Registros rupestres do noroeste do Pará

Autores

  • Edithe Pereira Museu Paraense Emílio Goeldi

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v8i1.483

Palavras-chave:

Registros Rupestres, Tradição Monte Alegre, Tradição Alenquer, Tradição Amazônia

Resumo

Este artigo apresenta os resultados preliminares do estudo sobre os registros rupestres da região noroeste do Estado do Pará. Com base no material analisado consideramos, a nível de hipóteses, a existência de três Tradições: duas relativas a pinturas rupestres - Tradição Monte Alegre e Tradição Alenquer, e uma relativa à gravuras rupestres - Tradição Amazônia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE, Odorico Rodrigues. 1922. Reconhecimentos Geológicos no VaIIe do Amazonas (Campanhas de 1918 e 1919). Boletim do Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil, no 3. Rio de Janeiro.

ARAÚJO COSTA, Fernanda et. alli. 1986. Levantamento arqueológico na área da Usina Hidrelétricade Cachoeira Porteira. Rlatório de Viabilidade, Ms Inédito. Museu Paraense Emílio Gocldi. Belém.

ARAÚIO COSTA, Fcrnanda & PEREIRA, Edithe & SENNA, Cristina S.F. cle. 1986a. Salvamento Arqueológico em Cachoeira Porteira -Trombetas, PA. IN: Anais do V Encontro de Pesquisadores da Amazônia. Protocolo de Integração da Universidades da Amazônia Legal. Universidade do Amazonas. Manaus.

BARATA, Frederico. 1944. Os maravilhosos cachimbos de Santarém In: Estudos Brosìleiros, Vol.13. Rio de Janeiro

BARATA, Frederico. 1950. .A arte oleira dos Tapajó - Considerações sobre a cerâmica e dois tipos de vasos caractcrísticos, Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará. Publicação n° 2. Belém, Pará.

BARATA, Frederico. 1951. A arte oleira dos Tapajó - os cachimbos de Santarém. Revista do Museu Paulista. Nova Série, volume V. São Paulo.

BARATA, Frederico. 1953. A arte oleira dos Tapaió - Alguns elementos novos para a tipologia de Santarém. Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará. Publicação nº 6. Belém, Pará.

BARATA, Frederico. 1953a, Uma análisce estilística da Cerâmica de Santarém . ln: Cullura nº 5. Ministório da Educação e Cultura.

BARATA, Frederico. 1954. O Muiraquitã e as "contas" dos Tapajó. Revista do Museu Paulista. Nova Série, volume VIII. São Paulo.

CONSENS, Mário. Arte rupestre no Pará: Análise de alguns sítios de Monte Alegre. IN: Dédalo. Publicação Avulsa nº 1. São Paulo.

CORRÊA, Concecição Gentil. 1965. Estatuetas cle cerârnica na Cultura Santarém. Museu Paraense Emílio Goeldi, Publicações Avulsas, no 4. Belém.

CORRÊA, Conceição Gentil. 1971. Cerâmica de Santarém. Antologia da Cultura Amazônica, vol. 6:73-77p. São Paulo.

CORRÊA, Concecição Gentil. 1992. Artes de la Amazonia. ln: El Cuarto Continente - eI arte Precolombino. Ed. Fundación "La Caixa", Barcelona.

COUDREAU, Olga. 1901. Voyage au Cuminá. Paris.

COUDREAU, Olga. 1903. Voyoge au Maicuru. Paris.

CRULS, Gastão. 1954. A Amazônia que eu vi. Óbidos-Tumucumaque. Coleção Brasiliana, vol. 113. Ed. Nacional. São Paulo.

DERBY, Orville. 1897/98. O Rio Trombetas. Boletim do Museu Paraense de História Natural e Etnografia, Tomo II, fase. 1-4. Belém.

EASBY, Elizabeth K. 1952. The preconquest art of Santarem, Brazil. University of Columbia. N. York. Mim.

FARIAS, João Balbosa. 1946. A cerâmica da tribo Uaboí dos rios Trombetas e Jamundá. Conselho Nacional de Proteção aos índios.

FIGUEIREDO, Napoleão. 1954. Arte Amazônica I. A cerâmica de Santarém. ln: Habitat nº 15. São Paulo.

FIGUEIREDO, Napoleão. 1963. Os problemas de uma abordagem estrutural em sociedades indígenas extintas na Amazônia: os Tapajó. ln: Revista de Educação e Letras, vol. 1, n° 2. Universidade Federal do Pará. Belém.r

FIGUEIREDO, Napoleão. 1982. Algumas notas sobre a estatueta lítica, coletada no rio Paru (Estado do Pará, Brasil) e pertencente às coleções da Universidade Federal do Pará. CLIO - Revista do Curso de Mestrado em História, nº 5. Recife.

FRIKEL, Protásio. 1961. FasEs culturais E aculturação intErtribal no TumucumaquE. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Nova Série nº 16, Antropologia. Belém.

FRIKEL, Protásio. 1963. Tradição Tribal e Arqueologia no Tumucumaque. Revista do Museu Paulista, Nova Série, vol. XIV. São Paulo.

FRIKEL, Protásio. 1969. Tradition und Archaologie im Tumuk-Humak/Nordbrasilien. Zeitschrift fur Ethnologie, Band 94, Helf1, Braunschweig.

HARTT, Charles Frederick. 1895. Inscrições em rochedos do Brasil. Revista do Instituto Histórico e Arqueológico de Pernambuco, 47:3O1-310.

HARTT, Charles Fredcrick. 1898. Monte Alegre e Ererê,. Boletim do Museu Paraense de História Natural e Etnografia. Tomo II, fasc. 1-4.

HILBERT, Peter Paul. 1955. A cerâmica arqueológica da região de Oriximiná. Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará. Publicação nº 9. Belém, Pará.

HILBERT, Peter Paul. 1955a. Tripods in the lower Amazon. In: Anais do 31º Congresso Internacional de Americanistas, vol.2. São Paulo.

HILBERT, Peter Paul. 1959. Achados arqueológicos num sambaqui do Baixo Amazonas. Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará. Publicação nº 10. Belém, Pará.

HILBERT, Peter Paul & HILBERT, Klaus. 1980. Resultados preliminarcs da pesquisa arqueológica nos rios Nhamundá e Trombetas, baixo Amazonas. Boletim do Museu Paraense Emílìo Goeldi, Antropologia, Nova Série nº 75. Belém.

HILBERT, Peter Paul. 1982. Pottery from the Cuminá river, Brazil and its aflliations with thw Koriabo Phase of Guyana. Journal of Archaeology and Anthropology, Vol.5, Nº 2.

KALKMANN, Ana Lúcia M. & NETO, Antônio Nery da Costa. 1985. Salvamento Arqueológico na região de Porto Trombetas (PA). Primeiro Relatório Preliminar. Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém, Pará.

KATZER, Frederick. 1933. Geologia do Estado do Pará. Boletim do Museu Paraense de História Natural e Etnografìa, vol. IX. Belém.

MENEZES, Ulpiano Toledo de Bezerra. 1912. Arqueologia Amazônica (Santarém). Museu de Arqueologia. Universidade de São Paulo.

NETO, Antônio Nery da Costa & KERN, Dirse CIara. 1985. Salvamento Arqueológico na região de Porto Trombelas.

NETO, Antônio Nery da Costa. 1987. Salvamento Arqueológico na região de Porto Trombetas. IN: Resumos da IV Reunião Científica da Sociedade de Arqueologia Brasileira. Santos, São Paulo.

NIMUENDAJU, Curt. 1949. Os Tapajó. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Tomo X. Belém.

NORDENSKIOLD, Erland. 1930. L'archeologie du bassin de I'Amazone. Arts Americana nº l. Paris.

OLIVEIRA, Carlos Estevão de. 1939. A cerâmica de Santarém. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, nº 3. Ministério da Educação e Saúde. Rio de Janeiro.

PALMATARY, Helen Constance. 1939. Tapajó Pottery. ln: Ethnologisk Studier, nº 8. Goteborg.

PALMATARY, Helen Constance. 1960. The archaeology of fhe Lower Tapajós Valley, Brazil. American Philosophical Society, New Series - Volume 50, part 3. Philadelphia.

ROCHA, Walter C. 1985. Notas sobre uma estatueta lítica arqueológica pré-histórica tapajônica - possíveis correlações culturais. IGH do Amazonas. CODEAMA. Manaus, Amazonas.

RODRIGUES, João Barbosa. 1899. O Muyraquitã e os idolos simbólicos. 2 Vols. Imprensa Nacional. Rio de Janeiro.

ROOSEVELT, A.C.; HOUSLEY, R.A; IMAZIO, M.; MARANCA, S.; JOHNSON, F. 1991. Eighth Millennium Pottery from a Prehistoric shell Midden in the Brasilian Amazon. Science, vo1.254.

SIMÕES, Mário Ferreira. 1976. Nota sobre duas pontas-de-projétil da bacia do Tapajós (Pará). Boletim do Museu Paraense EmíIio Goeldi. Nova Série, Antropologia nº 62. Belém, Pará.

Downloads

Publicado

1994-06-30

Como Citar

PEREIRA, E. . Registros rupestres do noroeste do Pará. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 321–335, 1994. DOI: 10.24885/sab.v8i1.483. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/483. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo