Percepción sobre el patrimonio arqueológico en una unidad de conservación de zona urbana: el Sítio Japiim, en el apa Floresta Manaós, en Manaus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v35i3.989

Palavras-chave:

Percepção, Unidade de conservação, Patrimônio histórico, Patrimônio ambiental

Resumo

O estudo objetivou analisar os conhecimentos e percepções de moradores, trabalhadores e estudantes da Área de Proteção Ambiental (APA) Floresta Manaós acerca do patrimônio arqueológico identificado em seu perímetro, considerando o processo de ocupação dos bairros que a compõem desde a instalação do Polo Industrial de Manaus. O Sítio Japiim é localizado na porção sul da Unidade de Conservação e vem seguindo a mesma lógica de descaracterização de outros sítios identificados na capital do Amazonas. A metodologia utilizada foi de análise quali-quantitativa por meio de levantamento bibliográfico e entrevistas semiestruturadas com dois grupos distintos. De modo geral, o estudo demonstrou o desconhecimento da população sobre o patrimônio histórico local, o que se estendeu aos serviços ambientais prestados pelos ecossistemas remanescentes na área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angeline Ugarte Amorim, Universidade Federal do Amazonas

Universidade Federal do Amazonas, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente
e Sustentabilidade na Amazônia.

Carlos Augusto da Silva, Universidade Federal do Amazonas

Universidade Federal do Amazonas, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente
e Sustentabilidade na Amazônia.

Suzy Cristina Pedroza da Silva, Universidade Federal do Amazonas

Universidade Federal do Amazonas, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente
e Sustentabilidade na Amazônia.

Referências

BARRETO, C. B., LIMA, H. P.; BETANCOURT, C. J. (Org.). Cerâmicas Arqueológicas da Amazônia: Rumo a uma nova síntese. Belém: IPHAN: Ministério da Cultura. 668 pp.

BARROS, E. C. de C. Diagnóstico da destruição: os efeitos da expansão urbana sobre os sítios arqueológicos de Manaus, AM, 2016. 151 pp. Dissertação (Mestrado) – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural, Rio de Janeiro, 2016.

BATISTA, Djalma. O complexo da Amazônia: análise do processo de desenvolvimento. Rio de Janeiro: Conquista, 1976. 293p.

BECKER, Bertha K. Síntese da produção científica em Ciências Humanas na Amazônia: 1990 – 2002. In COSTA, W. M. da; Becker, B. K.; Alves, S. D. (Org.).

BOLETIM DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI. O processo de ocupação humana na Amazônia: considerações e perspectivas, 1896 – 9/1/1994, Belém, 51 pp.

BRASIL. Lei n.° 3924, de 1961. Dispõe sobre os monumentos arqueológicos e pré-históricos. Publicação no Diário Oficial da União, Brasília, DF, de 27 de julho de 1961, e retificado em 28 de julho de 1961.

BRASIL. Lei n.º 9.638 de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Publicação no Diário Oficial da União, Brasília, DF, de 2 de setembro de 1981.

BRASIL. Lei n.° 9.985, de 22 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1.o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Publicação no Diário Oficial da União, Brasília, DF, de 19 de julho de 2000.

BRASIL. Decreto n.º 4.340, de 22 de agosto de 2002. Regulamenta artigos da Lei n.o 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC –, e dá outras providências. Publicação no Diário Oficial da União, Brasília, DF, de 23 de agosto de 2002.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contagem Populacional. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki. Acesso em 21 de fevereiro de 2018.

BRASIL. Planejamento e Gestão de APAs: Enfoque Institucional. Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 1997. Série meio ambiente em debate; 15. ISSN 1413 – 2583

CARNEIRO, Carla Gibertoni. Ações educacionais no contexto da arqueologia preventiva: uma proposta para a Amazônia. 2009. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

CASCO, Ana Carmem Amorim Jara. Sociedade e educação patrimonial. Instituto do Patrimônio Histórico e artístico Nacional. Acessado em http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/1154

CASTRO M. W. M. A Cronologia dos Sítios Lago de Iranduba e Laguinho à Luz das Hipóteses de Ocupação Humana para a Amazônia Central. 2009. 171 pp. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

COSTA, B. L. SILVA da. Levantamento Arqueológico na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Amanã. Estado do Amazonas. 2012. 160 pp. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

CUNHA, Aldinéia; Tello, Júlio C. Interpretação da Identidade dos Jovens no Contexto da Globalização e o Meio Ambiente: elementos para uma reflexão crítica sobre educação ambiental. In TELLO, J. C.; OLIVEIRA, S; REIS, J. (Org.). Floresta Amazônica: Configurando um novo debate. Manaus: Ufam, 2013. 232 pp.

DIAS, Edinea Mascarenhas. A Ilusão do Fausto. 2.ª edição. Manaus: Ed. Valer, 2007, 170pp.

FERNANDES, S. R. et al. Uso da Percepção Ambiental como Instrumento de Gestão em Aplicações Ligadas às Áreas Educacional, Social e Ambiental. Vitória: 2004.

FILHO, Vitor Ribeiro. Amazônia em Cadernos, n.º 4, Manaus: EDUA, 1998, 311-320, 321pp.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 42.ª edição. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2005, 213 pp.

FREYRE, Gilberto. Assombrações do Recife Velho. 3.ª edição. Rio de Janeiro. Editora Record. 1974, 178pp.

GARCIA, Etelvina. Zona Franca de Manaus: história, conquistas e desafios. Manaus: Norma Ed.: Suframa, 2004, 230 pp.

HILBERT, P. P. Archaologische Untersuchungen am mittleren Amazonas: Beitrage zur Vorgeschichte des sudamerikanischen Tieflandes. Mit 164 Abbidungen und 11 Karten (vom Verfasser). Berlin: Marburger Studien zur Volkerkunde; Bd. 1, Reimer,1968.

LIMA, Helena P. e PARENTE, M. T. Gestão do Patrimônio Arqueológico Amazônico. Manaus, IPHAN, 2009.

LIMA, Helena, P.; MORAES, Bruno, Manaus: Revista de Arqueologia, Vol. 23 – n.º 1: 90-107, 2010.

LIMA, O. R. de.; ROSA, O. Percepção e Topofilia: Relações e Sentimentos sobre a Paisagem da Cidade de Catalão (Go). In II Simpósio de Estudos Urbanos: A dinâmica das cidades e a produção do espaço, 19 a 21 de agosto de 2013. Campo Mourão, PR: SEURB, 2013. 27pp.

MANAUS. Lei Complementar n.º 002, de 16 de Janeiro de 2014. Dispõe sobre o Plano Diretor Urbano e Ambiental do Município de Manaus. Publicação no Diário Oficial do Município de Manaus, AM, de 16 de janeiro de 2014.

MANAUS. Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade – SEMMAS. Disponível em http://semmas.manaus.am.gov.br/areas-protegidas Acesso em 20.02.2018.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: 3.ª Edição. Martins Fontes, 2006, 654pp.

MONTEIRO, Mário Ypiranga. Fundação de Manaus. Manaus: 3.ª Edição, 1971, 199pp.

PETERSEN et al., 2001; Arroyo-Kalin et al., 2009; Relelatto et al., 2009 apud Lima e Moraes (2010)

SANTAELLA, Lú cia. Percepção: Fenomenologia, Ecologia, Semiótica. São Paulo: Cengage Learning, 2012, 146pp.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

AMORIM, A. U.; SILVA, C. A. da; SILVA, S. C. P. da. Percepción sobre el patrimonio arqueológico en una unidad de conservación de zona urbana: el Sítio Japiim, en el apa Floresta Manaós, en Manaus. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 35, n. 3, p. 161–174, 2022. DOI: 10.24885/sab.v35i3.989. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/989. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo