Sobre o olhar – um exercício de apresentação e discussão do conhecimento produzido sobre os grafismos rupestres da região de Diamantina, Minas Gerais.

Autores

  • Luiza Câmpera Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v24i2.329

Palavras-chave:

Pinturas rupestres, olhar, Diamantina

Resumo

A análise de pinturas rupestres envolve um aspecto importante: a construção de um olhar especializado, desenvolvido durante a pesquisa, que permite a identificação das características dos grafismos e painéis. Este artigo aborda o processo cognitivo e metodológico da pesquisa com as pinturas rupestres de Diamantina. Destacarei alguns preceitos teóricos sobre o olhar científico e a percepção dos observadores em relação às pinturas, apresentando alguns exemplos observados nos trabalhos com os grafismos. Pretendo tornar público os métodos escolhidos e as dificuldades envolvidas durante o levantamento, registro e análise dos grafismos rupestres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barros, José Márcio. 1997. 2 ou 3 questões sobre o olhar. Adaptação livre do trabalho desenvolvido no Seminário Educação do Olhar, promovido pela Secretaria de Estado da Educação de MG. In: Caderno Pensar, Jornal Estado de Minas, 1/11/97. Belo Horizonte. 1-3.

Da Matta, Roberto. 1978. O ofício de Etnólogo, ou como ter “Anthropological Blues”. In: A aventura sociológica. Objetividade, Paixão, Improviso e Método na pesquisa social. Organizador: Nunes, Edson de Oliveira. Rio de Janeiro. Ed. Zahar. 1: 23-35.

Hegmon, Michelle. 1992. Archaeological research on style. In: Annual Review of Anthropology 21. New Mexico. 517-536.

Hodder, Ian. 1999. How Do Archaeologists Reason? In: The Archaeological Process. An Introduction. Oxford. Blackwell Publishing. 3: 30-65.

Isnardis, Andrei. 2009. Entre as pedras. As ocupações pré-históricas recentes e os grafismos rupestres da região de Diamantina, Minas Gerais. Tese de Doutorado. São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia, Universida de de São Paulo.

Isnardis, Andrei; Linke, Vanessa & Prous, André. 2008 Variabilité stylistique dans la tradition rupestre “Planalto” du Brésil Central: um même ensemble thé matique, plusieurs esthétiques. In: Heyd, Thomas & Clegg, John (eds). Aesthetics and Rock Art. Oxford: BAR.

Linke, Vanessa & Isnardis, Andrei. 2008. Concepções estéticas dos conjuntos gráficos da tradição planalto, na região de diamantina (Brasil Central). Revista de Arqueologia, 21: 27-43.

Linke, Vanessa. 2008. Paisagens dos sítios de pintura rupestre da região de Diamantina. Dissertação de mestrado. Belo Horizonte. Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais.

Maturana, H.R, 2002. O que é ver? Archivos de Biologia Y Medicina Experimentales, v.16. Santiago. In: A Ontogenia da Realidade. Belo Horizonte: Editora UFMG. Trad. N. Vaz, M. Graciano, C. Magro, A. M. Pe reira. 76-105.

Maturana, H.R. 2002. Percepção: configuração do objeto pela conduta. Archivos de Biologia Y Medicina Experimentales, v.20. Santiago. In: A Ontogenia da Realidade. Belo Horizonte: Editora UFMG. Trad. C. Magro. 66-76.

Maturana, H.R. 2002. Tudo é dito por um observador. In: A Ontogenia da Realidade. Belo Horizonte: Editora UFMG. Trad. N. Vaz. 53-66.

Prous, A. 1992. Arqueologia Brasileira. Brasília, DF. Editora UnB.

Ribeiro, Loredana. 2006. Os significados da similaridade e do contraste entre os estilos rupestres. Um estudo regional das gravuras e pinturas do alto-médio rio São Francisco. Tese de Doutorado. São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo.

Saussure, F. 1970. Curso de Linguística Geral. Organizado por Charles Bally e Albert Sechehaye. São Paulo, Editora Cultrix. 1:79-84.

Downloads

Publicado

2011-12-30

Como Citar

CÂMPERA, L. . Sobre o olhar – um exercício de apresentação e discussão do conhecimento produzido sobre os grafismos rupestres da região de Diamantina, Minas Gerais. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 86–101, 2011. DOI: 10.24885/sab.v24i2.329. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/329. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo