O sítio Furna do Estrago em Pernambuco

uma análise de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v32i2.705

Palavras-chave:

Arqueologia de Gênero, Pré-História, Nordeste

Resumo

O estudo das relações de gênero tem sido incorporado à investigação arqueológica, resultando em pesquisas menos ligadas a suposições ocidentais e mais sensíveis às variações culturais. Sobre o sítio Furna do Estrago, inúmeras pesquisas foram desenvolvidas e essas informações possibilitaram um vasto conhecimento acerca da ritualidade funerária e biologia dessa população, permitindo assim a realização deste trabalho, cujo objetivo foi a identificação de elementos culturais que permitissem fazer inferências sobre relações de gênero. Os resultados da análise sugerem elementos indicadores de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, Márcio M. 2007. A construção das hierarquias sociais: classe, raça, gênero e etnicidade. Cadernos de Pesquisa do CDHIS, Uberlândia, 36/37: 83-88.

ALBERTI, Benjamin. 2001. De género a cuerpo: una reconceptualización y sus implicaciones para La interpretación arqueológica. Intersecciones em Antropología, Buenos Aires, 2: 261-72.

ALENCAR, Rebeca O. 2015. Estudo osteoarqueológico das remodelações articulares nos adultos jovens inumados no cemitério pré-histórico da Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, PE. Dissertação de Mestrado. Recife, Universidade Federal de Pernambuco.

ARNOLD, Bettina. 2006. Gender and archaeological mortuary analysis. In: NELSON, S. M. (Ed.). Handbook of Gender in Archaeology. 2. Ed. Walnut Creek: Altamira Press, pp. 137-170.

ARNOLD, Bettina 2016. Belts vs. Blades: The Binary Bind in Iron Age Mortuary Contexts in Southwest Germany. Journal of Archaeological Methods and Theory, 23: 832–853.

ARNOLD, Bettina.; WICKER, Nancy L. 2001. Gender and the Archaeology of Death. Walnut Creek: Altamira Press.

BELCHER, Ellen H. 2016. Identifying Female in the Halaf: Prehistoric Agency and Modern Interpretations. Journal of Archaeological Method and Theory, 23: 921–948.

BERROCAL, María C. 2009. Feminismo, teoria y práctica de una arqueología científica. Trabajos de Prehistoria, 2(66): 25-43.

BERTELSEN, Reidar; LILLEHAMER, Arnvid; NAESS, Jenny-Rita. 1987. Were they all men? An examination of sex roles in prehistoric society. Stavanger: Arkeologisk Museum I Stavanger.

BINFORD, Lewis. R. 1971. Mortuary Practices: Their Study and Their Potential. Memoirs of the Society for American Archaeology, Approaches to the Social Dimensions of Mortuary Practices, 25: 6-29.

BRUMFIEL, Elisabeth. 1991. Weaving an Cooking: women’s production in ancient Mexico. CONKEY, M; GERO, J. (Ed.) Engendering Archaeology: Women and Prehistory. Oxford, Basil Blackwell, pp. 224-251.

BRUMFIEL, Elisabeth.2006. Methods in feminist and gender archaeology: a feeling for difference – and likeness. In: NELSON, S. M. (Ed.) Handbook of gender in archaeology. 2. Ed. Walnut Creek, Altamira Press, pp.31-57.

CARVALHO, Olívia A. 1992. Espondiólise e variações morfológicas congênitas identificadas na população pré-histórica do sítio Furna do Estrago, Pernambuco. Symposium, Recife, 34: 180 -195.

CARVALHO, Olívia. A. 1995. Análise das anomalias de desenvolvimento na população pré-histórica do sítio Furna do Estrago, Pernambuco, Brasil. Rio de Janeiro, Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro, Escola Nacional de Saúde Pública/ Fundação Oswaldo Cruz.

CASTRO, Viviane M C. 2009. Marcadores de identidades coletivas no contexto funerário pré-histórico no Nordeste do Brasil. Tese de Doutorado. Recife, Universidade Federal de Pernambuco.

CONKEY, Margaret. 2005. Dwelling at the Margins, Action in the Intersection? Feminist and Indigenous archaeologies. Archaeologies, 1: 9-59.

CONKEY, Margaret.; SPECTOR, Janet. 1984. Archaeology and the Study of Gender. Advances in archaeological theory and method, 7: 1-29.

CONKEY, Margaret.; GERO, Joan 1991. Tensions, Pluralities, and Engendering Archaeology: An Introduction to Women and Prehistory. In: CONKEY, M; GERO, J. (Ed.) Engendering Archaeology: Women and Prehistory. Oxford: Basil Blackwell, pp. 3-30.

CRASS, Barbara 2001. Gender and Mortuary Analysis: What Can Grave Goods Really Tell Us? In: ARNOLD, B.; WICKER, N. L. (Ed.) Gender and the Archaeology of Death. Walnut Creek: Altamira Press, pp. 105-118.

DIÁZ-ANDREU, Margarita. 2005. Género y Arqueología: una nueva síntesis. In: SÁNCHEZ ROMERO, M. (ed.) Arqueología y Género. Granada: Universidad de Granada, pp. 13 – 51.

DÍAZ-ANDREU, Margarita. 2005. Gender Identity. In: DÍAZ-ANDREU, M. et al. (Ed.) The Archaeology of identity. New York, Routledge, pp. 13-42.

DÍAZ-ANDREU, Margarita.; SORESEN, Marie Louise. 1998. Excavating women: a history of women in European archaeology. London and New York, Routledge.

DUARTE, Antônio N. 1994. Estudo paleoparasitológico em coprólitos do sítio arqueológico Furna do Estrago, município do Brejo da Madre de Deus, Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

ENGELSTAD, Ericka. 2007. Much More than Gender. Journal of Archaeological Methods and Theory, 14: 217–234.

ESCÓRCIO, Eliane M. 2008. Pescadores-coletores do litoral do estado do Rio de Janeiro: um olhar sobre idade e gênero. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: Museu Nacional-Universidade Federal do Rio de Janeiro.

ESCÓRCIO, Eliane M.; GASPAR, Maria D. 2005. Indicadores de diferenciação social e de gênero dos pescadores-coletores que ocuparam a região dos Lagoas - RJ. Cadernos do LEPAARQ - Textos de Antropologia, Arqueologia e Patrimônio. II (3): 46-64.

ESCÓRCIO, Eliane M; GASPAR, Maria D. 2010. Um olhar sobre gênero: estudo de caso – sambaquieiros do RJ. Revista de Arqueologia. 23(1): 72-87.

ESCORIZA-MATEU, Trinidad; MEDINA, Maria J. L; ORTEGA, Ana D. N. 2008. Mujeres y Arqueología - Nuevas aportaciones desde el Materialismo Histórico. Sevilla: Junta de Andalucía.

FONTOLAN, Marina 2015. Arqueologia subaquática e questões de gênero: uma leitura pós moderna. Dissertação de Mestrado. Campinas: UNICAMP.

FREDEL, Karla M. 2012. Arqueologia de gênero nas cidades de Pelotas/RS-Brasil e Habana Vieja/Habana-Cuba: século XIX. Dissertação de Metrado. Campinas: UNICAMP.

FULKERSON, Tiffany. 2017. Engendering the Past: The Status of Gender and Feminist Approaches to Archaeology in the Pacific Northwest and Future Directions. Journal of Northwest Antrhopology, 51 (1): 1-36.

GASPAR, Maria D.; HEILBORN, Maria L.; ESCORCIO, Eliane M. 2011. A sociedade sambaquieira vista através de sexo e gênero. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia de São Paulo, 21: 17-30.

GERO, Joan 1983. Gender bias in archaeology: a crosscultural perspective. In: GERO, J; LACY, D.M; BLAKEY, M.L. (Ed.). The Socio-Politics of Archaeology. Amherst: University of Massachussetts, pp. 51-57.

GILCHRIST, Roberta. 1994. Gender and material culture: the archaeology of religious women. New York: Routledge.

GILCHRIST, Roberta. 1999. Gender and Archaeology. Contesting the past. London: Routledge.

GOMES, Francisco B. 2011. Arqueologia e Gênero (s): de strange bedfellows a um paradigma de leitura crítica do Passado. Sapiens: História, Património e Arqueologia, 5: 6-30.

HEILBORN, Maria L. 1997. Gênero, Sexualidade e Saúde. Saúde, Sexualidade e Reprodução - compartilhando responsabilidades. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, pp. 101-110.

HOLLIMON, Sandra, E.; CALIFORNIA, J. 1992. Conseqüências da divisão sexual do trabalho entre os nativos americanos: O Chumash da Califórnia e do Arikara das planícies do Norte. In: CLASSEN, C. (Ed.). Exploring Gender Throught in Archaeology, pp. 81-88.

HOLLIMON, Sandra, E. 2006. The Archaeology of Non binary Genders in Native North American Societies. In: NELSON, SARAH (Ed.). Handbook of Gender in Archaeology. Lanham, Nueva York, Toronto, Oxford: Altamira Press, pp. 435-450.

HOLLIMON, Sandra E. 2011. Sex and Gender in Bioarchaeological Research. Theory, Method, and Interpretation. In: S. C. Argawal & B, A, Glencross (Ed.). Social Bioarchaeology. Malden: Wiley-Blackwell, pp. 149-182.

LEITE, Marinete N.; CASTRO, Viviane M. C.; CISNEIROS, Daniela. 2014. Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, PE: Reflexões sobre o lugar dos mortos na paisagem. Fumdhamentos, 11: 50-64.

LIMA, Danúbia V. R. de. 2012. Sobre morte e gênero: uma análise dos papéis de gênero no contexto funerário dos sítios Justino-SE e Furna do Estrago - PE. Dissertação de Mestrado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

LIMA, Jeannette M. D. de. 1984a. Pesquisa arqueológica no município do Brejo da Madre de Deus - Pernambuco. Symposium, 26(1): 9-60.

LIMA, Jeannette M. D. de. 1984b. Arqueologia do Brejo da Madre de Deus, Pernambuco. Clio (Série Arqueológica), 6: 91-94.

LIMA, Jeannette M. D. de. 1985a. Arqueologia da Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus – Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

LIMA, Jeannette M. D. de. 1985b. Arqueologia da Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus – PE. Clio (Série Arqueológica), 7: 97-111.

LIMA, Jeannette M. D. de. 1988. Arqueologia da Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus-Pernambuco. Clio (Série Arqueológica), 7: 07-112.

LIMA, Jeannette M. D. de. 1992. Estudos Zôo e Fitoarqueológicos em Pernambuco. Symposium, 34 (2): 146-179.

LIMA, Jeannette M. D. de. 2001. El sitio arqueológico Furna do Estrago – Brasil: Em uma perspectiva antropológica y social. Tese de Doutorado. México: Universidad Nacional Autônoma de México.

LIMA, Jeannette M. D. de. 2012. A Furna do Estrago no Brejo da Madre de Deus, PE. Antropologia, São Leopoldo: Unisinos, 69.

LIMA, Jeannette. M. D. de; MENDONÇA DE SOUZA, Sheila M. F. 1994. O uso do espaço no cemitério pré-histórico da Furna do Estrago: aspectos demográficos e sócio-culturais. III Congresso da Associação Latino-americana de Antropologia Biológica/ II Congresso da Sociedade Brasileira de Paleopatologia (Programa e Resumos), Rio de Janeiro.

LIMA, Tânia A. 1995. Chá e Simpatia: Uma estratégia de gênero no Rio de Janeiro oitocentista. Anais do Museu Paulista, São Paulo: Nova Série, 3: 129-191.

MARTÍ, Ruth F. 2003. La arqueologia del género: Espacios de mujeres, mujeres con espacios. Cuadernos de trabajos de investigación. Alicante: Espagrafic, 6.

MATEU, Trinidad E. 2006. Desde uma propuesta arqueológica, feminista y materialista. Complutum, 18: 201-208.

MATEU, Trinidad E.; MEDINA, Maria J. L., ORTEGA, A. Navarro. 2009. Mujeres y Arqueología. Nuevas aportaciones desde el materialismo histórico. Junta de Andalucia: Sevilla.

MELLO & ALVIM, Marília C. 1984a. Os esqueletos humanos da Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, Pernambuco, Brasil – Nota Prévia. Symposium, (26) 1: 61-86.

MELLO & ALVIM, Marília C. 1984b. Os esqueletos humanos na Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, Pernambuco. Clio (Série Arqueológica), 6: 95-97.

MELLO & ALVIM, Marília C. 1991. O grupo pré-histórico da Furna do Estrago e suas relações biológicas com outras populações pré-históricas e atuais do Brasil. Clio (Série Arqueológica), 4: 79-83.

MELLO & ALVIM, Marília C; MENDONÇA DE SOUZA, Sheila. M. F. 1983/1984. Os esqueletos humanos da Furna do Estrago - Pernambuco, Brasil – Nota prévia. Arquivos do Museu de História Natural, 8-9: 349-363.

MENDONÇA DE SOUZA, Sheila M. F. 1992. Traumatismos vertebrais como indicadores de atividade física na população da Furna do Estrago, Pernambuco. In: ARAÚJO, A.; FERREIRA, L. F. (Orgs.). Paleopatologia e Paleoepidemiologia: estudos multidisciplinares. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública/ Fundação Oswaldo Cruz, (Panorama ENSP, 4), pp. 123-139.

MENDONÇA DE SOUZA, Sheila M. F. 1995. Estresse, doença e adaptabilidade: estudo comparativo de dois grupos pré-históricos. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública.

MENDONÇA DE SOUZA, Sheila M. F.; MELLO e ALVIM, Marília C. 1992. A população pré-histórica da Furna do Estrago: adaptação humana ao Agreste pernambucano. Symposium, 34 (2): 123-145.

MENEZES, Ana Valéria A. 2006. Estudo dos macro-restos vegetais do sítio arqueológico Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, Pernambuco, Brasil. Dissertação de Mestrado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

MESKELL, Lynn. 2001. Archaeologies of Identity. In: Hodder, Ian. (ed.) Archaeological Theory Today. Cambridge: Polity Press, pp. 187-213.

MONTÓN-SUBÍAS, Sandra. 2014. Arqueologías Engeneradas. Breve introducción a los estudios de género en Arqueología hasta la actualidad. ArqueoWeb, 15: 242-247.

MONTÓN-SUBÍAS, Sandra; MEYER, William. 2014. Engendered Archaeologies. In: SMITH, C. (Ed.). Encyclopedia of Global Archaeology. New York, Heidelberg, Dordrecht, Londres: Springer, pp. 2372-2381.

MORAL, Enrique. 2016. Qu(e)erying Sex and Gender in Archaeology: A Critique of the “Third” and Other Sexual Categories. Journal Archaeological Method and Theory, 23: 788–809.MOTTA, Antônio. 2008. À flor da pedra: formas tumullares e processos sociais nos cemitérios brasileiros. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Ed. Massangana.

NAVARRETE, Rodrigo. 2010. Excavando mujeres en y desde el sur: aproximaciones a la arqueología feminista en Latinoamérica. Revista venezolana de estudios de la mujer, 15(34): 75-104.

O’SHEA, John M. 1984. Mortuary variability: an archaeological investigation. Orlando: Academic Press.

PAGNOSSI, Nádia C. 2013. A arqueologia de gênero e suas aproximações com a história. Monografia. Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia.

PAGNOSSI, Nádia C. 2017. Construindo uma Arqueologia de Gênero. Revista de Arqueologia Pública, 11: 50-66.

PEARSON, Michael P. 1982. Mortuary practices, society, and ideology: An ethnoarchaeological study. In: HODDER, Ian (Ed.) Symbolic and Structural Archaeology. Cambridge: Cambridge University Press, pp.99-113.

PESSIS, A. M. 2005. Arqueologia de gênero: teoria e fato arqueológico. Clio (Série Arqueológica), 18: 11 – 25.

RIBEIRO, Loredana. 2017. Crítica Feminista, Arqueologia e Descolonialidade: Sobre Persistir na Ciência. Revista de Arqueologia, 30(1): 210-234.

RODRIGUES-CARVALHO, Cláudia 1997. Perfil dento-patológico nos remanescentes esqueletais de dois sítios pré-históricos brasileiros: o cemitério da Furna do Estrago (PE) e o sambaqui de Cabeçuda (SC). Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz.

SAXE, Arthur. 1970. Social dimensions of mortuary practices. Tese de Doutorado. Ann Arbor University of Michigan.

SCHAAN, Denise. P. 2001. Estatuetas Antropomorfas Marajoara: O Simbolismo de Identidades de Gênero em uma Sociedade Complexa Amazônica. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, 17(2): 437-477.

SCHAAN, Denise. P. 2003. Investigando gênero e organização social no espaço ritual e funerário Marajoara. Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira.

SCHMITZ, Pedro. I. 2014. Um grande sítio do agreste pernambucano: de volta a Furna do Estrago. Clio (Série Arqueológica), 29(2): 31-56.

SCOTT, Joan. W. 1990. Gender: a useful category of historical analyses. Gender and the politics of history. New York: Columbia University Press.

SENE, Glaucia. A. M. 2007. Indicadores de gênero na pré-história brasileira: contexto funerário, simbolismo e diferenciação social. O sítio arqueológico Gruta do Gentio II, Unaí, Minas Gerais. Tese de Doutorado. São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia-Universidade de São Paulo.

SENE, Glaucia. A. M. 2017. Pela materialidade dos gêneros: repensando dicotomias, sexualidades e identidades. Revisa de Arqueologia – Especial: Crítica feminista e arqueologia, 30(2):162-175.

SILVA, Sérgio. F. S. M. 2005-2006. Terminologias e classificações usadas para descrever sepultamentos humanos: exemplos e sugestões. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 15-16: 113-138.

SILVA, Sérgio. F. S. M; CASTRO, Viviane. M. C., LIMA, Danúbia. V. R. de. 2011. Arqueologias do corpo e da sexualidade: possibilidades de estudos sobre morte e gênero na arqueologia brasileira. Clio (Série Arqueológica), 26(1): 49-91.

SILVA, Sérgio. F. S. M.; CASTRO, Viviane. M. C. 2018. Body, Sex and Gender in Archeology: Revisiting Some Multidisciplinary Aspects. Revista Habitus - Revista do Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia, Goiânia, 16(1):140-161

SPRAGUE, Roderick. 1968. A suggested terminology and classification for burial description. American Antiquity, 33 (4): 479-485.

STRATTON, Susan. 2016. “Seek and you Shall Find.” How the Analysis of Gendered Patterns in Archaeology can Create False Binaries: a Case Study from Durankulak. Journal of Archaeological Method and Theory, 23: 854–869.

TAINTER, Joseph A. 1978. Mortuary practices and their study of prehistoric society. In: SCHIFFER, M. B. Advances in Archaeological Method and Theory, 1.

WILKIE, Laurie; HAYES, Katherine. H. 2006.Engendered and Feminist Archaeologies of the Recent and Documented Pasts. Journal of Archaeological Research, 14: 243–264.

Downloads

Publicado

2019-12-30

Como Citar

LIMA, D. V. R. de; CASTRO, V. M. C. de; MORAES, F. A. de A. O sítio Furna do Estrago em Pernambuco: uma análise de gênero. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 32, n. 2, p. 104–118, 2019. DOI: 10.24885/sab.v32i2.705. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/705. Acesso em: 16 ago. 2022.