Para além dos objetos

experiências, narrativas e materialidades em processos de Musealização da Arqueologia e do patrimônio cultural indígena

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24885/sab.v33i3.854

Palavras-chave:

Musealização da Arqueologia, patrimônio cultural Indígena, mediação

Resumo

Por meio de um processo de musealização do patrimônio arqueológico e Indígena Iny-Karajá, envolvendo coisas, paisagens, imagens, narrativas e experiências do projeto “Rio Araguaia: lugar de memórias e identidades”, discutimos algumas potencialidades e desafios da musealização da arqueologia. Com foco na ação educativa realizada com público escolar não indígena, em visitas à exposição do projeto no Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (UFG), evidenciamos a presença de estereótipos e silenciamentos acerca dos povos indígenas no imaginário das/os estudantes, bem como apontamos os esforços para a construção de uma mediação voltada à reversibilidade dessas visões. Defendemos que a musealização da arqueologia deve assumir abertamente seu compromisso na luta antirracista, considerando que suas narrativas dizem respeito aos povos indígenas e a outros povos colonizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AIDAR, Gabriela. Museus e Inclusão Social. Ciências & Letras – Revista da Faculdade Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras, n 31, 2002. p. 53-62. ISSN 0102-4868.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 1996. (Título V, Seção III Ensino Fundamental). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 27 ago. 2020.

BRASIL. Diretrizes Curriculares para o ensino fundamental de 1996. Brasília, 1996. Título V, Seção III Ensino Fundamental). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 29 ago. 2020.

BRUNO, Maria Cristina. Oliveira. Museologia: Algumas Idéias para a sua Organização Disciplinar. Cadernos de Sociomuseologia Nº 9. 1996.

BRUNO, Maria Cristina. Musealização da Arqueologia - alguns subsídios. Texto digitado, 2007.

BRUNO, Maria Cristina. Museus, identidades e patrimônio cultural. In: Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Suplemento 7, 2008. ISSN 2594-5939.revmaesupl.2008.113503. DOI: https://doi.org/10.11606.

CARNEIRO, Carla Gibertoni. Ações educacionais no contexto da Arqueologia preventiva: uma proposta para a Amazônia. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

CLIFFORD, James. Colecionando arte e cultura. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 23, 1994, p. 69-89. Publicado original em 1993.

COIMBRA, Carlos Alberto Quadros; CAZELLI, Sibele; FALCÃO, Douglas; VALENTE, Maria Esther. Tipos de audiência segundo a autonomia sociocultural e sua utilidade em programas de divulgação. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, n. 188, p. 113-124, 2012.

CURY, Marília Xavier. Metamuseologia? reflexividade sobre a tríade musealia, musealidade e musealização, museus etnográficos e participação indígena. Revista Museologia & Interdisciplinaridade, v. 9, 2020, p. 129-146. ISSN 2238-5436. DOI 10.26512/museologia.v9i17.29480.

GOIÂNIA. Proposta Político-Pedagógica para a Educação Fundamental da Infância e da Adolescência. Secretaria Municipal de Educação e Esporte, Superintendência Pedagógica e de Esportes, Diretoria Pedagógica, Gerência da Educação Fundamental da Infância e da Adolescência. Goiânia/GO, 2016.

IBGE. Aruanã. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: Rio de Janeiro, 2020. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/aruana/panorama. Acesso em: 01 set. 2020.

KARAJÁ, Txiarawa. Conhecimentos da minha Cultura. Revista Articulando e Construindo Saberes, Vol. 1, nº 1, Editora: UFG, 2016. DOI: https://doi.org/10.5216/racs.v1i1.43005. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/racs/article/view/43005/21546. Acesso em: 01 set. 2020.

LIMA FILHO, Manuel Ferreira. Entre a paixão e a técnica: reflexões sobre o processo de identificação e demarcação das terras dos Karajá de Aruanã (GO). In: SOUZA E LIMA, Antônio C.; BARRETO FILHO, Enyo T. (org.). Antropologia e Identificação. Rio de Janeiro: Contracapa, v. 1, p. 323-353, 2005.

LIMA FILHO, Manuel Ferreira. Karajá de Aruanã. In: MOURA, Marlene C. O. (org.). Índios de Goiás: uma perspectiva histórico cultural. Goiânia: Ed. da UCG/Kelps; Vieira, p. 135-152, 2006.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. A antropologia, entre patrimônio e museus. Ponto Urbe [Online], n. 13, São Paulo, 2013. ISSN electrónico 1981-3341. DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.680. Disponível em: http://pontourbe.revues.org/680. Acesso em: 08 fev 2020.

MORAES-WICHERS, Camila Azevedo. Dois enquadramentos, um mesmo problema: os desafios da relação entre museus, sociedade e patrimônio arqueológico. Revista de Arqueologia, v. 26, n. 2; v. 27, n. 1, p.16-39. 2013/2014. ISSN 0102-0420 - Versão Impressa. ISSN 1982-1999 - Versão Online. DOI: https://doi.org/10.24885/sab.v26i2/1.380.

MORAES-WICHERS, Camila Azevedo. Museologia, feminismos e suas ondas de renovação. MUSEOLOGIA & INTERDISCIPLINARIDADE Vol. 7, nº13, jan./ jun. de 2018. DOI: https://doi.org/10.26512/museologia.v7i13.17781.

MORAES-WICHERS, Camila Azevedo. Sobre a musealização de acervos Iny-Karajá: desafios e possibilidades para uma prática decolonial. HABITUS, v.17, p. 53- 6, 2019. ISSN 1983-7798. DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v17i1.7258.

PASSOS DOS SANTOS, Karlla Kamylla. Ações Educativas e seus Públicos: Museu de Arte Contemporânea, Museu Antropológico e Museu de Morfologia. 2016, p. 116. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Museologia) – Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2016.

PASSOS DOS SANTOS, Karlla Kamylla. Territórios pouco explorados: os registros de visitantes em livros de comentários da Casa da Ciência e Museu Ciência e Vida. Dissertação (Mestrado em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz, Fiocruz. Rio de Janeiro, 2019. nº 1. 188 f.: il: tab.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, p. 117-142. 2005.

RIBEIRO, Diego. A Musealização da Arqueologia: um estudo dos Museus de Arqueologia de Xingó e do Sambaqui de Joinville. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Arqueologia do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, 2012.

SILVA, Luzia A. P.; MORAES-WICHERS, Camila A. Aproximando pessoas e coisas: kits de objetos arqueológicos como recursos pedagógicos e de mediação sensorial In: IPHAN. Caderno Temático 6 - Educação Patrimonial: práticas e diálogos interdisciplinares. João Pessoa: IPHAN-PB; Casa do Patrimônio da Paraíba, 2017, p. 105-119.

VELTHEM, Lucia Hussak Van; KUKAWKA, Katia; JOANNY, Lydie. Museus, coleções etnográficas e a busca do diálogo intercultural. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 12, n. 3, p. 735-748, set.-dez. 2017. ISSN 2178-2547. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1981.81222017000300004.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

MORAES-WICHERS, C. A. de; PASSOS DOS SANTOS, K. K.; SÁ, A. de; BELTRÃO DE OLIVEIRA, T. Para além dos objetos: experiências, narrativas e materialidades em processos de Musealização da Arqueologia e do patrimônio cultural indígena. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 33, n. 3, p. 104–123, 2020. DOI: 10.24885/sab.v33i3.854. Disponível em: https://revista.sabnet.org/ojs/index.php/sab/article/view/854. Acesso em: 7 ago. 2022.