Empreendimentos econômicos, violação de direitos humanos e o silêncio da arqueologia no Brasil

Autores

  • Loredana Ribeiro

Palavras-chave:

conflito socioambiental, arqueologia de contrato, arte rupestre

Resumo

Nas últimas décadas a arqueologia tem crescido no Brasil acompanhando os projetos de desenvolvimento econômico, protegida pela neutralidade e objetividade técnica, isolada dos conflitos e injustiças ambientais ligadas a tais. A reflexão aqui exposta flui através de narrativas sobre sítios arqueológicos de arte rupestre de uma área de deslocamento compulsório por projeto econômico de grande porte dos anos de 1970 e discute o modelo de gestão ambiental adotado no Brasil e o modo como profissionais da arqueologia nele atuam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARRUTI, J. M. P. A. 2004. A árvore Pankararu: fluxos e metáforas da emergência étnica no sertão do São Francisco. In Oliveira, J. P. (ed.), A Viagem da Volta: Etnicidade, Política e Reelaboração Cultural no Nordeste Indígena, Contra Capa Livraria/LACED, Rio de Janeiro, pp. 231–280.

AVRITZER, L. & SANTOS, B. S. 2002. Para ampliar o cânone democrático. In Santos, B. S. (ed.), Democratizar a Democracia, Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, pp. 39–82.

BOURDIEU, P. 1993. Outline of a Theory of Practice, Cambridge University Press, Cambridge.

CALDERÓN, V., JÁCOME, Y. D. B. A. & SOARES, I. D. C. 1977. Relatório das Atividades de Campo Realizadas pelo Projeto Sobradinho de Salvamento Arqueológico, AAPHBA/CHESF, Salvador.

DIAS, A. S. 2010. Caminhos Cruzados? Refletindo sobre os Parâmetros de Qualidade da Prática Arqueológica no Brasil. Jornal Arqueologia em Debate 2: 14–15 <http://sabnet.com.br/jornal/>.

ESTEVA, G. 1992. Development, in W. Sachs (ed.), The Development Dictionary: A Guide to Knowledge as Power, Zed, London, pp. 6–25.

ESTRELA, E. S. 2003. Pankaru. [s. l.]: Instituto Socioambiental | Povos Indígenas no Brasil Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/pankaru >.

ESTRELA, E. S. 2005. Como filhos de marrecas: a experiência dos Beraderos^ sanfranciscanos após a construção da barragem de Sobradinho - Bahia. Imaginário 10: 341–361.

ESTRELA, E. S. 2009. Um rio de memória: o modus vivendi dos beraderos sanfranciscanos antes da Represa de Sobradinho (Bahia). Historia e Perspectivas 41: 115–140.

GOMES, C. P. 1975. Sob as águas. Revista Veja, Agosto 13, pp. 23–24.

JORGE, M., PROUS, A., & RIBEIRO, L. 2007. Brasil Rupestre: Arte Pré-histórica Brasileira, Petrobrás Ministério da Cultura-Editora Zencrane, Brasília-Curitiba.

LACORTE, A. C. & BARBOSA, N. P. 1995. Contradições e limites dos métodos de avaliação de impactos em grandes projetos: uma contribuição para o debate. Cadernos IPPUR/UFRJ 9(1/4): 252–262.

MOUFFE, C. 2000. The Democratic Paradox, Verso, London.

NEVES, E. G. 2010. Parâmetros de qualidade para a prática da arqueologia no Brasil. Arqueologia em Debate 1: 16–17. <http://sabnet.com.br/jornal/>.

OLIVEIRA, J. E. 2006. Cultura material e identidade étnica na arqueologia brasileira: um estudo por ocasião da discussão sobre a tradicionalidade da ocupação kaiowá da Terra Indígena Sucuri’y. Revista de Arqueologia 19: 29–50.

OLIVEIRA, J. P. 2004. Uma etnologia dos Bíndios misturados^? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. In Oliveira, J. P. (ed.), A Viagem da Volta: Etnicidade, Política e Reelaboração Cultural no Nordeste Indígena, Contra Capa Livraria/LACED, Rio de Janeiro, pp. 13–42.

PEREIRA, E. 2004. Arte Rupestre na Amazônia, Unesp-Museu Paraense Emilio Goeldi, São Paulo-Belém.

RIBEIRO, L. 2007. Repensando a tradição: a variabilidade estilística na arte rupestre do período intermediário de representações no alto-médio rio São Francisco. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia 17: 117–127.

RIBEIRO, L. 2009. Sobre pinturas, gravuras e pessoas ou os sentidos que se dá à arte rupestre. Especiaria 11/12(20/21): 157–182.

RIBEIRO, L. 2010. Auto-regulação da arqueologia brasileira: responsabilização, credibilidade e fortalecimento profissional. Arqueologia em Debate 1: 8–9. <http://sabnet.com.br/jornal/>.

ROCHA, B. C., JÁCOME, C., STUCHI, F. F., MONGELÓ, G. Z., & VALLE, R. 2013. Arqueologia pelas gentes: um manifesto. Constatações e posicionamentos críticos cobre a arqueologia brasileira em tempos de PAC. Revista de Arqueologia 26(1): 130–140.

ROTHMAN, F. D. (ed.). 2008. Vidas Alagadas: Conflitos Socioambientais, Licenciamento e Barragens, UFV, Viçosa.

SAMPAIO, J. A. L. 1993. Seu Apolônio, o velho patriarca Pankaru. Boletim Anai–BA 9(6–7): 5–7.

SCHMITZ, P. I., BARBOSA, A., & MIRANDA, A. 1996. Arqueologia nos Cerrados do Brasil Central: Sudoeste da Bahia e Leste de Goiás, O Projeto Serra Geral, Instituto Anchietano de Pesquisas/ Unisinos, São Leopoldo.

SIGAUD, L. M. 1992. O efeito das tecnologias sobre as comunidades rurais. In Maciel, T. (ed.), O Ambiente Inteiro: A Contribuição Crítica da Universidade à Questão Ambiental, UFRJ, Rio de Janeiro, pp. 41–68.

SIGAUD, L. M., MARTINS-COSTA, A. L., & DAOU, A. M. 1987. Expropriação do campesinato e concentração de terras em Sobradinho: uma contribuição à análise dos efeitos da política energética do Estado. Ciências Sociais Hoje 1: 214–290.

VIEIRA, U. G. 2008. Paradoxos do licenciamento ambiental de hidrelétricas em Minas Gerais. In Rothman, F. D. (ed.), Vidas Alagadas: Conflitos Socioambientais, Licenciamento e Barragens, UFV, Viçosa, pp. 254–295.

ZHOURI, A. 2008. Justiça ambiental, diversidade cultural e accountability. Desafios para a governança ambiental. Revista Brasileira de Ciências Sociais 23(68): 97–107.

ZHOURI, A., & OLIVEIRA, R. (2007). Desenvolvimento, conflitos sociais e violência no Brasil rural: o caso das usinas hidrelétricas. Ambiente and Sociedade 10(2): 119–135.

ZHOURI, A., LASCHEFSKI, K., & PEREIRA, D. (eds.) (2005). A Insustentável Leveza da Política Ambiental: Desenvolvimento e Conflitos Socioambientais, Autêntica, Belo Horizonte.

Downloads

Publicado

2015-12-30

Como Citar

RIBEIRO, L. . Empreendimentos econômicos, violação de direitos humanos e o silêncio da arqueologia no Brasil. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 28, n. 2, p. 172–186, 2015. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/434. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo