Oficinas com argila e pedaços de pote

Aproximações através da experimentação de técnicas tradicionais e de análise cerâmica no rio Madeira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v34i2.863

Palavras-chave:

tecnologias cerâmicas, diversidade cultural, arqueologia pública

Resumo

O artigo apresenta oficinas de extroversão da variabilidade nas tecnologias cerâmicas no rio Madeira, em diferentes comunidades ao longo do rio. Através da manipulação da argila, temperos, pigmentos e instrumentos, as pessoas escolhem materiais, técnicas e formas e experimentam modos de fazer tradicionais. Manipulando os pedaços de pote, elas observam e identificam as escolhas de pasta, acabamentos de superfície e morfologias, fotografam, desenham e reconstituem formas, aproximando-se da pesquisa arqueológica em laboratório. Essas atividades, além de divulgar a Arqueologia, promovem aproximações através de reflexões sobre as continuidades entre o passado arqueológico e histórico e o presente, de ressignificações de noções evolucionistas e homogeneizadoras de cultura e patrimônio, de novos sentidos e relações com as coisas arqueológicas e do cotidiano, e do respeito à diversidade cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Fernando Osório. A Tradição Policroma no Alto Rio Madeira. 2013. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

ALMEIDA, Fernando Osório; ROCHA, Bruna. Uma tradução do clássico de DeBoer e Lathrap: “O fazer e o quebrar da cerâmica Shipibo-Conibo”.Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 11, n. 1, p. 315-339, jan.-abr. 2016.

AMOROSO, M. R. Corsários no caminho fluvial: Os Mura do rio Madeira. In: CARNEIRO da CUNHA, Manuela (org). História dos Índios do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 297-310.

BARCELOS NETO, ARISTÓTELES. A cerâmica Wauja: matérias-primas e processos técnicos. Revista do Museu de Arqueologia. São Paulo: v. 15-16, p. 357-370, 2005-2006.

BARRETO, Cristiana; LIMA, Helena Pinto; BETANCOURT, Carla Jaimes. Cerâmicas arqueológicas da Amazônia: rumo a uma nova síntese. Belém: IPHAN, 2016.

BESPALEZ, Eduardo; ZUSE, Silvana; VENERE, Pedro Pedraza; SANTI, Juliana Rossato. Arqueologia no sítio Santa Paula, alto Madeira, Porto Velho/RO, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, Belém, v. 15, n. 2, 2020.

BERTOLO, Ana Izabela. Uma contribuição à história da arqueologia no município de Porto Velho, Rondônia: sobre a práxis e a produção de conhecimento. 2014. Monografia (Graduação em Arqueologia). Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 2014.

BERTOLO, Ana Izabela. Perspectivas dos processos de Musealização do Patrimônio Arqueológico no estado de Rondônia. 2017. Dissertação (Mestrado em Preservação do Patrimônio Cultural). Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, 2017.

BEZERRA, Márcia. O público e o patrimônio arqueológico: reflexões para a arqueologia pública no Brasil. Hábitus,v. 1, n. 2, p. 275-295, jul/dez. 2003.

BEZERRA, Márcia. Nossa herança comum: considerações sobre educação patrimonial na arqueologia amazônica. In: PEREIRA, Edite; GUAPINDAIA, Vera (Orgs.). Arqueologia Amazônica. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi/IPHAN/SECULT, v. 2, p. 1021-1035, 2010.

BEZERRA, Márcia. “As moedas dos índios”: um estudo de caso sobre os significados do patrimônio arqueológico para os moradores da Vila de Joanes, ilha de Marajó, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, v. 6, n. 1, p. 57-70, jan.-abr. 2011.

BEZERRA, Márcia. Teto e afeto: Sobre as pessoas, as coisas e a Arqueologia na Amazônia. Belém: GK Noronha, 2017.

BRUNO, Maria Cristina. Estudos de Cultura Material e Coleções Museológicas: Avanços Retrocessos e Desafios. In: GRANATO, M.; RANGEL, M. F. Cultura Material e Patrimônio da Ciência e tecnologia. Museu de Astronomia e Ciências Afins- MAST. Rio de Janeiro, 2009, p. 14-24.

BRUNO, Maria Cristina. Musealização da Arqueologia: caminhos percorridos. Revista de Arqueologia, v. 26, n. 2, v.27, n. 1, p. 4-15, 2013-2014.

CABRAL, Mariana. De cacos, pedras moles e outras marcas: percursos de uma arqueologia não-qualificada. Amazôn., Rev. Antropol. (Online), v. 6, n. 2, p. 314-331, 2014.

CABRAL, Mariana Petry; PEREIRA, Daiane; BEZERRA, Márcia. Patrimônio Arqueológico na Amazônia: a pesquisa, a gestão e as pessoas. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 38, p. 247-268, 2018.

CARNEIRO, Carla Gibertoni. Educação patrimonial e arqueologia: alguns aspectos desta interface. Amazôn., Rev. Antropol. (Online), v. 6, n. 2, p. 442-458, 2014.

CORRÊA, Ângelo Alves. Pindorama de mboîa e îakaré: continuidade e mudança na trajetória das populações Tupi. 2014. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

COSTA, Angislaine Freitas. A multifuncionalidade da cerâmica no sítio Ilha Dionísio, alto rio Madeira. 2016. Dissertação (Mestrado em Arqueologia). Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Rio de Janeiro, 2016.

COSTA, Angislaine Freitas; Gomes, Denise. Cavalcanti. A multifuncionalidade das vasilhas cerâmicas do alto rio Madeira (séculos X-XII d.C): comensalidade cotidiana e ritual. Revista de Antropologia, 61(3), 52-85, 2018. doi: https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.152040.

CREVELS, Mily; VAN DER VOORT, Hein. The Guaporé-Mamoré region as a linguistic area, In: MUYSKEN, P. From linguistic areas to areal linguistics Amsterdam/Philadelphia: J. Benjamins. 2008, p. 151-179.

DAVID, Nicholas; KRAMER, Carol. Etnoarchaeology in action. Cambridge: University Press, 2001.

DeBOER, Warren; LATHRAP, Donald. The making and breaking of Shipibo-Conibo ceramics. In: KRAMER, Carol (Ed.). Ethnoarchaeology: implications of ethnography for archaeology. New York: Columbia University Press, 1979. p. 102-138.

ERIKSEN, Love. Nature and culture in prehistoric Amazonia: using G.I.S. to reconstruct ancient ethnogenetic processes from archaeology, linguistics, geography, and ethnohistory. 2011. Tese de doutorado. Universidade de Lund, Lund, Dinamarca, 2011.

GNECCO, Cristóbal; ROCABABO, Patrícia Ayala (Eds.). Pueblos indígenas y arqueología en América Latina. Bogotá: Fundación de Investigaciones Arqueológicas Nacionales/Banco de la República/ CESO, Faculdad de Ciencias Sociales, Universidad de los Andes, 2010.

HECKENBEGER, Michael. Os Povos do Alto Xingu. História e Cultura. FRANCHETTO, Bruna; HECKENBERGER, Michael (eds). Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2001, pp. 21-62.

HECKENBEGER, Michael. Rethinking the arawakan diaspora: hierarchy, regionality, and the Amazonian Formative. In: HILL, Jonathan; Santos-Granero, Fernando (Orgs). Comparative arawakan histories: rethinking language family and culture area in Amazonia. Urbana: University of Illinois Press, 2002, pp. 99-122.

HILL Jonathan D.; SANTOS-GRANERO, Fernando. Comparative arawakan histories: rethinking language family and culture area in Amazonia. Urbana: University of Illinois Press, 2002.

HORNBORG, Alf; HILL, Jonathan D. Ethnicity in ancient Amazonia: reconstructing past identities from archaeology, linguistics, and ethnohistory. Boulder: University of Colorado Press, 2011.

INÁCIO, Rachel L. C.; MONTEIRO, Julia L.; HERMÍNIO, Joice H.; PIMENTA, Ingrid; OLIVEIRA, Alexsandro S.; BARROS, Evânia L.; ZUSE, Silvana. Conservação dos acervos arqueológicos em Rondônia: uma experiência de diagnóstico de Reservas Técnicas no município de Porto Velho. Caderno 4 Campos – PPGA/UFPA, n. 1, p. 58-68, 2020.

KATER, Thiago. O sítio Teotônio e as reminiscências de uma longa história indígena no Alto Rio Madeira. 2018. Dissertação (Mestrado em Arqueologia). Universidade Federal de Sergipe, Laranjeiras, 2018.

KATER, Thiago. A temporalidade das ocupações ceramistas no sítio Teotônio. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, Belém, v. 15, n. 2, 2020.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1943. LEONEL, Mauro. Etnodicéia Uruéu-au-au. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo,1985.

LEMONNIER, Pierre. Elements for an anthropology of technology. Ann Arbor: University of Michigan Press, 1992.

LEMONNIER, Pierre. Technological choices: transformation in material cultures since the Neolithic. London: Routledge, 1993.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, set./dez. 2014.

MACHADO, Juliana S. Arqueologia Indígenas, os Laklãnõ Xokleng e os objetos de pensar. Revista de Arqueologia, Belém, v. 26, n. 1, p. 72-85, 2020.

MACIEL, Márcia Nunes. Tecendo tradições indígenas. Tese (Doutorado em História)-Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

MILLER, Eurico T. Inventário arqueológico da bacia e sub-bacias do rio Madeira, 1974-1987. Porto Velho: Consórcio Nacional de Engenheiros Construtores S.A., 1987.

MILLER, Eurico T. Adaptação agrícola pré-histórica no Alto Rio Madeira. In B. J. Meggers (Org.), Prehistoria Sudamericana: nuevas perspectivas (pp. 219-229). Washington: Taraxacum, 1992.

MINDLIM, Betty. Moqueca de maridos, mitos eróticos. Betty Mindlin e narradores indígenas. Rio de Janeiro: Record, 1997.

MENENDEZ, Miguel A. (1992). A área Madeira-Tapajós: situação de contato e relações entre colonizador e indígenas. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela (Org.), História dos índios no Brasil (pp. 281-296). São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

MONGELÓ, Guilherme Z. O formativo e os modos de produção: ocupações pré-ceramistas no Alto Rio Madeira-RO. 2015. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

MONGELÓ, Guilherme Z. Outros pioneiros do sudoeste amazônico: ocupações holocênicas na bacia do Alto Rio Madeira. 2019. Tese (Doutorado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

MONGELÓ, Guilherme Z. Ocupações humanas do Holoceno inicial e médio no sudoeste amazônico. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, Belém, v. 15, n. 2, 2020.

NEVES, Eduardo G.; WATLING, Jennifer; ALMEIDA, Fernando O. A arqueologia do alto Madeira no contexto arqueológico da Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, Belém, v. 15, n. 2, 2020.

NIMUENDAJU, Curt. As tribos do Alto Madeira. In: Nimuendaju, C (Org). Textos indigenistas. São Paulo: Loyola, 1982, p. 111-122.

NIMUENDAJU, Curt. Mapa etno-histórico de Curt Nimuendaju. Rio de Janeiro: IBGE, 2002.

NOELLI, Francisco Silva, As hipóteses sobre o centro de origem e rotas de expansão dos Tupi. Revista de Antropologia, v. 39, n.2, São Paulo, p. 7-53, 1996.

NOLETO, Cleiciane A. Transformações culturais na Amazônia durante o Holoceno Médio: contextualização do surgimento das terras pretas a partir da indústria lítica do sítio Garbin (RO). 2020. Dissertação (Mestrado em Arqueologia). Universidade Federal de Sergipe, Laranjeiras, 2020.

PENIN, André; ZIMPEL, Carlos Augusto; SILVA, Valéria Ferreira. O Curso de Bacharelado em Arqueologia na Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Arqueologia em Debate – Jornal da Sociedade de Arqueologia Brasileira, n. 3, p. 23-26, junho 2011.

PEREIRA, Daiane. O “roubo das urnas”: a relação do patrimônio arqueológico salvaguardado e os coletivos humanos. Revista Hábitus, v. 17, n. 1, 2019, p. 39-52.

PESSOA, Cliverson. Arqueologia e Museu na Trajetória Histórica de Ary Pinheiro. Revista História & História, 2012.

PESSOA, Cliverson. Os contextos arqueológicos e a variabilidade artefatual da ocupação Jatuarana no alto rio Madeira. 2015. Dissertação (mestrado em Antropologia). Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.

PESSOA, Cliverson; COSTA, Angislaine. Um quadro histórico das populações indígenas no Alto rio Madeira durante o século XVIII. Amazônica, Revista Antropologia, 6 (1), p. 110-139, 2014.

PESSOA, Cliverson; ZUSE, Silvana; COSTA, Angislaine; KIPNIS, Renato; NEVES, Eduardo. Aldeia circular e os correlatos da ocupação indígena na margem esquerda da Cachoeira de Santo Antônio. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, 15(2), e20190083. doi: 10.1590/2178-2547-BGOELDI-2019-0083.

RIBEIRO, Loredana. Crítica feminista, arqueologia e decolonialidade: sobre resistir na ciência. Revista de Arqueologia, v. 30, n.1, p. 210-234, 2017.

ROCHA, Bruna Cigaran; BELETTI, Jaqueline; PY-DANYEL, Anne Rapp; MORAES, Claide; OLIVEIRA, Vinícius Honorato. Na margem e à margem: arqueologia amazônica em territórios tradicionalmente ocupados. Amazôn., Rev. Antropol. (Online) 6 (2): 358-384, 2014.

RODRIGUES, Aryon. A classificação do tronco linguístico Tupí. Revista Brasileira de Linguística Antropológica, 3(2), p. 197-203, 2011. doi: https://doi.org/10.26512/rbla.v3i2.16259

ROSTAIN, Stéphen. “C’est curieux chez les Amazoniens ce besoin de faire des vases”: alfareras Palikur de Guyana. In: BARRETO, Cristina.; LIMA, Helena. P.; JAIMES

BETANCOURT, Carla. (org). Cerâmicas arqueológicas na Amazônia: rumo a nova síntese. Belém, MPEG, IPHAN, 2016, p. 97-114.

ROSTAIN, Stephen; SAULIEU, Geoffroy de; Jaime Betancourt, Carla; HIDALDO, Carlos Duche. Manga Alpa: cerâmica indígena de la Amazonía ecuatoriana. Equador: Ekseption Publicidad, 2014.

RUFINO, Alyne M. “De colecionadores a ladrões de raio”: comercialização e tráfico de peças arqueológicas. 2015. Monografia (Graduação em Arqueologia). Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 2015.

SCHIFFER, Michael; SKIBO, Jaimes. The explanation of artifact variability. American Antiquity, 62(1), 27-50, 1997. doi: https://doi. org/10.2307/282378

SILVA, Fabíola. As Tecnologias e seus significados: um estudo da cerâmica dos Assuriní do Xingu e da cestaria dos Kayapó-Xikrin sob uma perspectiva Etnoarqueológica. 2000. Tese (Doutorado em Ciências Humanas). Universidade de São Paulo, São Paulo; 2000.

SILVA, Fabíola. Tipos cerâmicos ou modos de vida? Etnoarqueologia e as tradições arqueológicas cerâmicas na Amazônia. In Cerâmicas arqueológicas da Amazônia: rumo a uma nova síntese. Belém: IPHAN, 2016, p. 40-49).

SILVA, Fabíola; NOELLI, Francisco. Arqueologia e linguística: construindo as trajetórias histórico-culturais dos povos Tupí. Revista Crítica e Sociedade, 7(1), 55-87, 2017. doi: https://doi.org/10.14393/RCSv7n1-2017-39256

SILVA; F. A.; BESPALEZ, E; STUCHI, F. F. Arqueologia colaborativa na Amazônia: terra indígena Kuatinemu, rio Xingu, Pará. Amazônica, Belém, 3 (1), p. 32-59, 2011.

SILVA, Maurício. Memórias e Histórias no sudoeste amazônico: o Museu Regional de Arqueologia de Rondônia. 2015. Tese (Doutorado em Arqueologia). Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SILVA, Maurício. O Museu Regional de Arqueologia de Rondônia e os desafios da diversidade cultural no presente. In: CRURY, Marília X. (Org). Direitos indígenas no Museu: novos procedimentos para uma nova política: a gestão de acervos em discussão. São Paulo: Secretaria da Cultura: ACAM Portinari: Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, 2016.

TIZUKA, Michelle. Geoarqueologia e paleohidrologia da planicie aluvial Holocênica do rio Madeira entre Porto Velho e Abunã. 2013. Dissertação (Mestrado em Geociências). Departamento de Geologia, UNESP, Rio Claro, 2013.

VIDAL, Jean-Jacques A. A cerâmica do povo Paiter Suruí de Rondônia: continuidade e mudança cultural, 1970-2010. 2011. Dissertação (Mestrado em Artes). UNESP, São Paulo, 2011.

WATLING, Jennifer; SHOCK, Myrtle; MONGELÓ, Guilherme; ALMEIDA, Fernando; KATER, Thiago; OLIVEIRA, Paulo; NEVES, Eduardo. Direct archaeological evidence for South-western Amazonia as an early plant domestication and food production center. Plos one, p. 1-28, 2018. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0199868.

WATLING, Jennifer; ALMEIDA, Fernando; KATER, Thiago; ZUSE, Silvana; SHOCK, Myrtle; MONGELÓ, Guilherme; BESPALEZ, Eduardo; SANTI, Juliana; NEVES, Eduardo. Arqueobotânica de ocupações ceramistas na Cachoeira do Teotônio. Boletim Museu Paraense. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, v. 15, n. 2, e20190075, 2020. doi: 10.1590/2178-2547-BGOELDI-2019-0075

WICHERS, Camila. Dois enquadramentos, um mesmo problema: os desafios da relação entre Museus, Sociedade e Patrimônio Arqueológico. Revista de Arqueologia, v. 26, n. 2, v.27, n. 1, p. 16-39, 2013-2014.

ZUSE, Silvana. Variabilidade cerâmica e diversidade cultural no Alto rio Madeira. Rondônia. Tese de doutorado- Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

ZUSE, Silvana. Variabilidade cerâmica e diversidade cultural no Alto rio Madeira. In: Cristiana Barreto; Helena P. Lima e Carla Jaimes Betancourt (org). Cerâmicas arqueológicas na Amazônia: rumo a uma nova síntese. Belém: MPEG, IPHAN, 2016, p. 385-401.

ZUSE, Silvana; COSTA, Angislaine; PESSOA, Cliverson; KIPNIS, Renato. Tecnologias cerâmicas no alto rio Madeira: síntese, cronologia e perspectivas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, 15(2), e20190082, 2020. doi: 10.1590/2178-2547-BGOELDI-2019-0082.

Downloads

Publicado

2021-05-30

Como Citar

ZUSE, S. Oficinas com argila e pedaços de pote: Aproximações através da experimentação de técnicas tradicionais e de análise cerâmica no rio Madeira. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 34, n. 2, p. 203–233, 2021. DOI: 10.24885/sab.v34i2.863. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/863. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo