Tocas do Gongo, São Raimundo Nonato, Piauí, Brasil

Uma bioarqueologia retrospectiva

Autores

  • Della Collins Cook Indiana University Bloomington
  • Sheila Maria Ferraz Mendonça de Souza Fundação Oswaldo Cruz

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v24i2.326

Palavras-chave:

Paleopatologia, Bioarqueologia, Horticultura, Adornos Labiais

Resumo

Partes de 20 indivíduos adultos e jovens associados com cerâmica, cabaças e tecidos, foram recuperados em pequenos abrigos-sob-rocha denominados Tocas do Gongo, em São Raimundo Nonato, Piauí, Brasil. Uma única data (não calibrada) de 2090 + 110 BP está disponível para estes sítios. Os abrigos foram associados a aldeamentos com cerâmicas similares nas proximidades. Os remanescentes esqueléticos estão em diferentes estados de conservação. São provenientes de sepultamentos primários diretos e secundários em urnas. A maior parte deles provem de níveis perturbados, tendo sido escavados sem a presença de bioarqueólogos. A presente análise dos remanescentes humanos só foi realizada muitos anos depois, com a finalidade de ajudar a interpretar o material e proporcionar informa ções adicionais sobre o sítio. Um homem adulto apresentou lesão inflamatória crônica afetando a calota craniana e uma fratura cicatrizada no nariz. Em diferentes indivíduos indicadores inespecíficos de estresse foram observados em ossos e dentes; fraturas compressivas cicatrizadas no calcâneo e na coluna vertebral, lesões entesopáticas de mãos e pés, artroses generalizadas e um esporäo do calcâneo indicam trauma crônico associado a trabalho e locomoção. O desgaste dentário leve e as cáries numerosas apontam para dieta cariogênica, provavelmente relacionada à horticultura. A abrasão forte na face vestibular dos incisivos inferiores de um adulto do sexo masculino indica o uso de tembetá de pedra. A revisão com-
pleta dos remanescentes e sua classificação por diferentes critérios permitiu estabelecer com segurança o NMI, e também reassociar ossos dos mesmos indivíduos que ainda estavam misturados. A associação destes dados com as informações publicadas, ou originais, sobre os mesmos sítios permitiram melhorar a interpretação dos espaços funerários. Os resultados da presente revisão confirmam a importância de analisar coleções musealizadas antigas, no sentido de melhorar as interpretações arqueológicas com base na revisão de coleções de re manescentes humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, T. F. & NEVES, W.A. 2009. Remanescentes ósseos humanos da Toca do Serrote da Moenda: cura, inventário e descrição sumária. Fundhamentos VIII: 86- 93.

BASS, W. M. 1986. Human osteology: a laboratory and field manual of the skeleton. Missouri Archaeological Society Special Publications #2, Columbia.

BERNARDO, D. & NEVES, W.A. 2009. Diversidade morfocraniana dos remanescentes ósseos humanos da Serra da Capivara: implicações para a origem do Homem Americano. Fundhamentos VIII: 94-106.

BRIDGES, P. S. 1990. Osteological correlates of weapons use. In: Buikstra, JE: A Life in Science: Papers in Honour of J.Lawrence Angel. Center for American Archaeology Scientific Papers 6, p. 87-98.

BRIDGES, P. S. 1989. Changes in activities with the shift to agriculture in the Southwestern United States. Current Antropology, 30:385-394.

CAPASSO, L.; KENNEDY, K. A. R.; WILCZAK, C. A. 1999. Atlas of Occupational Markers on Human Remains. Terramo: Edigrafital S.P.A.

COOK, D. C.; BUIKSTRA, J. E.; DE ROUSSEAU, J. C. & JOHANSON, D. C. 1983. Vertebral osteoarthritis and osteophytosis in the Afar australopithecines. American Journal of Physical Anthropology, 60:83-101.

GENOVÉS, S. 1966. La proporcionalidad entre los huesos largos y su relación con la estatura en restos Mesoamericanos. Cuadernos, Série Antropológica 19. Cidade do México: Instituto de Investigaciones Históricas.

GUIDON, N. 1975. Peintures rupestres de Várzea Grande, Piauí, Brésil. Cahiers d’Archeologie d’Amerique du Sud 3. Paris: École des Hautes Études en Sciences Sociales.

GUIDON, N. & LUZ, M. de F. 2009. Sepultamentos na Toca do Enoque (Serra das Confusões – Piauí) Nota prévia. Fundhamentos VIII: 115-123.

KENNEDY, K. A. R. 1989. Skeletal markers of occupational stress. In: KENNEDY, K. A. R. & ISCAN: M.Y.(eds.): Reconstruction of life from the skeleton. New York: Alan Liss. p.129-160.

LUNA, S. 2006. As pesquisas arqueológicas sobre cerâmica no Nordeste do Brasil. Canindé, Aracaju, 8:167-206.

MARANCA, S. 1976. A Toca do Gongo I - Abrigo com sepultamentos no estado do Piauí. Revista do Museu Paulista (Nova Série), XXIII:155-173.

MARANCA, S. 1991. Agricultores ceramistas da área de Säo Raimundo Nonato. Anais do I Simpósio de Pré-história do Nordeste. Clio (Série Arqueológica), 4:95-97.

MARTIN, G. 1997. Pré-história do Nordeste do Brasil. Recife: Editora Universitária UFPE. 445pp.

MELLO E ALVIM, M. C. de. 1963. Diversidade morfológica entre os índios Botocudos do leste brasileiro (sec XIX) e o Homem de Lagoa Santa. Boletim do Museu Nacional - Antropologia (Nova Série), 23:1-70.

MELLO E ALVIM, M. C. de. 1991. O grupo pré-histórico da Furna do Estrago, PE e suas relaçöes biológicas com outras populaçöes pré-históricas e atuais do Brasil. Clio (Série Arqueológica), 4:79-84.

MERBS, C. F. 1983. Patterns of activity-induced pathology in a Canadian Inuit population. Archaelogy Survey of Canada. Paper 119. Ottawa: National Museum of Canada.

METRAUX, A. 1947. Mourning rites and burial forms of the South American Indians. America Indigena, 7(1):7-44.

METRAUX, A. 1949. Religion and shamanism. In: T.D. STEWART(org) Handbook of South American Indians v 5. Smithsonian Institution, pp 559-600.

MONTARDO, D. L. O. 1995. Práticas funerárias das populações pré-coloniais e sua evidências arqueológicas (reflexões iniciais). Dissertação de Mestrado: IFFC/PU- CRS. 113p.

MONZON, S. 1978. Pinturas e gravuras pré-históricas de Säo Raimundo Nonato, Estado do Piauí. Catálogo da exposiçäo. Säo Paulo: Museu Paulista/USP.

MUNIZAGA, J. R. 1966/67. Huellas del uso del tembeta en la dentadura. Antropologia, 9:17-19.

NEVES, W. A. 1984. Incidência e distribuição das osteoartrites em grupos coletores do litoral do Paraná: uma abordagem osteobiográfica. Clio (Série Arqueológica), 6:47-62

PICKERING, R. 1984. Patterns of degenerative joint disease in Middle Woodland, Late Woodland and Mississipian skeletal series from the Lower Illinois Valley. Doctoral dissertation. Northwestern University.

PINTO, E. 1935. Os indígenas do Nordeste. Säo Paulo: Cia. Ed. Nacional. BRASILIANA V(XLIV)

PRATES, J. C. 1974. Consideraçöes antropológicas em cranios encontrados na gruta do Gongo, estado do Piauí. In: Museu Paulista da USP Missäo de Estudos no Estado do Piauí: Segundo Relatório. Säo Paulo: Museu Paulista/USP.

RODRIGUES, C.D. 1995. Patologias e processos dento-maxilares em remanescentes esqueletais de dois sí tios pré-históricos no Brasil: o cemitério da Furna do Estrago (Pernambuco) e o sambaqui de Cabeçuda (Santa Catarina). Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro:Escola Nacional de Saúde Pública.

RODRIGUES-CARVALHO, C. & SOUZA, S. M. F. M. de. 1998. Uso de adornos labiais pelos contrutores do sambaqui de Cabecuda, Santa Catarina, Brasil: uma hi- pótese baseada no perfil dento-patológico. Revista de Arqueologia, 11:43-55.

RODRIGUES-CARVALHO, C. & SOUZA, S. M. F. M. de. 2005. Marcadores de estresse ocupacional (MEO): ferramentas para a reconstrucao de padroes de atividades fisicas em populacoes pre-historicas. Cadernos de Saúde Coletiva, XIII(2):339-358.

RODRIGUES-CARVALHO, C. & SOUZA, S. M. F. M. de. 2005. Marcadores de estresse mecânico-posturais (MEP) e estilos de vida de populações sambaquieiras do estado do Rio de Janeiro. Habitus, 3:241-259.

ROQUETTE-PINTO, E. 1933. Ensaios Antropológicos. Säo Paulo: Companhia Editora Nacional. BRASILIANA.

SENE, G. A. M. 2008. Indicadores de gênero na pré-história brasileira: contexto funerário, simbolismo e diferenciação social. O sítio arqueológico Gruta do Gentio II, Unai, Minas Gerais. Tese de Doutorado. São Paulo: MAE/Universidade de São Paulo.

SOUZA, S. M. F. M. de. 1992.Traumatismos vertebrais como indicadores de atividades físicas na populaçäo da Furna do Estrago. In: ARAUJO, A. J. G. & FERREIRA, L. F. (orgs.):Paleopatologia e Paleoepidemiologia.

Estudos Multidisciplinares. Rio de Janeiro: ENSP, pp. 123-140.

SOUZA, S. M. F. M. de. 1995. Estresse, doença e adaptabilidade: Estudo comparativo de dois grupos pré-históricos em perspectiva biocultural. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: ENSP/Fiocruz.

SOUZA, S. M. F. M. de & MELLO E ALVIM, M. C. de. 1992. A populaçäo pré-histórica da Furna do Estrago: adaptaçäo humana ao Agreste Pernambucano. Symposium 34(2):123-145.

SOUZA, S. M. F. M. de , OLIVEIRA, C., VIDAL, I., VERGNE, C. 2002. Mumificação natural na toca da Baixo dos Caboclos, sudeste do Piauí: uma interpretação integrada dos dados. Canindé, 2:83-102

TURNER II, C. G. & MACHADO, L. M. C. 1983. A new dental wear pattern and evidence for high carbohydrate consumption in a Brazilian Archaic skeletal population. American Journal of Physical Anthropology 61:125-130.

UBELAKER, D. H. 1979. Skeletal evidence for kneeling in prehistoric Ecuador. American Journal of Physical Anthropology 51(4):679-686.

Downloads

Publicado

2011-12-30

Como Citar

COLLINS COOK, D. .; FERRAZ MENDONÇA DE SOUZA, S. M. . Tocas do Gongo, São Raimundo Nonato, Piauí, Brasil: Uma bioarqueologia retrospectiva. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 30–49, 2011. DOI: 10.24885/sab.v24i2.326. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/326. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo