A produção cesteira e de cordoarias na pré-história do Cariri paraíbano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v32i1.631

Palavras-chave:

Cestaria, Índios Cariri, Boqueirão-PB

Resumo

Este artigo apresenta os resultados das análises de quinze amostras de cestarias e cordoarias encontradas num abrigo com sepultamentos secundários, o sítio Pedra da Tesoura, localizado no Distrito do Marinho, Boqueirão-PB. A técnica mais comum foi o trançado torcido aberto, observada em treze das amostras analisadas. A técnica cruzada aparece residualmente numa amostra em que a visualização é relativamente ambígua. Aparentemente a técnica torcida predominou pelo Nordeste brasileiro, haja vista sua recorrência em conjuntos provenientes de outros sítios da região. Não obstante o caráter vestigial do registro arqueológico, criticamente acentuado no caso de achados orgânicos, é importante ressaltar uma aparente descontinuidade, na medida que exemplares observados em museus, confeccionados por grupos indígenas da região, são construídos primordialmente com a técnica cruzada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADOVASIO, J. D. 1977. Basketry technology: a guide to identification and analysis. Chicago, Aldine.

COSTA, R. L. 2016. Palha e Tala: Estudo da tecnologia do trançado entre grupos pré-históricos brasileiros. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

COSTA, R. L.; LIMA, T. A. 2016. A arte e a técnica de trançar na pré-história de Pernambuco: A cestaria dos sítios Alcobaça e Furna do Estrago. Clio (Série arqueológica), Recife, 31(2): 102-152.

COSTA, R. L.; LIMA, T. A. no prelo. Artefatos trançados na pré-história do Sul do Brasil: persistências e rupturas tecnológicas em tempos históricos. Revista do MAE. N. 30.

EMERY, I. 2009. The primary structures of fabrics: an illustrated classification. London, Thames & Hudson. 368 pp.

GOMES, G. C. 2015. Sobre o saber, o fazer e o trançar: arte, técnica e recorrência do trançado de fibras do Estado do Piauí. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Piauí. 155 pp.

GUSS, D. M. 1990. To weave and sing: art, symbol and narrative in the South American Rain Forest. Berkeley and Los Angeles, University of California Press. 274 pp.

HOHENTHAL JR.,W. D. 1960. As tribos indígenas do Médio e Baixo São Francisco. Rev. do Museu Paulista,12:37-86.

HURLEY, W.M. 1979. Prehistoric cordage: identification of impressions on pottery. Chicago, Aldine. 155 pp.

INGOLD, T. 2000. The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. London, Routledge, 479 pp.

KINNEAR-FERRIS, S. 2007. A Dated Split-Twig Figurine from Western Colorado. Kiva. 72 (3):345-352.

LIMA, J. M. D. 1986. Arqueologia da Furna do Estrago, Brejo da Madre de Deus, Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Recife, Universidade Federal de Pernambuco. 143 pp.

LIMA, J. M. D. 2012. A Furna do Estrago no Brejo da Madre de Deus. Pesquisas – Antropologia. 69:5-108.

LIMA, D.V. R. de; MORAES, F. A. de Aguiar; SANTOS, J. S.; SANTOS JÙNIOR, V. dos. 2017. O cemitério furna dos ossos em Santana do Matos-RN: Estudos preliminares dos restos osteológicos humanos encontrados em superfície. Clio Arqueológica. 32(2):17-47.

MARTIN, G. 2008. Pré-história do Nordeste. Recife, Ed. Universitária (UFPE).

MASLOWSKI, R. 1996. Cordage twist and Ethnicity. In: PETERSEN, J. (eds.) A Most Indispensable Art: Native fiber industries from Eastern North America. University of Tenesse Press, pp. 88-98.

MASON, O. T. 1904. Aboriginal American Basketry: studies in a textile art without machinery. Washington, Smithsonian Institution. 634 pp.

NASCIMENTO, A.; ALVES, C.; LUNA, S. 1995-1996. O Sítio Arqueológico Alcobaça, Buíque – Pernambuco: primeiros resultados. Clio, Série Arqueológica. 11:87-98.

NASCIMENTO, A. 2001. O sítio arqueológico Alcobaça, PE-Brasil: Estudo das estruturas arqueológicas. Tese de Doutorado. Recife, Universidade Federal de Pernambuco. 286 pp.

NEWTON, D. 1971. Social and historical dimensions of Timbira material culture. Tese de Doutorado. Cambridge, Harvard University. 342 pp.

PINTO, E. 1956. Etnología brasileira: Fulniô, os últimos Tapuias. São Paulo, Editora Nacional. 305 pp.

REICHELL-DOLMATOFF, G. 1985. Basketry as metaphor: arts and crafts of the Desana Indians of the Northwest Amazon. Los Angeles, University of California. 96 pp.

RIBEIRO, B. G. 1987. A arte de trançar: dois macro estilos, dois modos de vida. In: RIBEIRO, D. Suma Etnológica Brasileira: Tecnologia indígena, vol. II. Rio de Janeiro, FINEP/Vozes. 283 -321pp.

SCHWARTZ, D. S.; LANGE, A. L.; DESAUSSURE, R. 1958. Split-Twig Figurines in the Grand Canyon. American Antiquity. 23(3):264-274.

SILVA, F.A. 2009. A variabilidade dos trançados dos Asurini do Xingu: uma reflexão etnoarqueológica sobre função, estilo e frequência dos artefatos. Revista de Arqueologia. 22(2):17-34.

VAN VELTHEM, L. H. 2007. Trançados indígenas norte amazônicos: fazer, adornar, usar. Revista de Estudos e Pesquisas (Fundação Nacional do Índio). 4:117-146.

Downloads

Publicado

2019-06-25

Como Citar

COSTA, R. L.; MORAES, F. A. de A. A produção cesteira e de cordoarias na pré-história do Cariri paraíbano. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 32, n. 1, p. 207–221, 2019. DOI: 10.24885/sab.v32i1.631. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/631. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo