Sobre arqueologias da escravidão e da liberdade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v34i1.817

Resumo

O que é, hoje, o normal? Quando olhamos para um passado agora distante, vemos o reflexo de um futuro que ainda acontece no nosso cotidiano. É assim que nos sentimos ao acompanhar uma obra de referência como o livro organizado por Luis Cláudio Pereira Symanski e Flávio dos Santos Gomes, intitulado Arqueologias da Escravidão e Liberdade: Senzalas, Cultura Material e Pós-Emancipação na Fazenda do Colégio, Campos dos Goytacazes, Séculos XVIII a XX; editado pela recente Brazil Publishing, no ano de 2019. O livro é um estudo muito bem organizado sobre os resultados de várias pesquisas arqueológicas e históricas sobre um mesmo objeto de estudo, a fazenda do Colégio dos Jesuítas. Esse sítio foi o principal empreendimento escravagista no norte canavieiro fluminense que manteve em cativeiro cerca de duas mil pessoas até o último quartel do século XVIII.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

SYMANSKI, Luis Cláudio Pereira; GOMES, Flávio dos Santos. (ed.) Arqueologias da Escravidão e Liberdade: Senzalas, Cultura Material e Pós-Emancipação na Fazenda do Colégio, Campos dos Goytacazes, Séculos XVIII a XX. Curitiba: Brazil Publishing, 2019. DOI:10.31012/978-65-5016-272-6.

Downloads

Publicado

2021-01-31

Como Citar

COSTA, D. M. Sobre arqueologias da escravidão e da liberdade. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 34, n. 1, p. 292–295, 2021. DOI: 10.24885/sab.v34i1.817. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/817. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Resenha