-se que não há uma política de proteção/gestão do patrimônio arqueológico. Mas, há diferentes pessoas praticando processos singulares para formar coleções, proteger e até gerir tal patrimônio. Todavia, a exploração do território é uma ameaça constante a esse patrimônio, daí sugerirmos a formação de Ecomuseus como tática de proteção/gestão do bem arqueológico e espaço de reflexão e produção de conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Gelson R.; VALENÇA, Vivianne R. Ecomuseu: reflexões sobre o tempo, território e comunidade. In: Anpuh – Brasil: 30º Simpósio Nacional de História, Recife, 2019. p. 1-13. Disponível em: https://www.snh2019.anpuh.org/resources/anais/8/1553089188_ARQUIVO_Ecomuseureflexoestempoterritoriocomunidadegelsomrozentino.pdf. Acesso em: 08 out. 2020.

BAUBIER, Arlete S. M. A. O museu e a diversidade cultural na Amazônia: estudo do brinquedo indígena como objeto educativo em Museus de Manaus. 2011. 285 f. Dissertação (Mestrado em Museologia e Patrimônio) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: http://handle.net/unirio/12497. Acesso em: 20 jun. 2020.

BEZERRA, Márcia. “As moedas dos índios”: um estudo de caso sobre os significados do patrimônio arqueológico para os moradores da Vila de Joanes, ilha de Marajó, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum. v. 6, n. 1, p. 57-70, 2011.

BONI, Paulo C.; MORESCHI, Bruna M. Fotoetnografia: a importância da fotografia para o resgate etnográfico. Doc On-line, n. 3, p. 137-157, 2007.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S.A., 1989.

BRASIL. Decreto n.o 3551, de 4 de agosto de 2000. Institui o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro, cria o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 7 ago. 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3551.htm. Acesso em: 20 jun. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRAUDEL, Ferdinand. O Mediterrâneo e o mundo mediterrâneo na época de Felipe II. Tradução de Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: Editora USP, 2016. v. I.

BRULON, Bruno. Os objetos de museu, entre a classificação e o devir. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v. 25, n.1, p. 25-37, jan./abr. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/025/13282. Acesso em: 18 ago. 2020.

CHAGAS, Mário de S. Memória e poder: dois movimentos. Museus e Políticas de Memória. Cadernos de Sociomuseologia, v. 19, n. 19, p. 43-81, Lisboa, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, 2002.

COSTA, Eliane M. Memórias em escavações: narrativas de moradores do rio Mapuá sobre os modos de vida, cultura material e preservação do patrimônio arqueológico (Marajó, PA, Brasil). 2018. 334 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

DUARTE, Alice. Nova museologia: os pontapés de saída de uma abordagem ainda Inovadora. Revista Eletrônica do Programa de Pós-graduação em Museologia e Patrimônio, v. 6, n. 1, p. 99-117, 2013. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/143404132.pdf. Acesso em: 08 out. 2020.

ESCOBAR, Herton. Desmatamento da Amazônia dispara de novo em 2020: dados de satélite revelam um aumento de 34% na taxa de derrubada da floresta nos últimos 12 meses. Jornal da USP, [on line], 7 ago. 2020. Disponível em: https://jornal.usp.br/ciencias/desmatamento-da-amazonia-dispara-de-novo-em-2020/. Acesso em: 20 ago. 2020.

FERREIRA, Lúcio M. Território primitivo: a institucionalização da Arqueologia no Brasil (1870-1917). 2007. 343 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Campinas, Campinas, SP, 2007. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/280838?mode=full. Acesso em: 08 out. 2020.

FERREIRA, Luzia G. O lugar de ver relíquias e contar história: o museu presente/ausente na vila de Joanes, ilha do Marajó – Pará. 2012. 161 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2012. Disponível em: http://ppga.propesp.ufpa.br/index.php/br/teses-e-dissertacoes/dissertacoes/50-2012. Acesso em: 20 fev. 2020.

FILIPE, Graça; VARINE, Hugues de. Que futuro para os Ecomuseus? Opinião, II série, n. 19, p. 21-36, jan. 2015. Disponível em: https://www.academia.edu/21742401/Que_futuro_para_os_ecomuseus. Acesso em: 08 out. 2020.

GALVÃO, Eduardo. Santos e visagens: um estudo da vida religiosa de Itá, Amazonas. Brasiliana eletrônica, 1955.

HODDER, Ian. Interpretación en Arqueología: Corrientes Actuales. Crítica Editorial, 1994.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Extrema Pobreza atinge 13, 5 milhões de pessoas e chega ao maior nível em 7 anos. Agência IBGE, 06 de novembro de 2019. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/. Acesso em: 20 ago. 2020.

LIMA, Diana F. C. Museologia-museu e patrimônio, patrimonialização e musealização: ambiência de comunhão. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 7, n. 1, p. 31-50, jan.-abr. 2012.

MACHADO, Juliana S. Lugares de gente: mulheres, plantas e redes de troca no delta amazônico. 2011. 350 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

MOUTINHO, Mário C. A Declaração de Quebec de 1984, Lisboa, 31 de março de 1995. Disponível em: http://www.mariomoutinho.pt/images/PDFs/Livros_Cap/1995Declaracaoquebec.pdf. Acesso em: 08 out. 2020.

NORA, Pierre. Entre História e Memória – a problemática dos lugares. Projeto História, n.10, PUC-SP, p. 7-28, dez., 1993. Tradução de Yara Aun Khoury. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12101/8763. Acesso em: 18 fev. 2020.

PACHECO, Agenor. En el corazón de la Amazonia: identidade, saberes e religiosidade no regime das águas. 2009. 354 f. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. Disponível em:https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/13141/1/Agenor%20Sarraf%20Pacheco.pdf. Acesso em: 11 jun. 2020.

SANJAD, Nelson. “Ciência de potes quebrados”. Nação e região na arqueologia brasileira do século XIX. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 19. n. 1, p. 133-163, jan.-jun. 2011.

SANTOS Jr., Roberto F. dos; BRITTO, Clovis C. Entrevista: Hugues de Varine e os museus comunitários no Brasil. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 8, n. 15, p. 323-327, jan./jul. 2019. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/24973. Acesso em: 08 out. 2020.

SANTOS, Suzy da S. Ecomuseus e museus comunitários no Brasil: estudo exploratórios de possibilidades museológicas. 2017. 768f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação Interunidades em Museologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/103/103131/tde-13122017-091321/pt-br.php. Acesso em: 08 out. 2020.

SCHAAN, Denise P. Cultura Marajoara. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2009.

SHANKS, Michael; TILLEY, Christopher. Theory and Method in Archaeology. Social Theory and Archaeology, p. 1-28, 1987.

SOUZA, Tayanne G. de. Entre identidades e interatividades: um estudo de caso d’ Museu do Marajó, Pará, Amazônia, 2015. 225 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação Interunidades em Museologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/103/103131/tde-12112015-165726/pt-br.php. Acesso em: 08 out. 2020.

UNESCO. 1972/ICOM - Mesa-Redonda de Santiago do Chile. Revista Museu, Santiago, 30 de maio de 1972. Tradução de Marcelo M. Araújo e Maria Cristina Bruno. https://www.revistamuseu.com.br/site/br/legislacao/museologia/3-1972-icom-mesa-redonda-de-santiago-do-chile.html. Acesso em: 08 out. 2020.

WAGLEY, Charles. Uma comunidade Amazônica: estudo do homem nos trópicos. 3. ed. Belo Horizonte: Itatiaia: São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

COSTA, E. M. Presença/ausência de museus na Amazônia Marajoara: entre desafios e perspectivas contemporâneas. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 3, p. 87–103, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i3.861. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/861. Acesso em: 9 ago. 2022.