Caracterização do sistema tecnológico da subcoleção laming-emperaire do lítico xetá depositada no MAE-UFPR

Autores

  • Fabiana Terhaag Merencio

Palavras-chave:

lítico Xetá, sistema tecnológico, sequência reducional

Resumo

O Setor de Antropologia da Universidade Federal do Paraná enviou expedições de pesquisa entre 1956 e 1961 para a região onde foram identificados acampamentos Xetás, coletando informações sobre a cultura material deste grupo. Nestas expedições foram coletados 160 artefatos polidos e lascados que compõem a coleção de lítico Xetá depositada no MAE-UFPR. A partir de informações de contexto deste material, optou-se em dividi-lo em duas subcoleções para fins analíticos e comparativos: os artefatos coletados por Loureiro (sem dados de proveniência) e por Laming-Emperaire (com informações). Este artigo expõe os resultados obtidos com a análise baseada em sequências reducionais do material coletado por Laming-Emperaire em 1961. Os tipos identificados para os Xetás nas poucas publicações, como chooppers e chopping-tools, podem ser associados a outras tradições arqueológicas definidas para região sul, em especial o lítico de grupos ceramistas Proto-Jê e Tupiguarani.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDREFSKY, W. (1998). Lithics: macroscopic approaches to analysis. Cambridge: Cambridge University Press;

ANDREFSKY, W. (2008). Lithic Technology: Measures of Production, Use and Curation. Cambridge University Press, Cambridge, UK;

BALFET, H. (1973). A propos du tour de potier, l'outilet le geste technique. IN: L'Homme hier et aujourd'hui, recueil d'etudes en hommage a Andre Leroi-Gourhan: 109-22. Paris: Editions Cujas;

BARRETO, C. (2000). A construção de um passado pré-colonial: uma breve História da Arqueologia Brasileira. In: Revista USP, São Paulo, 44(1):32-51;

BAR-YOSEF, O.; VAN PEER, P. (2009). The Chaîne Opératoire Approach in Middle Paleolithic Archaeology. In: Current Anthropology, v. 50, n°1, p. 103-131;

BINFORD, L. (1980). ‘Willow smoke and dogs’ tails: hunter-gatherer settlement system and archaeological site formation. In: American Antiquity, 45(1): 4-20;

BOËDA, E. (1995). Caracteristiques techniques des chaines operatoires lithiques des niveaux Micoquiens de Külna (Tchecoslovaquie). IN: Paleo, Supplément, n. 1. p.57-72;

BOËDA, E. (1997). Technogenèse de systèmes de production lithique au Paléolithique Inférieur et Moyen en Europe

Occidentale et au Proche-Orient.Tese de Doutorado apresentada à Université de Paris X – Nanterre. Mimeografado;

BORDES, F. (1961). Mousterian Cultures in France. Science, 134, p.803-810;

CHMYZ, I. (1969). Notas sobre o sítio arqueológico do Salto da Bulha: PR KA 1= Rio Ivaí, Paraná. In: Revista de História. Centro de Estudos de História, Curitiba - PR, v. 3, p. 7-33;

CHMYZ, I. (1976). Projeto Arqueológico Itaipu: primeiro relatório das pesquisas realizadas na área de Itaipu (1975-1976). Curitiba: Itaipu;

COLLINS, M. (1975). Lithic technology as a mean of processual inference. In: Swanson, E. (Ed.) Lithic technology: making and using stone tools. Chicago: Mouton Publishers;

DIAS, A. S. (2003). Sistemas de assentamento e estilo tecnológico: uma proposta interpretativa para a ocupação pré-colonial do alto vale do Rio dos Sinos, Rio Grande do Sul. Tese de Doutorado: MAE/USP;

DIAS, A. S.; HOELTZ, S. E. (1997). Proposta metodológica para o estudo das indústrias líticas do sul do Brasil. In: Revista do CEPA, v. 21, n. 25, p.21-62;

DIAS, A. S.; SILVA, F. A. (2001). Sistema tecnológico e estilo: implicações desta inter-relação no estudo das indústrias líticas do sul do Brasil. In: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, n. 11, p. 95-108;

DIBBLE, H. (1987). Reduction sequence in manufacture of Mousterian Implements of France. In: Soffer, O. (Ed.) The Pleistocene Old World. Plenum Press, NY, p. 33-45;

FERNANDES, J. L. (1959a). A dying people. In: Bulletin of the International Commitee on Urgent Anthropological Research, s.l., n.2;

FERNANDES, J. L. (1959b). Os índios da Serra dos Dourados: os Xetá. In: Reunião Brasileira De Antropologia (3a., 1959, Recife-PE). Anais. s.l.: s.ed., p. 27-46;

FERNANDES, J. L. (1962). Os índios da Serra dos Dourados: os Xetá. In: Bulletin of the International Commitee on Urgent Anthropological Research, Vienna, n.5, p. 151-4;

FOGAÇA, E. (2003). O Estudo arqueológico da tecnologia humana. In: Revista Habitus. Goiânia: IGPA/UCG, n.1, p. 147-180;

FOGAÇA, E.; BOËDA, E. (2006). A antropologia das técnicas e o povoamento da América do Sul Préhistórica. In: Revista Habitus. Goiânia: IGPA/UCG, v.4, n°2, p. 673-684;

EIROA, J. J.; et al. (1999). Nociones de tecnología y tipología en Prehistoria. Ariel Historia. Barcelona;

ERIKSEN, T. H.; NIELSEN, F. S. (2007). História da Antropologia. Petrópolis: Rio de Janeiro, Vozes.

HARACENKO, A. A. S. (2007). O processo de transformação do território no noroeste do Paraná e a construção das novas territorialidades camponesas. Tese de doutorado, FFLCH, USP;

HOELTZ, S. (2005). Tecnologia lítica: uma proposta de leitura para a compreensão das indústrias do Rio Grande do Sul, Brasil, em tempos remotos. Tese de Doutorado: PUCRS;

HEGMON, M. (1992). Archaeological Research of Style. Annual Review of Anthropology, vol. 21, p. 517-536;

LAMING, A.; EMPERAIRE, J. (1959). A jazida José Vieira, um sítio Guarani e pré-cerâmico do interior do Paraná. In: Arqueologia 1:1-148;

LAMING-EMPERAIRE, A.; MENEZES, M. J.; ANDREATA, M. D. (1978). O Trabalho da pedra entre os Xetá da Serra dos Dourados, Estado do Paraná. In: Coleção Museu Paulista: série ensaios, São Paulo: Museu Paulista, n.2, p. 19-82;

LAMOTTA, V. M.; SCHIFFER, M. B. (2001). Behavioral Archaeology: Toward a New Synthesis. In:

HODDER, I. Archaeological Theory Today, Polity Press, Cambridge, U.K;

LEMONNIER, P. (1994) Choix techniques et représentations de l´enfermement chez les Anga deNouvelle-Guinée Ethnologie et technologie. In: LATOUR, B.; LEMMONIER, P. (Dir.).De la préhistoire aux missiles balistiques. Paris: Ed. La Découverte, p.253-272;

LEPOT, M. (1993). Approche techno-fonctionnelle de l’outillage moustérien: essai de classification des parties actives en termes d’efficacité technique. Mémoire de Maîtrise de l’Université de Paris X - Nanterre, 2 t;

LEROI-GOURHAN, A. (1985). O gesto e a palavra. 2 – Memória e ritmos. Lisboa: Ed. 70;

LÉVI-STRAUSS, C. (2008 [1958]). A noção de estrutura em etnologia. In:_________. Antropologia Estrutural. São Paulo: Cosac & Naify.

MELLO, P. J. C. (2005). Análise de sistemas de produção e da variabilidade tecnofuncional de instrumentos retocados: as indústrias líticas de sítios a céu aberto do vale do Rio Manso (Mato Grosso, Brasil). Programa de Pós-Graduação em História: PUC-RS;

MILLER, T. O. (1979). Stone work of the Xeta Indians of Brazil. In: HAYDEN, B. (Ed.) Lithic Use-wear Analysis, Academic Press, New York (1979), pp. 401–407;

MILLER, T. O. (2009). Onde estão as lascas? In: Clio Arqueológica, V.21, n° 2, p. 6-66, 2009;

NOELLI, F. S. (2000). A ocupação humana na região sul do Brasil: arqueologia, debates e perspectivas 1872-2000. In: Revista USP, São Paulo, n° 44, p. 218-269, dezembro/fevereiro;

PROUS, A. (1992). Arqueologia brasileira. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1992, p. 109;

RODRIGUES, A. D. (1985). Relações interna na família lingüística Tupi-Guarani. IN: Revista de Antropologia, São Paulo, n.27/28, p.33-53;

RODRIGUES, A. D. (1999). Hipótese sobre as migrações dos três subconjuntos meridionais da família Tupi-Guarani. In: Anais do II Congresso Nacional da ABRALIN, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, cd-rom;

SANTOS, M. L. ; STEVAUX, J. C. ; GASPARETTO, N. V. L. ; SOUZA FILHO, E.E. Geologia e geomorfologia da planície aluvial do rio Ivaí - PR. In: Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 1, p. 23-34, 2008

SELLET, F. (1999). Chaine Operatoire: the concept and its apllications. In: Lithic Technology. Vol. 18, n° 1&2, p. 106-112;

SHOTT, M. J. (2003). Chaîne Opératoire and Reduction Sequence, In: Lithic Technology, vol. 28-2, p.95-105;

SILVA, C. L. (1998). Sobreviventes do extermínio: uma etnografia das narrativas e lembranças da sociedade Xetá. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis;

TRYON, C. A.; POTTS, R. (2011). Approaches for understanding flake production in the African Acheulean. In: PaleoAnthropology, Special Issue: Reduction Sequence, Chaîne Opératoire and other methods: the epistemologies of differente approaches to lithic analysis. p.376-389;

VASCONCELOS, E. A. (2008). Aspectos fonológicos da língua xetá. Dissertação (Mestrado em Lingüística)-Universidade de Brasília, Brasília;

VIANA, S. A. (2005). Variabilidade tecnológica do sistema de debitagem e de confecção dos instrumentos líticos lascados de sítios lito-cerâmicos da região do Rio Manso/MT. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em História: PUC-RS;

WILLEY, G. R. & PHILLIPS, P. (1958). Method and Theory in American Archaeology. Chicago: University of Chicago Press

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

TERHAAG MERENCIO, F. . Caracterização do sistema tecnológico da subcoleção laming-emperaire do lítico xetá depositada no MAE-UFPR. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 143–165, 2015. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/420. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo