Estudos arqueológicos na região de Porto Trombetas, PA

Autores

  • Vera Guapindaia Museu Paraense Emílio Goeldi
  • Daniel Lopes Museu Paraense Emilio Goeldi

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v24i2.327

Palavras-chave:

Amazônia, Arqueologia do Baixo Amazonas, cerâmica Konduri, cerâmica Pocó

Resumo

Fontes históricas disponíveis para área do rio Trombetas, no baixo Amazonas, relatam à existência de assentamentos populosos, formas hierarquizadas de organização social e cultos religiosos, indicando a existência de sociedades complexas à época do Contato. Na segunda metade do século XIX, foram descobertas cerâmicas elaboradas e ídolos de pedra. Esses elementos associados aos relatos históricos induziram à hipótese sobre a existência de complexidade cultural nessa região desde antes do Contato. Nesse contexto, a região do rio Trombetas adquiriu visibilidade para arqueologia da Amazônia. Estudos arqueológicos realizados na região na década de 1970 demonstraram a existência de duas ocupações ceramistas situadas ao longo dos rios e lagos: uma mais antiga – Pocó; e outra mais recente – Konduri. Pesquisas recentes realizadas no âmbito da arqueologia de contrato, permitiram identificar sítios com características distintas daqueles situados nas margens dos rios relacionados à ocupação Konduri. O estudo e a comparação entre os sítios ribeirinhos e do interflúvio irá mostrar que as sociedades pré-históricas daquela região exploravam e dominavam ambos os ambientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACUÑA, C. 1941. Novo descobrimento do grande rio das Amazonas. In: Descobrimento do rio das Amazonas. (Brasiliana série 2o, Vol. 203). São Paulo, Cia.ed. Nacional.

AIRES DA FONSECA, J. 2010. As Estatuetas Líticas do Baixo Amazonas. In: PEREIRA, Edithe e GUAPINDAIA, Vera. Arqueologia Amazônica 2,Belém: MPEG/IPHAN/SECULT, p.p.235-258.

ARAÚJO COSTA, F.; KALKMANN, A. L.; COSTA NETO, A. N. da; KERN, D. 1985. Salvamento Arqueológico na Região de Porto Trombetas (PA). Primeiro Relatório Preliminar. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. Inédito.

BARBOSA DE FARIA, J. 1946. A cerâmica da tribo Uaboí dos rios Trombetas e Jamundá. Contribuição para o estudo da arqueologia pré-histórica do Baixo Amazonas. Ministério da Agricultura, CNPI. Publicação no 89. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional.

BARBOSA RODRIGUES, J. 1875. Ídolo Amazônico achado no rio Amazonas. In: Exploração e Estudo do Valle rio Amazonas - Rio Tapajós. Rio de Janeiro, Tipografia Nacional.

BETTENDORFF, J. F. 1990. Chronica da Missão dos Padres da Companhia de Jesus no Estado do Maranhão. (Série Lendo o Pará 5). Belém, Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves/Secretaria de Estado da Cultura.

BRANDT MEIO AMBIENTE. 1998. Capacitação Técnica e Monitoramento de Ocorrências Arqueológicas. Relatório. Belo Horizonte. Inédito.

BOOMERT, A. 1987. Gifts of the Amazon. “Green Stone” pendants and beads as items of ceremonial ex-change in Amazonia and the Caribbean. Antropologica 67:33-54.

BOZELLI, R. L, ESTEVES, F. e ROLAND, F. 2000. Lago Batata: impacto e recuperação de um Ecossistema Amazônico. Rio de Janeiro, IB-UFRJ/SBL.

CARNEIRO, R. L. 1970. A theory of the origin of the state. Science 169: 733-738.

CARVAJAL, G. de. 1941.Relação do Novo descobrimento do famoso rio Grande. In: Descobrimento do rio das Amazonas. (Brasiliana série 2o, Vol.203). São Paulo,

Cia Ed. Nacional.

FONSECA Jr. J. A. A. da. 2005. História dos Ídolos de Pedra Amazônicos In: Anais do XIII Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira. Arqueologia, Patrimônio e Turismo. Campo Grande, 04-08/09. 1 CD.

GOMES, D. M. C. 2002.Cerâmica Arqueológica da Amazônia: vasilhas da Coleção Tapajônica da Amazônia MAE-USP. São Paulo, EDUSP/Imprensa Oficial

____________________.2008.Cotidiano e Poder na Amazônia Pré-colonial. São Paulo, USP/FAPESP,.

GUAPINDAIA, V. 1983. Fontes Históricas e Arqueológicas sobre os Tapajó de Santarém. A coleção Frederico Barata do Museu Paraense Emílio Goeldi. Dissertação de Mestrado. Recife, Departamento de História.

______________. 2000. Projeto de Salvamento Arqueológico em Porto Trombetas. (Manusc. Inéd.). Belém, MPEG.

GUAPINDAIA, V. Além da margem do rio – as ocupações Konduri e Pocó na região de Porto Trombetas, PA. Tese de doutoramento, MAE/USP, 2008.

GUAPINDAIA, V. & LOPES, D. 2002. Relatório de Prospecção Arqueológica nos Platôs Aviso e Almeidas. (Manusc. Inéd. 15 f). Belém, MPEG/MRN/FADESP.

GUAPINDAIA, V. & LOPES, D. 2003. Relatório de Análise do Material Arqueológico dos Sítios PA-OR-116: COTRA Aviso I, PA-OR-117: COTRA Aviso II, PA-OR-118:COTRA Aviso III e PA-OR-118:COTRA Almeidas. (Manusc. Inéd. 37 f.). Belém, MPEG/MRN/FADESP.

GUAPINDAIA, V. & LOPES, D. 2004. Relatório de Escavação do PA-OR-63: Sítio Boa Vista 2. (Manusc. Inéd. 44f). Belém, MPEG/MRN/FADESP.

GUAPINDAIA, V.; PEREIRA, E.; SILVEIRA, M. & LOPES, D. 2001.Relatório de Prospecção e Salvamento Arqueológico nos Platôs Saracá, Papagaio e Periquito e na Correia Transportadora Saracá/Aviso/Almeidas. (Manusc. Inéd. 61f). Belém, MPEG/MRN/FADESP.

HAYDEN, B. 1998.Practical and Prestige Technologies: The evolution of material systems. Journal of Archaeological Method and Theory, 5(1): 1-55.

HERIARTE, M. 1874.Descrição do Estado do Maranhão, Pará, Corupá e rio das Amazonas. Vienna d’Austria, Carlos Gerold.

HILBERT, K. 1988. Relatório de viagem do Projeto de Salvamento Arqueológico na região de Porto Trombetas (PA). III Relatório. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. Inédito.

HILBERT, K. 1990.Salvamento arqueológico na região de Porto Trombetas (Pará). Relatório. (Manusc. Inéd.) PUC/RS.

HILBERT, P. P. 1955a.A cerâmica arqueológica da região de Oriximiná. Vol. 9. Belém, Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará.

__________________. 1955b. Tripods in Lower Amazon. In: Anais do XXXI Congresso Internacional de Americanistas. São Paulo, Departamento de Historia de América, Universidad de Sevilla.

HILBERT, P. P. & HILBERT, K. 1980. Resultados preliminares da pesquisa arqueológica nos rios Nhamundá e Trombetas, Baixo Amazonas. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, Belém (Nova série Antropologia).

KALKMAN, A. L., COSTA NETO, A. N. 1986. Salvamento Arqueológico na Região de Porto Trombetas (PA). Relatório Técnico. Inédito. Belém: Museu Paraense Emí- lio Goeldi.

KERN, D. KAMPF, N. 1989. O efeito de antigos assentamentos indígenas na formação de solos com Terra Preta Arqueológica na região de Oriximiná. Revista Brasileira de Ciências do Solo, 13, p.219-25.

KOCH-GRÜNBERG, T. 1995. Dos años entre los Indios: viajes por el Noroeste brasileño, 1903-1905. Santafé de Bogotá, Editorial Universidade Nacional.

LATHRAP, D. W. 1975. O Alto Amazonas. vol. 40 (Historia Mundi). Lisboa, Editora Verbo.

LOPES, D. 1981. Salvamento Arqueológico em Porto Trombetas. Relatório Técnico: Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. Inédito.

LOPES, P. R. do C. 2005.Relatório da Prospecção nos Platôs Cipó e Teófilo e das Escavações do Sítio do Sítio Arqueológico PA-OR-121: Teófilo I. (Manusc. Inéd. 47 f). Belém, MPEG/MRN/FADESP.

LOPES, P. R. do C. 2006. Relatório da Prospecção Arqueológica nos Platôs Greig, Aramã e Monte Branco. (Manusc. Inéd. 43 f). Belém, MPEG/MRN/FIDESA.

MACHADO, C. L. 2001. Sítios Arqueológicos Registrados na Área da Floresta Nacional de Saracá-Taquera, Estado do Pará. In: Ibama – Mineração Rio do Norte. Pla- no de manejo para uso múltiplo da Floresta Nacional de Saracá-Taquera. (Manusc. Inéd. 21f). Belo Horizonte,

STCP Engenharia de Projetos.

MACHADO, J. 2005. Montículos Artificiais na Amazônia Central: um estudo de caso do sítio Hatahara. Dissertação de Mestrado. São Paulo, USP.

MORÁN, E. F. 1990. A Ecologia Humana das Populações da Amazônia. (Coleção Ecologia & Ecosofia). Petrópolis, Editora Vozes.

NIMUENDAJU, C. 1949. Os Tapajó. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, vol X, Belém, MPEG,

_________________. 2004. In Pursuit of a Past Amazon. Archaeological Researches in the Brazilian Guyana and in the Amazon Region. A posthumus work compiled and translated by Sig Rydén and Per Stenborg, edited by Per Stenborg. (Etnologiska Studier 45). Göteborg.

PEREIRA, E. 2003. Arte Rupestre na Amazônia - Pará. São Paulo:UNESP, Belém:MPEG..

PEREIRA, E. ; RAMBELLI, G.; BAVA-DE-CAMARGO P. F.; CALIPPO, F. R. & BARBOSA, C. A. P. 2009. Arqueologia subaquática na Amazônia – documentação e análise das gravuras rupestres do sítio Mussurá, rio Trombetas, Pará, Brasil. Revista de História da Arte e Arqueologia N. 11/jan/jun.

PORRO, A. 1996. O Povo das Águas. Ensaios de Etnohistória Amazônica. Rio de Janeiro, Editora Vozes/EDUSP.

RODET, M. J., GUAPINDAIA, V. & MATOS, 2010.A. Análise Tecnológica e Cadeia Operatória:uma nova proposta para a industria lítica lascada das culturas ceramistas da Amazônia. In:PEREIRA, Edithe e GUAPINDAIA, Vera. Arqueologia Amazônica 2,Belém: MPEG/IPHAN/SECULT, p.p.681-714.

ROJAS, A. de. 1941. Descobrimento do rio Amazonas e suas dilatadas Províncias. In: Descobrimento do rio das Amazonas. Brasiliana, série 2o, Vol.203. São Paulo, Cia Ed. Nacional.

ROOSEVELT, A. C. 1987. Chiefdoms in the Amazon and Orinoco. In: URIBE, C. Chiefdoms in Americas. South America. Maryland, University Press of America, p.p. 153-84.

RYE, O. S. 1981 Pottery technology. Principles and reconstruction: Manuals on Archeology 4. Washington, Taraxacun, Carnegie Institution of Washington.

SIMÕES, M. F. 1983. Pesquisa e Cadastro de Sítios Arqueológicos na Amazônia Legal Brasileira 1978-1982. vol. 38: Publicações Avulsas do Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém, MPEG.

VELTHEN, L. H. van. 1987. Equipamento Doméstico de Trabalho. SUMA Etnológica Brasileira. São Paulo, Editora Vozes, p. 95-108.

VERÍSSIMO, J. 1883.Os ídolos Amazônicos. In: Revista Amazônica, Tomo 1, no 1. Pará.

Downloads

Publicado

2011-12-30

Como Citar

GUAPINDAIA, V. .; LOPES, D. . Estudos arqueológicos na região de Porto Trombetas, PA. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 50–73, 2011. DOI: 10.24885/sab.v24i2.327. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/327. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo