Um itinerário de imunização

notas sobre o campo arqueológico no quilombo Barro Preto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v35i1.962

Palavras-chave:

hecatombe viral, trabalho arqueológico, quilombo urbano

Resumo

Essa nota de pesquisa sobre a dissertação ainda em construção nomeada “Arqueologia e Direito Territorial: Um estudo no Quilombo Barro Preto, Jequié, Bahia”, versa sobre estratégias metodológicas adotadas a partir do reconhecimento da hecatombe viral como agente de intervenção no fazer arqueológico e da atualização do fazer arqueológico a partir do Decreto Legislativo n° 6 de 2020 e do Decreto Estadual n° 19.529 de 2020. Para tanto, compreende a saúde não como objeto, mas como caminho estrutural para pensar e interagir com o campo em comunidades tradicionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, James Amorim. Sobre a cidade e o urbano em Henri Léfèbvre. Espaço e Tempo. São Paulo, Nº31, pp. 133 - 142, 2012.

ARAÚJO, Emerson Pinto de. A nova história de Jequié. Salvador. GSH Editora, 1997.

ARAUJO, Astolfo Gomes de Mello. Teoria e método em arqueologia regional: um estudo de caso no Alto Paranapanema, Estado de São Paulo. Tese (Doutorado em Arqueologia), MAE/USP, São Paulo, 2001.

BRASIL, Luciano de Faria. Por um Direito do Ordenamento Territorial: Elementos Preliminares para um Modelo Integrado de Direito Urbano-Ambiental. Revista Magister de Direito Ambiental e Urbanístico. Nº 52, Fev-Mar, 2014.

CRIADO BOADO, Felipe. Arqueológicas. La razón perdida. Barcelona: Bellaterra, 2012.

DOS ANJOS, José Carlos. A filosofia política da religiosidade afro-brasileira como patrimônio cultural africano. Debates do NER, Porto Alegre, ano 9, n. 13, p. 77-96, JAN./JUN. 2008.

FERNANDES, Viviane Barboza. O quilombo e a escola de Barro Preto, em Jequié, Bahia: vicissitudes e sentidos de identidade. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

FERREIRA, Lucio Menezes. Sob fogo cruzado: Arqueologia comunitária e patrimônio cultural. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, no 3, p. 81-92, 2008.

FORSBERG, Lars L. Site variability and settlemente patterns. Tese (Doutorado), Umea, University of Umea, 1985.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª edição. São Paulo: Atlas, 2008.

LINO, Jaisson Teixeira. MATIAS, Everson Semler. ARAÚJO, Fábio. Casas de turma da ferrovia do Contestado, Santa Catarina: Um olhar arqueológico. Revista Arqueologia Pública: Campinas, SP v.13 n.2 p.79, Campinas, 2019.

NOVAES, Luciana de Castro Nunes. Entre a autoridade da escrita e a cosmopolítica: Organizando dados em tempos predatórios In: Etnografando na pandemia. 1. ed. Padova: Coop. Libraria Editrice Università di Padova, p. 171-186, 2020.

O’DWYER, Eliane Cantarino. Quilombos: identidade étnica e territorialidade. (Org.). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

OLIVEIRA, Regina Marques de Souza (Org.). Pedagogias e Tecnologias em Quilombos: Conquistas e Novos Desafios. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Cruz das Almas, 2019.

PEIRANO, Mariza, G. S. A favor da etnografia. Brasília, Série Antropologia, 1992.

PROFORMAR, Programa de Formação. Capacitação dos Profissionais de Agentes de Saúde no Município de Jequié. NAD/Jequié, 2005.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SAMPAIO, Adriana Cardoso. Mulheres Griôs: Um estudo etnográfico sobre identidades étnicas e de gênero no Quilombo Urbano Barro Preto em Jequé-Ba. Dissertação (Mestrado) Pós-graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, UESB, Jequié, 2017.

SCHIFFER, Michael B. Contexto arqueológico y contexto sistémico. Boletim de antropologia americana. Portugal, 1990.

SYMANSKI, Luís Cláudio Pereira. “Arqueologia – antropologia ou história? Origens e tendências de um debate epistemológico”. Tessituras, v. 2, n. 1, p. 10-39, jan./jun. 2014.

Downloads

Publicado

2022-01-15

Como Citar

SANTOS SILVA JUNIOR, G. Um itinerário de imunização: notas sobre o campo arqueológico no quilombo Barro Preto. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 35, n. 1, p. 223–227, 2022. DOI: 10.24885/sab.v35i1.962. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/962. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Notas de Pesquisa